A história de Mãe Preta

Mãe Preta/Barco Negro. Uma melodia. Uma toada. Um fado. Duas canções.

Uma música, duas letras, dois sucessos. A toada brasileira Mãe Preta, o fado português Barco Negro.

 

A música Mãe Preta

Piratini e Caco Velho

Pele encarquilhada carapinha branca
Gandôla de renda caindo na anca
Embalando o berço do filho do sinhô
Que há pouco tempo a sinhá ganhou

Era assim que Mãe Preta fazia
criava todo o branco com muita alegria
Porém lá na sanzala o seu pretinho apanhava
Mãe Preta mais uma lágrima enxugava

Mãe Preta, Mãe Preta

Enquanto a chibata batia no seu amor
Mãe Preta embalava o filho branco do sinhô

Na verdade, a música Mãe Preta faz referência à lenda gaúcha da Mãe Preta, que teria dado origem à cidade de Passo Fundo. Seu compositor é o Sambista infernal, conhecido como Caco Velho (nome de batismo Matheus Nunes), que já fora objeto de uma postagem anterior.

A composição Mãe Preta, de Caco Velho, foi inspirada, segundo o site http://www.samba-choro.com.br/artistas/cacovelho, na imagem de uma Mãe Preta pintada num quadro de sua casa. Caco Velho, então, mostrara a música a Piratini (líder de um dos mais requisitados regionais de Porto Alegre, onde Caco Velho tocava), que, aperfeiçoada a letra, fora concluída.

 

A canção original “Mãe Preta” é brasileira, sendo seus autores Piratini (António Amabile) e Caco Velho (Matheus Nunes). A letra, todavia, fora proibida pela censura em Portugal (o momento político ditatorial que vivia Portugal não recomendava textos que fizessem referência à escravatura), sendo a sua letra considerada subversiva.

Pode ser um adendo desnecessário, mas, para quem não sabe, Portugal viveu mais de 40 anos de ditadura, de 1933 a 1974, quando havia um serviço de censura prévia às publicações periódicas, emissões de rádio e de televisão, protegendo permanentemente a doutrina e ideologia do Estado Novo Português e defendendo a moral e os bons costumes.

A letra foi proibida em Portugal. David Mourão-Ferreira escreveu, então, outra letra falando da tragédia de um desaparecido no mar. Eis a letra:

Barco Negro – David Mourão-Ferreira

De manhã, que medo, que me achasses feia!
Acordei, tremendo, deitada n’areia
Mas logo os teus olhos disseram que não,
E o sol penetrou no meu coração.[Bis]

Vi depois, numa rocha, uma cruz,
E o teu Barco Negro dançava na luz
Vi teu braço acenando, entre as velas já soltas
Dizem as velhas da praia, que não voltas:

São loucas! São loucas!

Eu sei, meu amor,
Que nem chegaste a partir,
Pois tudo, em meu redor,
Me diz qu’estás sempre comigo.[Bis]

No vento que lança areia nos vidros;
Na água que canta, no fogo mortiço;
No calor do leito, nos bancos vazios;
Dentro do meu peito, estás sempre comigo.

A primeira a gravar Barco Negro foi a portuguesa, “Maria da Conceição”. No entanto, a lusitana que transformou “Barco Negro” num dos fados mais conhecidos de todos os tempos foi Amália Rodrigues,  no tema do filme “Amantes do Tejo”. Apenas em 1978 que Amália Rodrigues gravou a versão original com a letra de Caco Velho.

Um fado combina com lamento; combina com saudade; com a tristeza de um barco que vai longe. Uma melodia. Duas tristezas. A da mãe que embala o filho do sinhô  enquanto seu filho apanha; a tristeza da saudade de quem foi no Barco negro… 

Um fado combina com lamento; combina com saudade; com a tristeza de um barco que vai longe. Uma melodia. Duas tristezas. A da mãe que embala o filho do sinhô  enquanto seu filho apanha; a tristeza da saudade de quem foi no Barco negro…

 

Vídeo 1: Mãe Preta (1a. versão),  por Maria da Conceição, 1943

Video 2: Mãe Preta (Barco Negro), por Amália Rodrigues – Brasov (Romania), 1968

Vídeo 3: Mãe Preta (Barco Negro), por Ney Matogrosso, 1975

Video 4: Rolando Boldrim e Germano Mathias cantam “Mãe Preta” (1a. versão)

Video 5:  Mãe Preta (música original do Barco Negro), por Dulce Pontes

Video 5: Barco Negro, por Mariza -na Ópera de Sydney,  em 2006

Video 6: Barco Negro, versão italiana, por Amália Rodrigues

Vídeo 7: Barco Negro, por Kátia Guerreiro (Portugal)

Vídeo 8: Mãe Preta (1a. versão), por Deolinda Bernardo (Portugal)

http://musicaemprosa.musicblog.com.br/

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

António Neves

- 2018-09-13 23:29:48

Se me permite, uma compilação

Se me permite, uma compilação que fiz das duas canções 

https://www.facebook.com/voz.do.seven/posts/10211211132021691

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador