A busca de um projeto democrático de Nação, por Luís Nassif

Sem dispor de um projeto democrático de Nação, Lula continuará brilhando no exterior. E sendo alvo de campanha negativa diuturna da mídia.

Há uma discussão crescente sobre as características do novo mundo, que surge da tecnologia digital. A revolução industrial trouxe a luta de classes, empregador contra empregado, e a classe dos financistas, pairando sobre todos.

A ultra financeirização das últimas décadas trouxe uma nova realidade, a do precariado, em lugar do proletariado. E a do financista-rentista em lugar do empreendedor – o que ergue empresas. Trata-se de uma discussão complexa, que envolve os melhores economistas e cientistas políticos do mundo.

Vamos nos debruçar sobre a realidade brasileira e tentar sistematizar os atores envolvidos.

Grosso modo, há uma grande divisão: o pessoal da produção e o pessoal das finanças. No primeiro grupo estão os personagens com as seguintes características:

  1. São geradores de emprego e pagadores de impostos.
  2. São clientes do crédito oferecido pelas instituições financeiras.
  3. Trabalham diretamente com a produção – como fabricantes ou comerciantes.

Entram nessa categoria, pequenos, médios e grandes empresários e – importante – seus trabalhadores; mais as formas associativas de produção – as cooperativas, a agricultura familiar em torno do MST -, e os pequenos empresários individuais.

Em uma economia saudável, os financistas adiantam financiamento para seus clientes – pessoas físicas ou jurídicas -, que adquirem bens de produção ou de consumo, criando um mercado robusto.

No caso brasileiro, a enormidade das taxas de juros cobradas faz com que a maior parte da poupança brasileira seja esterilizada em distribuições de dividendos, que vão apenas tornar os ricos mais ricos e exportar parte dos lucros para fundos internacionais.

Tudo passa a ser financeirizado. Para investir em uma empresa, o investidor vai analisar a Taxa Interna de Retorno, uma forma de comparar com as taxas de juros dos títulos públicos ou privados. E o piso é dado pela taxa básica de juros – no caso brasileiro, a taxa Selic. Ele não analisa a empresa pelo que poderá se tornar no futuro, mas pelo que rende em dividendos no imediato.

Esta semana, o Copom (Comitê de Política Monetária) reune-se para definir a nova Selic. Desde ontem, instaurou-se um terrorismo no mercado, com o dólar subindo, as taxas longas subindo, em um claro movimento de cartelização. Taxas elevadas derrubam o valor das empresas, enxugam o dinheiro que iria para consumo e jogam a economia em uma semi-estagnação – situação em que se encontra o mundo e, particularmente o Brasil, há muito tempo.

Com o valor das empresas despencando, com o torniquete dos juros comprimindo seu capital de giro, perdem os empresários e os empregados. Não se trata mais de disputar a mais valia, porque ela já não há. Em outros países, leves movimentos de taxas de juros são utilizados para reduzir as demandas salariais por reajustes e, por aí, segurar os movimentos do câmbio e da inflação. Por aqui, é veneno na veia, deixando a economia entorpecida.

Sem perspectivas de lucrar com a atividade real, quais as alternativas dos rentistas:

  1. Chupar o sangue do Estado com a Selic nas nuvens.
  2. Adquirir empresas estatais na bacia das almas.
  3. Adquirir empresas em dificuldade para normalizar seu caixa e vender com lucro.

Tem-se aí – no extraordinário nível dos juros – o ponto central para um pacto entre o Estado e a produção. Aqueles setores com maior poder político conseguem isenções fiscais e outras benesses, pressionando os gastos públicos, mas longe, ainda, da grande conta dos juros da dívida pública.

Recentemente, o professor Eugênio Bucci inverteu uma frase clássica e criou seu oposto: “desinformação é poder”. Há um insistente trabalho de criação de bodes expiatórios para o déficit. Não se trata dos R$ 7 trilhões da dívida pública, 80% dos quais em função dos juros sobre juros; nem as isenções para o agronegócio, para a distribuição de combustíveis, para a Zona Franca de Manaus. Os culpados são os gastos com Educação, Saúde, pesquisas, enfim, tudo aquilo que é central para a construção de uma Nação.

É uma mixórdia invencível de notícias falsas sobre o déficit, repetida por papagaios das mais diferentes formações.

Não tenho a menor ideia sobre o que virá pela frente. Nos anos 20, a mistura de excessos da financeirização, decadência do padrão ouro – e do Banco da Inglaterra como maestro dos bancos centrais de países emergentes – desmoralizaram a democracia, dando início a outros modelos de gestão, do comunismo ao nazismo.

E agora? A China dá o exemplo, muito inspirada no modelo brasileiro dos anos 50 – quando o Estado entrava com as grandes empresas de infraestrutura, pavimentando o caminho para o setor privado. O mercado de energia eólica da China, por exemplo, é fruto da parceria do Estado – que montou uma gigantesca empresa de equipamentos eólicos – e centenas de empresas privadas, usando os equipamentos para a geração de energia.

Mas a China tem duas condições essenciais, que faltam ao Brasil: um governo forte e esclarecido. No Brasil, há uma pulverização partidária, a infiltração da religião por todos os poros da política, um presidencialismo enfraquecido. De onde surgirá, então, a solução?

Enquanto não se desenha um projeto de Nação, há que se investir em um dos grandes ativos nacionais: o associativismo, na forma de cooperativas e de movimentos sociais, nos arranjos produtivos, nos consórcios. E, a partir daí, firmar o grande pacto com a produção. Lula tem que usar sua retórica objetiva – que conquistou ovações nas reuniões da Organização Internacional do Trabalho e no G-20 – para convencer industriais, comerciantes, proletariado e precariado, poder público, que todos somos parceiros da grande bandeira de reconstrução nacional: o desenvolvimento. E o grande desafio é derrubar juros e spreads bancários, para induzir o enorme capital financeiro, acumulado em décadas de bonança, a investir no setor real, na infraestrutura, na indústria de base, nos estaleiros, nos consórcios de empresas.

Sem dispor de um projeto democrático de Nação, Lula continuará brilhando no exterior. E sendo alvo de uma campanha negativa diuturna da mídia.

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. O que fazer, Eles são os Donos do Poder( Rentista, Autoritário, Escravocrata, Entreguistas e Dependentes, Quando digo Poder, Mercado, Mídia, Executivo quase totalidade, Legislativo quase totalidade, Judiciário quase totalidade, MP quase totalidade, Policiais quase totalidade e Forças Armadas quase totalidade, quem vai colocar o guizo no gato

  2. Como pode haver um projeto democrático de nação, se estamos em uma (sic) que aceita passivamente, seja qual for a motivação para isso, uma posição subalterna na divisão internacional do trabalho, a de fornecedor de matéria prima barata, e comprador de produtos acabados caros? Uma nação (sic) que aceita e se orgulha de ser uma espécie de motel de pernoite para o capital internacional aplicar a juros de que jamais desfrutariam em seu(s) sistema(s) financeiro(s) domésticos? Onde uma unidade de sua moeda corrente compra cinco unidades da moeda corrente desse país, que não é um país, mas sim uma vaca leiteira que eles ordenham todos os dias, virtualmente? Onde o setor que representa a maioria do PIB tem custo de produção em reais e vende o que produz em dólar, com o que sobra da dita produção, por ser uma sobra, indo para o mercado interno com o preço lá em cima? Um setor que se orgulha de si, e prospera exponencialmente enquanto a fome e a miséria avança nos campos e na cidade. Em um mundo que já está na vigésima-sexta revolução industrial, e nós não estamos nem na quarta? Como pode Lula encarar essa arapuca? Se Lula é altamente considerado, elogiado, incensado, no exterior, não será porque seu governo atende totalmente o que se espera dele, lá fora, ou seja, porque atende aos interesses e conveniências dos países industrializados? Algum desses países está preocupado se temos ou não um projeto democrático de nação? Colônia, país subdesenvolvido, em desenvolvimento, emergente, seja lá qual for o rótulo, o produto e sempre o mesmo: país fornecedor de matéria prima barata, e comprador de produtos acabados caros. É assim que eles nos querem. Serviçais, não convivas. Tem país por aí, em situação semelhante à nossa, e com História parecida, pulando fora dessa arapuca. A gente só está assistindo. Os que elogiam Lula, lá fora, e os que descem a lenha nele, aqui, estão no melhor dos mundos possíveis. E nós, aqui, órfãos (!!!!) da mais-valia, em rápido e inexorável processo de extinção, rumo à…me deixem quieto. Ruim com ela, pior sem ela. Imagine, a mais valia como única boia para nos mantermos vivos, e comendo uma refeição por dia. Ou nem isso. E Lula vai nos livrar disso, com um projeto democrático de nação? Se Democracia salvasse alguma coisa nesse mundo. Me faça uma garapa.

  3. “: um governo forte e esclarecido.” e longevo.

    Vamos ver o que vai acontecer quando os principais fornecedores de energia e matéria prima pararem de movimentar suas contas em dólar. Todo o capital dos rentistas está em dólar, praticamente, e essa moeda não tem lastro, o euro tampouco. Talvez antes do que a gente imagine esse torniquete do capitalismo selvagem sobre nós, paises emergentes, se solte.
    Por mais sanções que venham a nos querer impor, se a moeda americana enfraquecer-se sobeviveremos. Os temidos BRICS farão isso acontecer. O Otanistão tem muitas dívidas, armas, necessidades e arrogância. Com seu dinheiro sem lastro suas dívidas ficarão impagáveis; com sua moeda sem valor comprarão menos por mais; com suas necessidades maiores e menos capacidade de atende-las passarão a depender mais, tendo que aceitar o que lhes oferecerem; com sua arrogância quererão impor sancções e fazer guerras. Como seus inimigos e credores também têm armas (Rùssia), matéria prima(Rússia, Sul Global) ,combustíveis ( Oriente Médio e Sul Global) tecnologia e bens de toda ordem (China) restará ao Otanistão a derrota fria ou calorosa. Ou eles vão partir para a guerra e perder, ou vão ter que se render aos BRICS e similares, não mais de sua zona de influência que, desta vez se extinguirá. Os sete mares não serão mais anglo-saxões.O rentistas vão demorar para desovar seu prejuizo e começar a especular de novo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador