Ex-funcionário revela supostos crimes cometidos pela família Bolsonaro

Em entrevista, testemunha diz que Ana Cristina Siqueira Valle usou laranjas para formar seu patrimônio, e que ela antecedeu Queiroz nas rachadinhas

Ana Cristina Siqueira Valle e Jair Renan Bolsonaro. Foto: Reprodução/Facebook

Jornal GGN – Um ex-empregado da família Bolsonaro, que se demitiu por não receber o salário pedido, afirmou ter testemunhado diversos crimes que teriam sido cometidos por Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro e mãe de Jair Renan Bolsonaro, e pelos parlamentares Flávio e Carlos Bolsonaro.

Em reportagem dos jornalistas Guilherme Amado, Naomi Matsui, Bruna Lima, Edoardo Ghirotto e Eduardo Barretto publicada no portal Metropoles, Marcelo Luiz Nogueira dos Santos detalhou todo o período que trabalhou para a família Bolsonaro, do tempo que passou alocado no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj, além dos trabalhos como babá de Jair Renan e empregado doméstico de Ana Cristina.

Dentre as diversas denúncias, ele afirma que Ana Cristina formou todo seu patrimônio com o uso de laranjas, inclusive para comprar a mansão em Brasília onde mora com o filho Jair Renan Bolsonaro – neste caso, fazendo um contrato de gaveta usando o nome de dois laranjas, que lhe repassariam o imóvel após o término do financiamento.

Marcelo também diz ter devolvido 80% dos rendimentos obtidos enquanto trabalhava no gabinete de Flávio Bolsonaro, e que Ana Cristina era a responsável pelo recolhimento das rachadinhas tanto no gabinete de Flávio como no gabinete de Carlos Bolsonaro. Os dois só teriam assumido o recolhimento a separação de Ana Cristina e Jair Bolsonaro, em 2007.

Leia Também

Ex-mulher de Bolsonaro acionou Planalto para influenciar nomeações, diz jornal

Empresa de Jair Renan foi aberta com ajuda de lobista alvo da CPI, diz jornal

Apuração sobre “rachadinha” na Câmara do Rio chega a Carlos Bolsonaro

Por suposto tráfico de influência, advogada do clã Bolsonaro é convocada à CPI

Jair Renan Bolsonaro é acusado de tráfico de influência

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora