O voto do agro em 2018, por Rui Daher

O voto do agro em 2018, por Rui Daher

Penso muito se algum país do planeta transformou seu sistema judicial centrado apenas em base a delações premiadas. Não encontro nenhum e conto com sugestões. Pode virar panaceia de vizinhos, síndicos com empregadas domésticas, pintores de parede com quem segura a escada. Depois do tombo:

– Porra, você se distraiu e soltou, confessa ou diz quem foi que eu te dou o telefone da moreninha do segundo andar.

– É pouco. Quero também o da loirinha do quinto.

Numa sociedade assim como sair com propostas à esquerda ou direita? Ou como justificar uma economia bombardeada, alto desemprego, queda de renda e investimentos, e o índice Bovespa a 72 mil pontos? Simples: bundas empresariais sentadas no rentismo.

Reconheço aqui no GGN, diariamente, dezenas de textos bem elaborados, porém muito mais críticos dos acontecimentos passados e presentes do que propositivos. É quando esmoreço.

O acordo secular de elites foi hábil, embora tenhamos facilitado muito sua tarefa. Diria que, mais cedo ou tarde, desde 2003, estava na cara que o projeto de inserção social seria interrompido, de uma forma ou outra. O poder econômico manipula a seu bel prazer as instituições de Estado.

Desde criança, eu trilhei caminhos orientado pela Seleções Reader’s Digest e sua seção “Rir é o melhor remédio”. É quando me animo.

A edição de setembro da revista Globo Rural apresenta a matéria “Como será 2018? Confira as previsões de 50 líderes do agro”.

Não percam tempo procurando meu nome lá. Não encontrarão. Sou líder de coisa nenhuma, escrevo para CartaCapital e GGN, e por isso apanho da esquerda quando o tema é agronegócio, e da direita quando defendo a agricultura familiar. Sou identificado como do MST. Não pertenço ao movimento, mas se tivesse que escolher estaria ao lado do último.

O que são líderes do agro? Se você pensou em alguma dupla sertaneja entre eles, errou. São membros da FIESP, empresários de grandes empresas nacionais, multinacionais e bancos, presidentes e diretores de associações de classe patronais. Bem, vocês já entenderam, nenhum caboclo, caipira, campesino, pescador ou sertanejo.

https://www.youtube.com/watch?v=7xiaVv5EsnE]

É quando chegam nas páginas internas, tantarantantantan, “As apostas do setor”. O chute de cada um para inflação, juros, dólar, safra, PIB, e novo repique, tantarantantantan, o voto para presidente.

Curiosos para saberem o resultado? Não, né? Já mataram. Mas vamos lá:

Geraldo Alckmin                            17 votos

João Dória                                       9 votos

Henrique Meirelles                        2 votos

Joaquim Barbosa, Jair Bolsonaro, Marina Silva, Ronaldo Caiado, Álvaro Dias (1 voto cada).

Dezessete líderes preferiram não opinar. Petistas, sulistas, separatistas? Creio que não. Certeza de que não haverá eleições em 2018? Talvez. Medo da “mordida” no período da campanha eleitoral? Provável.

De qualquer forma, 2/3 do agro vota à direita. Puta novidade! E vocês acham que eles irão me chamar para qualquer coisa?

[video:https://www.youtube.com/watch?v=DDOQ-A2N-8I 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 comentários

  1. Proposição (a seu pedido)

    Amigo Rui,

    A agro, na política, é caso perdido, natimorto.

    Mudando o foco, você pede menos engenharia de obra pronta e mais geração de alternativas, com razão. Mas, já sai do partidor desanimado e me desanima também, com razão. Mas, para não fugir ao seu singelo apelo aqui vai minha contribuição.

    Fora aquela revivida pelas vivendeiras, não sobra outra a propor além da opção do povo brasileiro por qualquer canditado à esquerda. Lula, e se o seu juiz apitar impedimento qualquer gandula que Lula apontar, outro poste. Não vai melhorar nada, mas pelo menos vocês terão o prazer de ver coxinhas e golpistas se remoerem de raiva.

    Quanto a mim, vou para o Plano B. Eu só estou esperando duas coisas, Em primeiro, mais uma safra boa para recuperar um pouquinho o valor da terra e vender meus campos, Na sequência, ou antes se Deus ajudar um ateu, vou só esperar o sogro bater as botas – afinal, porco gordo e sogro rico só dão lucro quando morrem – para pegar minha parte e ir embora para Portugal. Graças aos meus avós, sou cidadão da Terrinha e para lá é que eu vou.

    Ei, isso me lembrou do seu colega vivandièr, o Mario Amato, lembra?

    Abraços.

    Ps.: não xinga nem bota a mãe no meio como da outra vez

  2. o….

    Caro sr.Rui, o Brasil é o país dos Representantes que nada representam. Nossa farsa democrática. Ditadura travestida de Democracia. Estes da foto, invenção da Esquerda Tupiniquim. Frutos da República da USP, cria de Mario Covas. Ou os tais algum dia foram de Direita? Falta de pincipios democráticos nos jogam aos extremos. É nossa História. Poderíamos estar dialogando com José Alencar (quando vivo), Katia Abreu, Flavio Dino…Gente com capacidade além de suas convicções ideológicas. Mas não. Dória, Bolsonaro, D. Sebastião ou o caos. Ou tudo junto e misturado. 1964 é eterno no nosso Republicanismo. Aprendemos alguma coisa? Veremos. Quanto às figuras do Agro, se não o chamaram, estão mal informados. O Empresariado mais capacitado, sabe das suas finanças. E do que falam e comem seus funcionários na hora do almoço. Garanto que a turma do Agro, quer Lula com mais democracia, com mais liberdade, com suas visões, necessidades e opiniões mais ouvidas e respeitadas. O Brasileiro quer ser ouvido e verdadeiramente mandar. Não quer Salvadores. Nem na cidade, nem no campo. (P.S. Arborização em Petrolina. Estes tipos de Ecologistas, que enxergam que o Meio Ambiente Nacional começa pelos Brasileiros, representam este país e democracia que todos queremos) abs.   

  3. o….

    Caro sr.Rui, o Brasil é o país dos Representantes que nada representam. Nossa farsa democrática. Ditadura travestida de Democracia. Estes da foto, invenção da Esquerda Tupiniquim. Frutos da República da USP, cria de Mario Covas. Ou os tais algum dia foram de Direita? Falta de pincipios democráticos nos jogam aos extremos. É nossa História. Poderíamos estar dialogando com José Alencar (quando vivo), Katia Abreu, Flavio Dino…Gente com capacidade além de suas convicções ideológicas. Mas não. Dória, Bolsonaro, D. Sebastião ou o caos. Ou tudo junto e misturado. 1964 é eterno no nosso Republicanismo. Aprendemos alguma coisa? Veremos. Quanto às figuras do Agro, se não o chamaram, estão mal informados. O Empresariado mais capacitado, sabe das suas finanças. E do que falam e comem seus funcionários na hora do almoço. Garanto que a turma do Agro, quer Lula com mais democracia, com mais liberdade, com suas visões, necessidades e opiniões mais ouvidas e respeitadas. O Brasileiro quer ser ouvido e verdadeiramente mandar. Não quer Salvadores. Nem na cidade, nem no campo. (P.S. Arborização em Petrolina. Estes tipos de Ecologistas, que enxergam que o Meio Ambiente Nacional começa pelos Brasileiros, representam este país e democracia que todos queremos) abs.   

  4. o…

    Só mais uma coisa. Enquanto, depois de décadas, discutimos se o Agronegócio,ou Agropecuária ou Agricultura Familiar é uma atividade excelente e excepcional ao país, a Ford, Caterpillar, John Deere, GM, Mercedez, Bungle, Monsanto, Basf, Bayer, Cargill, MF, Pfizer….tem certeza disto. Mesmo sem ter dúvidas, se esbaldam. Às custas dos nossos eternos vacilo e ignorãncia. Há alguns poucos anos, lembro de ficar surpreso com uma Colheitadeira (multinacional estrangeira) estar custando 100 mil dólares. Como podem? Como ganham tanto dinheiro às nossas custas? Hoje, chegam a custar mais de 1 milhão,  1 milhão e meio de dólares. É muito fácil lidar com Inocentes. abs.   

  5. Rir é o unico remédio

    Se foi leitor da Reader’s, então aprendeu que resiliência, bondade, amor ao proximo, altruismo, temperança, polianismo são tudo na vida 🙂

    Esse negocio do “agro” não tem salvação. Serão, ainda por muito tempo, apoiadores de Caidos e cia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome