Um Golpe Estamental, por Jorge Alexandre Neves

Um Golpe Estamental, por Jorge Alexandre Neves

Nas décadas de 1960 e 1970, houve no meio acadêmico um rico debate sobre o estado capitalista ou o estado nas sociedades capitalistas. Vários pensadores das diferentes disciplinas das ciências sociais e das humanidades participaram desse debate. Entre eles, destacaria três nomes: Nicos Poulantzas (grego radicado na França), Ralph Miliband (belga naturalizado inglês) e o americano Erik Wright. Esses pensadores terminaram desenvolvendo o que ficou conhecido como uma abordagem neomarxista do estado capitalista. De forma muito sintética, sua principal contribuição teórica foi a de perceber o estado capitalista como uma estrutura de relações sociais, como arena privilegiada do conflito de classes.

Esse debate teórico é muito útil para entendermos a dinâmica política brasileira. Todavia, ao buscar relacionar o estado à estrutura de estratificação das sociedades, esses pensadores não deram conta da complexidade desse conjunto de relações sociais. No mundo moderno, as estruturas de estratificação social são mais complexas do que qualquer grande abordagem teórica conseguiu vislumbrar. Talvez o sociólogo alemão Max Weber tenha sido aquele que, ao propor uma abordagem multidimensional da estratificação social, tenha conseguido uma melhor compreensão dessa realidade complexa. Da mesma forma, conseguiu identificar alguns importantes efeitos das relações entre os estratos sociais e o estado. Parte dessa contribuição de Weber foi incorporada pelos autores do debate citado, acima. Em particular, Erik Wright.

Em qualquer sociedade moderna convivem relações de dominação e de exploração que configuram estruturas de estratificação social não apenas de classe, mas também estamental. Importantes pesquisadores contemporâneos, como Yossi Shavit, têm encontrado evidências empíricas, em nível internacional, que demonstram que a desigualdade estamental é hoje tão ou mais importante do que a desigualdade de classes. Se observarmos a literatura internacional, vemos que o mundo vive numa dinâmica bimodal de desigualdade social. Para os percentis superiores da renda, o que interessa é, de fato, a riqueza e é ela que é transmitida intergeracionalmente para garantir a reprodução social da classe economicamente dominante. Para os demais, o principal ativo é a educação formal e o que o sociólogo francês Pierre Bourdieu chamou de “capital cultural”. Para a grande maioria das famílias, em qualquer sociedade moderna, o fator fundamental da reprodução intergeracional da desigualdade é a educação formal e o capital cultural.

Se os elementos estamentais dos sistemas de estratificação social são um fenômeno universal, eles são ainda mais centrais no Brasil, por razões históricas, que, inclusive, nos diferenciam dos demais países latino-americanos. O livro “A Construção da Ordem”, de José Murilo de Carvalho, traz os fundamentos historiográficos para entendermos a especificidade do caso brasileiro.

Leia também:  O ex-juiz Sérgio Moro cometeu lawfare contra o ex-presidente Lula?, por Rafael Rocha

No seu livro, José Murilo de Carvalho mostra que, em Portugal, o estado absolutista se desenvolveu de forma precoce, já a partir do final do século XIV. Esse processo levou a um fortalecimento da coroa em detrimento da aristocracia, o que teria levado a um relativo empobrecimento desta última. Haveria, então, sobrado para a aristocracia lusitana o emprego público como uma importante fonte de renda e de prestígio. Teria sido formado, em Portugal, um estamento burocrático e profissional de origem aristocrática e que se encrustou na estrutura formal do estado. Uma evidência do peso dessa herança histórica em Portugal, ainda hoje, é o fato de que lá se encontra, de longe, a maior desigualdade educacional entre os países europeus. Gabriele Ballarino e Elena Meschi mostram que os Coeficientes de Gini dos anos de escolaridade de Portugal é de 0,332, enquanto que o segundo maior, o espanhol, é de 0,281, o italiano é 0,240 e o grego é 0,229. A reprodução estamental depende fortemente da capacidade de controle das oportunidades educacionais.

Em 1808, essa mesma estrutura terminou de ser transposta para o Brasil. Nas palavras de José Murilo de Carvalho: “Essa transposição de um grupo dirigente teria talvez maior importância que a transposição da própria Corte portuguesa e foi fenômeno único na América.”

Esse estamento burocrático e profissional, no Brasil, continuou sempre encrustado no estado ou gravitando em torno dele. Como demonstra Edmundo Campos Coelho, em seu livro “As Profissões Imperiais”, os profissionais ditos “liberais” – profissionais estes que, segundo João Cabral de Melo Neto, em seu poema “Morte e Vida Severina”, “não se libertaram jamais” – buscaram a proteção do estado desde o início da formação de suas corporações. Nas palavras do próprio Edmundo Campos Coelho, esses profissionais terminaram, assim, se caracterizando como “elites saturadas de valores excludentes, antidemocráticos, antipovo.”

Leia também:  Relembre os momentos em que a parcialidade de Moro foi questionada na Justiça

Uma nova literatura internacional sobre neopatrimonialismo (entre outros, vale ressaltar os trabalhos do sociólogo e historiador Ivan Ermakoff) tem mostrado que este é um fenômeno internacional. Assim, embora eu discorde de Jessé Souza sobre a utilidade do conceito de neopatrimonialismo, concordo com ele que o conceito não serve para identificar uma especificidade do Brasil ou da América Latina. Como bem demonstra Ivan Ermakoff, relações sociais patrimonialistas podem se incorporar a qualquer organização burocrática, pública ou privada. Todavia, a existência, no caso brasileiro, de um estamento burocrático e profissional de tal forma encrustado no estado serve de catalizador para práticas patrimonialistas que envolvem não apenas o referido estamento, como também indivíduos oriundos de quaisquer estratos sociais, em particular da plutocracia empresarial. No Brasil, as práticas neopatrimonialistas e o estamento burocrático e profissional se alimentam mutuamente.

Portanto, no Brasil, esse estamento excepcionalmente poderoso se configura em uma elite que em certos momentos colabora e em certos momentos se contrapõe à plutocracia do mercado (classe economicamente dominante) ou a frações dela. Esse elemento estamental também nos ajuda a entender porque aqui nunca houve uma “classe média” que se mobilizasse na busca de direitos universais, como o saudoso Milton Santos tão bem denunciou em uma palestra disponível na internet, ao ressaltar que, no nosso país, a “classe média” sempre quis privilégios e não direitos universais.

A essa altura acredito que já deixei bastante claro que a reprodução intergeracional de um estamento burocrático e profissional depende, fundamentalmente, do monopólio das melhores oportunidades educacionais. Foi nesse ponto que os governos petistas começaram a incomodar profundamente o estamento burocrático e profissional. Entre todas as dimensões da desigualdade que foram, de alguma forma, reduzidas durante a era petista, a educação foi a mais fortemente atingida. Como também ocorreu nas socialdemocracias europeias, os governos petistas conseguiram atingir a desigualdade educacional de forma muito mais efetiva do que a desigualdade de riqueza ou de renda (como os estudos feitos a partir da metodologia de Thomas Piketty têm mostrado). Está aí a principal energia de ativação do golpe de 2016! Um típico caso de “conflito de status”, como definido por Randall Collins.

Leia também:  Novo golpe a caminho: CADE impõe acordo ruinoso para Petrobrás

O golpe de 2016 foi iniciado pelo estrato social que se sentia mais incomodado com a nova realidade que se passava a construir no Brasil. A plutocracia empresarial e rentista veio a reboque. Assim como os próprios políticos. O marco fundamental do golpe foi o dia 16 de março de 2016, quando o “herói” estamental, Sérgio Moro, gravou ilegalmente conversas do Ex-Presidente Lula com a então Presidenta Dilma e liberou a gravação para a mídia. Não por acaso, um ato perpetrado por um ilustre representante do estamento.

Antes de concluir, vale lembrar que o PT, por muito tempo, investiu em uma relação política privilegiada com o estamento. O fato mais simbólico disso foi a introdução da lamentável prática de nomear o candidato mais votado para PGR. Espero que se tenha aprendido a lição!

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Análise com iguais doses de erros e acertos

    A fundamentação teórica da análise resumida neste artigo é boa. Mas quando o autor fala em [neo]patrimonialismo e expõe a divergência dele com os estudos e teorias de Jessé Souza acerca desse tema, o autor não consegue apresentar argumentos e elementos capazes de dar sustentação a essa discordância. Jorge Alexandre Neves retoma a visão de estudiosos tradicionais, os quais enxergam o Brasil e a formação do Estado Brasileiro como continuidade e apêndice do Estado Português: burocrático, arrstocrático, estamental.

    Sobre a classe média brasileira, o autor do artigo expõe visão concordante com a de Jessé Souza. Ele também faz diagnóstco cáustico e certeiro acerca dos “profissionais liberais” e dos que se autodenominam “liberais”. 

    Mas o autor se equivoca ao estabelecer como marco do golpe de 2016 aquele dia 16 de março. O golpe começou muito antes, em meados de 2013, com aquelas “jornadas de junho” e o uso intenso de espionagem e técnicas de gurra híbrida. Indo mais longe, a 1ª tentaiva de enfraquecer e desestabilizar o governo Lula se deu em setembro de 2003, quando ele sequer tinha concluído 1 ano de mandato e estabelecido, na prática, o plano de governo para o qual foi eleito em outubro do ano anterior. Depois, em 2005, veio a farsa/fraude do chamado “mensalão do PT”, que marcou a associação do PIG/PPV, da direita golpista no congresso Nacional e várias células do sistema judiciário (PF, MP e PJ) já então cooptadas pelo Deep State estadunidense; naquela ocasião a plutocracia empresarial ainda não estava alinhada com o golpismo, mas ao lado do governo, pois interssada nas numerosas obras públicas que lhe proporcionarim contratos e,lucros milionários.

    No que se refere à reprodução intergeracional dos privilégios e desigualdades, o autor faz um diagnóstico corretíssimo.Por fim subescrevo a crítica que ele faz ao empoderamento desmedido e sem controle dado ao MPF. O republicanismo ingênuo e suicida dos governos petistas levou os Presidntes Lula e Dilma a empoderar o inimigo que lhes derrubaria do governo por meio de um golpe midiático-policial-judicial-parlamentar.

  2. Pelo direito de extorquir…

    Ao ver como se comporta o setor financeiro, o sonho capitalista no Brasil tende a se parecer com extorsão!

    Corporações médicas querem o SUS mínimo para ganhar esse mercado.

    E assim vão todos por esse caminho…

    Extorsão para todos!

    Um viva o Brasil!

    Mas, não há a busca da tarifa justa…

    Todos querem seu segmento faturando como faturam os banqueiros há décadas e sem preocupação alguma!

    E se julgar as forças armadas pelas palavras do vice do Bolsonaro, o Brasil é um país inviável…

    Bons brasileiros pensam primeiros nos brasileiros…

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome