Waldir Maranhão anula decisão que revogava sessão pelo impeachment

Jornal GGN – O presidente em exercício da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, do PP-MA, revogou, durante esta madrugada, a decisão que tomou ontem, dia 9, de anular as sessões dos dias 15, 16 e 17, em que a admissibilidade do processo de impeachment a presidente Dilma Rousseff foi aprovada.

Em texto de ofício, Waldir Maranhão diz somente que revogou a decisão do dia 9 de maio que anulava as sessões descritas. Um outro ofício foi enviado ao presidente do Senado, Renan Calheiros, PMDB-AL, comunicando a decisão.

A Secretaria-Geral da Mesa da Câmara recebeu a decisão da revogação da anulação depois da meia noite.

Renan já havia decidido ignorar a decisão de Waldir Maranhão, presidente em exercíciod a Câmara, determinando que o relator do processo na Comissão Especial do Impeachment do Senado, Antonio Anastasia, PSDB-MG, fizesse a leitura do parecer por ele preparado e que se coloca a favor da admissibilidade do processo no plenário da Casa. Assim, começa a contagem do prazo de 48 horas para que os senadores votem a admissibilidade e o afastamento da presidente por 180 dias, o que deve ocorrer amanhã, quarta-feira, dia 11.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  O simbólico e o abismo: ou porque devemos temer a destruição da Lava a Jato, por Fernando Horta

26 comentários

  1. A decisão que anulou é nula

    E todo estudante de Direito sabe disso pois tem dois pecados o primeiro por não ter data e o segundo ainda mais grave não traz fundamentação ou motivação desrespeitando o artigo 93 da constituição federal, podendo facilmente ser levado o caso ao supremo tribunal federal. Notem que para anular as sessões ele motivou, fundamentou, mas, para revogar ele simplesmente e até quem sabe propositalmente esqueceu de fundamentar, dando total condição para a defesa de Dilma rir a toa

  2. Não é preciso desenhar a

    Não é preciso desenhar a farsa, nem quem está por trás dela.

    Eduardo Cunha estando por trás dessa esculhambação mereceria ser preso. Motivos não faltam de há muito para que isso ocorra. Agora, ele se superou e muito. E Maranhão também merece ser invesigado e, diferente do ocorrido ao todo-poderoso, antes de tomar mais medidas para atrapalhar o desenvolvimento dos trabalhos da Câmara, deve ser imediatmaente afastado de suas funções. 

    O Brasil não merece passar tanta vergonha mundo afora com essa corja de bandidos sentados nas cadeiras do poder.

  3. Briga na boca de fumo

    Fiesp e cia puseram dinheiro demais para comprar a bagaça, que o maranhão quis acabar numa canetada, mas não suportou a reação.

    Duas hipóteses:

    1. Maranhão, mantendo-se no cargo, continua a ser o fio desencapado do Golpe.

    2. O preço para votar sim na votação decisiva aumentou exponencialmente depois de ontem.

  4. Algum graúdo prometeu ao Eduardo Cunha

    que o seu processo vai terminar em pizza e ele não perderá o mandato de deputado.  Será afastado da presidência da câmara, mas poderá voltar quando a poeira baixar, se baixar. 

    Cunha tinha razões de sobra para estar preocupado, pois o STF foi unânime contra ele, inclusive os naipes Gilmar, tofoli e fux. Se ele não aprontasse esta, tendo o Mar anhão como puppet,  estaria frito e  iria ter, como ele mesmo disse, um monte de carpideiras chorando em seu funeral, após terem enterrado uma faca bem grande em sua costa.

    Ganhou Cunha, e ganhou de lavada.  A turma de traíras deve ter se dado conta que contra ele o jogo é diferente, não tem republicanismo barato.  Perdeu o Brasil e sua juventude, que correm o risco de terem outra, ou outras,  década perdida, onde vamos ver Engenheiros trabalhando de trainee no MacDonaldś e economistas trabalhando como bancários, sem concurso, na CEF privatizada.

    Meu conselho para eles: ou lutem com garra e destruam esta corja que está tomando de assalto o poder, ou se mandem deste país e vão fazer a vida em qualquer outro lugar melhor do que aqui. Pelo menos podem aprender outras línguas com fluência, o que poderá se um grande diferencial em suas vidas. Os mais qualificados podem até conseguir uma posição em uma Universidade, posições que aqui, serão reservadas para os que tiverm mais QI (quem indicou).

    O Brasil cumpre sua sina de país dos malandrinhos e malandrões tropicais. Dos Zés Cariocas e Macunaímas. Réquiem. Minha geração de meia oito foi brutamente derrotada! Perdemos, doutor, acabou.

    • É A Face Dolorosa Da Verdade

      Só um choque violento com grande sacrifício humano removerá esta corja do poder, pouco provável que isso aconteça. Hoje, estou perto dos 40, o que torna mais difícil a saída para um outro país. Mas, fica sua dica, incentivarei a minha descendência a ir embora daqui!

      • Ir embora não vai resolver,

        Ir embora não vai resolver, até porque, é isso que os golpistas querem.

        Tem que ficar e lutar pela democracia, pelo diretos de um país livre.

        E luta não é apenas luta física. A luta intelectual é muito mais importante.

        • Passei dos 50 e se soubesse

          Passei dos 50 e se soubesse como fazer pra cair fora desta pocilga, eu cairia fora. Feito Carlota Joaquina, jogaria os sapatos fora na fronteira e diria: Desta terra, eu não quero nem o pó! O Brasil é um retumbante fracasso como nação.

          • Cair fora e apagar da

            Cair fora e apagar da memória. Mas além de não  saber como cair fora, não sei como faria para apagar este paiseco de gente medrosa que não julgo  pois a memória da chibata no lombo deve fazer parte do DNA.

  5. EXPLAINING SO THAT THE WORLD CAN UNDERSTAND

    IMPEACHMENT IN/OUT/IN. EXPLAINING SO THAT THE WORLD CAN UNDERSTAND WHAT HAPPENS IN BRAZIL:
    (português abaixo)  

    1-Citizen A denounces Citizen B (who is forcing Citizen A to do things he doesn’t want to do – through murdering threats)

    2- Citizen B then threats again to kill Citizen A in even more omnious terms, if he continues to denounce him.

    3. Citizen A withdraw the charges

    In other words, someone denounces being threatened with murder – for example – then removes his complaint because he was threatened with murder. The murdering in this case is the lost of the political mandate. What the world has been contemplating now is a public murdering of a Constitution, televised live by GLOBO NEWS. Do something! The next democracy to fall can be yours.

    ____

    Vamos entender isso: Waldir Maranhão anulou a fatídica sessão da Câmara, dos dias 15 à 17 de abril, aquela do impeachment inconstitucional, porque viu a INCONSTITUCIONALIDADE do fato de partidos políticos obrigarem seus afiliados a votar (voto de cabresto) dentro de uma orientação partidária. Depois volta atrás porque o seu partido ameaçou expulsá-lo e, desse modo, ele teria seu mandato cassado. Ou seja, presenciamos a pura reincidência da inconstitucionalidade que ele combateu, mas dessa vez aplicada ao presidente interino da Câmara. Em outras palavras: alguém denuncia que está sendo ameaçado de morte – por exemplo – depois retira a sua denúncia porque foi ameaçado de morte. Essa é a estrutura jurídica deste país após a Constituição ter sido rasgada mil vezes a partir da LAVA JATO.

  6. Maranhão!!!

    Maranhão é um brincalhão. Na calada da madrugada o deputado decreta o impeachment do impeachment do impeachment. Tá na cara que alguém ofereceu uma “proteção’ pra ele e pro seu padim Cunha. Essa, com certeza, será uma longa novela sem final feliz para os brasileiros. Aguardemos as cenas dos próximos capítulos!!!!

  7.  “…Waldir Maranhão, do

     “…Waldir Maranhão, do PP-MA, revogou, durante esta madrugada…”

    A atitude do deputado, quando teve a coragem de anular a admissibilidade de impeachment, foi maior do que sua estatuta política e, talvez, moral. As pressões no interregno entre as duas decisões devem ter sido terríveis, bem ao estilo da neo ditadura que estamos assistindo perplexos. Na antiga ditadura, alguns democratas resistiram a pressões muito piores que incluiram torturas terríveis. Na neo ditadura atual basta um golpista gritar mais alto para que alguns recalcitrantes, nem tão democratas assim, ponham o galho dentro.

    Mas tem positividades na primeira decisão do acovardado deputado. A atitude dos dirigentes do PP de ameaçá-lo de expulsão soma-se a sua destituição da presidência do diretório estadual do partido no seu estado. As duas ações corroboram a denúncia do deputado de que a Lei do impeachment está sendo ferida, já que ela prevê total liberdade de escolha por parte dos paralamentares. Escancarou a ilegalidade. Mas a mais importante foi fazer cair a máscara de Renan Calheiros.

    O senador alagoano estava posando e sendo reconhecido pelos golpistas como quase um estadista. Estava numa zona de conforto, magnânimo. Era, e é, o segundo na hierarquia dos “protegidos gerais da República”, só perdendo no item para Aécio Neves( não se iludam com o pedido de inquérito contra ele). Ja era para ser réu, mas após a marcação de seu julgamento, o mesmo foi retirado da pauta pelo relator. O fato foi duramente criticado pelo ministro MAM.

    Pelas informações recorrentes, Renan é reconhecido como um fiador de todas as governabilidades, presentes e futuras, uma espécie de “reserva moral” das instituições. Pois bem, ontem no calor das pressões, rasgou a fantasia e se mostrou como peça chave na engrenagem golpista. A ira do senador, o desconforto exibido por ter que mostrar a cara, não deixou dúvida.

     

  8. Bom, era esperado. Eu havia

    Bom, era esperado. Eu havia avisado para ter cautela porque esse cara não é movido por sentimento nobre nenhum. É aliado do Cunha. Previsível.

    Diante de tantos números circenses, esse é só mais um. Mais um ato dessa comédia pastelão.

    Caros, Inês é morta.

  9. O recuo de Maranhão: melhor explicação

    http://jota.uol.com.br/por-que-maranhao-revogou-seu-ato-na-calada-da-noite

    Por que Maranhão revogou seu ato na calada da noite

    O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), revogou o seu ato que buscava cancelar a sessão que admitiu o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff para evitar um constrangimento em plenário.

    Maranhão havia convocado uma sessão extraordinária para as 8h desta terça-feira.  A expectativa era de que ele anunciasse a decisão aos colegas. Porém, líderes da maior parte dos partidos se organizaram e orientaram seus deputados  a chegarem nas dependências da Câmara somente após as 9h, para deixar Maranhão em uma situação constrangedora.

     Os líderes orientaram os deputados a não darem quórum na sessão desta terça para convocar uma sessão extraordinária no fim do dia e aprovar um recurso que revogaria a decisão de Maranhão. A análise de técnicos da Câmara era de que Maranhão estaria impedido de presidir a sessão por ser parte interessada.

    Com o risco de total isolamento, o deputado revogou sua decisão na calada da noite. Resta saber se o PP, partido de Maranhão, manterá a reunião marcada para esta terça para discutir a expulsão dele do partido.

  10. Não entendo qual a

    Não entendo qual a dificuldade que há em cumprimentar o deputado Waldir Maranhão por ter ao menos tentado. Não me importa as suas motivações, se foi visitado por Cunha ou por um alienígena. O fato é que ele tentou impedir, ou ao menos dificultar, o golpe de estado no país. Não posso julgá-lo por seu recuo, pois deve estar sob uma pressão que muitos aqui, jogados em suas poltronas, jamais aguentariam. O filósofo Renato Janine já disse uma vez que a esquerda é muitas vezes ingrata. Concordo com ele nesse caso. Puxaram o #AnulaMaranhão e no instante seguinte, quando ele anula, já queimaram o cara, inclusive muitos da blogosfera progressista.

    A gente simplesmente não consegue apoiar coisa alguma, seja Dilma, Maranhão, só apoiamos quando a coisa aperta, como agora. Desde outubro de 2014 estou em campanha, não ataquei Dilma em nenhum momento mesmo com Levys e Abreus da vida. Só apoiamos quando cumprem algum ideal perfeito que não existe, e ainda olha lá, a gente ainda vai chiar. Com isso, fazemos coro com fascistas e golpistas. Uma coisa é a crítica necessária e construtiva, a outra é engrossar o caldo do golpismo e ajudar o linchamento. Se o deputado que anulou e desanulou depois é isso ou aquilo, pouco me importa no momento, ele não está em julgamento e devemos ser um pouco menos arrogantes. Talvez tenha tentado mesmo colocar seu nome na História, por que não?

    Acredito que precisamos amadurecer um pouco, sermos menos “realistas que o rei”. Qualquer atitude que dificulte ou impeça o golpe neste momento é bem vinda.

  11. Não tenho dúvida que

    Não tenho dúvida que mostraram ao Maranhão como foi o “SUICÍDIO” dopolicial Lucas Arcanjo aqui em Minas. O descontrole emocional está expresso na assinatura que apôs à revogação da revogação. Me lembrei imediatamente do último védeo que o denunciante do Aócio postou antes de ser “SUICIDADO”. [video:https://www.youtube.com/watch?v=egoKb2jznag%5D

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome