Senadores trocam xingamentos por causa de Bolsonaro; CPI convoca Luciano Hang

Senador Jorginho Mello e Renan Calheiros se ofendem com adjetivos como "vagabundo", "picareta", "ladrão" e "puxa-saco"

Renan Calheiros e Jorginho Mello brigam na CPI
Renan Calheiros e Jorginho Mello brigam na CPI. Foto: Reprodução/TV Senado

Jornal GGN – A sessão da CPI da Covid nesta quinta-feira foi marcada por uma briga entre os senadores Renan Calheiros, relator da comissão que investiga os crimes do governo Bolsonaro na pandemia, e o senador Jorginho Mello, que insurgiu-se contra uma fala que citava justamente o presidente da República.

A CPI estava tomando o depoimento do diretor de relações institucionais da Precisa Medicamentos, Danilo Trento, que, amparado por habeas corpus, se recusou a responder inúmeras perguntas. Renan zangou-se com a falta de colaboração e chamou a atenção do público para o tipo de empresa que estava em negociação com o governo Bolsonaro para a venda bilionária de vacinas da Covaxin. Mello tentou rebater as críticas a Bolsonaro feitas por Renan, que não admitiu a intervenção.

Na sequência, os senadores trocaram xingamentos. Após Mello dizer que Renan não tinha “envergadura” para insinuar que Bolsonaro é corrupto, o relator chamou o governista de “vagabundo”. Mello respondeu chamando Renan Calheiros de “ladrão” e “picareta”, e o relator da CPI respondeu com os mesmos adjetivos.

No Twitter, Mello comentou a briga: “Quem é Renan Calheiros para chamar alguém de vagabundo? Ninguém tem sangue de barata. Fiz o que muitos brasileiros gostariam de ter feito.” Renan não se manifestou na rede social.

LUCIANO HANG É CONVOCADO

Mello ainda demonstrou contrariedade com a convocação, pela CPI, do empresário Luciano Hang, para explicar sua relação com o governo Bolsonaro na pandemia. O senador governista disse que Hang é um empresário ilustre e honesto, ao passo em que Renan tratou o dono da Havan como alguém da mesma laia de Bolsonaro.

Hang deve depor na próxima quarta-feira, 29 de outubro. Nesta semana, a CPI recebeu documentos indicando que a mãe do empresário faleceu de Covid-19, mas teve dados relacionados aos óbitos alterados para omitir a doença e os tratamentos sem comprovação científica utilizados. Hang emitiu nota à imprensa afirmando que sente-se feliz com a oportunidade de esclarecer seu papel na pandemia à CPI.

Leia também:

1 – Dossiê aponta fraude em declaração de óbito da mãe de Luciano Hang

2 – Como Luciano Hang escapou da prisão no TRF-4 após ser condenado em 2ª instância

3 – Luciano Hang diz que morte da mãe é usada “como artifício político” na CPI

RECOMENDADO:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome