Como Hillary Clinton cooptou Marcelo Tas

Para quem trata como “teoria conspiratória” as denúncias sobre estratégias norte-americanas de utilização das redes sociais, aí vai o telegram de Hillary Clinton (http://migre.me/veOfu), divulgado pelo Wikileaks.

Os telegramas deixam uma pista relevante sobre a forma de atuação do Departamento de Estado.

O e-mail menciona um café entre Hillary e Marcelo Tas, na época bastante atuante nas redes sociais. Algumas anos antes, Tas havia sido alvo de um ataque gratuito da Veja, por suspeitas de suas inclinações políticas. Rapidamente mudou de posição e, nas redes sociais, em vez do comunicador light e bem-humorado, tornou-se um ativista agressivo, endossando posições à direita.

No e-mail para Thomas Shanon, Hillary menciona os resultados de sua nova estratégia, de conquistar “influenciadores de mídia social”. Depois do café com Tas, pelo Twitter Hillary enviou a ele conteúdos relacionados à Síria. Tas traduziu a mensagem e divulgou para seus quase 2 milhões de seguidores. Com os retuites, a mensagem alcançou “talvez 10 milhões de pessoas”, diz Hillary.

“Ao traduzir e divulgar o conteúdo, ele se tornou seu editor e validador”, diz Hillary. “É uma coisa pequena mas mostra como usar redes para amplificação e validação das nossas mensagens”.

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Objetivos do Milênio: a busca da produtividade perdida

53 comentários

  1. Tass agiu como se fosse um

    Tass agiu como se fosse um “agente secreto”.

    Mas de fato ele não passa de um “agente laranja”.

    O efeito devastador do veneno que ele espalhou no Brasil será o desmatamento promovido pelos golpistas.

    Curiosamente, Tass parece ter se esquecido de um fato importante: os gringos nunca ganharam uma guerra nas selvas.

    E quando a selvajeria começar no Brasil ele terá que arcar com as consequencias de suas opções políticas e ideológicas.

    Pequena perda direi. 

     

  2. Agora pense no que foi feito
    Agora pense no que foi feito para acabar com PETROBRAS e com a engenharia brasileira de construção e montagem e a engenharia nuclear. Moro é Hillary ou não?

  3. Se Hillary consegue um feito

    Se Hillary consegue um feito desse por meio de um comunicador brasileiro, o que falta para os blogues progressistas, unidos, usando de suas capacidades jornalística e crítica, conseguir influenciar mais pessoas em nossa sociedade contra esse governo ilegítimo?

    • Falta tudo…

      Escala, grana, disciplina, coesão, crença (no sentido dse fé cega mesmo, de acreditar no destino manifesto), falta tudo, cara Maria.

  4. trecho mais importante, a meu ver.

    More importantly, they [os brasileiros] don’t think of it as something the USG is pushing out, but rather Marcelo Tas. In translating and disseminating the content himself, he became its publisher and validator.

     

    O que será que falaram para Marcelo Tas, para ele se tornar um avatar do governo dos estados unidos?

  5. A prova: basta ver o programa após a destituição da Dilma

    Tass fazendo contorcionismo verbal para seus 3 colegas de programa, Xico, João Vicente e aquele outro cantor que não sei o nome, dizendo que não foi golpe, sob veemente indignação do Xico Sá. 

    • Os puxa sacos de

      Os puxa sacos de estadunindense se conformam com qualquer aspone, basta falar enrolado que já se sentem felizes……..

    • Antônio

      Bahia  Vc não acha q é preferível estar no fundo c/ a cabeça levantada, do que abaixado e…….as calças tb.

      Desculpem- me, mas tem hora que não dá para engolir

  6. marcelo tass e hillary clinton

    Quanta convicção exibem os bravos anti-petistas da velha mídia! Será que rolou um dinheirinho também? Não, não acreditamos. Bastou um acenozinho do dono e o totó ficou de pé e balançou o rabinho. Totó inteligente!

  7. Tas é um tosco

    Um jeca provinciano. Um tiozão covarde, como cidadão e como humorista, com milhões de seguidores. Começou uma bela carreira ligada à inovação, web, coisa e tal, depois morreu na praia.

    Lembro de uma treta fortíssima dele contra a professora Lola Abramovich, que o chamou de misógino por conta de umas barbaridades no CQC (https://goo.gl/bVtGcK). Reagiu como um Frota, machistinha.

    Lamentável esse episódio que o Nassif relatou no post. O único caboclo que nunca vi descer a testa pros americanos chama-se L.U.L.A.

  8. E o pior é que esse boçal,

    E o pior é que esse boçal, que se tornou um dos maiores defensores da direita raivosa, depois da balançar o rabinho para a Hillary é bem capaz de marcar presença no ato pró-Trump que os coxinhas paulista estão agendando para o dia 29. 

    • Salvo engano, os contatos

      Salvo engano, os contatos ocorreram ainda no primeiro governo Obama, quando a Hillary Clinton era Secretária de Estado e Thomas Shannon ainda era Embaixador no Brasil. Bem distante das Olimpíadas,  portanto. Imagino que para essas “missões”, para oferecer  como seu o  “peixe” enviado pelo USG, os “argumentos” devem ser bem mais “convincentes”.

  9. Acho que é melhor explicar o

    Acho que é melhor explicar o que significa a palavra “cooptou”, porque obviamente o Marcelo Tass não tem capacidade para entendê-la. Agora, chame-o de “traidor” que ele sabe que o papo é com ele

    Obs.: Também não o chame de “Quinta Coluna”. Aí certamente, ao tentar descobrir o que isso significa, ele vai morrer por fusão dos neurônios. 

  10. A crise tá feia pra todo o mundo

    Primeira constatação: Clinton, seus sponsors, Wall Street e mais o escambau apostando alguma ficha em um Marcelo Tas é sinal dos tempos. O Império Romano caiu sem se rabaixar tanto.

  11. Sem novidade

    Nesse caso há prova. Mas quem precisa de prova? Não é exatamente o mesmo que fazem milhares de brasileiros todos os dias? Não há até uma manifestação a favor de Donald Trump para a presidência dos EUA (e do Brasil, como quintal daquele país estrangeiro)? Não há o juiz-promotor Moro e o promotor-juiz Dallagnol, ambos prepostos da firma privada “Globo”, indo buscar instrução a toda hora nos EUA?

    E não faz décadas, talvez séculos, que aquele país faz exatamente isso, arranja agentes entre governantes, empresários e celebridades nos outros países, remunerados apenas com um afago na cabeça pelo trabalho de “validar” propaganda ideológica disfarçada de notícia?

    “Ah, como é bom morar no ‘quintal’ desde que você seja amigo do dono da casa…”, dizem os aliciados estupefatos delirando pela propaganda estadunidense, esquecendo-se de…

    E o Brasil, e o nosso Brasil… nós?

    ***

    Não se trata aqui de falar mal ou demonizar outro país – a propósito, especialidade dos EUA, herdada e aperfeiçoada dos ingleses – e sim de apontar algo em nós que nos prejudica a nós mesmos, a saber, a idolatria, o fascismo. Não conheço um único país estrangeiro, uma única cultura regional e/ou nacional que não tenha aspectos positivos e negativos. Desde os romanos antigos legando-nos as leis; os gregos antigos, o teatro, a filosofia e a geometria; os árabes, a astronomia, a matemática, o comércio… os alemães, os chineses (ah, o cinema, a pólvora, o papel e o macarrão…), os portugueses, os franceses, os astecas, os russos, os tupys e os guaranis, os brasileiros, todos de alguma forma acrescentando conhecimento e cultura humana. Os EUA também dão suas contribuições. Pouca, é fato, uma vez que o que eles chamam de “cultura americana” é, em grande parte, hábitos impostos pela mercadologia, apenas simulacros de Cultura. Mas há, sim, originais desse país, contribuições, de novo, como há de diversos outros países, muitos outros povos.

    Mas daí a comprarmos a ideia criada pelos próprios estadunidenses de que aquele país é mais do que o melhor do mundo, é quase que o único do mundo, mais importante para alguns de nós até do que nosso próprio país… O que pode nos prejudicar não é o que os outros são, é o que somos nós mesmos.

  12. é necessário uma correção

    Prezado Nassif.

    É necessário uma correção em seu texto. O telegrama não menciona Hillary mas sim Alec Ross, Senior Advisor for Innovation Office of the Secretary of State.

    Embassy Brasilia set up a coffee for me and Marcelo Tas during my brief trip to Brazil in April. Very positive visit. This morning, I pushed out some Syria-related content on Twitter. Tas picked up on it, built in a Portuguese translation, and then disseminated to his nearly 2 million followers on Twitter. That then ricocheted around Brazilian social media circles where it was further amplified so that literally millions and millions of people in Brazil (perhaps 10M+) have read the content we pushed out. More importantly, they don’t think of it as something the USG is pushing out, but rather Marcelo Tas. In translating and disseminating the content himself, he became its publisher and validator.

    No mais, a conclusão é a mesma: o ex-Ernesto Varela tornou-se um office boy, um palhaço repetidor,  do que eu chamarei a Grande Doutrina (discurso oficial do Depto de Estado dos EUA).

    De graça não foi.

    A última frase afirma que “em traduzindo e disseminando ele mesmo (Marcelo Tas) o conteúdo, ele se torna seu editor e seu validador”

    Seriam Tas e Alexandre Morais a mesma pessoa?

    • errata

      Pois é. Vi o telegrama num tweet de Greenwald e, chegando aqui, percebo que ele está sendo atribuído a Hillary quando, na realidade, o relato é do tal Alec Ross, consultor do governo norte-americano para assuntos de internet. Parma Cuberos enviou esse comentário aí de cima há um tempão, ele passou pela mediação e foi publicado há mais de três horas, e ninguém se deu ao trabalho de corrigir o post.

      Verdade que isso não muda em nada a sabujice desse que responde pelo vulgo de Marcelo Tas, deslumbrado por ser convidado para um café na embaixada do Império do Norte. Nojo sem fim…  

  13. pois eh se Hillary conseguiu isso com o Tas, imagina com o Moro?

    Um assessor toma um “cafezinho” e o Tas vira um anti petista “convicto” porque convicção é com eles mesmo!!! Agora imagina com o Moro que vai 2 vezes em média por mes para conversar com tal USG 🙁 

  14. Que isso pessoal, o Tass só

    Que isso pessoal, o Tass só quer o bem do brasil, mas quanta maldade.

    Só por que conspira contra o brasil não quer dizer que não seja um patriota.

  15. É, de certo modo muito

    É, de certo modo muito evidente essa atuação engajada reacionária do Marcelo Tass. E de se suspeitar a desonestidade por trás da atuação canalha dele desde a porcaria daquele “CQC”.

  16. Aumento da gasolina

    Nassif, boa tarde.

    Poderia nos explicar como a redução da gasolina nas refinarias pode não chegar ao consumidor final?

    Obrigado.

    • Ora, ora…

      Wiliam, não sou o Nassif, mas pensando com meus botões, se tiver como perspectiva que o chefe Parente quer entregar a Petrobrax para os estrangeiros, um dos fatores levados em conta no calculo é seu “estoque”, ou seja, o quanto de petróleo a empresa possui (retirado ou no solo).

      Logo, para entregar mais barato para os amigos, baixa-se o preço antes da entrega para que o valor final abaixe, e depois de entregue, sobe-se novamente quase que por mágica.

    • Populismo

      Também não sou o Nassif, mas tenho uma teoria:

      Temer está fazendo um populismo entre os coxinhas, com o combustível.

      Explico: Os militares fizeram o mesmo, baratearam o combustível, para os ricos poderem andar de carro a vontade, afinal, rico ama andar de carro. Assim, Temer espera se tornar o “herói” dos coxinhas e aumentar a sua popularidade entre os ricos pelo menos, já que entre os pobres não pode ter mais esta esperança.

      Foi assim que os militares criaram a gigantesca dívida externa da década de 80 que gerou uma hiper inflação de mais de 2000% ao ano, ou seja de 4 dígitos.

  17. Aumento da gasolina

    Nassif, boa tarde.

    Poderia nos explicar como a redução da gasolina nas refinarias pode não chegar ao consumidor final?

    Obrigado.

  18. Ontem…

    Eu mencionei em um comentário, minhas “convicções” de que todo o PSD e PSB foram “comprados”. Ninguem respondeu. Agora até um mentecapto como esse foi “cooptado”.

    Parabéns americanos, vcs merecem tirar palitinho p/saber em quem votar!

  19. Marcelo GolpisTass.
    Sempre

    Marcelo GolpisTass.

    Sempre achei um bobo alegre, daqueles sem graça e chato. Por esssa perspectiva ele até que melhorou desde que virou sisudão.

  20. Faz algum tempo que os

    Faz algum tempo que os democratas são tão ruins quanto os republicanos.

    Por isso hoje torço para que o Trump vença, assim aquela porcaria do USG acaba mais rápido…

  21. O Governo FHC não foi cooptado antes?
    Nassif, depois que o ministro de Relações Exteriores do Governo FHC, Celso Lafer, tirou os sapatos três vezes antes de desembarcar em três cidades estadunidenses em janeiro de 2002, fica até compreensível o rebaixamento de Tass – muito embora não tenha chegado ao cúmulo da submissão de Michel Temer, ao fazer o Congresso Nacional ficar de quatro e entregar o pré-sal aos EUA. Tudo sob a coordenação daquele ex-presidente da UNE que se dizia brasileiro em priscas eras, quando ainda era apenas filho de um vendedor de frutas do Mercado da Cantareira e não – como hoje – um dos políticos mais ricos do país, José Despenhadeiro ou Fossa Tectônica, se não me falha o Alzheimer…

  22. O Tass está muito longe de ser o primeiro

    Não há nenhuma novidade nesse modus operandi do governo norte-americano em cooptar formadores de opinião. A única coisa pouco conhecida talvez sejam os alvos da sua sondagem (agora o Nassif canta a bola de um deles), como eles reagem e qual a instituição de retaguarda através da qual são cooptados.

    Um artigo de dois anos atrás, publicado no blog do Luis Carlos Azenha detalha com minúcia a lógica desse mecanismo:

    Jornalista alemão denuncia controle da CIA sobre a mídia

    Um outro artigo publicado um ano atrás no Sul21 detalha com riqueza de detalhes como esse esquema age para recrutar “dissidentes” em Cuba:

    Ex-agente duplo conta como a CIA promove ‘guerras não violentas’ para implodir governos

    E, finalmente, para quem quer botar as barbas de molho, aproveito para deixar registrado que, conforme minha experiência e fontes pessoais, a instituição americana que, desde o anos 80, mais se presta a cooptar formadores de opinião (jornalistas e acadêmicos) brasileiros para as agendas de valores e tópicos políticos de imediato interesse do governo norte-americano não é outra que a Fundação Ford.

    Conto um episódio. No início dos anos 80, Gilberto Dimenstein, então chefe da redação da Folha em Brasília, era quem servia de intermediário para conduzir  jornalistas relevantes daquele jornal até uma oficial da Embaixada dos Estados Unidos, através de almoços agendados em restaurantes caros de Brasília. Dimenstein já fazia parte do programa da Embaixada e, ao longo da sua carreira, foi agraciado com várias bolsas, como a que recebeu para ser “pesquisador visitante” do Center of Human Rights da Universidade de Columbia e, mais tarde, a que recebeu da Fundação MacArthur. Essa agente da embaixada americana oferecia aos jornalistas escolhidos bolsas em universidades norte-americanas, financiadas pela Fundação Ford, por conta do papel relevante que tais jornalistas poderiam representar para o promoção disso ou daquilo.

    Bom, esse “isso ou aquilo” era exatamente a agenda do discurso politicamente correto que hoje impera quase como pensamento único em uma certa pauta que se quer “progressista”. Foi a partir daí que nasceu a agenda do novo racialismo brasileiro, assentada sobre a “afirmação” da raça (e não, como tinha se tornado tradição intelectual no Brasil, a promoção da indiferença quanto ao sistema classificatório racializante). As principais universidades norte-americanas que serviram de retaguarda institucional para a promoção dessa agenda foram a Universidade do Texas e a Universidade de Wisconsin.

  23. O maior problema, juntamente

    O maior problema, juntamente com as drogas, são os puxa saco… principalmente vira lata.

     

  24. Aqui um vampiro e seus

    Aqui um vampiro e seus vampirinhos tomaram o poder. Lá nos States terão que escolher entre o diabo e o capeta. Que fase!! 

  25. Já comentei sobre a cooptação

    Já comentei sobre a cooptação do Marcelo Tass.

    Agora aproveitando assunto, de se notar, a propósito, a mudança do Ministro Luís Roberto Barroso; mudou muito, de sua posição equilibrada e defensor do Direito para aliado dos destruidores da cidadania e do estado de direito sob o argumento demagógico, seletivo e hipócrita do “combate à corrupção”. Vive dando declarações nesse sentido (antigamente era defensor do Estado Democrático de Direito, criticando inclusive o tal ‘mensalão’ como ‘um ponto fora da curva’) e até frequentando palestras junto com Moro e Dallagnol, na cruzada seletiva, velhaca, infantil e falso-moralista de “combate à corrupção”. 

    Meu amigo, é quase certo que se for atrás alguma coisa também aconteceu com o Luís Roberto Barroso para essa mudança. Com o Fachin deve ter rolado algo também. Fux, Carmem Lúcia, Celso de Mello e Rosa Weber, já mostraram a cara deslumbrada, covarde e de juristas de estofo duvidoso.

    • “é quase certo que se for

      “é quase certo que se for atrás alguma coisa também aconteceu com o Luís Roberto Barroso para essa mudança”:

      Tres palavras:  macom de merda.  Se fossem mais trairas…  explodiam.

  26. Teoria da conspiração,

    Definição: tudo aquilo que você não ouviu da boca do Wilian Bonner. No popular, se não passou na Globo, não aconteceu.

  27. As redes sociais vão ocupar,

    As redes sociais vão ocupar, em breve, no imaginário das pessoas, o espaço que a televisão ocupava.

    Quando a relação usuário-internet se tornar quantitativamente proporcional à relação telespectador-aparelho de TV. Não sei quando acontecerá, mas é inevitável.

    Comecei a ver televisão regularmente durante a década de 80. Nessa década, alguns nomes apareceram, e com eles, não uma revolução, mas um sopro de novidade nas programações de TV.

    Para os mais jovens, talvez seja difícil acreditar, mas gente como Fausto Silva e Marcelo Tas foram símbolos de uma nova forma de apresentar programas de TV e de entrevistar convidados.

    Aliás, nessa época, gente como Roger Rocha Moreira e Lobão eram também rebeldes de carteirinha, um com corte mais juvenil, e outro com um pé na marginalidade (em algumas ocasiões, ao pé da letra).

    Umberto Eco se permitiu dizer:

    “As mídias sociais deram o direito à fala a legiões de imbecis que, anteriormente, falavam só no bar, depois de uma taça de vinho, sem causar dano à coletividade. Diziam imediatamente a eles para calar a boca, enquanto agora eles têm o mesmo direito à fala que um ganhador do Prêmio Nobel”

    O pior é que essa legião, além de aumentar a cada dia, é facilmente cooptável pelos gigolôs da miséria do mundo pobre, como Hillary Clinton.

    E Donald Trump, também, para todos os efeitos.

    William Faulkner achava que os americanos tinham que escolher entre a dor e o nada, e escolhia a dor.

    Que fatalmente os levará ao nada atômico, como pilheriou Glauber Rocha.

    Agora, entre Hillary e Trump…

    Isso tinha que acabar assim, mesmo.

  28. Tass serve para quê?

    O USG está precisando do Tass? Credo!!! Isso mostra que o império está agonizando mesmo. Mas todo império antes de submergir torna-se muito violento e muito guloso com o bem alheio (de países e povos, claro). Portanto, vamos sofrer e perder muito, ainda, neste agonizante andar do atual império. Só nos tempos modernos lembrem como desapareceram os impérios turco-otomano, russo, austro-húngaro, germânico, inglês…

  29. Wikileaks diz que Michel Temer é informante dos Estados Unidos

    Do Jornal do Brasil:

    O perfil oficial do Wikileaks em redes sociais divulgou documentos indicando que o agora presidente interino Michel Temer (PMDB) supostamente seria informante da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. O conteúdo da correspondência foi classificado como “sensível” e “apenas para uso oficial”.

    A organização sueca mostrou documentos de janeiro a junho de 2006, nos quais o peemedebista supostamente passava sua visão sobre a situação política em meio à disputa eleitoral para a presidência — quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi reeleito.

    De acordo com o Wikileaks, Michel Temer supostamente analisava as diferenças entre Lula e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. “As classes C, D e E acreditam que Fernando Henrique roubou dos pobres e deu para os ricos. Já Lula roubou dos ricos para dar aos pobres”, diz frase atribuída a Temer.

    Segundo o Wikileaks, um dos documentos supostamente aponta que Temer acreditaria na época que a “desilusão” da população com o PT seria uma oportunidade para o PMDB conseguir candidatura própria. Divisões do partido e a ausência de um forte candidato, no entanto, poderiam forçar o PMDB a uma aliança com o PT ou com o PSDB. Uma decisão dependeria, mostra o arquivo, do desempenho de Lula nas pesquisas. 

    O perfil oficial do Wikileaks em redes sociais divulgou documentos que citam Michel Temer

    Temer negava uma previsão do resultado da disputa eleitoral, mas garantia que haveria segundo turno. 

    Ainda segundo o Wikileaks, Michel Temer teria supostamente dito que o seu partido elegeria entre 10 e 15 governadores naquele ano, e que teria as maiores bancadas no Senado e na Câmara. “Quem quer que vença a eleição presidencial terá que vir até nós para fazerqualquer coisa”, teria dito o peemedebista.

    http://www.jb.com.br/pais/noticias/2016/05/13/wikileaks-diz-que-michel-temer-e-informante-dos-estados-unidos/

     

  30. Dificilmente é por simpatia

    A adesão à conspiração não necessariamente passa pela simpatia idelógica ou outra…

    O rorteiro de cooptação dos imperialistas, fartamente conhecido seguem três etapas básicas:

    1) a mais comum é a ECONÔMICA, não só em espécie circulante como também através de agrados e favores, assim como oferecimento de vantagens ao titular e familiares entre outros cidadania americana, trabalho bem remunerado, bolsas, além de, é claro, anistia e proteção. Traduzindo, casa, comida e roupa lavada;

    2) a CHANTAGEM, profissional, social ou politica, através de informações obtias pela sua rede de espionagem. Dificil não acharem um deslize que possa ser usado;

    3) Ameaça de realiações e perseguição politica, social e profissional. Denuncias vazias, difamações e destruição econômica. O individuo vira um pária social. Somente utilizada em caso das duas primeira falharem, o que geralmente havendo uma predisposição minima, não acontece.

  31. Ai uma prova clara de como o

    Ai uma prova clara de como o Tio Sam e o mercado demoníaco sanguinário espalhou sua primavera mundo afora para sangrar vários povos: iraquianos, libios,….e por último os brasileiros trouxinhas….

    Resultado de busca no google por marcelo tass e hillary – clique aqui

  32. Ela só seguiu o roteiro

    Ela só seguiu o roteiro descrito no livro “Legado de Cinzas – Uma História da CIA”, e usado há muito tempo pela agência americana ao longo do século XX e do atual.

    Vendilhões da Pátria existem pelo mundo afora e o Brasil não é diferente; aliás, diferente é o valor pelo qual cada um é comprado.

    Tem Ministro no Governo golpista pelo qual devem os EUA devem ter gasto muito dólar para serrar a sua resistência.

  33. É assim desde os tempos de Carlos Lacerda

    Se brincar rola até um dinheirinho, ou uns presentinhos …  No fim todos eles serão descartados, lixo politico e cultural sem importancia. Como Lacer da.

  34. Só Marcelo Tas cooptado? Antigamente eram 30 moeda. Hj 1 café…

    Os Simpsons e o despotismo ~nada~ esclarecido de Curitiba, por Romulus
     

     ROMULUS
     SAB, 15/10/2016 – 17:45
     ATUALIZADO EM 15/10/2016 – 19:48

    Os Simpsons e o despotismo ~nada~ esclarecido de Curitiba

    Por Romulus

    (i) Lisa Simpson esteve de novo no Brasil – ou quase

    Há um episodio de “Os Simpsons” em que, dentro do roteiro sempre caótico e imprevisível por que a série se caracteriza, Lisa ascende ao poder na cidade como parte de um “conselho de notáveis”, composto apenas pelos maiores cérebros de Springfield.

    No início uma maravilha! Tudo mais eficiente e racionalizado…

    E no entanto…

    Bem, e no entanto depois tudo dá errado.

    A pobre Lisa, mesmo superdotada, não consegue compreender como aquele “sonho tão belo” pode desandar.

    E aí, no final, chega Stephen Hawking para socorrê-la e explicar o (não tão) óbvio:

    – Às vezes os mais inteligentes podem ser os mais ingênuos.

    LEIA MAIS »

    Vídeos

     

     

     

     

     

     (i) Stephen Hawking explica aos Simpsons fracasso do despotismo esclarecido; (ii) Simpsons contam mais a Dallagnol sobre o Mayflower e os peregrinhos “não corruptos”; (iii) Os Simpsons visitam Curitiba, digo, Salem durante a caça às bruxas; (iv) e (v) a História dos EUA segundo South Park. 

     

  35. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome