Paralelos históricos: França de Vichy e Brasil de Washington, por Andre Motta Araujo

Por essas reviravoltas da política, hoje o Brasil ESTÁ SENDO VISTO por todo o planeta como País vassalo de Washington, como no passado eram algumas repúblicas bananeiras

Paralelos históricos: França de Vichy e Brasil de Washington

por Andre Motta Araujo

A história registra contextos geopolíticos que permitem construir paralelos com finalidade apenas didática, mas que abrem espaço para reflexões.

Um País cuja política externa depende do que outro decida é uma situação não tão comum e tem um peso relevante na avaliação do que esse País é.

A França de Vichy era um Estado nominalmente soberano, tinha Embaixadas em muitos países como o Brasil e outros Países tinham Embaixadores em Vichy, inclusive os EUA até 1944. Mas tudo era uma ficção, um palco de teatro. A diplomacia de Vichy dependia de Berlim, a França era um País submisso ao Terceiro Reich e a situação permite uma comparação ao Brasil de hoje, com uma diferença, não é Washington que exige submissão, é o Brasil que se oferece como vassalo. Raras vezes na História se vê semelhante situação de degradação de uma soberania, muito menos de um grande País com rica História.

Leia também: A direita francesa abriu as portas para os alemães

A França de Vichy vendeu sua diplomacia ao Terceiro Reich após uma derrota militar humilhante, mas o Brasil rendeu sua outrora respeitada diplomacia sem uma razão lógica, mas com o apoio corrosivo de uma parte da população, da elite burocrática e empresarial e dos “mercados”. A diminuição de “status” do nível de importância geopolítica do Brasil foi “normalizado” por esses segmentos da população, por sua cúpula institucional e pela mídia, todos submergidos por uma onda de ignorância, egoísmo, desprezo por seu próprio País, o “sonho de Miami” na cabeça da alta classe média sem pátria.

Leia também:  Olavo de Carvalho, o guru da morte, por Lucia Helena Issa

O VALOR DA MARCA BRASIL

Por sua trajetória única nas Américas, único Estado criado a partir de um Rei, depois um Império comandado por um Imperador, personagem de distinção única em um continente conflagrado por caudilhos, o batismo do Brasil como nação se distancia das repúblicas sem boa origem, capitanias desgarradas da metrópole em territórios retalhados, o Brasil majestoso e solidamente unificado sob uma única Coroa, uma história muito especial.

Na modernidade, único entre todos os países latino-americanos a ter um papel destacado na Segunda Guerra Mundial, um dos oito Aliados originais na luta contra o Eixo, fundador da ONU cuja Assembleia presidiu por dois anos (1947 a 1949), com uma diplomacia única no continente por seu profissionalismo, nenhum outro País na América Ibérica teve escola para formação de diplomatas, o Brasil se destacou nos últimos 100 anos como potência regional e ator global respeitado por todas as chancelarias, País que em maior número integrou Missões da ONU, em um só momento em nove Missões simultâneas e no Comando da maior de todas, a do Congo (General Santos Cruz), um capital diplomático superior foi conquistado.

Leia também: Duzentos anos de capital diplomático jogados fora, por Andre Motta Araujo

Por essas reviravoltas da política, hoje o Brasil ESTÁ SENDO VISTO por todo o planeta como País vassalo de Washington, como no passado eram algumas repúblicas bananeiras, uma situação anômala, esdruxula, ahistórica, fruto do neopopulismo de direita primitivo que sequer enxerga qual é o País que representa.

Leia também:  Debate econômico em tempos de crise: manipulação e falsa pluralidade, por Paulo Nogueira Batista Jr

Mas há um consolo, a França, o País de Luís XIV, de Richelieu, de Talleyrand, de Napoleão, caiu no colo de sátrapas nazistas em Paris por uma dessas cambalhotas da política COM O APOIO DA ELITE FRANCESA de então, quase toda ela, da mesma forma que a fase Porto Rico do Brasil de hoje se constrói com o apoio obsequioso da elite institucional, empresarial, política e dos “mercados” interessados apenas em seus ganhos do dia seguinte, sem ver para onde vai o País nessa trajetória de vergonhosa submissão, pior ainda, submissão oferecida e não solicitada.

Leia também: Diplomacia não tem ideologia, por Andre Motta Araujo

AMA

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

14 comentários

  1. Além dessa alinhamento jamais visto, um outro aspecto inédito de nossa dinâmica externa é completa inanição das atuais elites brasileiras para com o interesse nacional e o destino de nação. Se, no passado, ainda tínhamos elites que incorporavam tais entendimentos como valores fundamentais, servindo de anteparo crítico para ideias e posturas sem nexo do sentido, hoje defrontamos com tipos de elites nefastas, que relevam, como valor único, a ganância individual pura (“o meu ganho próprio”), e como espaço temporal curtoprazista. É a preeminência das vozes dos “farialimers”, dos “garotos da XPs”, secundarizando o ente produtivo, cuja expressão – outrora maior – é a de um dirigente que, por puro interesse politiqueiro-individual, se alinha a um governo cuja política econômica não favorece o setor produtivo.

    É espantoso como são os interesses e o pensar dessas gente do condado da Faria Lima (https://twitter.com/FariaLimaElevat). Na busca de ganhos curto prazos, incorporam narrativas idealizadas e cegas como verdades absolutas para fazer o alinhamento “Zé com Zé” do discurso da política econômica atual, tendo, é claro, como mecanismo transmissores o jornalismo da grande mídia. Não importa a realidade, não importa o empobrecimento geral, não importam as evidências negativas, é preciso “pedalar” a narrativa cega para continuar o ganho curtoprazista, mesmo que se sacrifique a realidade. A demissão anunciada da economista Latif dos quadros da gestora XP é a leitura concreta dessa espetáculo recheado de simulacros perfeito.

    • Alinhamento jamais visto? ANÃO DIPLOMÁTICO. Não foi revelação escrachada deste Governo. Apesar deste, buscar protagonismo sendo lacaio. ANÃO DIPLOMÁTICO é a História Brasileira construída num novo Estado, antes mesmo do Estado Novo. É construção da Indústria da Burocratização, do Atraso, do Analfabetismo, da Seca, do Racismo, da Vitimização, do Coitadismo, do Desnacionalismo, da Pobreza,…Anão Diplomático começa com o Brasil ficando de fora do banquete da reconstrução do Mundo após a 2.a Grande Guerra. É abandonar seu Protagonismo, Vanguarda, Liderança Natural exercido até 1930 e tornado-se em rabo. O restante da história são estas 9 décadas. É não defender seus Interesse nem nas suas fronteiras como mostra a história nas barbáries de Argentina e Chile nos anos 70, da Guerra Civil e Guerrilhas na Colômbia, de permitir que Venezuela chegasse a esta situação atual, da permissividade com África, de nossa histórica relação. Anão Diplomático é o abandono de extraordinária evolução tecnológica e cientifica que produzimos na 1.a República. Renegar Gênios como Santos Dumont. É não construir Linhas de Interligação Cultural e Projetos Econômicos, Financeiros e Industriais com Nações que dependeram por décadas da Nossa aceitação com seus Povos, principalmente pobres, dando garantia e segurança a estas Pessoas, como Japão, Alemanha, Italia, China, Ucrânia, Líbano, Síria, Turquia, Suiça,… Ou seja ‘Anão Diplomático’ é construção contínua deste quase último século.

      10
  2. Bolsonaro é um FHC grosseiro. Nada mais.E não deveria importar mas, tudo indica que importa sim: os filho dele são igualmente grosseiros e levianos. Para nossa sorte talvez, além de grosseiros parecem não ser inteligentes. Mas essa referida submissão é fruto exatamente da leviandade: Bolsonaro sabe que fazendo assim garante o mandato dele até o final e ainda pode namorar uma reeleição. Grosseiro e não sendo inteligente, se não for submisso é apeado do poder- ou do governo- em semanas. Trump sabe disso, obviamente. Também é grosseiro mas não lhe falta astúcia nos atos da vida. Tenho uma colega que estuda para concurso no Itamaray, e ela diz e deve saber o que fala, que na vida diária dos negócios nos EU, Trump é muito respeitado e de fato é muito ligeiro. Já na vida pública, e na geopolítica, é um desastre, porque leva os “trejeitos” dos negócios junto e não deveria fazer isso. Mas FHC também foi submisso ao extremo e a famosa foto do Clinton ” cavalcando” as costas dele diz tudo por si mesma. No entanto, FHC escova os dentes e certamente toma banhos diários!!!! A saber, de uma forma ou de outra, estamos lascados!!!

  3. O que está ocorrendo no Brasil parece um pesadelo sem fim. Não vejo perspectiva de vencermos tanta ignorância e apatia. O povo parece se conformar com todas as derrotas. A forma com estão entregando nossas riquezas e destruindo nossos direitos sem reação é horrível. Devíamos estar lutando, ocupando as ruas como está ocorrendo no Chile e na França. Por que O povo brasileiro não reage?

    13
  4. …”a França era um País submisso ao Terceiro Reich e a situação permite uma comparação ao Brasil de hoje, com uma diferença, não é Washington que exige submissão, é o Brasil que se oferece como vassalo.”

    Não são poucos nem desconhecidos os muitos episódios de participação direta dos EUA em espionagem e sabotagem de toda iniciativa brasileira por independência e soberania. Se há brasileiros aliciados, subornados, traidores, deslumbrados e dementes que, de uma forma ou de outra, trabalham pelo estabelecimento de imagem positiva e mentirosa dos EUA, há também diversos exemplos de brasileiros que fizeram e fazem até hoje por nossa liberdade. Ou seja, a vassalagem voluntária é, em quantidade e qualidade de pessoas, bem menor do que “o Brasil”. Nem todos os brasileiros são vira-latas. O chato é que os vira-latas têm acesso à mídia…

  5. os senhores de engenho ao tempo do Brasil holandês viviam em uma espécie de ‘Brasil de Vichy’.
    foi somente a partir do momento em que a elite pernambucana resolveu passar para o lado do povo que o Brasil deixou de ser um bom negócio para os holandeses, aqui instalados já havia quase vinte e cinco anos (de 1630 a 1654).
    e por quê a elite pernambucana resolveu, depois de um quarto de século, passar para o lado do povão?
    resposta: porque os holandeses decidiram cobrar os empréstimos oferecidos aos senhores de engenho locais -boa parte deles já ‘vencidos’ havia tempo ( i.e. cinco, seis safras ainda a colher, porquanto financiadas ‘a futuro’)
    https://passalidadesatuais.blogspot.com/2013/06/guararapes-e-o-brasil-de-vichy.html

  6. O que esperar de um sujeito que tem a alma tão vil como Bolsonaro e os que os cercam?E os nossos militares que eu achava toscos mas patriotas e nacionalistas e entretanto revelaram-se apenas burocratas querendo receber o salário do fim do mês e foda-se o Brasil. TRAIDORES idem.

  7. A França se libertou do domínio alemão porque outros países derrotaram a Alemanha. A situação está ruim para o nosso lado porque o resto do mundo não vai fazer uma guerra contra os EUA.

  8. Acrescentando que Vichy foi uma “solução” acochambrada por um marechal herói da 1a. guerra, frente à uma acachapante derrota militar de guerra (a 2a.).
    Aqui temos um capetão alijado do exército, fazendo pior, sem nenhuma necessidade…
    Que nunca fez nada na vida a não ser depois, um “emprego” de parlamentar com altos salários e benefícios (maiores do que os de generais e “marechais”), verbas de gabinete, auxilio-moradia, multas ambientais não pagas (e vingadas), relações milicianas escancaradas, 2 propostas irrelevantes aprovadas em quase 30 anos, mentiras públicas à rodo … um verdadeiro “mito”.
    Lá ao menos houve uma Resistência Francesa.
    Aqui?

  9. Com a solidificação dos neopentecostais, com todo o sistema de rádios e tvs nas mãos destes grupos, não se escuta uma rádio “normal” hoje… só garimpando, com o golpe entreguista de 2016, a mudança imediata dos regime de partilha ( motivo maior do golpe ), fim da Embraer, BR, entrega de Alcântara, e do resto que vai ser entregue, com todo o arcabouço de leis anti-povo e anti-pobre aprovados a toque de caixa como Trabalhista e Previdenciária.. e vem mais por ai….. o século XXI já foi…..século perdido……somente um processo revolucionário popular (não vai ocorrer nunca nestes trópicos), mudaria a situação. Brasil século XXI perdido…. nos aproximamos para ser um ex-Zaire…

  10. Bons comentários aqui mas infelizmente o idiota que se denomina Zé Sérgio (IDIOTA PORQUE ELE MISTURA CANALHICES DA DIREITA COM ATITUDES QUAISQUER DA ESQUERDA COMO SE FOSSE TUDO A MESMA COISA E DAÍ, BEM NO ESTILO MAGNO MALTA, ELE NOS CHAMA, ESQUERDISTAS, DE “ESQUERDOPATAS”, COMO SE FOSSE UMA DOENÇA SER DE ESQUERDA),enfim, esse idiota insiste em igualar governos petistas aos governos tipo Collor, FHC, Sarney, temer, bostanaro, como se todos fossem a mesma coisa. E comentando esse texto, ele diz que somos anões diplomáticos nas 9 décadas desde 1930. Ou seja, não conseguiu ver a diferença que foram os governos Lula e Dilma, quando efetivamente tivemos protagonismo nas relações internacionais, sendo reconhecidamente respeitados por todos os países. Aliás, foi justamente por estarmos na vanguarda que criaria os BRICS, que os norte americanos resolveram preparar o golpe que derrubou Dilma e o PT do poder. Essa vanguarda, apesar da liderança chinesa, economicamente falando, afrontava os ianques. Mas ficando no nivel da relações diplomáticas, um dos exemplos da postura brasileira foi dado por Lula durante uma reunião que não me lembro onde ocorreu, na qual encontravam-se vários lideres mundiais, inclusive Lula, e de repente chegou o presidente americanos Bush…e foi um beija-mão vergonhoso por parte de quase todos aqueles líderes, todos cumprimentando Bush como se um de4us houvesse chegado, menos Lula, que continuou sentado e fez com que seu ministro das relações exteriores também não se levantasse. E daí foi Bush que veio cumprimentar Lula e não o contrário. Ou seja, se para alguns tontos isso parece ter sido um exemplo de falta de educação lulista, por outro lado foi o símbolo da postura independente do Brasil em relação aos Estados Unidos, não vergando-se ou ficando de quatro para eles como faz o asno presidencial atual. Mas o idiota Zé Sérgio acha que os governos petistas foram a mesma coisa que o resto das merdas que nos governaram até aqui…..

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome