A Ocupação 9 de Julho em tempos de “Bozofascismo”, por Armando Coelho Neto

Como dizem os advogados Antonio Sergio Escrivão Filho e Darci Frigo, há domínio de forças conservadoras no aparelho de estado que usam mecanismos seletivos e simultâneos contra movimentos sociais

Foto FNA

A Ocupação 9 de Julho em tempos de “Bozofascismo”

por Armando Rodrigues Coelho Neto

Um menor de idade está amarrado no poste, enquanto policiais militares de São Paulo lhe dão socos no estômago. Foi assim que a notícia me chegou. “Delegado Armando, venha até aqui”, me diz um adolescente por meio de uma ligação telefônica a cobrar. Corri até a varanda. As câmeras de celulares, até então, não eram tão comuns, e, da altura em que estava não me era possível observar detalhes. Mas, vi o bastante para não esquecer. Gritei, “parem”, só para que percebessem que estavam sendo observados. Entre trocar de roupa e descer, os garotos foram levados para o 4º Distrito Policial (Consolação, São Paulo/SP). O caso foi parar na corregedoria da PM/SP e… melhor nem saber…

O episódio do adolescente, cujo crime teria sido estar tocando pagode tarde da noite, na Ocupação 9 de Julho – São Paulo, foi apenas um capítulo a mais em minha superficial, porém intensa ligação com o Movimento Sem Teto do Centro (MSTC). Lá, há décadas, conheci Carmem Silva, a quem trato por “guerreira” – procurada pela Justiça, enquanto sua filha, Preta Silva, está presa junto com o irmão. A prevalecer o tratamento dado ao adolescente, tenho razões de sobra para desconfiar da seriedade do processo, nessa fase nebulosa do Judiciário, na qual juiz ladrão não é mais retórica de futebol. Pilantra, vira herói, ministro, é candidato à Suprema Corte, com relações promíscuas e traiçoeiras com os Estados Unidos.

Ontem, 25 de agosto, teve almoço na Ocupação. Festa bem organizada, cada vez mais com gente bonita e engajada. Como disse um dos sem teto, “tá vindo gente que come três vezes por dia, não come queijo vencido do mercado Vovó Zuzu”(*). Compra no Pão de Açúcar, mesmo”. Gente, digo eu, que pelas leis bolsopatas deveria estar dando pernada no Shopping Higienópolis, onde cuidadores de Poodle usam roupa da mesma cor dos cãezinhos. Pelas leis bolsopatas, gente que deveria se declarar contra o assistencialismo, como fez a mulher do Marreco de Maringá. Segundo o UOL, escoltada pela PF, acompanhada de uma empresária do ramo de joias, a “conja” estaria portando uma bolsa Gucci.

A portaria da Ocupação estava livre, ontem. No dia a dia, porém, as entradas e saídas de moradores e visitantes são controladas. Entrar ou sair tem registro da hora, e quem chega após uma hora da manhã não entra, precisa esperar até às cinco da manhã. Perturbadores da ordem são advertidos e expulsos. Recentemente, houve uma vaquinha para mandar de volta para Alagoas um desses indisciplinados. A cozinha foi doada por artistas, há uma salinha ocupada por alguns integrantes do grupo Jornalistas Livres. Paredes decoradas, com registro de fotos de eventos políticos e culturais, textos bilíngues em paredes, eis o cenário de uma “organização criminosa”.

Quem paga as vassouras que limpam o local? Quem paga o sabão e o detergente com os quais são lavados os utensílios? Quem paga os porteiros que trabalham dia e noite zelando pela segurança? Quem paga cópia e impressão de currículo de quem procura emprego? Quem paga taxa para obtenção de um documento? Quem ajuda o coitado que quer ir a um protesto, mas não tem nem passagem nem comida? Quem paga a ajuda de quem para quem, senão eles próprios? Quem tem mais paga mais, menos paga menos, quem nada tem paga nada. Eis a razão pela qual contribuições são necessárias, destinadas à manutenção da causa.

Em maio do ano passado, por ocasião do incêndio numa das ocupações do Centro de São Paulo, deixei neste GGN meu testemunho do que vi no MSTC. Histórias de migrantes, de mulheres espancadas e abandonadas, dependentes químicos, gente pobre, sofrida, desempregada. Presenciei reuniões, depoimentos, festas, assisti atividades que incluíam desde esportes como capoeira à produção de alimentos como pães, bolos. Vi o esforço aguerrido do movimento, seja na luta por moradia, seja na luta contra o golpe sujo com Supremo e tudo, com as covardes Forças Armadas monitorando o MST (sem que as exceções se manifestem).

Testemunhei desocupações forçadas, violentas e desumanas promovidas pela PM/SP, algumas com requintes de crueldade, já que ocorriam propositadamente em dias de frio ou chuva e à noite, de forma a neutralizar reações, provocar dispersão desesperada, nas quais mulheres com crianças de colo corriam desesperadas. Onde estava a grande imprensa e as instituições? Do lado policialesco, claro! Para defender um imóvel abandonado, exposto a ratos, baratas, matagal, doenças como dengue, sem finalidade social. Claro! A especulação imobiliária não quer vender nada num local com vizinhos pobres por perto. Os donos de restaurantes “finos” das redondezas não querem essa moldura para o belo quadro que seus clientes se presumem ser.

Na Ocupação 9 de Julho há clara atividade comunitária e solidária, por meio da qual pessoas, política e pacificamente organizadas, tentam suprir uma função do Estado, e, ao mesmo tempo, cobram desse mesmo Estado, que cumpra a função social da propriedade, tal como prescrita na Constituição Federal (O art. 5°, inciso XXIII). Entretanto, tem predominado a visão policialesco-fascista bem ao estilo do adolescente preso ao posto levando soco no estômago. Visão, aliás, com endosso de um Judiciário bolsopata e lampejos de sabujices na linha “DD Dinheirol” e do Marreco de Maringá.

Com o advento do “bozofascismo”, cresce a criminalização dos movimentos sociais. Como dizem os advogados Antonio Sergio Escrivão Filho e Darci Frigo, há domínio de forças conservadoras no aparelho de estado que usam mecanismos seletivos e simultâneos contra movimentos sociais, “como prisões, inquéritos policiais, ações criminais, ameaças… num processo de desmoralização e satanização dos movimentos sociais, orquestrado por meios de comunicação”.

Ainda que existam ocupações sinistras e duvidosas, que precisam ser investigadas, não parecer ser o caso da Ocupação 9 de Julho e de outras. A Justiça, antes cega, está surda e paraplégica.

Armando Rodrigues Coelho Neto – jornalista e advogado, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-integrante da Interpol em São Paulo.

*Vovó Zuzu é um mercado popular que pontualmente faz promoção de produtos prestes a vencer.

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Maura Vilar

- 2019-08-26 23:52:29

Que legal Armando, Vc se superou no realismo... Concordo com tudo que Vc escreveu... Meu querido Brasil, o que fizeram conosco?

AMORAIZA

- 2019-08-26 12:37:49

Nada tão medonho e indigno quanto o abandono do estado às vítimas do incêndio do prédio da PF no largo do Paissandú. Não é compreensível que um delegado, um promotor de justiça ou um juiz acredite que sem contribuição conjunta um grupo tenha condições de habitar um prédio abandonado garantindo segurança, manutenção e habitabilidade. Não é humano acusar as vítimas do estado pelo abandono que o próprio estado lhes proporciona e ainda querer encarcerar as suas vítimas por isso. Isso é ódio na veia! O agripino dória, então simpático e sorridente prefeito eleito, fez questão de deixar ao relento todas as famílias sinistradas sem permitir que se lhes oferecesse sequer um banheiro químico. O presidento usurpador veio mostrar a sua cara no apagar do incêndio apenas para ver se melhorava para 2% a sua aprovação popular. Temos governantes doentes de outrofobia - a fobia pelo outro, no dizer de Alex Castro, e muitos de nós também estão ficando outrofóbicos. * https://alexcastro.com.br/category/livros/outrofobia/ * Mas São Paulo resiste, sendo desmembrada dia a dia, nas suas ruas sujas, suas calçadas esburacadas, nos seus pedintes e nos drogadictos, nos desempregados sem teto, nos seus prédios abandonados e pichados, na sua população flutuante de milhares a partir das 7 da noite, quando as ruas viram cenário de walking dead.

Maria Luisa

- 2019-08-26 10:32:39

Converso com uma promotora estadual. Revelações do Intercept ? "Umas bobagens. Deltan e Mouro estavam corretos em seus procedimentos. Os corruptos estão presos e o Brasil entrando nos trilhos." Diante da distopia, peguei a garrafa e enchi o copo: "Que Deus nos acuda!" Fiquei pensando se minha conhecida, formada em jornalismo depois em Direito, estaria envolvida na grampolândia que pegou o MP de seu estado. Sobre isso, nem uma palavra. Em Sinop, ha mais de 500 km de Cuiaba, naquilo que é comumente chamado de baixa Amazônia proximo ao alto Para, era sintomatico os efeitos da fumaça. E os locais repetem que Bolsonaro não tem nada a ver com isso. Eh tempo de seca, é assim mesmo ou que a fumaça viria da Bolivia... Eh tal a disputa ideologica, que preferem ver o futuro dos filhos que ali vivem comprometido, que lutarem para reverter o problema das queimadas sazonais. Presenciei no interior do Brasil um campo de batalha em meio a minas armadas para produzir confusão nas pessoas sobre fatos e invenções. Essa é a batalha que teremos que vencer: informação correta. Senão, Preta da Silva, Lula e tantos outros brasileiros continuarão presos e torturados psicologicamente quando não fisicamente, neste modo de operar em nome da Tradição, Familia e Propriedade.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador