A economia brasileira e as teses para inglês ver, por Luís Nassif

O inglês - assim como o português ou qualquer outro idioma - aceita de tudo, de ciência verdadeira até discursos vazios e empolados.

Se uma das principais artes de Minas Gerais é dizer sem dizer, que o Ministro da Fazenda Fernando Haddad considere-se um mineiro honorário. Ontem, todos os jornais exaltaram o elogio que fez ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto:

— Eu tenho certeza que o presidente do BC votou com aquilo que ele conhece de economia, aquilo que ele domina de economia. É um voto técnico, calibrado, à luz de tudo que ele conhece da realidade do país. 

Fantástico! É uma definição que cabe a qualquer ignorante. Ele não disse que Campos Neto “votou com aquilo que se conhece de economia”, mas apenas com “aquilo que ele conhece de economia”.

De qualquer forma, faz parte da estratégia de identificar os problemas e enfrentá-los com jeito, lenta e gradualmente até que o governo (espera-se) tenha condições políticas de avançar em teses mais ousadas.

A redução de meio ponto na Selic foi celebrada como uma vitória. Trata-se de um ritmo de queda que não resolve os problemas da economia nem os desafios para a recuperação do nível de atividade. Apenas é melhor que 0,25. Mesmo assim, mesmo com a deflação registrada no IPCA e no IGP-M, 4 dos 9 membros do Copom (Comitê de Política Monetária) votaram por uma redução de apenas 0,25.

Campos Neto garantiu o desempate, depois de submetido a uma enorme pressão, na qual estão envolvidos grandes bancos, seu guru André Esteves, do BTG, e todas as empresas da economia real.

A Selic tornou-se totalmente disfuncional para todos os setores. Os bancos não conseguem turbinar suas carteiras de crédito; o mercado não consegue lançar novas ações. Há um tsunami contratado, de grandes grupos prestes a solicitar recuperação judicial – um quase suicídio, com o atual nível dos juros.

O que sustenta a Selic são efetivamente os “cabeças de planilha”, aqueles que só conseguem enxergar a realidade econômica através das planilhas de metas inflacionárias.

Dia desses, o Twitter registrou uma daquelas discussões maçantes, sobre se as teses acadêmicas relevantes devem ou não ser escritas em inglês.

Na verdade, o grande problema do ensino de economia do país decorreu de uma orientação incorreta da Capes – o órgão que avalia os cursos de pós-graduação no país. Na discussão sobre os critérios de avaliação, decidiu-se tomar por base os critérios internacionais. Trata-se de uma medida ideal para as chamadas ciências duras – como física, química etc -, não para ciências humanas, como a economia.

Esse critério levou algumas boas faculdades – como a Fundação Getúlio Vargas de São Paulo – a substituir o estudo de saídas criativas para o país por uma ortodoxia das mais estéreis. Tudo isso para se enquadrar nos critérios da Capes.

A economia é controlada por instrumentos de política econômica – como as políticas monetária, fiscal e cambial. Só que há diferenças essenciais entre os organismos econômicos nacionais. Como aplicar a mesma regra a uma economia, como a americana, na qual as taxas de juros dificilmente tem dois dígitos, com a brasileira, na qual o crédito a uma empresa média não sai por menos de 40% ao ano – e as taxas de financiamento a pessoas físicas podem chegar a mil por cento?

Como aplicar a mesma regra monetária a países com regimes cambiais tão diversos – alguns com moedas conversíveis, outros dependendo de reservas cambiais? Ou com estruturas empresariais tão diversas, alguns exportadores, outros dependendo de importações. Tudo isso sem contar a psicologia dos empresários e trabalhadores, a maneira como reagem a estímulos monetários e fiscais.

Por tudo isso, o economista que tenta repetir, por aqui, as mesmas planilhas e teorias importadas, e saem a saracotear juros neutros (aquele nível que não mexe na inflação), PIB potencial e outras fórmulas estatísticas de economias avançadas, chuta, partindo do pressuposto que jamais será cobrado por seus erros.

Só o realismo fantástico latino-americano é capaz de explicar esse minueto, de uma teoria importada, sem adaptação ao organismo econômico brasileiro, tornando-se uma ciência com vida própria. O mercado inteiro saca de suas planilhas, não para acertar a projeção de inflação ou de câmbio, mas para acertar o erro do Banco Central.

Desenvolve-se uma falsa ciência, em cima de primados com pouca ou nenhuma aderência com a realidade nacional. E o sujeito ainda sai comemorando por aí o fato de escrever sua tese em inglês.

O inglês – assim como o português ou qualquer outro idioma – aceita de tudo, de ciência verdadeira até discursos vazios e empolados.

Luis Nassif

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Essa queda de meio por cento é 100% ridícula, Nassif. Ela não afetará em nada os interesses dos especuladores, mas o nível elevado da taxa de juros continuará prejudicando a retomada industrial.

  2. Nassifão,TB identifiquei alguns comemorando queda de 0,5 sendo q diante das QUESTÕES TÉCNICAS ATUAIS(kkkk)deveria cair uns 2% certeza q.os patrões do Campos Arrasados não.deixariam isso acontecer.Nossos empresários não sentiam ou se atentavam aos juros excorsivos de agiotas pq antes do golpe,vendiam muito, agora sentem,pq tudo não tem giro e isso é efeito guediano do bolsonarista Campos Arrasados,acreditaram em conversa pra boi dormir,coisa do tipo”questão técnica”,O Brasil pronto pra decolar,vamos crescer 1000 por cento por segundo com as reformas(Guedes,kakaka)e outros mais, falácias,quanto já custou ao país o golpe? Empresários deixaram de lucrar quanto?Quanto gastaram pra tentar se reeleger?Culpa do Lula,PT,Dilma e do Nassif com os muitos processos mas suas costa e INGLÊS.VENDO LÁ DE FORA TUDO(e dando risada, infelizmente)estamos pagando caro pelo vira latismo,quem é q só ganhou com tudo isso?Muito fácil.de saber,oZÉ AQUI SABE!!!Sem mais,obg equipe ggn !!!!

  3. Concordo com tudo que escreveu, Nassif. Por favor, permita um complemento e uma consideração. Primeiro, mesma as chamadas ciências duras estão sob hierarquia do objeto – doenças tropicais X cardiovasculares. Segundo, a CAPES está coerente com a imposição institucional de visibilidade e certificação. Mesmo neste espaço qualificado, a visibilidade conferida pela imprensa hegemônica certifica os especialistas que serão convidados para discutir temas de ciências sociais, econômicas, políticas, etc. Grande abraço.

  4. O pano de fundo dos problemas da economia brasileira reside em o País se considerar incapaz de conduzir o seu próprio desenvolvimento. De ser capaz de fazer a interpretação das ações que devam ser praticadas de maneira adequada ao País. Existe uma indisposição de construir um projeto de Nação. De saber onde se deseja que o Brasil chegue. Essa ideia de aplicar teorizações feitas a partir de fundamentações dirigidas a outros lugares e querer bons resultados sem olhar o específico do País não tem dado em nada. Falta o desejo de levar o País a estágios melhores. Trabalhar as soluções de que precisa o País. Pôr os índices de inflação nas metas estabelecidas somente com a aplicação anti-cíclica da taxa de juros é ficar enxugando gelo. Faz tempo que o Brasil sobe os juros até a inflação cair e depois toma o caminho inverso. Precisa fazer mais do que isso. Querer mais do que isso. Não dá pra ficar controlando inflação matando o desenvolvimento do País.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador