A responsabilidade do PT na retomada do conservadorismo, por Berenice Bento

Do Outras Palavras

Por que a Marcha da Família está de volta

Por Berenice Bento

Entre silêncios e conchavos, governos do PT abandonaram o combate no campo cultural. Bancadas reacionárias o encamparam, em sentido inverso. Resultado foi o Domingo Nefasto

Aconteceu outra vez. A Marcha da Família com Deus pela Liberdade aconteceu outra vez. Não nas ruas, como na sua primeira edição em 1964. Não foi farsa. Não foi tragédia. Assistimos, em grande estilo, a consolidação de uma agenda política da elite moral deste país. Grande estilo porque tudo se deu nos marcos do Estado de Direito, na Casa do povo, ungidos pelo voto popular. Em 1964 se pedia o Golpe para livrar as famílias da ameaça comunista. Em 2016, o golpe foi dado sem o disparo de um tiro.

Agora, não eram milhares nas ruas. Foram 367 [email protected] que, quase em coro, declararam seu voto a favor da família. Quem escutar estas declarações daqui a alguns anos, certamente se perguntará: o Projeto que estava sendo votado era para salvar a família? Não era. E era. Não era porque a discussão deveria ser em torno do impedimento ou não da presidenta da República. E era porque o debate sobre moralidades foi uma pauta política com grande poder na produção de unidade e dissenso nos últimos anos.

E se é verdade que ali estavam sendo apreciados (ilegitimamente) os governos do PT, deve-se perguntar qual foi o ponto de unidade entre aqueles que disseram não a este projeto político-partidário. O dia 17 de abril foi o acerto de contas conosco: ativistas dos direitos humanos, feministas, transfeministas e LGBTs. Foi um grande momento na luta por um país/reino de Deus sem “lixo humano”.

Meu lado vidente prevê: Eduardo Cunha será cassado. Mas qual o problema? Outros 366 continuarão o trabalho dele.

Os momentos altos do debate de uma agenda político-moral têm acontecido, principalmente, em períodos eleitorais. Vimos, sem dó nem piedade, nossos úteros transformarem-se em moeda de barganhas. No mercado eleitoral as carnes mais baratas são as das mulheres, das pessoas trans, gays e lésbicas. Nossos corpos transformavam-se em territórios de disputas e conquistas. Mas o mercado não parou depois das eleições. Para garantir governabilidade, o leilão [email protected], assistimos à censura da Presidenta Dilma ao material pedagógico que seria distribuído nas escolas e que discutiria homofobia e transfobia.

Entre silêncios e conchavos para manter a governabilidade, os governos do PT foram cedendo e cedendo à pauta da elite moral. Das “miudezas” da vida política nacional aos “grandes” temas (como a regulamentação da mídia e o direito à informação como Direito Humano) o combate no campo cultural, nos termos do Gramsci, foi secundarizado pelos governos petistas e, no sentido inverso, priorizado pela elite político-moral que se expressa politicamente via as bancadas BBB (Bíblia, boi, bala).

Alguns dizem que são os interesses econômicos não-ditos que estavam por trás daquelas declarações de fé [email protected] [email protected] Pode ser. Mas estou convencida de que a esfera da cultura é o espaço mais duro para fazermos a luta. Ali, “família” tornou-se o tropo síntese de uma visão de mundo marcada pelo heteroterrorismo. E como isso funciona? Se você não segue os caminhos da família heterossexual estará fora da Nação. Foi isso que [email protected] [email protected] nos avisaram. Na Nação onde Deus é o senhor, não tem aborto, direitos sexuais e reprodutivos, homossexualidades, mudança de gênero. Converta-se e salve-se.

É a heterossexualidade obrigatória em pleno funcionamento.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

62 comentários

  1. Todos!…

    De fato, não só o PT, mas todos os progrtessitas, lamentavelmente,  permiram a assenção do obscurantismo no Brasil. 

    As televisões abertas no Páis, por exemplo, são uma lástima. Haja pregadores e pregação retógradas!…

    • Naõ concordo

      Não concordo, somos um povo conservador isto é inegavel, poderia a esquerda lutar contra o conservadorismos latente, como…

      Talvez pudesse aproveitar a saida da ditadura para cristalizar as conquistas, mas só lembrando com a Evangelicos tendemos a aumentar…

       

  2. A responsabilidade do Pt

          Em minha modesta opinião Eduardo Cunha renuncia, preserva o direito de reeleger em 2018,  não ira preso em razão do Judiciario esta acorrentado pelas escutas, os processos contra Cunha irão para a primeira instancia e ai a gente ja sabe o que aconteceu com o Mensalão o do PSDB. e a vida continua.

     

    • Eduardo Cunha renunciar?

      Eduardo Cunha renunciar? Duvido. Ele é o “ungido”, o escolhido pelo “Estado Maior”. E escolhido justamente pelo seu “curriculum” e pela desenvoltura com que executa qq tramóia sem o menor constrangimento. No Brasil é o todo poderoso. O controle que exerce sobre o Congresso Nacional e a imunidade que lhe assegura o poder judiciário (por razões que nem ouso pensar) constituem o GOLPE. O impeachment é só um detalhe. E podem fazer eleição presidencial a cada semestre. Quem quer que se eleja esbarra nele,  lembrando que a proposta de eleição passa antes pelo seu território.

      Desatar esse nó é o problema.

  3. O PT

    também deverá ser o culpado…

    pela derrubada de uma ciclovia pelo mar no Rio…

    pelo aparecimento de 7% pra o nazista Bolsonaro em 2018…

    pela milícia fascista em frente à FIESP…

    por Cunha ser o bandido e canalha que é…

    pelo racismo e homofobia televisionada do Feliciano…

    pelo tal “efeito estufa”…

     

    como o golpe de estado já praticamente consolidade,

    começou a caça às bruxas no lado, digmos, progressista;

    e o PT é um alvo excelente pois é exatamente o culpado por tudo de ruim que nos acomete.

    Tá ki Phariu!!!

     

    só fico imaginando se Lula e/ou Dilma resolvessem chutar de vez o pau da barraca e convocasse uma resistência violenta ao golpe de estado, esses pensadores iriam ficar teorizando sobre a trajetória das balas de AK-47 que porventura atingisse o PROJAC da Globo enquanto o sangue estivesse escorrendo nas ruas e alamedas?

  4. Kkkkkkkkk
    Esqueceu de dizer que essas esquerdas:

    1- entraram logo para a oposição,

    2- exigiriam mais do que um governo pode dar,

    3- se uniu, desde o início, a exatamente essa corja que quer derrubar Dilma, para conferir sucessivas derrotas na Câmara, enfraquecendo as posições do governo.

    Agora, que o caldo queimou, querem tirar a língua maldita do pote?

    Amarguem o que vem por aí.

    • Foi isso mesmo, desde o

      Foi isso mesmo, desde o malfadado Cansei que tentar por fogo no país, há muito tempo as instituições estão aparelhadas para prtoteger alguns e perseguir muitos principalemtne em sp, só não via quem não queria, se esqueceram das varias votações que inflingiram derrota ao governo apostando no quanto pior melhor? E a midia porca e mafiosa nunca deu tregua para Lula ou Dilma, bateram sem dó, se esqueceram do dia em que um imbecil ao dar a noticia do pib a 9%  disse que parecia ser uma boa noticia mas não era??  Ou da economista má intencionada que ao informar que ao falar sobre o desemprego em queda disse “caiu mas vai subir”?, errou por “apenas” doze anos? Se eu fosse eleito presidente inventava uma hora do Brasil televisiva em dois horarios nobres por dia e falava diretamente com a população, era contra a hora do Brasil mas vejo que  não se pode deixar para a midia mafiosa e bandida manipular tudo.

    • As “outras” esquerdas fizeram

      As “outras” esquerdas fizeram o que puderam e o que não puderam com o PT. Só que eles não têm um Lula vão ter que “comer muito feijão até chegar a algum lugar.

       

  5. Nostradamus vive.

    Debatedores, 

    gostaria de compartilhar uma visão que já venho tendo há alguns dias e que foi reforçada hoje pela manhã. Vou revelar aos caros colegas:

    Nunca imaginei que eu teria o “dom” de Nostradamus. 

    Mas,  subitamente, uma luz veio do reino dos céus para iluminar a minha cabeça.

    E a luz me disse:

    Dilma será afastada daqui a alguns dias.

    Um  homem  imparcial, competente, isento, enfim, acima de qualquer suspeita,  com notoria reputação ilibada em prol da democracia,  fará um trabalho muito bem feito, com todo o seu conhecimento jurídico,político, profético, imparcial, isento, democrático, como manda a cartilha de uma sigla,  PSDB,  para “aceitar” a adminissibilidade do processo da “família com deus pela liberdade” em desfavor de uma senhora que cometeu o crime decretar o  andar de bicicleta, sobretudo, pela manhã.

    Após a emissão desse relatório, que já nasce com o voto antecipado favorável,  o Brasil estará livre para o “império” da liberdade democrática, legítima, pura, isente de corrupção, em prol de um brasil do futuro para o bem da nação e de todos os que habitam essa terra familiar.

    E a partir daí, o  respeito  às  eleições e os votos dos cidadãos se fortalecerá!

    _____

    Esse é um resumo da minha visão pessoal.

    Foi um visão e tanto… 

    Confesso-lhe que foi uma luz divina que eu vi se manifestar no alto de uma pedra na montanha e que me mostrou os caminhos da paz social. 

    Emocionei-me…

    Nostradamus vive.

     

     

     

  6. O PT “cedeu” de livre e

    O PT “cedeu” de livre e espontânea vontade ou se tornou mais um prisioneiro do Sistema? Se buscarmos na memória lembraremos das várias iniciativas frustradas no campos dos Direitos Humanos e dos Costumes face a imensa reação coordenada e bem articulada do estamento liberal-conservador. 

    Antes das simplificações há se entender que em 2002 a Esquerda ou a agenda reformadora  pouco ou nada levou. Quem imaginou que o PT iria promover inflexões radicais na seara sob comento certamente desconhece a sociedade onde se insere. Talvez acredite também em fadas-madrinha barbudas. 

    Acho que o PT poderia ter feito mais nesse campo. Não obstante acho justificável o relativo fracasso. Nossa sociedade é majoritariamente conservadora e tende a se manter assim por muito tempo. Pergunta-se: quantas emissoras de TVs, rádios jornais, blogs, sites, canais no You Tube, existem para ecoar e dar substrato a uma agenda progressista como há para as que se opõem a qualquer tipo de mudanças e enfoques no campo da Moral, dos Costumes e dos Direito Humanos? 

    Como exigir de um PT já acossado pela gestão de uma complexa e incipiente economia(conflito distributivo) conjugada com as tensões na seara política na qual teve que se valer de alianças e parcerias esdrúxulas, incluindo com o estamento conservador-reacionário, vigor político para arrostar a agenda reacionária? 

    Claro que essas alianças de fundo apenas fisiológico sucumbiria – como sucumbiu – tão logo as condições iniciais, ou sobre as quais foram constituídas – “o toma lá da cá”, desmoronassem. Nesse aspecto, o fatídico 17 de abril foi de uma serventia ímpar: mostrou a verdadeira face, a hegemônica, deste país. 

  7. Comentário.

    Difícil dizer algumas coisas, sobretudo quando, no campo do individual e do social, são conjugados elementos aparentemente diferentes, como a economia, a política, o trabalho e a religião (friso, aparentemente díspares).

    “Pela minha família”. Não é pela família, nem mesmo pelo conceito, por mais estreito que seja; foram leituras que beiraram o particular.

    Pressuporia, aliás, a sinceridade dos parlamentares que, em sua maioria, foram eleitos com base no quociente eleitoral, e não, no voto direto ao candidato.

    O conservadorismo tem sua base nas igrejas de porta de garagem, do “Brasil Profundo”, da igreja católica que foi vista de modo péssimo pelo João Paulo II e por Bento XVI, pela renovação carimática e quetais. 

    Ao contrário dos setores progressistas, que não se sentem muito bem com o mundo como ele é, os conservadores aceitam o mundo e racionalizam de diversos modos. Por isto, não me surpreende que muitos prosperem economicamente, outros tantos são explorados em nome de sua fé. Mesmo isto é uma generalização grosseira. Afinal, pressupõe a sinceridade do falante e de seus atos.

    Acho que o texto exagera, e muito. Mas talvez tenhamos uma situação muito curiosa, de uma guinada à direita com a existência de um desbunde…

  8. você é um fufu pobretão…

    mas temos sinais que vão alcançar você em qualquer quintos dos infernos do Brasil com maravilhas nunca vistas ou tidas

    capte meus sinais, toda esta maravilha, e sinta-se à vontade para perguntar ao Senhor se existe governo aí neste quinto do inferno onde você se encontrado

    perguntado, e ante tantas maravilhas vista e ouvidas: ó meu Senhor, realmente não existe governo aqui

    toda esta maravilha e eu sem nada disso, petista desgraçado, “vou acabar com a tua raça”

     

     

    rs……………………só brincando de fazer novelas

    • tem lógica, pelo menos em tese…

      televisão é como faltar água nas bicas dos pobres e o sinal ser um governador bebendo água mineral a 3 reais o copo

       

       

      rs…………………………….brincando novamente, de bom governo

  9. Se eu entendi, de que

    Se eu entendi, de que serviram as 30 milhões de pessoas resgatadas da miséria, o Minha Casa Minha Vida, O Luz para Todos, as cotas as universidades públicas, as escolas técnicas, o pronatec, a Lei Maria da Penha, os aumentos reais do salário mínimo, o término da escravidão das empregadas domésticas, etc.,etc.,  mas não podia coligar- se com os conservadores…Os 90 deputados mais os gatos pingados do PCdoB , fiel e admirável aliado, fariam muito ( ? ), no meio de 513 deputados ( mais de 300 picaretas ).

    Talvez nem devesse governar, porque isso é muito menos nobre do que fazer posiçáo, mesmo estéril, mas combateram o capitalismo. O povo? Que esperasse mais algumas poucas décadas, quando as esquerdas serão majoritárias e er…Unidas.

    Conclui-se assim que o culpado pelo golpe que se aproxima, é o PT.

    Entendi bem, não é ?

  10. Responsabilidade Depois Que Tardia… Agora é Luta.

    A responsabilidade do PT e de todos que acreditam na Democracia como melhor forma de se viver em contrários, nesse momento, é focar em derrotar o golpe paraguaio e avançar na reforma política tão desejada pelo povo, com as unicas forças de fato disponíveis: o povo “nas ruas” e a internet, para mante-lo informado, organizado e focado.

    O resto é “masturbação sociológica”, pois fora de época, ou então, mulher bela, recatada e do lar.

    Depois do 17 de abril, pode logo isso, Arnaldo?

  11. origem

    Quando o Sr. Luiz Inacio Lula da Silva tomou posse no primeiro governo, rasgou-se o programa partidário logo substituido pela Carta aos Brasileiros. Nesse momento Nós os milhares de militantes que passamos décadas construindo a oportunidade de ter um operário como Presidente, fomos substituidos pela classe política partidária em nome de uma tal de “governabilidade”. Conhecedores dessa tal classe política partidária o que esperar a não ser o que estamos assistindo hoje?

    Nos éramos os amigos até então do Sr. Lula, hoje os amigos são fazendeiros, empresários, banqueiros, já imaginaram se a tremenda base de apoio do PT autêntico com a credibilidade que tinha  o que poderia ter sido o Governo Lula e Dilma?

    Sim várias ações foram feitas de efeito imediato dada o total abandono das classes menos favorecidas, mas as estruturais?

    reforma agrária, reforma do ensino, saude pública, transporte de massa , segurança pública, imposto sobre grandes fortunas,

    reforma financeira e vai por aí a fora.

    • Erros foram cometidos

      Muitos erros e muitos acertos. Penso e acredito que tudo pode ser retomado se o golpe não for consumado. O inimigo é muito poderoso, mas não invencível. A luta ainda não acabou.

  12. culpar é inutil.
    só piora a

    culpar é inutil.

    só piora a nosssa defesa conta tantos ataques infames e sucessivos…

    reunir forças, sim, essa é a maneira mais correta de enfrentar os reais

    inimigos da democracia e dos avanços sociais…

    o resto é golpismo, pu eufemismos equivalentes, mesmo sem querer…

    viveremos muitas lutas – disse lula no último pronunciamento…

    é preciso apoiá-lo…

    • Concordo amigo. Entretanto, A

      Concordo amigo. Entretanto, A Sra. Berenice está coberta de razão. E niguém aqui está falando em não unir forças, mesmo que a nossa força, a dos segmentos por ela elencados, tenha sido subvalorizada. Estes segmentos, são os mais vulneráveis, mas também são riquíssimos em contrbuições para a plena democracia de qualquer sociedade. A diversidade está na gênese da Democracia.

       

       

    • Enquanto houver uma voz

      Vamos cair lutando. Dá alegria ver que apesar de toda a quadrilha, de todo egoísmo, de todo conservadorismo, de tanto fascismo e o seu terror, do medo convertido em ódio, das almas pequenas, de toda elite mesquinha e nefasta; tem uma turma do bem, alegre, positiva e amante desse País e desse povo. Abraços fraternos a todos esses.

      Pessoa Nefasta, nossos votos de melhoras e cura de suas almas. De vocês nos compadecemos.

      Tu, pessoa nefasta
      Gasta um dia da vida
      Tratando a ferida do teu coração
      Tu, pessoa nefasta
      Faz o espírito obeso
      Correr, perder peso, curar, ficar são

       https://www.youtube.com/watch?v=sRPYV6vLKdM

  13. VOTAÇÃO NA CÂMARA.

    ESTOU CURIOSO PARA  PARA SABER QUEM É ESTE MENINO COM CARA  DE BOBO INOCENTE QUE GRUDOU AO LADO DO MICROFONE, QUERENDO “APARECER”.

    • Com absoluta certeza, foi

      Com absoluta certeza, foi escolhido a dedo para ali estar. A razão, descobriremos um dia. Provavelmente membro do staff da Câmara.

    • Cara de bobo

      O nome deste menino com cara de bobo é FABRÍCIO JOSÉ SATIRO DE OLIVEIRA, suplente de deputado federal pelo PSB de S.Catarina e pré-candidato a prefeito de uma cidadezinha do interior. Descobri-o em DCM, onde se pode ler todo o currículo do “papagaio de pirata”.

  14. A responsabilidade não é só do PT
    Penso que a responsabilidade não é só do PT… E não estou procurando eximir o PT… Nos períodos eleitorais, as questões levantadas no artigo realmente não são enfrentadas, abandonam-se ideias importantes em troca de votos… Mas acompanho razoavelmente pela mídia as discussões no Congresso e noto que a esquerda, de modo geral, tem sido clara na defesa de igualdade de direitos, na defesa da democracia… O PSOL expulsou do partido o deputado que propos colocar na Constituição que todo poder emana de Deus…   Já o PSDB era o partido de João Campos, quando o deputado apresentou o projeto da cura gay, para contrariar resolução do Conselho Federal de Psicologia…   Hoje, ao ler matéria do El País sobre bancadas BBB que, em troca do apoio ao impeachment, agora vão cobrar de Temer, entre outras coisas, a aprovação do Estatuto da Família, escrevi o seguinte comentário no Google+:  Comentário:  Aí está…

    O ataque à democracia continua…

    Fim do Estado laico… submissão de todos às igrejas cristãs…

    Discriminação… perseguição… fim da igualdade de direitos…

    Igualdade de direitos, independentemente de opções políticas, religiosas, independentemente de etnia, de cor de pele, de sexo, de sexualidade…  é uma das bases da democracia…

    Ignorância, atraso e perversidade procurando assumir o comando…

    É o que se vê dos fanáticos religiosos em todo o mundo… 

    Em Mianmar, onde budistas perseguem islâmicos… 

    No Iraque e na Síria, onde o Estado Islâmico persegue e extermina yazidis, cristãos, homossexuais…

    No Irã dos aiatolás, onde homossexuais e transgêneros também são perseguidos…

    Nos EUA, onde alguns estados aprovam leis que permitem a funcionários públicos negar atendimento a gays… 

    No Brasil, onde evangélicos atacam cultos afro em programas de televisão e até nos próprios terreiros, segundo estudiosos que pesquisam o assunto…

    *

    O que foi a proposta de boicote à Boticário por causa da propaganda do Dia dos Namorados?

    A mesma ideia da Inquisição, a mesma ideia do Estado Islâmico…

    A empresa pensa diferente, em vez de respeitá-la, vamos propor o boicote…

    Vamos quebrá-la… vamos exterminar o diferente!

    *

    Roberto Jefferson pode constituir família e adotar filhos…

    Eduardo Cunha pode constituir família a adotar filhos…

    Marcelo Odebrecht pode constituir família e adotar filhos…

    José Dirceu pode constituir família e adotar filhos…

    Paulo Maluf pode constituir família e adotar filhos…

    Eduardo Azeredo pode constituir família e adotar filhos…

    Todos os envolvidos na compra de votos para a reeleição…

    Todos os envolvidos no mensalão do PSDB…

    Todos os envolvidos no mensalão do PT…

    Todos os envolvidos no mensalão do DEM…

    Todos os envolvidos no Petrolão…

    Todos os envolvidos no Trensalão…

    Todos os envolvidos no Merendão…

    Todos os que usam igrejas para lavagem de dinheiro…

    Todos podem constituir famílias e adotar filhos…

    Gays, transsexuais… não!

    *

    Quem ameaça as famílias?

    Os poderosos?

    A corrupção?

    A ignorância? O desemprego? A pobreza?

    As igrejas?

    Santander, Bradesco, Safra, Grupo Iguatemi, que financiaram a campanha de Eduardo Cunha?

    Ou os gays?

    *

    Aí o resultado da atuação do partido do príncipe da Sociologia…

    Para alcançar o poder vale associar-se com qualquer um…

    *

    A tristeza de ver o que enfrenta um país de pouca escola e muita igreja…

    País onde professores ganham pouco e pagam impostos, país onde pastores, isentos de impostos sobre as doações de fiéis, enriquecem a ponto de poderem comprar redes de televisão…

    *

    Pra isso é que se Vem Pra Rua?!

    *

    Um artigo do historiador Jaime Pinsky,,,

    Sobre os perigos da associação entre religião e Estado, os perigos do crente no poder…

    http://www.editoracontexto.com.br/blog/religiao-justica-e-historia-jaime-pinsky/

    *

    “Submissão”, editorial da Folha de S. Paulo, 14 de junho de 2015…

    Sobre os perigos da pauta religiosa na política brasileira…

    https://plus.google.com/113115111361171010092/posts/VGkCm1AcR5q

    https://jornalggn.com.br/noticia/o-dia-em-que-a-folha-voltou-a-ser-a-folha#comment-668924

    *

    Sobre isenções de impostos para igrejas no Brasil…

    Ver…

    https://plus.google.com/113115111361171010092/posts/FRsG4htNGbd

    Ou…

    http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2016/03/22/senado-aprova-de-isencao-do-iptu-para-imoveis-alugados-para-templos-religiosos.htm

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u70421.shtml (ótima matéria sobre isenção de IR para igrejas, informações de especialistas)

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/06/1638436-camara-aprova-aumento-de-isencao-tributaria-a-igrejas.shtml

    https://jornalggn.com.br/noticia/imunidade-tributaria-a-templos-religiosos-abre-brecha-para-o-crime#comment-664650 http://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/06/politica/1457297952_816852.html (matéria do El País cujo título acusa “vida de sultão” de Eduardo Cunha)  *  Link para o comentário no Google+: https://plus.google.com/113115111361171010092/posts/AELECrdt1DS

     

      • No caso de Aécio e Anastasia

        No caso de Aécio e Anastasia sim, pois foram descumpridos dispositivos constitucionais que determinham aplicações minímas do orçamento estadual em Educação e Saúde. O que é completamente diferente de abertura de crédito suplementar extraordinário, algo que eles também fizeram ao longo dos seus longos 12 anos de poder em Minas. Vale dizer, no entanto, que todos os governantes, de todos os níveis de poder, fazem e vão fazer uso desse dispositivo. Só é crime de responsabilidade para mulheres petistas honestas, nascidas em Belo Horizonte e moradoras de Porto Alegre.  

  15. Há um artigo antigo do

    Há um artigo antigo do Safatle que debate os chamados “filhos bastardos do lulopetismo”, que define como a direita que tornou-se de aliança com o PT, mas devido a esse discurso permeabilizado de superficialidade, não atacando as causas estruturais, fizesse que em questão de tempo haveria a ruptura. Por assim dizer, o PT ao invés de se mobilizar por um maior aprofundamento através uma conscientização de massas, adequou ao perfil reformista de uma pseudo-classe média ascendente, novos consumidores que emergiam e também emulavam (só emulavam) os valores conservadores – através de programas como o ProUni, entre outros. Mas nem tudo é só o PT:

     

    Infelizmente o debate regilioso compreenda algo caro dirigido aos mais pobres, sem escolaridades e vulneráveis. R.R. Soares rezando para Eduardo Cunha na véspera da votação é o cúmulo de cinismo. Esses deputados eleito pela bancada evangélica vão de igreja em igreja obter votos. 

    A mídia é bandita, desculpe generalização. Alguém como Eduardo Cunha sobrevive em avalanche de crimes cometidos, mostra o jogo sujo midiático imperdoável e historicamente engajada. 

    As instituições do judiciário, desde procuradores a juízes, são enviezado no pior que existe da classe-média: falso moralismo, discurso contra o Estado mediador de desigualdades, embora também sejam funcionários públicos, mas consideram-se aristocratas desse mesmo Estado. 

    Enfim, instituições fracas, poder midiático, que nada media ou produza crítica, mas apenas tenta imprimir através de manchetes o jogo manipulativo, por interesses mesquinhos e de interesse próprio. 

    Essa crise não é so do PT, mas de todos nós. Tem que haver uma crítica amarrado numa análise histórica que procure definir os agentes da atual crise. Não poderão ficar isentos, tamanha covardia e hipocrisia. Os velhos jornalões que atravessaram o século e apoiaram a ditadura de 64, não ficarão livres do julgamento histórico. A Folha que produziu panfleto de tamanha popularidade nos anos noventas que combateu a ditadura pertença mais ao mundo da propaganda do que da historia.

     

     

  16. o tema em tela é velho, velho, velho..

    É tão batido que nem vale a pena comentar. 

    Quanto à foto que ilustra o post, acabei lembrando de um gif que rolou logo depois do trágico dia 17.

    O tal papagaio de pirata da hora até que rendeu momentos engraçados. Enfim, é rir pra não chorar…

  17. Conservadorismo pentecostal e PT

    O ressurgimento do conservadorismo religioso político brasileiro tem várias razões postas, que remontam desde o fortalecimento das religiões neopentecostais que se dá desde a década de 1980. Isso também decorre da perda de um segmento relevante de classe média pela coalizão petista desde 2003 (isso mesmo) que poderia sustentar mudanças legislativas em termos de igualdade de gênero, direitos a população LGBT, aborto, dentre outras questões. E também a percepção de que o eleitorado evangélico seria o “fiel da balança” no sistema político, motivando o uso dos preconceitos como arma política.

    Os evangélicos, especialmente os neopentecostais, ganharam força a partir da década de 1980. Eles aproveitaram o fenômeno da urbanização para entrar em contato com a população de menor renda, carente de políticas públicas e de meios de socialização naquelas localidades. A teologia da prosperidade também foi enorme meio de estímulo para que aquela população se engajasse na religião. Isso permitiu que fossem formadas redes de cooperação e ajuda mútua, bem como desenvolveu o poder econômico daquelas instituições religiosas. A Igreja Católica, sob o comando de João Paulo II, ignorou esse fenômeno, bem como sabotou o desenvolvimento das Comunidades Eclesiais de Base que seriam a resposta adequada, numa conjuntura de Guerra Fria.

    O desenvolvimento do poder político evangélico se focou nos seguintes interesses de 1) ampliação do poder midiático e econômico através de concessões de radiodifusão; 2) manutenção de isenções tributárias, previdenciárias e burocráticas para as igrejas; 3) busca de recursos estatais para manutenção de políticas assistencialistas; 4) coibir tentativas de retomada do protagonismo pela Igreja Católica; 5) barrar adoção de políticas “anticristãs” como legalização do aborto, casamento entre pessoas do mesmo sexo e adoção por casais do mesmo sexo. Na década de 1990, as bandeiras do item 5 não encontravam correlação de forças suficiente para se estabelecer.

    A ascensão do PT à Presidência produziu a conversão de um partido de ideias e de um programa avançado a um partido de governo, com necessidade de negociar e se submeter às diversas pressões do ambiente político. A adoção de políticas de austeridade no período de Antônio Palocci a frente do Ministério da Fazenda já criou um clima de rompimento com uma boa parcela das elites urbanas não empresariais. Com a divulgação de acusações de corrupção, como a do “mensalão”, essa correlação de forças jogou definitivamente esse eleitorado para o bloco liderado pelo PSDB. Se esse eleitorado tivesse sido mantido, o PT teria força para impulsionar mudanças nos temas do item 5 do item anterior. E na convivência do parlamento, o voto evangélico se revelou necessário para a governabilidade, já que a bancada feminista já estava no PT e PC do B, bem como uma bancada homossexual assumida nunca existiu (Clodovil não tinha orgulho de ser gay e Jean Wyllys só se elegeu em 2010).

    O poder evangélico já se notava desde 2002, quando Anthony Garotinho que tinha apenas a legenda do PSB conseguiu 17,86% dos votos válidos numa campanha baseada quase que exclusivamente no voto evangélico. Naquela época, estavam com ele gente como Silas Malafaia, Everaldo, que tinham sido aliados do brizolismo, bem como Eduardo Cunha. E eles foram com Lula no segundo turno. A Igreja Universal já estava com Lula desde o primeiro turno.

    Os problemas começaram desde que Lula, depois da crise do “mensalão” consolidou uma aliança com a Igreja Universal, abrigando seu vice José Alencar no Partido Republicano Brasileiro (PRB).  A postura hegemonista dessa igreja criou sérios problemas e alienou possíveis apoios de outros segmentos evangélicos a Lula. Um dos poucos políticos que ficaram na ocasião com o governo foi Magno Malta (PR, então PL) que recebeu um apoio ostensivo da base de apoio do governo federal para sobreviver ao escândalo dos “sanguessugas”. No entanto, ainda boa parte da bancada evangélica votava com o governo, em troca do congelamento de pautas progressistas que só conseguiam avançar através de decisões judiciais e com as Conferências Nacionais de Direitos Humanos e LGBT.

    Em 2010, a candidatura de Marina Silva (PV) criou um ambiente propício para a rebelião evangélica. Diante da indecisão entre Dilma e José Serra, eles apoiaram a “irmã” para a Presidência, obtendo 19,86% dos votos válidos, o que acabou forçando a realização de um segundo turno. Isso foi propício para o começo de uma das campanhas mais abjetas de difamação que o país já viu. A campanha de Serra fomentou um clima de insinuações que iam desde uma postura pró-aborto de Dilma até acusações de lesbianismo. Isso atraiu o apoio de muitos líderes evangélicos para Serra, como Malafaia que atacava a Globo, mas se rendeu aos holofotes da mesma. Dilma respondeu atraindo apoio de lideranças católicas como Gabriel Chalita e de evangélicos como Everaldo, o então cantor evangélico Irmão Lázaro e Marco Feliciano. Essa resposta criou as condições para que Dilma estabilizasse sua campanha e conquistasse a vitória eleitoral.

    O episódio que mais caracterizou o poder da chantagem da bancada evangélica foi a negociação da retirada do projeto Escola Sem Homofobia em troca da não convocação do então ministro Antônio Palocci para prestar um depoimento. Essa situação foi prova da rendição do governo e comprometeu uma política pública necessária por décadas. Qualquer visão sobre direitos humanos que um cidadão tiver vai ser condicionada pela opinião do pastor e da mídia com seus programas policiais e religiosos.

    E a perda em definitivo do apoio evangélico fora da IURD ao governo Dilma se deu com a declaração do ministro Gilberto Carvalho que externou em público, em 2012, que se faria necessário uma batalha para conquistar o apoio de “conservadores que tem uma visão de mundo controlada por pastores de televisão”. Ao tentar tomar o protagonismo da mediação com o eleitorado evangélico, o governo enfrentou frontalmente tais interesses. A partir daí, houve uma consolidação da oposição à Dilma nesses segmentos, descambando com a eleição de Marco Feliciano para a presidência Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Agora, na votação do impeachment, até a IURD, através do PRB, deixou o governo com pouquíssimos votos. E numa ironia da história, Luiz Mott, líder histórico do Grupo Gay da Bahia, apoiou o impeachment, ficando ao lado de Malafaia.

    Agora, o desafio se põe de construir um contraponto que permita a esquerda retomar as pautas de diretos humanos e dê viabilidade eleitoral para elas. Há muita gente disposta a votar nisso, mas falta estruturar tal visão e conquistar a população. Nisso, o protagonismo deve ser tanto dos partidos, como dos movimentos sociais inseridos neles. Movimentos feministas, LGBT, das religiões de matriz africana, dentre outros devem se organizar para a disputa política e ocupar espaços para barrar retrocessos e criar avanços.

    • Rodrigo, os pentecostais são bem anteriores a 1980.

      A entrada em massa das religiões pentecostais nas comunidades pobres brasileiras é anterior a 1980, só que antes eles eram invisíveis em termos de existência as classes dominantes.

  18. Será que os evangélicos conservadores não tem direito ao espaço?

    Vamos ao real, nenhum partido tem a capacidade de influenciar a sociedade ao ponto de gerar ondas de pastores evangélicos conservadores.

    O ascenso dos movimentos evangélicos nas pequenas comunidades é algo que só não notava quem queria não enxergar, esta tendência vem de décadas, quem não via o crescimento em número dos pequenos templos de madeira em pequenas comunidades pobres há vinte ou mesmo trinta anos.

    Enquanto a sociedade andava e o espaço para estas comunidades pobres eram não oferecidos, as pequenas igrejas com pastores ou diáconos com suas bíblias surradas davam espaço para o protagonismo destas comunidades, coisa que dentro de templos barrocos decorados com ouro, simplesmente expulsavam os seus fiéis para locais onde poderiam, cantar, falar e até pensarem em algum dia virem a ser pastores.

    A grande diferença dos últimos dez anos é que estes evangélicos, assim como os movimentos LGBT, movimentos negros e outros assumirem um protagonismo na história.

    Fico simplesmente abasbacado que parte da população “culta” só tenha se dado conta da existência de dezenas de milhões dos filhos destas novas tendências vir a luz do dia. Agora simplesmente estas populações que eram simplesmente invisíveis aos olhos dos dominantes.

    Achamos normal que com uma população significativa LGBT comece a ser representada políticamente, achamos que as comunidades negras devem também assumir seu protagonismo e cidadania, mas ficamos abasbacados quando dezenas de milhões de evangélicos advindos de classes sociais mais baixas, assumindo a sua posição na política queiram que estas se tornem dominantes.

    Durante décadas a população evangélica cresceu em comunidades em que o discurso conservador serve como um anteparo a toda a dominação cultural que eram submetidos, assumiram um protagonismo que para pessoas que não estão ainda devidamente educadas dentro da lógica de uma sociedade laica.

    Infelizmente no momento em que o empoderamento (palavrinha antipática) passa por uma noção primária de sociedade, ficamos surpresos pela existência deste grupo social e com a falta de educação política destes. Porém é a forma que acham para sinalizar a sua presença.

    Alguns falam que a origem deste desvio vem após da Carta aos Brasileiros, mas esquecem que a força do PT antes de assumir uma postura mais republicana estava nas comunidades eclesiais de base, comunidades religiosas católicas, que foram devidamente esvaziadas não pelo Estado Brasileiro, mas por movimentos conservadores das altas cúpulas da Igreja Católica.

    O movimento evangélico não é objeto de dissertações e teses, ainda não notamos que eles existem, e se são mal representados e porque jamais se pensou que eles existissem.

    • Interessante sua análise.
      Interessante sua análise. Mas, fiquei pensando se é possível comparar o contexto de transformação, ou mesmo de transgressão, inerente aos movimentos das minorias, com uma digamos, associação, de evangélicos reunidos em torno de dogmas repetidos à exaustão por pastores. Como um partido político de esquerda oderia trabalhar com esse contexto dogmático? Os evangélicos buscam o quê, além da “salvação” celestial? É bem verdade que os líderes neopentecostais vendem a ideia de que a salvação não se completa se não houver progressão material (bens materiais).

      Ainda assim, você tem razão em dizer que os evangélicos estão invisíveis a certos olhos.

      • Mauro, o ponto não é o que é feito na cabeça destes que estão…

        Mauro, o ponto não é o que é feito na cabeça destes que estão nos templos, o ponto é por que eles entraram nos templos e lá ficaram.

        O que vendem os evangélicos não é salvação coisa nenhuma, é simplesmente a possibilidade de com toda a pantomina que lá é feita satisfazer a necessidade de serem protagonistas de algo.

        Quando um católico entra numa igreja, assiste aqueles ritos medievais um pouco atualizados, uma pregação de um padre que está lá quase como profissão e depois de receber uma hóstia sai do mesmo jeito que entrou, ele se não teve uma sólida educação religiosa durante a sua juventude não vê o mínimo objetivo em tudo aquilo.

        Agora se ele entra num templo pentecostal, onde como disse um humorista brasileiro, deve ser o local onde tem mais demônios do mundo devido a tantas manifestações que lá ocorrem, ele canta, grita, e vê os pastores e diáconos como seus iguais e não superiores, ele se sente PROTAGONISTA, mesmo que em seu íntimo saiba que tem muita farsa em tudo que acontece.

      • Só um adendo.

        Há mais de 40 anos que observo a presença significativa dos pequenos templos pentecostais, mas como eram pequenas casas de madeira incrustradas no meio de regiões populares e com pastores humildes e vindo do povo (nada parecido com os Malafaias da vida e com os mega-templos dos dias atuais – que não podem ser classificados rigorosamente como pentecostais), passava completamente despercebido pela “elite” brasileira.

        Posso até dizer, que parte dos fiéis que eram na sua maioria extremamente pobres estão sendo substituídos por membros da classe média.

        Ninguém faz um estudo sério sobre isto, tudo que se fala é mera opinião.

    • Interessante sua análise.
      Interessante sua análise. Mas, fiquei pensando se é possível comparar o contexto de transformação, ou mesmo de transgressão, inerente aos movimentos das minorias, com uma digamos, associação, de evangélicos reunidos em torno de dogmas repetidos à exaustão por pastores. Como um partido político de esquerda poderia trabalhar com esse contexto dogmático? Notoriamente conservador, aliás. Os evangélicos buscam o quê, além da “salvação” celestial? É bem verdade que os líderes neopentecostais vendem a ideia de que a salvação não se completa se não houver progressão material (bens materiais).

      Ainda assim, você tem razão em dizer que os evangélicos estão invisíveis a certos olhos.

  19. Análises ridículas como essa vão inundar a internet nos próximo

    Tão previsível … Vendo a derrota iminente do governo, dezenas de entrevistas a “analistas políticos” surgirão para explicar como chegamos a esse caos inimaginável nas cabeças mais criativas.

    Imputar a responsabilidade de tudo o que está acontecendo somente ao PT é, no mínimo, ridículo.

    Imagina, quem pode contra um câncer implacável tomando conta do corpo do estado: praticamente toda a velha mídia apresentando como legítimas as manobras de MPF, Judiciário, STF, TSE, Congresso Nacional e o próprio vice-presidente para cassar o mandato da presidente. Vcs querem o quê contra esse armamento pesado???? 

    Vão fazer seus trabalhos direito ao invés de procurar os caminhos mais fáceis.

     

     

     

     

     

     

  20. Educação Cidadã
    Vou bater na mesma tecla .
    O maior pecado dos governos petistas , foi não ter investido na qualidade da Educação Fundamental , no sentido da formação de uma consciência cidadã.
    E quando falo em qualidade , falo em mudança de gestão , com a valorização e melhora na formação dos profissionais desse nicho educacional , além de uma Escola com recursos humanos , físicos e materiais , e não esse fracasso que vemos hoje .
    Uma Escola q estivesse antenada com as necessidades desta geração de jovens , e não essa coisa chinfrim de Escola de tempo parcial , onde aluno e professor são vítimas da falta total de condições de trabalho e desenvolvimento real das possibilidades que o conhecimento voltado , não para o utilitarismo , mas para o humanismo , a cidadania , pode oferecer !
    Eu , por exemplo , moro em Petrópolis , Cidade Imperial , onde muitos brasileiros vêem como exemplo de lugar civilizado e desenvolvido .
    Pois aqui , uma cidade governada por um Partido que tem o seu nome a palavra Socialista , o prefeito nomeou recentemente uma nova Secretária de Educação ( q não tem condições mínimas para o cargo ) , não por interesse de melhoria da gestão , mas porque seu marido será candidato a vereador que irá puxar votos para o referido alcaide nas próximas eleições municipais . E ninguém se rebela contra , nem a classe dos docentes , nem as famílias !
    Enfim , a Educação por aqui , como em todo o país , com rarissimas e honrosas exceções , é uma tragédia , um desastre !
    E Lula , juntamente com Dilma , estão colhendo as escolhas erradas e omissões que realizaram nessa área .

  21. Nassifbom dia Estive lendo

    Nassif

    bom dia 

    Estive lendo alguns comentarios e percebi que aqui também esta uma guerra entre as supostas centro esquerdas. Terrivel, pois é completamente desagragador!

    Quanto ao artigo da Berenice, será que ela não percebeu que o PT nunca foi de “facto” governo?

    Lula, como um grande politico, o maximo que conseguiu foi conduzir uma corja de ladrões para conseguir o minimo de dignidade que existe hoje para os pobres! Quando digo o minimo, é porque um Bolsa Familia,  que muitos dicordam,  é o lucro anual de um Itau! 

    Quanto a Dilma, (coitada), não conseguiu sentar com os mesmos ladrões e fazer os mesmos acordos que solapam a sociedade desde sempre!, Por isso a raiva contra ela,  pelos moralistas (elites e oligarquias), que a estão removendo da presidencia.

    Ora,  culpar o petismo pelo atual conservadorismo,  é de uma miopia que não deveia merecer destaque.

    PS.: Não sou petista, pois, deixei de ser quando Lula foi eleito no primeiro mandanto e não rompeu com as malditas coalisões para governar.

    • A caminho da vida adulta.

      Eh impressionante como algumas visões do cenário são embotadas pela miopia partidária dos grandes pensadores. Ora, culpar o maior movimento político brasileiro, condutor e indutor de projetos sociais revolucionários, em plena democracia, por avanços de propostas conservadoras, reacionárias e até fascistas, é sintoma da baixa auto estima e dificuldade de quem critica em exercer a sua capacidade de influir no  rumo dos acontecimentos e redação da história política do país. Ora, será que os momentos em que a decisão de governo resultou em inclinação do eixo das decisões mais a esquerda ou mais a direita, prevaleceu sempre a decisão do governante, ou da maior ou menor representatividade de cada corrente nas bases políticas de sua sustentação. Chega a ecoar um certo surrealismo quando vemos grupos que imaginam que defendem uma guinada à esquerda, que abandonaram o base de apoio ao governo e depois vem reclamar da supremacia da direita. Seria uma certa esquerda acometida de uma forma do complexo de Peter Pan, sempre adolescente, culpando os adultos por tudo que desagrada.

  22. Já a partir da próxima

    Já a partir da próxima semana, sob o olhar complacente do Supremo Tribunal Federal, aliás, tendo-o como um dos seus principais PATROCINADORES, já estaremos vivendo sob o império da CANALHOCRACIA. Um governo dos CANALHAS, pelos CANALHAS e parra os CANALHAS. A lista, dada à luz,  dos que estarão à frente dos ministérios, com uma ou duas exceções de praxe, poderia ser facilmente ser confundida com uma chamada matinal num presídio de de gurança máxima.

     

  23. A esquerda “comportamental”

    Para chegar ao ponto específico deste post devo fazer uma introdução. Tenho a impressão que existem várias esquerdas por trás do movimento popular e cito aqui as que me parecem mais relevantes: a esquerda ideológica; a esquerda social; a esquerda nacionalista e a esquerda comportamental.

    A esquerda ideológica fala de socialismo em democracia, de oportunidades para todos, de democracia ampla e irrestrita, de prioridade com os pobres.

    A esquerda social é aquela de ações afirmativas, de 40 milhões saindo da miséria, do Bolsa Família, da PROUNI, do aumento real do salário mínimo, do Luz para Todos, do Minha Casa Minha Vida e etc.

    A esquerda nacionalista opta pela construção de uma nação independente e soberana, pela indústria nacional, por infraestrutura, pela maior ação do Estado e, ainda, pela aproximação com países da América do Sul (Bolivariana) em detrimento da nossa histórica submissão aos EUA.

    A esquerda comportamental é aquela que discute gêneros, defende minorias e que luta por uma sociedade plural – digamos assim – mais “moderna”.

    As duas primeiras “esquerdas” somaram apoios da maior parte da população, pois levou o Brasil a incríveis melhorias em diversos aspectos, incluindo elevados índices sociais e econômicos. Tanto é assim, que qualquer novo governo, mesmo golpista, insiste em dizer que vai manter ou melhorar estas iniciativas.

    Já a esquerda nacionalista levou aos EUA e o poder econômico global para uma luta incessante contra o governo popular, que culmina hoje com o pato do Skaf e com o Golpe que aqui está sendo tramado. Este o maior campo de luta que o PT tem tido que enfrentar em 13 anos, contra o PIG e contra poderes paralelos vindos dos EUA e da elite da burguesia brasileira, que nasce em berço de ouro e sonha morar em Miami. Este é o campo onde a batalha está hoje sendo travada com maior intensidade e que estaria custando a saída de Dilma e do PT do Governo.

    (Agora chegando ao ponto)

    Mas, em forma gratuita, pela nossa atuação muito pouco plural da chamada “esquerda comportamental” e, ainda, sectária, sofremos também hoje pela nossa incapacidade de construir um Brasil socialmente plural, realmente para todos, para LGBTs e para evangélicos. O PT não teve o cuidado de ser realmente plural (na prática) e, pelo contrário, apostou as suas fichas apenas na defesa irrestrita de determinadas minorias.

    O governo colocou – gratuitamente (não por mérito da direita) – do outro lado do espectro político, uma enorme comunidade conservadora (em termos comportamentais) e, do nosso lado, houve muito “modernoso” insuflando uma batalha contra milhões de brasileiros que pensam (ainda) diferente em relação a costumes, gêneros e família, o que levou a milhões de brasileiros de classes sociais – que hoje estariam defendendo o governo, para se aglutinarem ao redor de pessoas como Bolsonaro e Feliciano, que aumentam cada vez mais as suas projeções de votação. Nesse ponto erramos e erramos feio.

    O governo popular devia ter sido construído chamando a todos os brasileiros a participar e não priorizando segmentos. Fizemos o ridículo nas comissões de direitos humanos e de minorias, dando munição a Bolsonaro para atingir o patamar de votação que hoje tem. Representantes de algumas dessas minorias insuflam o debate aqui no blog e, depois de pegar fogo, fogem para o Facebook a seguir com a sua missão dissociadora, que culminou levando votos para Marina em 2014.

    Respeito aos meus amigos que pensam em forma avançada e moderna em relação a estes assuntos, mas respeito muito mais a quem, mesmo sendo dessas minorias, consegue levantar a sua visão e remar na mesma direção que a sociedade no seu conjunto deseja. Aprendi a respeitar esses colegas daqui do blog. Mas, sempre alertei para a atuação de pessoas intoleravelmente modernosas que insistem em dividir a sociedade.

    A realidade nos mostra hoje que são milhões de pessoas que, sendo de uma classe social beneficiada pelo Governo, e que devia por lógica apoiar a esquerda, fogem para o campo de direita apenas por ter levantado inoportunamente bandeiras comportamentais em batalhas que são eminentemente políticas. Eu quero um Brasil realmente para todos, respeitando as pessoas, as famílias e as comunidades. A melhor convivência social para o Brasil vai vir junto com a colocação em prática dessa convivência. A integração das minorias é feita gradativamente, participando mais em atividades culturais e trazendo junto às minorias para dentro de conjuntos majoritários.

    Resumindo, acho que poucos “modernosos”, intolerantes e gritões, têm ajudado a levar a esquerda para o antagonismo gratuito contra milhões de eleitores brasileiros que hoje deviam estar com a gente, defendendo o Governo num momento tão sério como este. E grande parte dessa situação acontece por responsabilidade de alguns “modernosos”, e que teve como resposta aquele show de horrores que assistimos na votação do impeachment pela câmara de deputados.

    Sei que os deputados que assim agiram e as comunidades que os apoiam estão errados. Mas, ao invés de continuar brigando com eles gostaria de mostrar o bom que a nossa esquerda tem, e há muito para mostrar. Espero que ainda possamos alterar esta percepção que hoje há em relação à ruptura entre brasileiros, apenas por assuntos comportamentais.

    • Sua divisão classificatória

      Sua divisão classificatória da esquerda é artificiosa e arbitrária. E a posição que transparece daí é a de reforço do conservadorismo, que é o seu, inclusive.

    • Esquerda comportamental

      A sua dita “esquerda comportamental”, embora necessária, nunca rendeu votos suficientes para eleger e pelo contrário tirou e alienou muitos eleitores do bloco progressista brasileiro. Idéias como legalização do aborto, do uso de drogas, da prostituição, de políticas de reconhecimento de direitos da população LGBT, de proteção das religiões de matriz africanas, de defesa dos povos indígenas e quilombolas, combate à redução da maioridade penal nunca deu votos, mas pelo contrário tirou muitos deles e inviabilizou eleições. Talvez o primeiro exemplo desse tipo foi Nelson Carneiro, político de centro, que foi o “pai” do divórcio no Brasil que abandonou a Bahia pelo Rio de Janeiro no começo da década de 1950, onde um ambiente mais urbano poderia assimiar sua militância.

      Nos partidos do campo progressista, os movimentos de juventude, de mulheres, negro e LGBT possuem presença significativa nas discussões e nos debates, sempre estando presente. A política eleitoral não possui tanta presença desses elementos, não só por sua baixa capacidade eleitoral, bem como o temor de ferir suscetibilidades. A partir daí, muitos representantes desses temas são eleitos não por suas posições, mas por representar outras temáticas, como a sindical ou uma idéia de esquerda genérica. Prova disso é que Jean Wyllys foi o primeiro LGBT assumido com orgulho a ser eleito para o congresso nacional, ainda que puxado por Chico Alencar na 1ª eleição.

      E a mídia hegemônica usa muito bem dessas situações para jogar a esquerda contra lideranças desse campo evangélico neopentecostal. No caso da eleição de Marco Feliciano para a Comissão de Direitos Humanos poderia ter sido dada a oportunidade para ele surpreender, nos convencer, nos seduzir. Mas fomos insuflados pela mídia e caímos em cima dele. Isso resultou em ganharmos um inimigo e um inimigo forte. No ano passado, Pezão nomeou o deputado e pastor Ezequiel Teixeira para a Secretaria de Direitos Humanos para ajudar Picciani a voltar para a liderança do PMDB, já que o suplente dele tinha se filiado ao partido. Isso poderia ter sido o começo da reconciliação de setores da bancada evangélica com o governo Dilma. Mas as organizações globo (em minúsculas) se aproveitaram disso para fazer ele dar uma entrevista para seu tablóide Extra, defendendo a “cura gay” e o diabo a quatro. O resultado disso foi uma reação dos movimentos LGBT que provocaram a demissão de Teixeira, que acabou votando pelo impeachment.

      Nessas horas, se vê que nunca tivemos ao menos a coragem de convocar Malafaia, Magno Malta, Feliciano e etc. para discutir pautas de direitos humanos. Eu não sei o que daria essa conversa, mas ao menos poderíamos ter surpresas muito boas e criado algum pacto progressista em termos de direitos humanos. Ficamos com medo deles e num clima de guerra, tornamos eles em inimigos fortalecidos pela visibilidade midiática.

      E para terminar, duas das maiores figuras históricas da “esquerda comportamental” se transformaram em dois grandes ícones da nova direita insuflada pelo golpe. Eu falo de Fernando Gabeira, empregado das organizações globo, e macaco de auditório das manifestações pró-impeachment e de Marta Suplicy, puxa-saco do vice golpista. Enquanto estiveram no nosso campo, criaram gafes e constrangimentos, bem como nos tiraram votos para sempre, e na hora do maior ataque à esquerda brasileira, eles se associam ao que há de pior e mais criminoso na política.

      • Muito grato

        Rodrigo, agradeço muito o seu extenso comentário. Devemos ter muito cuidado neste campo “comportamental”, pois a sociedade deve administrar-se criteriosamente, sem muita forçação de barra por parte do Estado (pois acaba sendo o efeito contrário), mas com cultura e convivência fraterna em sociedade. Pelo que sei, Wyllys apresenta-se como um excelente quadro, mas, lembremos que existem Senadores reconhecidamente Gay no PV e também no PSDB, mas, eles sabem apresentar-se como bons políticos, sérios e convictos das suas causas, sem apelar para o seu (digamos assim) gênero. Ou seja, eles não criam briga gratuita com evangélicos e etc.

        Devemos ter cuidad na forma como agimos, neste campo comportamental da esquerda, pois, já temos bastante disputa pela nossa opção nacionalista e latino-americana. Falta amor também pelas maiorias….mesmo que não gostemos da sociedade e da familia atual. Eles tem tantos direitos como nós.

  24. Cultura? é a economia esperto…

    Cultural nada. Algumas denominações ditas ‘evangelicas’ (não confundir com todas as denominações protestantes) são grandes empresas, são grandes negócios. Além das próprias igrejas serem um grande negócio – não pagam imposto, é uma ótima forma de ganhar vendendo bungigangas, cobrando igresso e dizimos, promovendo ‘turismo’ religioso e de lavar dinheiro – as denominações religiosas tem participação significativa em vário setores economicos, principalmente a comunicação. Além disso são grande difusoras da ideologia neoliberal e empreendorista, parem um pouco e ouçam as rádios ditas ‘evangélicas’ por alguns minutos e vão perceber tudo o que eu estou falando. A parte ‘cultural’ é só propaganda mesmo, a maioria dos ditos ‘pastores’  e dos congressistas que falaram em nome de Deus (deve ser o Moloch) e da familiam não acredita naquilo e muito menos praticam, só estão fazendo ‘reserva de mercado’. Se houveram acordos e recuos durante o governo do PT foi por causa do poder econômico dessas igrejas-empresas e não por concessão ideológica.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome