Bolsonaro diz que Escola Sem Partido já funciona e defende que Enem mude conceitos da ditadura

"Em vez de falar o que aconteceu de verdade de 1964 a 1985, publicam mentiras", disse o mandatário, que saiu em defesa do ministro da Educação

Foto: Marcos Corrêa/PR

Jornal GGN – O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quarta-feira (18), que o projeto Escola Sem Partido já está funcionando, mesmo sem uma lei autorizando. Nas declarações, voltou a fazer críticas a Paulo Freire, disse que a prova do Enem usou “linguagem secreta dos gays” e defendeu que a prova deve “falar o que aconteceu de verdade de 1964 e 1985”, período segundo o qual Bolsonaro não acredita ter sido ditadura no Brasil.

“Já tem impresso nos cadernos o que o aluno tem direito. (Se) o professor quer falar que o PT é legal, o aluno pode falar o contrário sem ser perseguido”, disse, sem mencionar as consequências para a postura de estudantes que atentarem contra a liberdade do ensino.

As declarações do mandatário ocorrem dois dias após Bolsonaro chamar o patrono da Educação brasileira, Paulo Freire, de “energúmeno”. “Agora, essa filosofia desse tal de Paulo Freire… Dezesseis anos e olha como está a educação no Brasil”, havia dito.

Na ocasião, Bolsonaro também defendeu a suspensão do contrato da TV Escola, ordenada pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub. “Você conhece a programação da TV Escola? Deseduca”, disse, completando que era “dinheiro jogado fora” e que a má educação do Brasil é consequência “dessas programações” que, segundo ele, são “totalmente de esquerda” e com “ideologia de gênero”, utilizando os recursos públicos.

“Era uma programação totalmente de esquerda, ideologia de gênero, dinheiro público para ideologia de gênero. Então, tem que mudar. Reflexo, daqui a cinco, 10, 15 anos vai ter reflexo. Os caras estão há 30 anos [no contrato com o MEC], tem muito formado aqui em cima dessa filosofia do Paulo Freire da vida, esse energúmeno, ídolo da esquerda”, mencionou, na segunda.

Leia também:  Terceiro no mundo em casos de Covid-19, Brasil caminha para catástrofe

Hoje, voltou a fazer críticas a Paulo Freire: “Agora, essa filosofia desse tal de Paulo Freire… Dezesseis anos e olha como está a educação no Brasil”. Segundo Jair Bolsonaro, os estudantes têm que aprender “coisas úteis”.

“Prova do Enem deste ano… Lembra ano passado? A linguagem secreta dos gays. Para que isso? Pessoal me chama de homofóbico. O que acrescenta? Doutrinação”, emendou. Ainda, disse que a prova do Enem precisaria “falar o que aconteceu de verdade de 1964”, ao mencionar a ditadura do regime militar, da qual Bolsonaro não considera ter sido um golpe ou uma ditadura.

E ao ser questionado sobre o tema e sobre o projeto Escola Sem Partido, voltou novamente a sair em defesa de Weintraub. “No meu entender ele (Weintraub) está sendo excelente. Tem certos jornalista criticando. Está indo bem”, disse.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Coitado do vagabundo Jair Bolsonaro… Ele nunca leu um livro de História e agora pretende reescreve-la. Quando mais esse imbecil agredir a esquerda melhor. Boldonaro vai morrer de raiva e de câncer tentando fazer algo impossível. Nem mesmo a Ditadura calou os historiadores.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome