A máquina do mundo (pós-Drummond), por Romério Rômulo

quando a manhã chegar vou ser feliz.

Banksy

A máquina do mundo (pós-Drummond)

por Romério Rômulo

  1. Antevisão do inferno

            umas terras me pululam e abatem
            e eu, solto, sofro um frio nas ventas.
            quando a manhã chegar
            vou ser feliz.

       2. O inferno se acrescenta

           fui, com Dante e Virgílio
           ver o alcance da vida.
           Beatriz me afastou.
           de mim ficou o desalento
           e os sapatos rasgados.

        3.

           as minhas flores
           são rubéolas vivas.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador