Ministros do STF mudam posição nos julgamentos de Lula

Divisão entre os magistrados que criticam e que apoiam operação Lava-Jato muitas vezes não se repete quando a pauta são as ações do ex-presidente

Jornal GGN – As posições adotadas pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) em termos garantistas ou favoráveis à operação Lava-Jato nem sempre são mantidas quando as pautas envolvem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Um exemplo disso é o ministro Kassio Nunes Marques que, embora seja contra a Lava-Jato desde sua chegada ao Supremo, se opôs à declaração de parcialidade do ex-juiz Sergio Moro em relação ao petista na Segunda Turma, enquanto a ministra Cármen Lúcia, que já defendeu a atuação de Moro, deu o voto decisivo para invalidar o processo do tríplex de Lula na última terça-feira (23).

Já o ministro Gilmar Mendes lidera a ala do STF contrária à operação, mas barrou a posse de Lula na chefia da Casa Civil em 2016, afirmando que sua nomeação era uma tentativa de burlar a competência de Moro para julgá-lo.

Com relação a Edson Fachin, o ministro sempre foi visto como defensor da Lava-Jato, mas surpreendeu ao anular todas as ações contra o ex-presidente na 13ª Vara Federal de Curitiba.

O próximo julgamento do ex-presidente Lula no STF está programado para o dia 14 de abril, quando será feita a análise do recurso da Procuradoria-Geral da República contra a anulação dos processos do ex-presidente e remetê-los à Justiça Federal de Brasília e à análise da denúncia. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora