Defesa de Emanuela Medrades pede que STF proíba ordem de prisão

Depoimento de diretora da Precisa Medicamentos foi suspenso depois que executiva adotou estratégia de se manter em silêncio

Diretora técnica da Precisa Medicamentos, Emanuela Batista de Souza Medrades. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Jornal GGN – Os advogados de defesa de Emanuela Medrades, diretora da Precisa Medicamentos e depoente na CPI da Pandemia desta terça-feira, querem que o Supremo Tribunal Federal (STF) impeça a CPI de decretar a prisão de sua cliente.

O pedido foi feito após a suspensão do depoimento da executiva, que disse que ia seguir a orientação dos advogados e permanecer em silêncio e não respondeu às perguntas dos senadores.

Segundo o jornal O Globo, os advogados afirmam que cabe à depoente julgar o que pode ou não incriminá-la, e pedem que a decisão do presidente do STF, ministro Luiz Fux, deixe explícito que compete a ela fazer a análise sobre as perguntas.

Emanuela compareceu ao Senado amparada por um habeas corpus concedido por Fux nesta segunda-feira, que autorizou que ela ficasse em silêncio para não produzir provas contra si. Contudo, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD), entrou com pedido de esclarecimento sobre a extensão de tal medida, e suspendeu a sessão até que houvesse uma decisão oficial a respeito.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome