Não me entrego, não: o teatro de Othon Bastos, por Alexandre Coslei

Saímos do teatro contagiados pela exuberância cênica de Othon, saímos impregnados da sua imortalidade, encharcados da sua expressão

Foto de Alexandre Coslei

Não me entrego, não: o teatro de Othon Bastos

por Alexandre Coslei

Um ator baiano com sete décadas de uma carreira riquíssima, Othon Bastos testemunha sua consagração absoluta aos 91 anos de idade, com uma disposição que nos causa assombro. A peça “Não me entrego, não” está em cartaz no Teatro Vanucci, com previsão de se manter por lá até o final de junho. Acrescente-se que o espetáculo até aqui não possui nenhum patrocínio, algo que diz muito sobre a forma como tratam a nossa cultura e os nossos maiores nomes da arte.

Em um colégio de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, após declamar um poema de Olavo Bilac, Othon teve o talento condenado por uma professora, que o fez prometer que nunca se dedicaria a qualquer carreira artística. A partir daí, ele tomou a decisão que dizia definitiva, se dedicaria à odontologia, seguiria a nobre profissão de dentista. O enredo se desenrola em uma vida marcada pelos imprevistos, Othon estava predestinado a outro caminho.

Convocado por Pachoal Carlos Magno, fez sua estreia num coro que funcionava como “eco” (termo usado por ele) do ator principal da peça. Depois, foi para Londres com a Companhia de Paschoal e por meses atuou no palco britânico como figuração muda de um soldado inglês, persistiu, repleto de esperança em uma oportunidade, até que se tornou inviável a sua permanência na Inglaterra.

A partir do filme de Glauber Rocha — Deus e o Diabo na Terra do Sol — não precisamos dizer mais nada. Othon germinou como ator de forma irreversível. No entanto, em uma profissão que foi inicialmente negada por ele, evidencia-se a força da vocação e o seu maior capital humano: a perseverança.

Transparecendo um vestígio de mágoa, Othon cita em uma de suas falas que por muito tempo ele funcionou como um “coadjuvante de luxo”. Agora, mesmo assim, lota uma sala de teatro nos três dias em que se apresenta e demonstra toda a sua potência ainda pulsante. É incrível assisti-lo na pele do seu próprio personagem.

Outro aspecto interessante, é possível observar o estarrecimento do público, não com o Othon, mas com a sua idade, com os seus 91 anos veementes e impetuosos sobre o tablado. Uma revelação sorrateira, a moléstia não assumida do nosso etarismo, o único preconceito que contradiz a natureza do homem. Em uma sala com centenas de pessoas, é muito provável que Othon fosse a pessoa mais cheia de entusiasmo entre nós.

Saímos do teatro contagiados pela exuberância cênica de Othon, saímos impregnados da sua imortalidade, encharcados da sua expressão que transborda em nós. Saímos do teatro invejosos daqueles 91 anos mais joviais do que todas as nossas juventudes somadas. Viva o teatro. Viva Othon.

Alexandre Coslei é jornalista, editor na Editora Sumário, professor e escritor

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador