Xadrez do passaralho dos tucanos, por Luis Nassif

Peça 1 – a lógica do golpe

A lógica do golpe é simples e objetiva.

Há dois focos centrais.

O primeiro, o aprofundamento do desmonte do Estado brasileiro, com as reformas liberais, privatização, destruição do precário Estado de bem-estar construído na última década.

O segundo, a garantia de um presidente de direita nas próximas eleições – ou, na ausência de um candidato competitivo, até mesmo o adiamento das eleições.

Esses são os fios condutores para entender toda a lógica da turma do impeachment.

Peça 2 – o mercado de opinião

Tudo isso se dá no que se convencionou chamar de mercado. Não se trata apenas do mercado em si, mas de todo um sistema de opinião que engloba não apenas a estrutura de poder, mas a gendarmeria.

No topo, Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), a Procuradora Geral da República, os grupos de mídia, órgãos de controle de uma maneira geral. Na base, juízes de 1ª instância, procuradores, Polícia Federal, Polícia Militar etc.

Quando determinada questão ameaça os objetivos finais, acende-se uma luz amarela. O clima fica tenso, as autoridades envolvidas começam a receber sinais tácitos indicando que ali não se mexe. Dado o grau de pusilanimidade das organizações burocráticas e suas lideranças, não há a necessidade de ordens diretas, ameaças ou outras formas de pressão. São mais disciplinados que jornalistas da Globonews.

Quem sai da linha, é pressionado por seu próprio meio, colegas ou familiares. Essa sincronização do golpe mereceria um belo estudo acadêmico, sobre a força das ideologias na articulação de movimentos, como o impeachment, mesmo sem haver um cérebro condutor. Aliás, o único cérebro mofa em um presídio de Curitiba.

Peça 3 – os que irão morrer

No início do golpe, Aécio Neves era peça central; o governador Geraldo Alckmin, elemento secundário. Qualquer envolvimento de Aécio enfraqueceria o principal mote do golpe, que era o impeachment de Dilma.

O Procurador Geral da República Rodrigo Janot recomendou seu não indiciamento, apesar de evidências muito mais fortes do que aquelas, por exemplo, que envolviam o senador petista Lindbergh Farias, denunciado.

Leia também:  O terror de Petra, por Frederico Firmo

Mesmo em posição secundária, Geraldo Alckmin também foi poupado, e ajudou a salvar Dilma Rousseff da tentativa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), comandado por Gilmar Mendes, de cassar seu mandato logo após as eleições. Na última hora descobriu-se que que Alckmin poderia ser atingido por uma das acusações que se lançava contra Dilma.

Na medida em que a Lava Jato foi avançando, foram aparecendo mais e mais evidências contra Aécio.

Criou-se um ping-pong entre dois adversários mortais, mas irmanados na defesa de Aécio: Janot e Gilmar Mendes. OS dois revezavam-se nos pedidos de prorrogação do prazo de investigação de Aécio. Mesmo assim, a cada indício novo e a cada nova postergação das denúncias o capital político de Aécio ia se esvaindo.

Quando ocorreu o episódio JBS, Aécio dançou por dois motivos. Pelo seu excesso de ambição, foi considerado um peru gordo por Joesley Baptista, nas negociações com a PGR. Quando Janot recebeu o pacote, para atirar em Temer não poderia desconsiderar os grampos em Aécio.

A partir dali, Aécio virou pato manco.  Há uma boa probabilidade de que, na próxima semana, o STF autorize a denúncia criminal contra ele, além de mandar para a prisão Eduardo Azeredo, do mensalão tucano, à esta altura uma decisão vazia de significado político.

Principalmente porque a blindagem dos tucanos ficou ostensiva demais para ser aceita até por um país e uma mídia acostumados a toda sorte de hipocrisias.

Dentro dessa lógica, José Serra, Aloysio Nunes e Cássio Cunha Lima poderiam ser liquidados tranquilamente, sem atrapalhar os objetivos finais do golpe. Estão sendo poupados porque o algoritmo viciado do STF jogou seus processos no colo de Gilmar, e Gilmar não é desses de deixar companheiros feridos no campo de batalha. Apenas por isso.

Leia também:  Episódio 2 da série sobre influência dos EUA na Lava Jato estreia hoje (22)

Peça 4 – o fator Alckmin

Embora não desperte nenhum entusiasmo, nem entre os seus próximos, Alckmin ainda é peça chave no jogo político, como único candidato da direita com alguma possibilidade.

Essa é a razão principal da PGR ter remetido seu caso para ser julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, ao invés de remeter para o grupo da Lava Jato. E o autor da façanha foi o subprocurador Luciano Maia, com bela ficha no Ministério Público Federal, e, até assumir o cargo de vice-procurador, considerado corajoso e de posições independentes.

Mas não adianta. A lógica do poder brasiliense é imbatível. Por isso, um caso em que Alckmin, através de seu cunhado, recebe R$ 10 milhões da Odebrecht, que têm obras contratos grandes com o governo de São Paulo, foi transformado em um mero caso de irregularidade no financiamento de campanha. O pagamento foi por fora.

Apesar de federal ,o TRE de São Paulo é majoritariamente composto por juízes e desembargadores paulistas, historicamente alinhados com o PSDB.

A decisão de Maia – certamente endossada pela PGR – expôs de maneira nítida a parcialidade da nova PGR no jogo político.

Aliás, não bastassem essas trapalhadas, e o procurador-bufão Oscar Costa Filho, do MPF do Ceará, o mesmo que tenta todo ano anular o ENEM, intimou a Universidade federal do Ceará a retirar o nome “golpe” de um curso preparado por ela.

Às vezes tento convencer colegas que o MPF é mais que os Ailton Benedito – o de Goiás – ou  Oscar Costa “Enem” Filho, mas os fatos sempre me desmentem, como desmentiram quando supus em Raquel Dodge uma dimensão mais relevante do que a de Janot.

Leia também:  Episódio 2 da série sobre influência dos EUA na Lava Jato estreia hoje (22)

Peça 5 – os próximos passos

Não se imagine que o impacto da prisão de Lula vá refrear a marcha do fascismo.

As recentes votações do Supremo e as decisões da PGR comprovam que continuam a reboque da Lava Jato. E continuarão até a Lava Jato completar sua obra, de destruição final de Lula e de inviabilização do PT.

De qualquer modo, foram tantas as críticas que Dodge recebeu, até de jornalões, por sua benevolência com Alckmin, que provavelmente deve ter-se dado conta de que foi mais realista que o rei, o que condicionará suas próximas ações. É possível que o país comece a assistir episódios inéditos de tucanos engaiolados.

Aliás, a análise política de autoridades do Judiciário, da PGR ao Supremo, mereceria estudos de Pavlov.

Depois de liquidado Lula, será fácil acabar com a operação. Bastará a mídia levantar a pauta proposta por Gilmar Mendes na última sessão do Supremo, sobre os indícios de corrupção, devido ao poder absoluto de que passaram a dispor.

PS – a ave da ilustração  representa o Passaralho, figura mitológica que sobrevoa as redações nas vésperas das grandes demissões.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

77 comentários

  1. Indústria das delações

    CAROS AMIGOS E NASSIF, ENTÃO EU PERGUNTO: SERÁ QUE ENFIM, AS DENÚNCIAS DESSAS NEGOCIATAS CHEGARÃO AO ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA DO AMIGO DE SÉRIO MORO REFERENTE A TACLA DURAN?

    • Viva o Brasil

      Por coincidência se nos apresenta isso….com a fascistada é impossível dialogar, a Márcia Tiburi já explicou….mas a gente capricha na charge: se bem que eles são a charge em carne e osso….

      Na imagem acima, o cão de Pavlov…ele age por uma reflexo e uma vez esbravejou bem alto nas galerias do puteiro sic Congresso:  eu vou comer teu cu..

      !!!!!!!

      Entendo…

      Foi só tomar o golpe às custas de marretadas, o cãozinho de Pavlov saiu correndo, rabinho entre as pernas, para lamber as botas do Trump…

      E levou de presente para os vencedores da guerra, o pré-sal e outros tesouros….

      Mas nem assim o Trump resolve dar as caras por cá: prá que se, quanto mais no chinelo a Colônia, melhor para o Império…

      A cabeça do Lula já foi entregue aos americanos e corporações das oligarquias interacionais

      O comando do golpe, que não fica no Brasil, uma vez que nossas oligarquias de tão fraquinhas estão ficando a ver navio, ou seja, estão perdendo tudo, ajudaram tanto o Bolsomoro através do FBI, CIA, ONGs 

      Agora é desmanchar a fila da Lava Jato, onde se encontram aguardando para entrar no xadrez dos verdadeiramente corruptos…SQN*……o Alckmin acabou de escapar….

      Viva o Brasil…

       

      * SQN, Só Q Não, segundo o internetês…

      [video:https://www.youtube.com/watch?v=6ScIXNbNi_g%5D

  2. CORRUPÇÃO NA LAVA JATO.

    CORRUPÇÃO NA LAVA JATO. INDÍCIOS FORTÍSSIMOS

    “CRIAR DIFICULDADES PARA VENDER FACILIDADES”

    (breve apanhado)

    1. Ao apontar os fracassos da operação mãos limpas na itália, o Professor ALBERTO VANUCCI, da Universidade de Pisa, It, alerta que:

    – “pior [de tudo], na Itália, agora, os políticos corruptos, servidores públicos e empresários aprenderam a lição da Mãos Limpas e não estão cometendo os mesmos erros daqueles que foram presos. 

    Nos últimos anos, eles desenvolveram técnicas mais sofisticadas para praticar corrupção com mais chances de ficarem impunes, como dissimular pagamentos de propinas, ou multiplicar conflitos de interesses”

    (BBC)

    http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/03/160316_lavajato_dois_anos_entrevista_lab

    Nota: o Prof. Alberto Vanucci é Professor de Ciência Política na Universidade de Pisa, It, orientador de cursos de Pós Graduação em análise e prevenção do crime organizado e da corrupção, estudioso, especialista e autor de inúmeros livros e estudos em organização criminosa e corrupção como, por exemplo, Corruzione politica e amministrazione pubblica (1995), Il mercato della corruzione (1997), Un paese anormale (1999), Corrupt Exchanges (1999), Mãos Limpas (2007), The hidden order of corruptios (2012) entre outros

    ***

    2. VITO LO MONACO presidente do CENTRO STUDI PIO LA TORRE, Instituto Italiano responsável pelo Projeto Educativo Antimáfia, diz:

    – “A máfia é forte porque se infiltra no Estado”

    http://ansabrasil.com.br/brasil/noticias/italianos/noticias/2017/04/27/mafia-e-mais-forte-que-estado-para-quase-50-dos-italianos_f2d8b35b-7e13-45f7-816e-6b0451db5b44.html

     

    3. NO BRASIL, TEM-SE REPORTADO QUE:

             3.a. Advogados são condenados por envolvimento com organização criminosa

    Conjur: 03/12/2017

    https://www.conjur.com.br/2017-dez-03/advogados-sao-condenados-envolvimento-faccao-criminosa

             3.b. Infiltração do PCC no Judiciário de São Paulo é investigada

    https://tvuol.uol.com.br/video/mp-investiga-infiltracao-do-pcc-no-judiciario-paulista-0402cc993172e0a95326

             3.c. Desembargador (Minas Gerais) que vende liminares a favor de traficantes 

    ‪https://www.youtube.com/watch?v=axpy0ipOt9s

             3.d. Três (3) juízes federais acusados num esquema de empréstimos fraudulentos que envolveu a Associação de Magistrados Federais da 1ª Região (Ajufer), entre os anos de 2000 e 2009. Conjur

     

    https://www.conjur.com.br/2018-mar-21/cnj-mantem-punicao-ex-presidentes-ajufer-acusados-fraude

     

             3.e. Gilmar Mendes: “A corrupção já entrou na Lava Jato”

    https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/gilmar-mendes-a-corrupcao-ja-entrou-na-lava-jato/

     

    https://www.brasil247.com/pt/blog/alex_solnik/350871/Gilmar-denuncia-corrupção-no-eixo-PGR-Lava-Jato.htm

    http://www.tijolaco.com.br/blog/gilmar-diz-que-brasil-segue-constituicao-do-moro/

             3.f. Ministro da Justiça afirma que a escolha para o Comando da Polícia Militar no Estado do Rio de Janeiro é fruto de um acordo entre políticos, deputados estaduais e o crime organizado…

    http://justificando.cartacapital.com.br/2017/11/06/nao-ha-novidade-na-fala-do-ministro-da-justica-sobre-relacao-entre-policia-e-crime-organizado/

     

             3.g. Corrupção no Exército? Procuradoria denuncia esquema de militares

    https://www.cartacapital.com.br/politica/corrupcao-nas-forcas-armadas-procuradoria-denuncia-esquema-com-militares/

     

             3.h. “Gorjeta” milionária para o MP nos acordos de delação premiada

    https://www.brasil247.com/pt/247/rs247/330492/Pimenta-denuncia-%E2%80%9Cgorjeta%E2%80%9D-milion%C3%A1ria-para-o-MP-nos-acordos-de-dela%C3%A7%C3%A3o.htm

             3.i. Cercado de corruptos Moro pede ajuda para combater – ele diz – a corrupção

    https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/331063/Damous-como-%C3%A9-que-Moro-se-mistura-com-gente-que-ele-diz-combater.htm

             3.j. Amigo de Moro que teria pedido 5 milhões por fora (propina) em troca de delação será convocado por CPMI

    https://jornalggn.com.br/noticia/amigo-de-moro-que-teria-pedido-propina-em-troca-de-delacao-sera-convocado-por-cpmi

             3.L.  MERCADO FINANCEIRO. Vazamentos podem ter beneficiado investidores

     

    http://jornalggn.com.br/noticia/vazamentos-da-lava-jato-podem-ter-beneficiado-investidores-no-mercado-financeiro

     

             3.m. PETROBRAS FAZ ACORDO DE PAGAR US$ 2,95 BILHÕES – cerca de r$ 10 bilhões – a investidores norte-americanos para encerrar uma disputa judicial envolvendo a companhia nos Estados Unidos

    https://www.brasil247.com/pt/247/poder/335267/Pimenta-Lava-Jato-foi-o-maior-assalto-da-hist%C3%B3ria-da-humanidade.htm

     

             3.n. – MORO TENDO CONHECIMENTO DO ENVOLVIMENTO DA GLOBO (1,6 BILHÃO DE REAIS) E DA ABRIL (60 MILHÕES DE REAIS) no caso do Banestado (banco do Estado do Paraná), comparece e recebe premiações e homenagens dessas empresas (comerciais) de mídia e de formação de opinião…

     

    https://www.cartacapital.com.br/revista/874/a-semente-dos-escandalos-947

    http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/04/124-bilhoes-de-dolares-e-u… [há um video com o Delegado Castilho]

    https://www.conversaafiada.com.br/politica/banestado-ali-comecou-o-nao-v

     

             3.o. LULA PRESO. BARUSCO AQUELE DOS 100 MILHÕES SE LIVRA ATÉ MESMO DA TORNOZELEIRA

     https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/350848/Lula-está-preso-Barusco-aquele-dos-R$-100-milhões-se-livra-da-tornozeleira.htm

     

             3.p. – STJ REDUZ CONDENAÇÃO DO ITAÚ DE R$ 160 MILHÕES PARA R$ 160 MIL

    http://justificando.cartacapital.com.br/2018/04/11/itau-obtem-reducao-de-condenacao-de-r-160-milhoes-para-r-160-mil-no-stj/

    ***

    4. MATÉRIAS SOBRE DELAÇÕES – GGN E DCM (pequeno resumo)

             – Caso 1: O INSÓLITO ACORDO

    LUIZ AUGUSTO FRANÇA, MARCO BILINSKI e VINICIUS BORIN peixes graúdos no mundo dos doleiros e das empresas offshore – pioneiros no mercado com os Paraísos Fiscais e com dinheiro não declarado (lavagem de $$ sujo e ilícito) – e operadores da Odebrecht.

    Celebraram – na Lava Jato – Acordo de Delação Premiada com o MPF de Curitiba e depois homologado (aprovado) por Sérgio Moro com as seguintes (e incompreensívies) benesses:

    Penas de 8 anos em Regime Aberto diferenciado por um (1) ano e a Suspensão Condicional da Pena sem condições e Multa de apenas 3,4 milhões quando teriam recebido 326 milhões.

    As penas propostas para os três foram:

    a.          Condenação à pena unificada máxima de 8 anos de reclusão e suspensão dos demais feitos criminais.

    b.         Um ano em Regime Aberto diferenciado, com a única obrigação de recolhimento domiciliar noturno nos dias úteis   (das 20 às 6 horas) e integral nos feriados e fins de semana, sem tornozeleira.

    c.         Seis meses em regime aberto com recolhimento integral apenas nos finais de semana e feriado, sem tornozeleira.

    d.         De 3 a 6 meses de pena restritiva de direitos: 6 horas semanais de prestação de serviços à comunidade.

    e.         Depois disso, suspensão condicional da pena, sem quaisquer condições restritivas pelo período restante

    f.         Ficou acertada, ainda, a possibilidade de 6 viagens nacionais ou internacionais a trabalho, durante o cumprimento da pena prevista, com prévia autorização judicial pelo período máximo de 7 dias

    g.         E uma multa de apenas US$ 1 milhão, que será paga apenas após a repatriação de valores do exterior.

    Para saber quanto dinheiro eles ganharam, a conta é simples. Recebiam 4% sobre as operações da Odebrecht feitas através do banco. Dois valores aparecem relacionados às operações do Meinl Bank relacionadas  à Odebrecht — ora 1,6 bilhão, ora 2,6 bilhões. De dólares.

    Considerando que o número correto seja 1,6 bilhão de dólares, a comissão do grupo foi de cerca de 64 milhões de dólares. Além disso, o banco recebia mais 2% pela movimentação oficial do dinheiro, o que representaria mais 32 milhões.

    No total, estima-se que os três, mais Olívio Rodrigues, o quarto sócio — além dos dois sócios ocultos — receberam 96 milhões de dólares de comissão, o que corresponde a 326 milhões de reais.

    Mas a Lava Jato só cobrou dos três a multa de R$ 3,4 milhões de reais e fichou ridícula pela corporal em Regime Aberto diferenciado. 

     

             – Caso 2: DARIO MESSER

    DARIO MESSER esquecido pela Lava Jato, da mesma forma como foi esquecido no caso Banestado, cujo juiz do processo foi Sérgio Moro.

    É bastante estranho que MESSER apontado como o maior doleiro do Brasil e que esteve por trás das maiores operações realizadas pelo grupo – de França, Bilinski e Borin – foi omitido da Delação acordada e homologada.

    Estranho, ainda, pois MESSER é antigo conhecido do juiz SERGIO MORO, apareceu no escândalo do Banestado como grande operador e, também, dali se safou. SÉRGIO MORO foi o juiz do caso Banestado. E MESSER de lá se saiu livre, sem arranhões.

    https://jornalggn.com.br/noticia/exclusivo-banqueiros-da-odebrecht-omitiram-informacoes-em-delacao-da-lava-jato-e-tiveram-multa-irrisoria

    Nota: BANESTADO: (contabilizados) 134 bilhões de dólares levados ao exterior (evasão de divisas, sonegação e impostos, remessa ilegal de divisas). Atingia a nata do PSDB e do PMDB na época do governo de FHC. Moro condenou 26 “laranjas”(pessoas comuns usadas para desviar $$$. Nenhum nome importante foi condenado como políticos; empresários e donos de empreiteiras envolvidas (Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, OAS, Camargo Correia), de mídia (Globo, Abril, RBS, RTB-Sílvio Santos, Correio Braziliense) e outros grandes figurões. Delator doleiro: o de sempre, Youssef. Delações, 30. Processos desmembrados, arquivados, crimes prescritos, 26 condenações sem importância e  ainda poucos paralizados nos Tribunais. Valor contabilizado em reais 436 bilhões, hoje. A acrescer ainda o juros e correção das moedas (fatos apurados entre 1966 a 2002 durante os governos do PSDB, PMDB, PTB, PFL).

    http://www.robertorequiao.com.br/discurso-do-senador-requiao-sobre-o-caso-banestado/

    https://www.cartacapital.com.br/revista/874/a-semente-dos-escandalos-9478.html

     

             – Caso 3: TECLA DURÁN

    CARLOS ZUCOLOTTO sócio de escritório da esposa de Sérgio Moro, amigo próximo e padrinho de casamento do casal teria pedido 5 milhões de reais por fora para conseguir acerto mitigado em delação na Lava Jato.

    DURÁN junta – na CPMI – documentos comprovando a oferta e diversos outros documentos que revelam os subterrâneos da Lava Jato:

             . Documentos em delação de executivos da Odebrecht foram adulterados, diz Durán

    http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2017/11/documentos-em-delacao-de-executivos-da-odebrecht-foram-adulterados-diz-tacla-duran

    https://jornalggn.com.br/noticia/exclusivo-planilhas-apresentadas-por-tacla-duran-mostram-que-lava-jato-omitiu-contas-de-joao-santana-por-joaquim-de-carv

             . Advogado [padrinho, advogado e] amigo de Sergio Moro será convidado a explicar R$ 5 milhões ‘por fora’

    http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2017/12/advogado-amigo-sergio-moro-deve-explicar-5-milhoes-por-fora

             . Para deputados Durán revela subterrâneos da Lava Jato

    http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2017/11/para-deputados-depoimento-de-tacla-duran-revela-sombras-e-subterraneo-da-lava-jato

    ***

             – Caso 4: CLÁUDIA CRUZ

    A jornalista Cláudia Cruz, esposa do deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, foi absolvida hoje pelo juiz Sérgio Moro da acusação da prática dos crimes de lavagem de dinheiro e de evasão de divisas no processo que investiga o pagamento de propina oriunda do superfaturamento do contrato entre a Petrobras e a Compagnie Beninoise des Hydrocarbures Sarl para exploração de petróleo no Campo de Benin, na África.

    Mesmo apontando gastos elevados de Cláudia Cunha como por exemplo 23 mil dólares em um hotel em Miami e 7.700 dólares na boutique Chanel em Paris, Moro a absolveu…

    http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2017-05/lava-jato-sergio-moro-absolve-esposa-de-eduardo-cunha-por-falta-de-provas

    https://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/25/politica/1495744886_256344.html

    Nota: Compare com o tratamento dado à Marisa, esposa do Lula…

    ***

             – Caso 5: SANTANA E O ADVOGADO IRMÃO DO PROCURADOR

    O advogado vale tanto quanto pesam suas relações pessoais junto à força tarefa da lava jato.

    De repente, advogados sem nenhuma experiência na área penal tornaram-se requisitados e pagos a preço de ouro sendo regiamente remunerados por acordos fechados com seus conhecidos da Lava Jato.

    https://jornalggn.com.br/noticia/exclusivo-o-caso-joao-santana-e-o-advogado-irmao-do-procurador-por-luis-nassif

     

             – Caso 6:  A INDÚSTRIA DA DELAÇÃO PREMIADA

    O elo com a máfia das falências no PR: a mulher de Moro.

    Escritórios de advocacia faturando alto…

    https://jornalggn.com.br/noticia/o-elo-entre-a-industria-da-delacao-premiada-e-a-mafia-das-falencias-no-pr-a-mulher-de-moro-por-joaquim-de-carvalho

             – Caso 7:  DURÁN X PROCURADORES DA LAVA JATO

    Tacla Durán diz que procuradores da Lava Jato ameaçaram sua família para forçar delação

    https://jornalggn.com.br/noticia/tacla-duran-diz-que-procuradores-da-lava-jato-ameacaram-sua-familia-para-forcar-delacao

    ***

    5. MÁFIA. MODELO DA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

    Servindo de modelo básico aos outros grupos mafiosos, por exemplo, a Máfia Siciliana (Gamorra) tem uma estrutura piramidal:

    a. Base composta por criminosos comuns (como assaltantes, pistoleiros, sequestradores, extorquidores, corruptores, etc). Os “soldati”.

    b. No andar logo acima, os homens de (aparente) honra composta por criminosos engravatados infiltrados em Instituições, Organizações  e Empresas tanto Públicas como Privadas, encarregados de darem proteção e legitimidade às organizações, ações e grupos mafiosos (como sacerdotes, pastores, religiosos, professores, comerciantes, industriais, empresários da mídia, jornalistas, Juízes/Magistrados, Procuradores/Promotores Públicos, Delegados/Agentes Policiais, Advogados, militares, Políticos, Parlamentares, Governantes e outros tantos infiltrados). Os “uomini d’onore”.

    – fanno relazione con la politica, con la economia, con la chiesa, con i giornalisti… fanno  relazione con tutti…un mondo di relazione… I’ uomini d’onore è il centro di un piccolo universo

     

    c. Acima, ainda, os comissários mandatários regionais e de circunscrição, que se submetem ao chefe geral normalmente escolhido por eles. “Comissione”:  cúpula do comando nas regiões.

    d. Por último, o grande Chefe. O “il capo”.

    – una decina di uomini d’onore forma una famiglia

    – diversi famiglie formano un mandamento [ circunscrição ]

    – più mandamenti eleggono un capo della cupola o comissione

    ***

    6. DESTRUIÇÃO E DESMONTE DO ESTADO, INDÚSTRIAS E EMPREGOS. A conseqüente desnacionalização do patrimônio nacional

    Notórios os danos que a denominada operação tem causado à nação brasileira, à nossa indústria, e empresas, e à nossa gente.

    Apenas para demonstração, ontem a FUP expediu nota apontando os enormes prejuízos causados à extração, às empresas e aos empregos nos setores ligados ao petrôleo e ao gás, um dos mais importantes para a economia nacional

    https://www.brasil247.com/pt/247/rio247/331128/Petroleiros-acusam-Moro-de-destruir-empregos-e-a-Petrobras.htm

     

    7. UMBERTO ECO

    Aqui cabe a chamada – do talvez o maior e mais importante pensador italiano da metade do Século XX e início do Século XXI – Umberto Eco:

    “já há quem diga que, depois da queda do Muro de Berlim e do desmantelamento da União Soviética, os americanos já não precisam dos partidos que podiam manobrar e os deixaram nas mãos dos magistrados, ou talvez, poderíamos arriscar, os magistrados estão seguindo um roteiro escrito pelos serviços secretos americanos”

    in “Número Zero” – pag. 53

     

    ***

    8. NÃO SE COMBATE CORRUPÇÃO CORROMPENDO A CONSTITUIÇÃO

    Ilegalidade não se combate com ilegalidade.

    A defesa do Estado Democrático de Direito não pode se dar às custas dos direitos e garantias fundamentais.

    A violação de direitos e garantias fundamentais, e isso vale para qualquer cidadão (culpado ou inocente, rico ou pobre, petista ou tucano),  só são comemoradas em sociedades que ainda  não foram capazes de construir uma cultura democrática, de respeito à alteridade e ao projeto constitucional de vida digna para todos. 

    Nota Pública da Associação Juízes para a Democracia:

    http://www.ajd.org.br/documentos_ver.php?idConteudo=202

    ***

    9. AL CAPONE:

    “Mensagens aos pais

                Hoje em dia as pessoas já não respeitam nada. Antes, colocávamos num pedestal a virtude, a honra, a verdade e a lei… A corrupção campeia na vida americana de nossos dias. Onde não se obedece outra lei, a corrupção é a única lei. A corrupção está minando este país. A virtude, a honra e a lei se evaporaram de nossas vidas.”

    (Declarações de Al Capone ao jornalista Cornelius Vanderbilt Jr. Entrevista publicada na revista Liberty em 17 de outubro de 1931, dias antes de Al Capone ir para a prisão).

    GALEANO, Eduardo. De Pernas pro ar. A escola do mundo ao avesso. Porto Alegre, RS: L&PM Editores, 2015, p.1

     

    10. NÃO ESGOTAMENTO DAS IRREGULARIDADES

    As irregularidade acima lembradas não esgotam de forma alguma outras tantas apontadas – quer pela defesa de réus, quer por veículos de publicação independentes –  concernentes, por exemplo, à quebra da exigível imparcialidade do julgador, à quebra de um julgamento eqüânime, à quebra da paridade entre às partes processuais, à quebra do princípio da ampla defesa, à quebra da exigência do devido processo legal, à quebra do estado de liberdade dos acusados, à quebra de sigilos, à quebra de transparências, à quebra da voluntariedade das delações, à quebra da regra de registro das tratativas, à quebra da confiança (e responsabilidade) processual, e, também, à quebra (e a supressão) de  narrativas de fatos relevantes…

    ***

    11. CONCLUSÃO

    Tendo, portanto, em mente as advertências de VANUCCI e MONACO quanto às novas fórmulas de atuação da Máfia e de sua infiltração no Estado, bem como a constituição modelo de uma cosca (bando, rede de criminosos) siciliana, grande e forte são os indícios e suspeitas de que em Curitiba um grupo de autoridades (Sérgio Moro, Procuradores da Força Tarefa do MPF, PF de Curitiba e operadores da denominada operação Lava Jato), contando com ramificações, vem, sistematicamente, de forma recorrente, praticando ou acobertanto irregularidades – violando a CF, leis materiais e processuais – e, assim, causando prejuízos imensos e irreparáveis ao país, à soberania nacional e ao povo brasileiro em geral.

    https://jornalggn.com.br/noticia/o-que-tacla-duran-disse-na-cpmi-que-precisa-ser-aprofundado-por-joaquim-de-carvalho

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    • Delator da Lava Jato vira

      Delator da Lava Jato vira terror da vizinhança após festa em sua cobertura em SP

      FOLHA DE SÃO PAULO

      Condenado em 2015 na Operação Lava Jato por distribuir mais de R$ 60 milhões em propinas, o empresário Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, 65, não demonstra abatimento ou infelicidade.

      Muito pelo contrário. Curtindo em liberdade os benefícios proporcionados por sua delação premiada, virou o terror da vizinhança, uma espécie de rei da balada do Costa Dourada, um elegante edifício na rua Guará, no Jardim Paulista, em São Paulo.

      No mês passado, sem aviso prévio ou preocupação com o barulho, promoveu uma festinha para cerca de 200 convidados, segundo contagem feita por moradores do prédio, em sua cobertura de 562,53 m², equipada com terraço, piscina e uma barra de pole dance.

      O evento foi apelidado por um vizinho de “pancadão do delator”, dado o volume produzido no aparelho de som do dúplex, que fica no 24º andar e tem um hall, na entrada do elevador, semelhante a uma boate.

      Luzes automáticas mudam de cor a cada segundo e realçam uma painel policromático onde se lê a frase “aqui não é perfumaria”. 

      A agitação na festa foi tão grande que era possível escutá-la desde os primeiros pavimentos. Quem interfonava para reclamar ouvia um funcionário dizer que nada podia fazer, seguido de risos.

      A balada terminou por volta das 6h, quando uma frota de carros alugados, segundo moradores, levou embora os convidados que não tinham condições de dirigir por conta do elevado grau etílico.

      Em 2016, o delator já havia se indisposto com o condomínio quando, de acordo com ata de uma reunião, apropriou-se de uma área comum do prédio para instalar condensadoras de ar-condicionado e aquecedores de piso. Advertido, retirou os apetrechos e devolveu o espaço.

      HISTÓRICO

      Mendonça tornou-se delator da Lava Jato após sua empresa, a Toyo Setal, ter sido citada em setembro de 2014 pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa.

      Com medo de acabar na cadeia, o empresário procurou os investigadores e revelou o modus operandi do que chamou de “clube” da propina, formado pelas principais empreiteiras do país com o objetivo de fraudar licitações. 

      Contou, por exemplo, que valores em espécie eram pagos a “Tigrão”, “um moreno, meio gordinho, de uns 40 anos”, emissário de Renato Duque, então diretor de engenharia da Petrobras.

      Os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa renderiam 16 anos e 8 meses de prisão a Mendonça, mas, por conta da delação, a pena foi substituída para o chamado “regime aberto diferenciado”.

      Além de pagar indenização de R$ 10 milhões, foi condenado a prestar, durante quatro anos, 30 horas de serviços comunitários por mês, apresentando relatórios bimestrais de suas atividades.

      “A efetiva colaboração de Augusto Mendonça não se discute”, escreveu o juiz federal Sergio Moro, na sentença, em 2015. 

      “Prestou informações e forneceu provas relevantíssimas para a Justiça de um grande esquema criminoso”, declarou Moro.

      VIDA AGITADA

      Em seu depoimento à Procuradoria, Mendonça disse que passou a ter uma atuação direta no clube da propina em 2004, quando sua empresa enfrentava uma situação de “enorme crise financeira”.

      Um ano depois, período em que ainda lutava contra a “insolvência técnica”, “com 59 pedidos de falência”, Mendonça casou-se com a atriz Gisele Fraga, famosa pelas novelas e musa de setembro de 1989 da revista Playboy.

      A festa para 600 convidados foi realizada no bufê La Luna, que estava decorado com rosas colombianas, e contou com show do cantor Paulo Ricardo (ex-RPM).

      “Não tínhamos uma vida tão glamorosa assim”, afirma a atriz. “As viagens e festas dependiam dos altos e baixos das finanças.”

      Gisele, que prepara um livro pela editora Laços onde pretende contar detalhes de sua vida com o delator, diz que foi “anexada a um escândalo” que a estarreceu. 

      “Não tinha a mínima ideia dos atos ilícitos, confiava em meu marido”, afirma Gisele, que em 2004 chegou a dividir o palco com o empresário numa peça chamada “Jeitinho Brasileiro”. Mendonça era o zelador de um edifício.

      A atriz conta que após a separação, o delator da Lava Jato, um homem que define como “sedutor e inteligente”, começou a frequentar raves e festas de música eletrônica. “Entrou para a bagunça”, diz.

      Na última quarta-feira, por conta dessa nova fase da vida do empresário, moradores do edifício Costa Dourada fizeram uma reunião extraordinária do condomínio para tratar da festa que, segundo eles, “agrediu a todos”.

      Na reunião, Mendonça afirmou que não era sua intenção perturbar os vizinhos. Disse também que tinha mandado preparar um isolamento acústico para a ocasião, mas que o resultado, infelizmente, não ficou bom. Contestou também o número de 200 convidados. Segundo ele, totalizavam 120.

      O condomínio não aceitou suas justificativas e decidiu aplicar-lhe uma multa de cerca de R$ 20 mil. O empresário foi avisado também que, em caso de nova festa, os convidados serão impedidos de entrar no prédio e que a polícia será acionada.

      A Folha procurou Augusto Mendonça para entrevistá-lo sobre as queixas dos seus vizinhos, mas não obteve resposta.

      https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/04/delator-da-lava-jato-vira-terror-da-vizinhanca-apos-festas-em-sua-cobertura-em-sp.shtml

       

  3. O silêncio premiado do delator do outro lado

    A Justiça, embora tente compensar a sua parcialidade mediante acenos de punição a tucanos ou de algum golpista, age de modo que a punição eventual prescreva, seja muito leve ou, principalmente, que não envolva risco de “delação”. O risco de aparecer “com Supremo, com tudo” é muito grande. Os irmãos “Joesley” estão soltos agora porque ameaçaram que iriam delatar juízes, assim como a mulher do Cachoeira ameaçou Juiz em Goiás, também muito bem sucedida. Por isso a justiça de Curitiba escolhe advogados para os delatores, como acusou o Gilmar. Delação premiada só contra o PT, para o resto, é o silêncio premiado.

  4. Tucano preso? Nem não.
    Aécio
    Tucano preso? Nem não.
    Aécio morre cheirando cocaína antes do cumprimento do mandato de prisão.
    Serra foge para uma cidadezinha no interior do Mezzogiorno onde os parentes dele comandam a máfia local.
    Aloysio Nunes é valentão, vai morrer resistindo a prisão.
    Resta Alckmin, mas esse já foi canonizado pelo MPF. Santo, nunca deixou de cobrar honestamente apenas a propina combinada. Suponho que ele também a tenha distribuído entre os procuradores e ministros do STF.

  5. E a constituição é so um livrinho que pode ser ou não usado…

    Apesar de Gilmar Mendes ontem no plenario do STF, da cara cinica de Fachhin e de sonsa da Raquel Dodge e a cara de supresa que Luiz Fux demonstrou ao não ter conhecimento daquilo que todo o STF, até o moço da cantina sabe, negaram o habeas corpus para Palocci, que enquanto isso vai mofando na masmorra de Curitiba.

    E no entanto, como todos os delatados, Palocci se vendeu em troco de sua liberdade. Talvez tenha aprendido mais uma lição. Não basta vender a alma, tem que fazer parte do mundo daqueles que por ora mandam nas instituições.

    Por tudo que estamos assistindo, uma saida das trevas para luz parece que vai ser lenta e, quem sabe, so com sangue, suor e muito choro. O que não desejo para meu Pais.

  6. E de repente eu vejo um

    E de repente eu vejo um Xadrez que parece ter sido extraído de dentro da minha simples cabeça de rapaz latino americano sem dinheiro no banco e nem parentes importantes… Talvez algum “Luis Nassif” do futuro escreva o “Xadrez de como nos transformamos um México na América do Sul”. Foi neste rumo que nos colocaram. Política, justiça, mídia, poder econômico, PF e militares estão nas mãos de entreguistas, corruptos ou apenas portadores do complexo de vira latas. Esta verdadeira República de Vichy tem apoio e orientação dos EUA para converter o brazil em colônia informal, aberta à exploração dos grandes grupos financeiros, petroleiras, mineradoras, estatais estrangeiras, etc. Depois de tomar na cabeça por 5 eleições segudas (perderiam também esta para Lula), tomarão todas as medidas necessárias para estabelecer uma democracia de fachada.

  7. “Essa sincronização do golpe

    “Essa sincronização do golpe mereceria um belo estudo acadêmico, sobre a força das ideologias na articulação de movimentos, como o impeachment, mesmo sem haver um cérebro condutor.”

    Como? Quer dizer que esta organização toda,com juiz vazando aúdio,a emissora golpista repercutindo o fato,e,em minutos trios elétricos amestrados (quem paga,quem contrata,quem vai falar o quê?) por todo o país são simplesmente força das ideologias?

    Não acredito nisso. Se observarmos a geopolítica recente,a briga comercial que os EUA travam com a China para impedí-la,ou pelo menos postergar,que seja a potência hegemônica mundial,entenderemos a posição estratégica do Brasil e de sua liderança máxima,o presidente Lula.

    O Brasil era o elo de ligação mais forte entre os BRICS e América Latina,e isto se devia,e muito,a atitude pessoal do presidente Lula.

    Assim,não há como negar que o interesse ianque era e é enorme no golpe contra o povo brasileiro,trata-se tão somente da luta pela hegemonia mundial.

    • Esse comentario do Vladimir é
      Esse comentario do Vladimir é muito atilado e arguto. Tambem concordo que a crise brasileira faz parte de uma disputa geopolitica maior, com algumas migalhas caidas na mesa para a elite do atraso.

  8. repetição

    Sem exercício de adivinhação o próximo presidente, interventor, ditador será um temer qualquer, alkimin é um temer qualquer e todas as alternativas em gestação pelo grupo com porta voz da globo serão temer qualquer.

    Como temer, o temer qualquer fará e governará conforme os ares do tio sam, entregará ousadamente a Amazônia em regime de comodato por hum mil anos já que nada mais terão no portfolio.

    Será 1888 o ano do intervalo da historio até 2003?

  9. Para que acabar com a Lava-Jato?

    À depender do próximo presidente, acabar com a lava-jato será um desperdício de poder. Considerando-se a eleição de bolsonaro, por que acabar com a Lava-Jato? Apesar do Moro ter feito uma desconsideração com bolsonoro no epidódio do aeroporto, Moro seria uma boa indicação para ministro da Justiça do seu governo. A lava-jato foi a maior operação midiática e ideológica da nossa história e ainda pode ser aproveitada com algum tempo mais. Poderia ser utilizada para constranger, intimidar e invalidar os principais adversários ligados aos partidos de oposição a bolsonoro. Não seria coerente com as idéias e proposições desse sujeito e dos que o apoiam? Como nos ensina Andre Araujo, as revoluções começam com um primeiro alvo, mas logo ela se alarga. Na revolução francesa, primeiro foram o poder real e depois a nobreza. Com o decorrer da mesma, acabou-se guilhotinando plebeus (Danton, Robespierre, etc.). Estamos na fase do poder jacobino, os procuradores e PF vão procurar não ter o poder diminuído. O PSDB e o PMDB seriam os próximos. Seria um governo de arbítrio até que, novamente, depois de toda uma luta, o poder seria restituído aos moldes democráticos.

  10. Discordo desse xadrez
    Nassif
    Aécio e serra não concorrerão e assim em 2019 seus processos ( deles) irão pra MG e SP, primeira instância com judiciário amigo.
    Mesmo se Aécio virar réu no STF, isso não termina até 2019, logo vai pra Minas
    Alckmin é mais interessante: se ganhar eleição pl e a questão da delação continuar como eleitoral, é eleição passada e fora disso nenhum crime pode ser processado pois será presidente. É a PGR vai ampliar o conceito para “não será investigado”, ao contrário do caso temer.
    Se perder, vai pra SP tb caso haja alguma investigação fora da justiça eleitoral…
    FHC nem investigado é.
    Ou seja, cardeal tucano tá “de boas”.

    • Permita-me um “pitaco”, fora

      Permita-me um “pitaco”, fora do foco, apenas por ter citado FHC. Eu creio na Justiça dos homens, para mim ela sempre chega. Nem sempre através dos Códigos. A inveja do Lula que FHC carrega é a pena. Sócrates dizia que conforme seu estado de humor o vinho lhe parecia amargo ou doce. O vinho que FHC toma em Paris é dos melhores, mas de sabor amargo. E os adágios populares nem sempre são concludentes: “Inveja mata”. Falta acrescentar …só ao final da pena. Portanto, vida longa ao FHC. 

  11. Xadrez do passaralho dos tucanos

    – com o Brasil infinitamente apanhado numa Sexta-Feira 13, as raízes desta maldição não devem ser buscadas apenas numa Elite do Atraso, isso é fácil de se fazer, mas principalmente em suas lideranças de Esquerda, incapazes de minimamente darem conta de sua tarefa histórica – e esta é a autocrítica necessária da qual quase unanimimente se foge;

    – a deprimente e humilhante rendição voluntária de Lula, na frente de uma multidão disposta a defendê-lo, é o mais recente episódio de um longa e exasperante tradição de traições repetidas das lideranças contra os movimentos populares;

    – milhares de pessoas já estavam no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, e muitos outros milhares se colocariam a caminho, mas Lula preferiu fazer como Jango e Dilma, se entregar sem luta. sua fugaz resistência acabou sendo nada mais do que um show midiático, gerando momentos de reconfortante emoção e imagens comovedoras, mas vazia politicamente e sem qualquer desdobramento além de tristeza, apatia e depressão. agora cabe aos militantes darem em coro “Bom Dia” a um Lula encarcerado, para em seguida escreverem cartinhas saudosas e com votos de prezada estima e grande admiração;

    – a participação de Boulos no palanque desta farsa compromete sua carreira política, que já começara com o “pé direito”: caindo de paraquedas no PSOL, ungido por Lula e através de um Colégio Eleitoral, sem ser amplamente referendado pelas bases através de um processo de prévias;

    – as Eleições de 2018 estão fora de qualquer cogitação, pois só se realizam como farsa. o Golpe de 2016 no Brasil não pode ser compreendido, e portanto combatido, sem ser colocado em seu devido contexto geopolítico: a guerra do mundo unipolar contra todos os outros mundos. o Imperium precisa manter controle do Brasil, fonte de sol e água abundantes, terras férteis, metais raros, petróleo e biodiversidade;

    – o principal movimento de construção de alternativas políticas em curso é o Congresso do Povo. organizado pela Frente Brasil Popular, ligada a Lula, consistirá em reuniões, debates e atividades de base, visando mobilizar e organizar a população a nível nacional e com alcance capilar. talvez seja a fundação do poderoso movimento de massas necessário para enfrentar o golpe. talvez mais uma vez se restrinja e mera atividade pré-eleitoral;

    – por outro lado, a Frente Povo sem Medo, ligada a Boulos, que sempre tivera um caráter mais classista do que a Frente Brasil Popular (PT, CUT e MST) parece estar voltada aos preparativos de suporte a uma candidatura Boulos, num sinal de o quanto esta é equivocada.

    .

    • Estou a sua espera para
      Estou a sua espera para liderar a nós todos que estamos dispostos a derramar nosso sangue pela redenção do país. Presta atenção,que o NOSSO, inclui o SEU.
      Mais cristão,impossível!

    • Sanguinário
       

      Um verdadeiro estadista coloca, antes das suas, as razões do estado e antes desta, a proteção ao seu povo.

      Dilma, Lula, resistiram mais que qualquer ser humano comum e só se renderam para poupar o povo do derramamento de sangue.

      Eis porque, estadistas.
      Há os espertos, como FHC, há os prudentes, como Jânio e Jango. há os que derramam sangue alheio e próprio, como o Getúlio, mas Dilma e Lula, ambos estóicos, se portaram, mais que com senso de responsabilidade e dever, como verdadeiros estadistas comprometidos com o povo.

      • A diferença entre ter ou não ter colhões!

        Talvez haja outra leitura:

        Um verdadeiro estadista sabe que, na maioria das vezes, ao deixar de resistir ele não poupa ninguém, mas só mantém os mesmos de sempre sangrando.

        Lincoln sabia disso.

        Ninguém sabe o futuro, só especula.

        A covardia é péssima conselheira.

        É esse pavor atávico ao conflito (salve Buarque de Hollanda) que nos faz continuar embaixo das botas, desde que alguns de nós consigamos “mediar” um lugarzinho à salvo.

        E o monstro só engole mais gente, enquanto imaginamos que já demos “comida” suficiente.

        São 60 mil mortos por anos. Talvez o dobro de feridos. Todos quase da mesma cor e da mesma classe social.

        Lula e Dilma evitaram o que mesmo? Derramamento de sangue…de qual sangue?

         

        Jango em 64 também pensou assim, e claro, a Ditadura se “contentou” só com alguns meninos e meninas brancas das Universidade e outros tantos pobres de sempre.

        Uma pena Dilma não ter aprendido nada com as torturas, a não ser ter medo de ter medo! Tanto sofrimento à toa. E lá vamos nós de novo:

        Porões, militares, fim das eleições, censura, etc, etc, etc.

        Tudo bem, haverá pouco sangue (novo) derramado.

        • Peitos e colhões
           

          Neanderthal,

          tendo peitos ou colhões, todos sangram.

          Arroubos de valentia e vontade de ser herói das causas perdidas (se foi você que escreveu o outro post sobre as desigualdades, democracia e o sistema capitalista) muitos têm, talvez por falta de sentido na vida.

          Como você está respondendo a mim diretamente, digo-lhe que as “estatísticas” de violência que você apresenta para negar que Dilma e Lula tenham feito alguma coisa para tentar diminui-la, aliadas à sua constatação de que a “tortura não ensinou nada à Dilma” esvaziam o seu discurso sobre a necessidade de enfrentamento violento dessa deposição ilegal e injusta contra ela e dessa perseguição implacável contra Lula.

          Acho legal que você goste de derramamento de sangue e de tortura, desde que seja seu o sangue derramado e o corpo torturado,  pois que, como você mesmo reconhece, aqueles que no passado derramaram o seu sangue e foram torturados nada fizeram além de se sacrificar.

          Sobre a Dilma: se ela tivesse guardado ódio ou  medo das terríveis torturas que sofreu, jamais teria chegado a ser comandante máxima das forças armadas do país, passando em revista as tropas a  cada 7 de setembro, diante do país,  desfilando de branco em carro aberto,  sozinha ou com a filha, para o ódio, inveja e desespero do temer.

          • É preciso guardar o ódio e comer a vingança em prato frio!

            Cara, caríssima…

            Vou repetir o que disse o Arkx ao te responder, quando falo em resistir e não colocar “galho dentro” não significa necessariamente derramamento de sangue.

            Aliás, a maioria das manifestações pacíficas que participei acabaram com o NOSSO sangue derramado, e não por nossa culpa, então, não seja tola, o controle da pauta de derramamento de sangue sequer é nosso.

            Eles decidem e pronto!

            A pergunta é: Até quando você quer apanhar, reestabelecer eleições depois de 35 anos (64-89), começar a reformar o capirtalismo e ver o projeto político que você acreditou ser escorraçado como um cão sarnento, aos pontaés?

            O que você está esperando, o exército começar a prender sem justificativa?

            Quantos mais pretos e pobres você quer para a gente começara questionar algo seriamente, sem esquecer que SIM a luta política pode trazer embates violentos?

            Quanto mais de violência você precisa?

            Não seria bom ver a elite sangrar um pouco para variar?

            É seu ethos classe média que lhe coloca como solidária a essa escumalha capitalista?

            Aliás, se eu fosse a Maria Lucia (a psicanalista que escreveu hoje mais cedo sobre ódio e outras nunaças) eu lhe diria:

            – É justamente isso que querem, que nós imaginemos que toda resistência levará ao sangue derramado, enquanto eles seguem derramando, e depois, se de fato houver sangue derramado por uma causa política (nossa), será nossa culpa.

            Aí nossa cristandade cuida do resto, porque parece também que renunciamos a todo e qualquer processo político por trauma ou culpa de termos sido violentados em 1964.

            Como se a responsabilidade de evitar aquilo que a História inexoravelmente nos leva (ao conflito de classes) fosse nossa, e é nossa a “preocupação” com os inocentes.

            Mas quem é inocente?

            Os mais pobres?

            Cuidado!

            Ali na pobreza também residem as vítimas, mas também os mesmos germens e bactérias da violência doméstica, o consenso com o genocídio (bandido bom é banido morto é uma fala transclassista, vai do rico ao pobre, senão, não haveria tanto consenso durante tanto tempo), sexismo, misoginia, fundamentalismos religiosos, pregação sobre o domínio do corpo da mulher e etc.

            Pare de idealizar sua noção de povo! Não há vítimas apenas!

            Não minha cara, são escolhas políticas, e resistir seria crucial para Lula e Dilma dizerem a todos que vale a pena lutar, que os milhões de votos esperados em Lula em 2018 (que pena) ou os 54 milhões sufragados a Dilma em 2014 não foram jogados no lixo (porque de fato, foram).

            Eu pergunto:

            Qual o sentido de você esperar as urnas em 2018? Mesmo que fosse para votar no Lula?

            Como você imagina o mandato?

            Olha, eu não gosto de tortura (embora reconheça que ela funcione, e TODOS os lugares do mundo e TODAS as sociedade recorrem a ela de acordo com uma escala de valores e de necessidades que julgam merecedoras dessa intervenção, desde a Suécia até os EUA), nem acho que Dilma deveria pagar com a mesma moeda.

            Eu tenho certeza que ela escolheu a mediação política como arma para superar o que passou, mas existem limites para isso, até para isso.

            Ou será que ela imagina que pode deter a máquina de autoritarismo só porque entregou o poder sem resistir?

            Se imagina isso, de fato nada aprendeu.

            E se sabia e assim mesmo não resistiu, eis aí a Síndrome de Estocolmo.

            Não se faz política sem direcionare o ódio de classes.

          • Xadrez do passaralho dos tucanos

            -> o controle da pauta de derramamento de sangue sequer é nosso. Eles decidem e pronto!

            é difícil as pessoas compreenderem isto, até se encontrarem numa situação concreta onde esta verdade se torna tão palpável quanto o próprio sangue escorrendo cara abaixo. afinal, “eles” tem o monopólio do exercício da violência.

            -> Até quando você quer apanhar, reestabelecer eleições depois de 35 anos (64-89), começar a reformar o capirtalismo e ver o projeto político que você acreditou ser escorraçado como um cão sarnento, aos pontaés?

            sei que é de chorar, mas a esta altura e numa Sexta-Feira 13, sou até obrigado a dar umas boas risadas.

            -> que SIM a luta política pode trazer embates violentos?

            fui outro dia ao cinema e o personagem principal, um jovem iconoclasta e revolucionário, disse algo parecido: “A violência é a parteira da História”.

            -> Aliás, se eu fosse a Maria Lucia (a psicanalista que escreveu hoje mais cedo sobre ódio e outras nunaças)

            -> Aí nossa cristandade cuida do resto

            geralmente os cristãos amantes da boa paz nunca leram direito os Evangelhos:

            “Se alguém vem a mim e não odeia seu pai, sua mãe, sua mulher, seus filhos, seus irmãos, suas irmãs e até a sua própria vida, não pode ser meu discípulo.” 

            Lucas, 14:26

            -> – É justamente isso que querem, que nós imaginemos que toda resistência levará ao sangue derramado, enquanto eles seguem derramando, e depois, se de fato houver sangue derramado por uma causa política (nossa), será nossa culpa.

            este é o ponto. o maldito pacifismo que nos torna culpados pela violência que sofremos. como se fosse possível ganhar uma guerra sem nos afogarmos em sangue, inclusive o nosso.

            -> Não seria bom ver a elite sangrar um pouco para variar?

            só discordo do “um pouco”.

            -> Olha, eu não gosto de tortura (embora reconheça que ela funcione, e TODOS os lugares do mundo e TODAS as sociedade recorrem a ela de acordo com uma escala de valores e de necessidades que julgam merecedoras dessa intervenção, desde a Suécia até os EUA)

            assunto complexo. principalmente do modo não hipócrita que vc o abordou. e aqui se deve levar em conta que tortura psicológica também é tortura, muitas vezes deixando sequelas permanentes.

            -> Não se faz política sem direcionare o ódio de classes.

            o ódio é um sentimento poderosíssimo. não sei porque tanto preconceito com o ódio. afinal, ódio reprimido vira cálculo na vesícula. o ódio suprimido se torna uma auto-flagelação.

            ah! encontrei:

            Os atos desesperados de autodefesa popular violenta são os exemplos daquilo a que Walter Benjamin chamava «violência divina»: eles situam-se numa espécie de suspensão político-religiosa do ético. Mesmo se eles aparecem perante uma consciência moral ordinária como atos «imorais», os assassinatos, não temos o direito de os condenar, uma vez que respondem a anos, ou seja, a séculos de violência e exploração estatal e econômica sistemática.

            “Da Democracia à Violência Divina” – Zizek

            grande abraço

            .

          • Caríssimo,

            Vamos aprofundar um pouco mais:

            Na verdade, mais grave que não querer entender que chegaremos a um limite onde haverá violência, é não enxergarmos que a violência como expressão política da luta de classes está aí, todos os dias.

            E como sabemos, essa violência e suas manifestações estão submetidas a filtros ideológicos (de classe) e hierarquias, funcionando mais ou menos assim:

            Quanto mais ricos somos, mais longe nos imaginamos da violência, e mais terceirizamos nosso ódio. É o mito da civilização.

            Pouca gente escapa a essa ilusão. É só ler os textos e comentários desse blog, que nem de longe pode ser considerado um espaço do pensamente hegemônico, embora esse pensamento esteja aqui também.

            Explico:

            Um cara de classe média imagina que a violência que abate 60 mil pretos e pobres nada tem a ver com ele, ou com suas escolhas políticas, e que essa violência que exsurge desse genocídio, e que o encurrala em feudos modernos (os condomínios) é só uma expressão “da maldade” (ou seja, uma questão moral) dos alguns dos mais pobres, que não foram “bons” o suficiente para viver a vida “honestamente”, em resumo:

            – Limpar privada de rico sem reclamar.

            Mais importante que processar e julgar crimes é antes classificá-los, colocá-los em uma escala de valores e de repulsa social, para que alguns criminosos sejam mais criminosos que outros (e de fato, acabam sendo).

            Acho que foi Foucault que escreveu isso…não me lembro.

            O que precisamos não é de mais violência, mas sim de direcionar essa violência com sentido político para que as desigualdades diminuam, e aí o uso da violência se torne mais obsoleto ou menos necessário, passando ao estágio do uso apenas da força, que é legítima porque atende a coletividade e não a castas.

            Todo Estado é um primado legal e normativo do uso da força, mas o Estado capitalistas, estruturado em desigualdade seminal é um Estado que busca o uso da violência de classe, onde as formas de violência usadas pelas elites jamais são percebidas como tal (violentas).

             Um abraço.

          • Hummm!
             

            A síndrome da “culpa do outro”

            Bom, como v. me considera uma pessoa tola,  uma discussão entre nós seria infrutífera.

            Guardemo-nos pois, de mal entendidos inúteis.

            Abraços.

          • Caríssima

            Não te chamei de tola. Tolos somos todos nós, inclusive por especularmos sobre coisas que nem sequer detemos todas as informações, fatos e evidências.

            Não sabemos de muita coisa, ou melhor, não sabemos de quase nada, nada que acontece nas decisões dos gabinetes, e muito pior, sequer imaginamos quem estará lá para decidir, com PODER.

            Mas mesmo assim seguimos tentando.

            Eu não a chamei de tola, perdoe se essa foi a impressão!

            Porém chamei você de forma mais ríspida a pensar as coisas como (eu acho) que elas são, e sim, eu convivo com a violência o dia todo, e posso dizer:

            Essa pauta não é nossa, nem do uso, nem da narrativa dos atos violentos.

            Vítimas são sempre, quase sempre, os “bandidos”, e os “mocinhos” deveriam estar presos (ou mortos).

            Foi no seu comentário que você disse que eu gostava de derramar sangue e de tortura.

            Não, não me ofendi, porque se tiver que derramar sangue ou torturar, sei que TODOS, eu repito, TODOS os regimes necessitam de alguém (alguéns) para fazer o trabalho sujo.

            Só quero ter alguma paz de consciência para fazer o necessário para um “bem maior”.

            Se a História me permitir isso.

            Dilma aprendeu o quê mesmo?

            Foi violentada, torturada, e sequer conseguiu enxergar o que armavam contra ela.

            Não quero sabeastianizar a ação de uma Presidenta ou Presidente, mas é preciso dizer, quando se governa (ou se diz governar) pelos mais fracos que eles são FRACOS PORQUE NÃO RESISTEM.

            Tenho mais respeito pela Dilma de 68 do que pela de hoje, sem dúvida alguma, embora na escala do “sucesso” político (sucesso, ah, o sucesso, o narcótico da classe média), talvez em 2016 ela “fosse alguma coisa”.

            Mas para que ser algo e não fazer nada quando se PODE?

            Quem podia mais? Dilma em 68 ou Dilma em 2016?

            E quem arriscou mais?

            Então, concluímos, com pesar: A tortura domestica, sim domestica. Por isso é usada sistematicamente, desde Guantánamo até qualquer Delegacia de Juazeiro ou da Zona Sul carioca.

            Tudo depende de quem está preso, por que, e quem foi o ofendido.

             

      • Xadrez do passaralho dos tucanos

        -> só se renderam para poupar o povo do derramamento de sangue.

        argumentar “poupar derramamento de sangue” num país onde as mortes violentas anuais superam as da guerra na Síria, onde mesmo durante os governos Lula e Dilma prosseguiu o genocídio do povo pobre e negro e a matança de lideranças rurais, só pode ser uma mistura de má-fé, cinismo, hipocrisia.

        aliás, Jango e Allende argumentaram o mesmo. deu no que deu: ditaduras sanguinárias e muito sangue derramado.

        -> Dia destes vou acessar o registro akahico pra saber o que o Lula fez ao moro em qualquer tempo

        os Registros Akáshicos seriam um tipo de Big Data, um repositório universal de nossa psico-história?

        os bilhões e bilhões gastos no sistema de controle e vigilância global são em sua quase totalidade apenas transferência direta de recursos para as mega empresas do setor, sem redundar em nenhum controle e vigilância adicional além daquela já voluntariamente introjetada pelos usuários de FaceBook, Google, etc…

        contudo, há um efeito colateral imprevisto: o volume e a qualidade de processamento acabam por gerar uma IA completamente diferente de seus modelos de projeção antropocêntrica.

        uma AI só pode ser derrotada por outra IA.

        .

         

        • Agora chegou a sua vez
           

          Bom, argumentos a gente troca e história a gente vive.

          Se aliássemos o nosso quotidiano violento à uma luta armada, como você acha que deveria ser, o resultado seria melhor? Teríamos menos mortes violentas?

          É muito fácil a gente falar de Allende,  Jango, Fidel e outros tantos sem ter vivido ao menos um momento essa realidade. Sem ter lido ou ouvido um discurso de cada um, sem ter experimentado por um momento essa realidade.

          Aí a gente entra no oportuníssimo assunto: Registro Akáshico.

          Arkx, só há dois modos de se viver uma realidade em sua essência:

          Vivendo dentro dela (ainda assim, tomamos dela impressões, pois um mesmo fato atinge diferentemente cada pessoa ), ou acessando os Registros Akáshicos.

          Você compara esses registros aos grandes armazenamentos de informações do google, face, youtube ou, mais propriamente a criação de um banco de dados mundiais (o Big Data) de controle e  uma Inteligência Artificial.

          Que haja pretensão de se criar esse banco, não há dúvida.

          Que esse banco existe, e com pretensões de controle absoluto sobre a população mundial, é fato.

          Só que, Arkx, tudo sob o nosso sol é corruptível pelo tempo.

          Os Registros Akáshicos, diferentemente, não podem ser corrompidos, pois eles tem dados de todos os tempos em todos os espaços.

          Está numa frequência superior à da terceira dimensão ( a que vivemos), e registram a verdadeira história de cada um, escolhida ou não. É o registro de todas as possibilidades, escolhidas ou não.

          O acesso a esse registro não é possível por nenhum modo que não seja a mente desenvolvida com eventual carga genética que possibilite a pessoa a esse alcance, e com muitos anos de treino, métodos específicos e modo de vida diferenciado.

          Nossos donos têm uma curiosidade tão feroz sobre o assunto que se pudessem, prendiam cada paranormal para espremer-lhe o cérebro na extração do fator clarividência.

          Enquanto não podem fazê-lo, vão fazendo simulações de um mundo que eles não podem alcançar.

          Não devemos nos esquecer que por mais controle que possam ter sobre as pessoas, todos somos limitados pelo tempo-espaço e a ele sujeitos, com as suas mutações naturais.

           

          • Xadrez do passaralho dos tucanos

            -> Se aliássemos o nosso quotidiano violento à uma luta armada

            quem se referiu a luta armada? por que a resistência em S. Bernardo seria uma “luta armada”? entre a rendição voluntária e a “luta armada” há um caminho de infinitas opções.

            sou de uma geração que participou ativamente da criação do PT, que nasce justamente como uma alternativa crítica à luta armada. só um movimento de massas pode mudar a sociedade, não alguma vanguarda iluminada.

            convivi com algumas pessoas que participaram da luta armada.

            e com outras que embora não tivessem participado, mesmo assim foram presas e barbaramente torturadas apenas porque se reuniam para fazer análise conjuntural. ou seja: exatamente o que aqui agora fazemos!

            mas além disto, é preciso compreender que existe uma “violência”, assim como uma “dor”, inerente a própria vida. fugir disto é fugir de viver.

            -> sem ter vivido ao menos um momento essa realidade.

            vivi todos os momentos da política brasileira desde a retomada do movimento estudantil em 1977. estive nas manifestações estudantis no Rio. participei da organização da primeira greve pós 1968 (AI-5) de minha categoria profissional, em 1979.

            falo do que vivi. falo também do que vivi através da experiência alheia: a resistência armada, a tortura, a clandestinidade. vi seus resultado nos corpos e nas psiquês.

            -> Você compara esses registros aos grandes armazenamentos de informações

            -> Que haja pretensão de se criar esse banco, não há dúvida.

            não estou exatamente comparando. eu trazendo o assunto à tona, porque sei que é de seu interesse. agradeço que se disponha a conversar sobre ele.

            os “proprietários da humanidade” almejam criar vida, serem os deuses de si mesmos. esta é uma guerra ancestral que já ocorreu algumas vezes, por assim dizer mas não exatamente falando. estamos novamente numa de suas encruzilhadas decisivas.

            -> Os Registros Akáshicos, diferentemente, não podem ser corrompidos, pois eles tem dados de todos os tempos em todos os espaços.

            sei o que são Registros Akáshicos. e concordo com a descrição que deles vc faz. mas acho que existem outras, inclusive mais apropriadas ao momento atual.

            a chave tanto para compreendê-los como para acessá-los é o tempo. o modo como percebemos o tempo. um filme recente tem uma abordagem interessante a respeito: “A Chegada”.

            a linguagem, longe de servir para descrever o mundo, ajuda-nos sobretudo a construir um. não há movimento revolucionário sem uma linguagem capaz de exprimir, simultaneamente, a condição que nos é apresentada e nossa ação para superá-la.

            -> têm uma curiosidade tão feroz sobre o assunto que se pudessem, prendiam cada paranormal para espremer-lhe o cérebro na extração do fator clarividência.

            todos somos paranormais. alguns apenas já assumiram mais esta característica do que quase todos os outros. a verdade é que quase todo mundo teme a si mesmo. as pessoas morrem de medo de serem quem de fato podem vir a ser. e é assim que nos controlam, que nos dominam. no âmago de nosso ser.

            enquanto não se fizer política deste ponto de vista, do que vc denomina aqui de “paranormalidade”, continuaremos sofrendo derrotas fragorosas.

            este é o thriller semiótico-linguístico no qual vivemos e ao mesmo tempo somos os autores. a mais dramática meta-história jamais escrita na História do Brasil.

            na verdade, mesmo o expressando sob diversas formas, é apenas sobre isto que aqui escrevo durante todo este tempo.

            isto tudo já aconteceu. déjà-vu.

             “e começou a decifrar o instante que estava vivendo, decifrando-o à medida que o vivia, profetizando-se a si mesmo no ato de decifrar a última página dos pergaminhos, como se estivesse vendo a si mesmo num espelho falado.”

            “Cem Anos de Solidão” – Gabriel Garcia Marquez

            .

             

          • Xadrez do passaralho dos tucanos

            -> Tá idoso, hein? Mas o tempo não perdoa, mata, assim como Django.

            pois é… pelos Registros Akáshicos eu nasci há dez mil anos atrás. e o Nender pelos menos há uns 100 mil anos.

            mas aí, quem cita Django também não pode ter data de nascimento muito recente, não.

            seja como for, vamos deixar prá derramar sangue numa outra oportunidade. amanhã será dia de derramar uma boa água mineral.

             

            .

    • Caro Arkx,

      Meus respeitos.

      Vamos, como diria Jack, o estripador, por partes.

      Primeiro e antes de tudo: 

      O principal empecilho da compreensão dos processos históricos pelos movimentos e segmentos contra-hegemônicos é o fato de suas (nossas) posições relativas serem sempre essa, ou seja, contra-hegemônica.

      Em outras palavras, é difícil pensar quando se está apanhando de todos os lados. Veja bem, eu disse difícil, mas não impossível.

      A impossibilidade ganha corpo quando nós mesmos, a esquerda (ou a contra-hegemonia, como preferir) adotamos o ethos dos seus (nossos) opressores.

      Leia o texto do Luis Nassif.

      Como narrativa está bem próximo da realidade, mas peca por um detalhe seminal:

      Imagina que tudo que está acontecendo, e que ele relata em seu xadrez (e em tantos outros, com cuidadosa didática), sem um “cérebro”, ou seja, sem um motor de interesses determinado.

      É claro que o sistema capitalista não detém (como qualquer outro aspecto da História) um só “cérebro”, um só eixo central ou um só beneficiado pela disseminação de desigualdades mundiais, que se conformam em sistemas políticos mais ou menos estáveis ao redor do planeta (a depender de cada processso histórico de cada franquia capitalista, o que antes chamávamos de países).

      No entanto, o eixo central (A Matrix) é a concentração de poder econômico desenfreada, que vai afunilando cada vez mais a detenção da riqueza, a ponto dela justificar-se por si mesma, prescindindo de qualquer forma de relação orgânica com algum sistema produtivo, ou melhor, existindo “apesar” desses sistemas produtivos.

      E essa Matrix tem dono e nacionalidades (EUA e Europa, e agora, um pouco de Rússia e China).

      Essa incompreensão de não perceber quem lucra com golpes e a instabilidade em zonas periféricas do capital gera tantas outras.

      E aí adotamos o discurso do opressor.

      Queremos reformar um capitalismo irreformável.

      Atenção, o capitalismo não é irreformável em si, porque para sobreviver, a cada ciclo de retração e expansão ele se “renova”.

      Mas o sistema de desigualdades que sonhamos reformar e minorar não é passível dessa ação, porque é ASSIM que ele deve funcionar, ou seja, é a desigualdade o motor da História Capitalista.

      Queremos sistemas políticos estáveis e representativos em meio a brutal desigualdade que relativiza a regra cada homem (mulher) um voto até que a própria ideia de representação deixe de fazer sentido.

      Imaginamos ser possível uma luta democrática onde a Democracia é impossível (no capitalismo).

      Sonhamos com um judiciário que nos redima, quando esse mesmo judiciário é uma das razões de ser da desigualdade, isto é, pensamos que nosso judiciário é desigual (ricos soltos, pobres presos e mortos) por causa das desigualdades econômicas, e esquecemos de que a desigualdade econômica tem como lastro normativo a ação seletiva do judiciário, já que as políticas criminais (aqui, como nos EUA, e em tantos outros lugares) são a nova forma de escravidão e discriminação.

      Nenhum golpe ou regime autoritário, o mais sanguinário deles, abandonou o controle e a funcionamento dos seus sistema judiciais.

      Então…

      É uma relação de causa e efeito recíproca, um judiciário-tostines: (o judiciário) é seletivo porque somos desiguais, e somos desiguais porque o judiciário é seletivo.

      No outro canto desse polígono de vários vértices, temos a mídia e a imprensa.

      Sonhamos com liberdade de imprensa, jornalismo “livre” e outros slogans, e esquecemos que justamente a sistematização do jornalismo dentro da indústria ideológica (central e crucial) da comunicação, desde 1798, é uma das causas intrínsecas de desigualdade, já que cada narrativa em um sistema desigual vai corresponder a essa desigualdade, e sempre será desigual per si.

      A voz da Zona Sul e dos morros nunca será veiculada ou ouvida da mesma forma. NUNCA! Idem a voz dos trabalhadores e todos os outros desempoderados!

      NUNCA haverá um jornalismo no mundo capitalista que dará conta de relatar os fatos como eles são, porque no capitalismo e sua máquina de ideologia, a versão é maior que o fato, caso contrário, como explicar que bilhões aderem a um regime de produção que concentra riqueza nas mãos de menos de 1%, com quase nenhum questionamento?

      Claro que o jornalismo por si só não sustenta esse enorme prédio ideológico, mas nos dias de hoje não é errado supor que o papel da escola e de outras instâncias de controle ideológico sejam bem menos relevantes que as plataformas de comunicação, ainda mais na era digital.

      Ouso dizer que junto com o jornalismo, só polícia e judiciário tem tanto poder nessa construção simbólica!

      Ouso mais: sendo polícia e judiciário representações de força e coerção, o papel do jornalismo como força sem usar força é ainda mais perigoso!

      Imaginamos haver um “bom jornalismo”. Uma “boa escola”, uma “boa polícia” “bons empresários”, “responsabilidade social”, ou uma Consitutição “cidadã”.

      E assim vamos engolindo as iscas, gastando a pouca munição que temos em espantalhos.

      Por isso é impossível sair de onde estamos, porque sequer sabemos quem nós somos e porque chegamos aqui.

      Não creio que a revolução seja amanhã. 

      Não sei quando acontecerá!

      Mas sei que abrindo mão de imaginar algum tipo de revolução (esse nome virou até palavrão), ela não acontecerá NUNCA!

      Não se acaba com o capitalismo imaginando ser possível (e suficiente) reformá-lo.

      Algunss idiotas por aqui dirão:

      – Então devemos esperar o momento e esquecer o sofrimento de bilhões, abrindo mão de melhorar a situação deles, enquanto fazemos a revolução?

      Eles sabem que essa proposição é um sofisma ruim.

      Não se trata de renunciar a luta pelos direitos sociais e redistribuição dentro do atual sistema desigual, mas SABER que essas reformas não atacam a desigualdade em si, e aceitar as reformas como fim, e não como meio, é continuar como cachorros correndo atrás dos próprios rabos.

      Conjugar a luta por direitos dentro desse sistema e trabalhar para acabar com esse sistema que gera desigualdades.

      E o capitalismo (e seus “cérebros”) é a origem de todos os nossos males atuais.

      Não afirmo que tudo será só coisa boa.

      Porém, devemos (ou devíamos?) querer, pelo menos, males diferentes.

       

      • Homem(mulher)
         

        Neanderthal, você não respondeu pra mim mas vou dar pitaco.

        Seu texto é portentoso,sob o meu ponto de vista.

        Você tocou na essência do sistema e a descreveu com rara inspiração.

        Como a avaliação não está disponível, deixo minhas cinco estrelas pra você e uma sugestão de tratamento não discriminatório: homem e mulher são pessoas e se tivermos que generalizar, por quê discriminar?

      • Xadrez do passaralho dos tucanos

        Caro,

        -> -> Também sonhei que conforto (mínimo que foi) econômico traduzisse solidariedade política de classe.

        foi aqui que parei a réplica ao seu comentário anterior. tive que interromper para continuar o resgate ao velho cavalo. por falar nisto, o bicho foi muito bem tratado. fizemos uma barraca, coberta de lona e com laterais de sombrite, ficou escorado com sacos de areia e serragem, tomou na veia soro analgésico e multi-vitamínico, bebeu e comeu, urinou e defecou, relinchou e nos reconheceu a cada vez que fomos lhe cuidar. duas noites depois, dentro do prazo, morreu em paz. e assim deve ser com cada um de nós. a morte não faz parte da vida. vida e morte são duas expressões de um mesmo processo.

        a solidariedade política não pode decorrer automaticamente do conforto econômico, pois este precisa ser vivenciado como conquista, como resultado da luta e, portanto, sem sustentabilidade, a não ser aquela também decorrente da luta.

        esta é a pedagogia da luta. e só por ela a consciência pode dar saltos qualitativos.

        -> Ouso mais: sendo polícia e judiciário representações de força e coerção, o papel do jornalismo como força sem usar força é ainda mais perigoso!

        sem dúvida, a mídia tem uma função decisiva tanto como instrumento de controle ideológico, como “força sem usar força”. por isto precisamos de uma mídia contra-hegemônica.

        e o que seria esta mídia? ela é possível sem um rigoroso debate crítico? sem que nos coloquemos em questão? sem que avaliemos nosso planejamento e nossa ação?

        a mídia somos nós! certo! mas como de fato a isto implementar, para que não seja só um slogan bonito mas estéril?

        -> Mas sei que abrindo mão de imaginar algum tipo de revolução (esse nome virou até palavrão), ela não acontecerá NUNCA!

        -> Não se acaba com o capitalismo imaginando ser possível (e suficiente) reformá-lo.

        não sou ligado a partido algum. muito menos a qualquer político. considero que Nildo Ouriques, PSOL de SC, deu uma enorme contribuição à renovação da Esquerda no Brasil ao trazer mais uma vez ao primeiro plano a questão da Revolução Brasileira.

        que Esquerda é esta que tem medo de discutir a Revolução?! que Esquerda é esta que se esquiva em apontar como responsável do beco sem saída que chegamos, no Brasil e no mundo, como senão o Capitalismo?!

        que Esquerda é esta que não elabora uma teoria do que seria a Revolução no Séc. XXI?!

        são tarefas imensas que precisam ser encaradas.

        -> Não se trata de renunciar a luta pelos direitos sociais e redistribuição dentro do atual sistema desigual, mas SABER que essas reformas não atacam a desigualdade em si, e aceitar as reformas como fim, e não como meio, é continuar como cachorros correndo atrás dos próprios rabos.

        é preciso ter um objetivo: o pós-capitalismo.

        é preciso ter estratégias: mesmo quando reformistas, orientadas a um pós-capitalismo.

        é preciso ter táticas: muitas vezes é preciso recuar, contudo mesmo quando recuar fazê-lo apenas para novamente avançar para um pós-capitalismo.

        exemplo: resistência em São Bernardo.

        objetivo:

        – impedir a prisão de Lula.

        estratégias:

        – resistir com ampla mobilização popular, tanto local quanto em diversos outros pontos país afora;

        – assim gerar pelo ato, pela agitação, a propaganda contra-hegemônica;

        – esgarçar a resistência ao ponto da ruptura, mas sem expor a vida do cordão humano de manifestantes;

        – ida de Lula para uma Embaixada, ou para o exterior ou simplesmente desaparecer descaracterizado na multidão.

        táticas:

        – permanente cabo de força com a repressão;

        – em caso de ação violenta da repressão, recuar para novamente reagrupar;

        – presença maciça de parlamentares, governadores, artistas, intelectuais, etc;

         

        .

        • Líquido e incerto.

          Caro amigo,

          O pós-capitalismo virá, querendo nós ou não.

          E de certo jeito, alguns dizem que ele já está aí nessa nova conformação.

          A questão é o que faremos, que tipo de papel teremos nessa nova realidade.

          Não imagino que ninguém aqui, até o mais idiota que seja, encara o capitalismo como a última etapa da História da Humanidade, salvo se houver em cataclisma bélico ou ambiental provocado por esse sistema de produção, o que nos dá ainda mais urgência em superá-lo para tentar mudar as relações de produção e da produção em si com o ambiente e os recursos naturais.

          Se não tomarmos a nossa História nas mãos, ela seguirá sendo contada por outros, os que nos dominam!

    • ARKX, O MBL DE BIGODE: “humilhante rendição voluntária de Lula”

      Precisa comentar alguma coisa??? Acho que as asneiras de Arkx falam por si mesmas:

       “a deprimente e humilhante rendição voluntária de Lula”

      “a participação de Boulos no palanque desta farsa compromete sua carreira política”

      “ungido por Lula”

       

      É ridículo ao extremo… atacou Lula de todas as formas… depois que Lula foi preso virou “Lulista” de ocasião… agora retorna ao “Anti-Lulismo” de sempre, por que o “ungido” não foi o tal Freixó…

      O que faz Arkx continuar essa saga??? Longos textos, diários… com claro posicionamento político partidário panfleteiro…

      Fica parecendo um acessor de deputado do PSOL, encarregado em fazer o papel de “influenciador” em blogs de esquerda… mas até agora só conseguiu gerar antipatia!

       

    • 3 vezes

      Tivemos três vezes a bola conosco, e nas três devolvemos bisonhamente pro adversário.

       

      Na greve geral de abril de 2017.

      Na grande marcha de Brasília, quando temer pediu o exército

      No cerco ao Sindicato dos Metalúrgicos.

       

       

  12. Golpe sem disfarce
    O sincronismo nas ações do consórcio golpista Mídia/MPF/PF/Judiciário é tão escandaloso que me espanta ter quem ver seriedade na Lava Jato!

  13. Não há como usar a lógica na

    Não há como usar a lógica na análise de nosso pobre e doente País. E a doença é epidêmica, todos estão sujeitos. Quando se pensa que alguém é saudável pode ser apenas um pensamento. Dalmo Dalari disse diversas vezes que o impeachment não passaria no STF “garantista”. Pausa para uma grande risada, que ainda não a proibiram. Até ele imaginou que no STF a maioria era sã. Luis Nassif, brilhante analista, deu um voto de confiança à atual PGR. Suspeitou de algum mal, ou não teria sido apenas um voto. Mesmo assim a doença passou batida. E o que dizer de Eugênio Aragão, que profissionalmente conviveu com ela ? Apontou divergências pontuais mas garantiu que ninguém  tiraria proveito de suas ações. Outra pausa, um pouco maior que a anterior. E o post do Wilson Ramos lamentando a morte do amigo ? Amigo que escondeu a doença por quase uma vida toda, só a expondo quando os sintomas a explicitaram nos momentos finais, na pré morte ! Se não for encontrada uma vacina, ou um soro, ou um remédio mesmo amargo, que combata a epidemia, logo, logo, será terra arrasada, entre vivos e saudáveis, morreremos todos. Quiça nem todos, quiça escapem alguns dos que estão isolados num “hospital” de Curitiba. E se escaparem não terão vida fácil. A eles restará a tarefa hercúlea de reconstrução. Quem viver, verá, mas quem viverá ?

  14. A Dilma teve a chance de

    A Dilma teve a chance de trocar o Janot. Seu substituto teria todas as cartas do baralho voltadas pra si e poderia descartá-las  na sequência que desejasse. Poderia indiciar o Aécio, acusar Curitiba de estar promovendo “delações combinadas”. Mas ela nada fez, preferiu reconduzir o Janot (que consentiu com o áudio vazado) e foi crucificada. Espero que ela saiba de algo que eu não sei, como sabia João Goulart ao não resistir e aceitar o golpe, sabendo que os EUA promoveriam uma carnificina no país. 

    • Só trocar o Janot?

      O que a Dilma sabia e sabe com relação a este golpe nem é tão secreto. Quem tinha olhos pra ver, viu. E viu há muito tempo, desde as primeiras manifestações “civicas” de 2013. O roteiro é o mesmo de outras partes do mundo, com pato e tudo. Não há sequer preocupação com disfarces, inovações, despistes.  É tudo igual. Só faltou por aqui, POR DESNECESSÁRIOS, os bombardeios. A destruição vai ser mais lenta. Tem sido tambem um caso peculiar de MACIÇA COLABORAÇÃO DE NATIVOS.

      Trocar ou não o Janot? Não faria a menor diferença.

      • Também entendo dessa mesma

        Também entendo dessa mesma forma Jaide. A não ser que a Dilma tivesse tocado um pontapé na bunda dos ianques e na dita cuja dos seus comparças internos. Assim como fez o Erdogan da Turquia que, ao receber aviso dos Serviços Secretos russos, não vacilou em aplicar o passaralho em todos os FdPs.

        Ao Trump e seus agentes da CIA,  mandou-os a merda e à puta que os pariu. E ato contínuo, passou a comprar armas e mísseis dos russos. Deixando os terroristas da OTAN e a indústria bélica americana chupando amendoim.

        Enquanto aos turcos vira-latas traidores e quinta-coluna, bala nos que resistiram, e cadeia pros safados e covardes que se entregaram, enquanto aguardam julgamento por crime de alta traição.

        Enquanto os brasileiros de verdade, não esses fdp de camisetas da CBF, não atuarem com o rigor necessário contra os traidores da Nação, sejam eles do cartório que sejam, deve-se dar a devida atenção aos capachos serviçais que cuidam apenas dos interesses da elite entreguista. Aos boys i love miami, se pretendem aqui permanecer, terão que prestar conta por seus crimes de lesa-pátria. Cumprida a pena estarão livres, enquanto não voltarem a delinquir.

        O Brasil não logrará obter sua verdadeira independência enquanto formos lenientes com golpistas e quinta-coluna, deixando-os impunes. Todos os países irmãos da América Latina já julgaram e encarceraram os criminosos da ditadura militar que os norte americanos dissiminaram na região no século passado. Nós brasileiros, ainda não condenamos um fdp daqueles traidores e torturadores assassinos sequer.

        Orlando

      • Trocar o PGR era o primeiro

        Trocar o PGR era o primeiro passo, sem ele, pouco ou nada poderia ser feito pra reverter a situação. Portanto, não seria só trocá-lo, mas isso seria fundamental.

  15. Você hoje está pensando no

    Você hoje está pensando no Brasil, no seu rumo, em política?

     

    Não, não penso mais não, cuido da minha rotineira vida pessoal, levo os filhos na escola, trabalho, cuido da minha vida.

     

    Mas e o Brasil, sua desigualdade, seu descalabro político, sua violência urbana, sua miséria endêmica?

     

    Não, nada, penso não, isso aqui não tem jeito não, é um caso patológico de controle do estado, da economia e da política por máfias que representam a plutocracia, os interesses de uma minoria e isso não vai mudar nos próximos mil anos.

     

    É um caso perdido, a esquerda está dizimada, não tem tem força, não tem liderança capaz de dar uma a volta por cima, o estado controlado por uma burocracia que trabalha apenas para si mesma e para manter seus privilégios e que considera a esquerda um mal a ser estirpado, hoje é quase proibido fazer qualquer manifestação de defesa de valores de esquerda no serviço público, há uma censura permanente.

     

    Estaremos caminhando cada vez mais para um estado permanente de violência física, moral e intelectual, os homicídios vão aumentar a cada ano, os crimes comuns, como já o são, serão a tônica diária das periferias com difusão para toda a vida urbana em função da desigualdade acachapante, da eliminação da políticas sociais e do aumento do desemprego.

    A corrupção não será eliminada definitivamente como nos quer fazer acreditar os pseudo-heróis da Lava Jato, a corrupção dos amigos donos do poder é nermal, será no máximo um crime eleitoral.

    A favelização crescerá e elmoldurará as grandes cidades, enquanto a classe média aplaude o discurso bolsonarista de higienização contra os pobres, os negros, os índios, pregando a violência pura e simples como solução da criminalidade, o Brasil se transformará num laboratório perfeito para o desenvolvimento da banalidade do mal.

    Como em Elysium uma minoria rica, opulenta, abastada, poderosa e violenta controlará tudo e a todos.

    Não adianta ser utópico com o Brasil, é um desgaste inútil, é tempo perdido, esta história de país do futuro é uma piada de auto engano coletivo.

    • O pior é que a “era Lula”

      O pior é que a “era Lula” mostrou que o Brasil pode ser melhor do que isso. Mas com uma direita animalesca e violenta, uma esquerda ingênua e covarde, e um centro minoritário e agredido por todos os lados, não há como o país escapar de virar uma outra Libéria.

  16. Aécio e Alckmin por fora
    Os tucanos, Aécio e Alckmin estão por fora, o primeiro decerto recebeu o recado de que precisa pacificar o país, sendo o outro lado da moeda de Lula. O segundo, não vai convencer a velha mídia com seu Ibope de um dígito, mesmo tendo mais da metade das prefeituras paulistas em suas mãos. Até aí todo mundo já sabe sobre eles, ou seja, sabem o irrelevante nas eleições presidenciais, pois a unanimidade entre o consórcio MERC-MDB-DEM-MORO é o João Trabalhador. Quanto ao registro da candidatura do não registrado Lula, e o dropes que os norte-americanos vão dar em na campanha de Bolsonaro, ainda é imprevisto os candidatos na briga do segundo turno da eleição nacional em outubro.

  17. A máfia que está por trás do golpe e tem na globo sua principal

    A máfia que está por trás do golpe e tem na globo sua principal ferramenta de dominação não tem compromisso com os tucanos. Enquanto Alckimin, Aécio, Aloysio Nunes e Serra forem úteis serão preservados e blindados. A partir do momento que ficar muito dispendioso manter os tucanos ou surgir outros grupos políticos alternativos os tucanos serão descartados.

    Os marinhos são criaturas perversas sem nenhum escrúpulo, assim como o Aécio que mataria o próprio primo para se defender. Caso os interesses da globo, dos rentistas e outros grupos envolvidos no golpe sejam colocados em risco, não pensarão duas vezes antes de descartar os tucanos.

    O PSDB é um mero instrumento da Casa Grande, caso não seja mais útil será descartado como lixo. O partido só não foi descartado ainda por não aparecer alternativas para os Serra, Aluisyo Nunes, Aécio e Alckimin. A partir do momento que criaturas oportunistas e sem nenhum pudor começar a despontar como alternativas viáveis, a globo e os fascista do judiciário farão seus trabalhos de retirar esses entulhos do PSDB do caminho da Casa Grande.

    Alternativas não faltam para substituir os tucanos na tarefa de fazer o trabalho sujo da Casa Grande: Marina Silva, Joaquim Barbosa, Rodrigo Janot, Álvaro Dias, Flávio Rocha, João Amoêdo e assim por diante. Basta um desses nomes despontar como alternativa viável para que a globo e os rentitas encamparem suas candidaturas.

     

  18. *

    No momento em que o país passa por uma acefalia e o vácuo do poder do tamanho de uma cratera que se alarga a medida que o golpe avança, não sei se o engaiolamento dos tucanos mude a direção do rolo compressor dos fascistas. Esse sincronismo da direita, como se sabe, é feito tb na America Latina como pode ser visto na entrevista com a pesquisadora Verena Hitner, na TV 247 em relação ao que ocorre no Equador.

    Ao mesmo tempo, isso tudo é possível devido a capilaridade dos nouveaux – imbecis, tipo mbl, que na estratégia geral do golpe, são peças que tem a sua ação delimitada na provocação principalmente aos movimentos de esquerda, progressistas e democráticos.

    O avanço do golpe também permitiu que se abrissem as porteiras e soltassem os asnos-catedráticos: militares, polícias, grupos de extermínio, milícias e etc., que tem tido um campo de atuação sem freios, lançando mão da violencia, do terrorismo e de todo arsenal de repressão, guardados esses anos todos em algum ponto das trevas, mas que periodicamente eram azeitados.

     

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=Wl6kHH98wYo align:center]

     

     

  19. Tentando entender a necessidade dos tucanos na Lava-Jato.

    Os patrocinadores do Golpe e a busca de um candidato limpo.

    O que leva a gente a discutir o desejo da Lava-Jato em colocar dentro dela algum tucano? É combate à corrupção para valer? Por que Alckmin não entrou? Buscando entender o fato diferente e a Eleição fiz este texto. 

    Por que o Sistema deseja se desvencilhar de quem ajudou na prática o Golpe do Impeachment: Temer, Alckmin***, Serra, Aécio, etc. no período eleitoral de 2018? (Não significa punição com condenação, cadeia, ressarcimento aos cofres públicos de dinheiro amealhado de forma ilícita).

    O Sistema (os patrocinadores do Golpe – Imperialismo Norte-Americano, Sistema Financeiro Internacional, grandes corporações e Burguesia desnacionalizada) precisará parecer limpinho nesta Eleição, penso eu.

    Ele precisa, ainda, dar uma repaginada eleitoral, porque desta vez estão em busca de um candidatão e só encontram bagrinhos com votos.

    Deixou muito solto tudo nestes 2 anos de Temer & Cia. + tucanos no Poder Federal e pode ser que nem adiar a Eleição consigam, para manterem o controle do Poder.

    Animou a plateia por anos com o tema Corrupção e não há como fugir desse espectro que ronda a sociedade nas escolhas eleitorais do Executivo Federal e Estadual em 2018. – Fora políticos corruptos! O Sistema está refém da própria armadilha do Golpe.

    Hoje há um problemão para o Sistema, o Temer tem popularidade e governo quase no zero. Os tucanos sumiram, desidrataram no branco, nulo, abstenção e Bolsonaro. Todos corruptos na lógica eleitoral.

    Então, o jogo atual dos patrocinadores do Golpe é se fingir longe de todos os que ele comprou (cooptou) até agora e chegarem na Eleição com ar de novidade e honestidade os seus desejos, penso eu.

    Velha mídia capitaneada pela Globo e o Judiciário da Lava-Jato estão, agora, com a meta de construir caminhos para trazer de volta ao centro os eleitores que se fincaram em extremos e apagar os extremos em prol do centro, onde o Golpe quer se posicionar eleitoralmente.

    O problema é que a Política real tem quase só personagens do modelo antigo, hoje, para se apoiar na continuidade do Golpe.

    Não tem gente suficiente para ser o “novo” com votos e mínimo traquejo político para disputar com políticos da esquerda do porte de um Flávio Dino, Haddad, Rui Pimenta, Ciro, Freixo, etc., elegíveis em outubro, se me entende? Ou com os modelos radicais de extrema-direita apoiadores de Bolsonaro.

    Fica tudo muito nebuloso a partir daí. E se tenta, mas é um tanto démodé, radicalizar com o fim da Eleição. Seria chancelar e aumentar a compreensão de que foi um Golpe de verdade e imprevisível a reação social para esta decisão não pactuada, acredito eu.

    Todavia, adiar a Eleição, como iriam justificar o não poder votar dos fanatizados pelo Bolsonaro, por exemplo? Sem contar todos os eleitores de Lula e das esquerdas.

    Este eleitor que votava no PSDB e hoje vota no Bolsonaro parece não ser muito controlável pelo Sistema que a criou, eles se rebelam ao posto pelo Sistema sem serem antissistema clássicos, como a esquerda. E são hoje gente pouco amiga da Globo & mídia em geral, que seriam porta-vozes dessa radicalidade da não-Eleição.

    O experiente Jornalista Fernando Brito do Tijolaço acerta em cheio ao dizer que o Sistema criou os extremos e não o centro político e ele ficou diminuto.

    Hoje, somos 40% do eleitorado com voto válido + ou – que vai aonde Lula for e 20% que vai aonde for Bolsonaro + 20% que pretendem anular. Sobraram 20% para o Sistema movimentar em sua direção, por incrível que pareça.

    Para o Golpe, talvez, melhor seria ter segurado até 2018, fabricando a imagem de caos do Governo Dilma e colocado uma oposição menos anárquica em funcionamento.

    Foi logo de Temer & camarilha + tucanos no Poder e perderam o comando do Golpe.

    Temer & a camarilha + tucanos faz tudo o que o Sistema sonha, mas vai além, se é que dá para entender, faz até o que nem o Sistema pensou em pedir e quer e numa pressa que gera a ineficiência total. E vira essa anarquia governamental, que pode romper as aparências necessárias para solidificar e prosperar o Golpe.

    Por isto se desenhou a ideia de uma Lava-Jato a mexer até com tucanos, com a camarilha capitaneada pelo Temer, vão mexer com Bolsonaro, Ciro, além, do que já fazem com Lula e mexerão com as esquerdas em geral, sonham produzir um candidato sem máculas e que vença por W.O. na ausência de concorrentes votáveis.

    Os outros candidatos todos, anti-Golpe e maléficos ao Golpe vão entrar no noticiário da corrupção e das investigações e das prisões.

    1) O que tem voto para ganhar: Lula – colocado numa cela incomunicável;

    2) O que pode ser o candidato do Lula: Haddad, Jaques Wagner, etc.;

    3) O que pode ser o substituto no voto de Lula: Ciro Gomes;

    4) O que encarna as consequências sociais do fascismo surgido da Lava-Jato: Bolsonaro;

    5) Os candidatos que podem associar o Sistema (o Golpe) à corrupção e a perda de direitos sociais: Alckmin, Temer, Maia;

    6) No desespero do Golpe pode sobrar para Manuela e Boulos, desde agora.

    Alckmin, Serra, Aécio e Temer podem ficar no noticiário da Lava-Jato, também, para limpar o Golpe, não para uma punição real com prisão e apreensão de riquezas amealhadas indevidamente na Vida pública desses políticos. Estarão em evidência para que se mostre uma imparcialidade, inexistente na prática, até o pleito eleitoral, a serventia deles pode ter acabado sem votos. Que vivam felizes longe das câmeras de TV para limpar o Golpe, durante o período eleitoral. Vivam igual Demóstenes, Azeredo, José Roberto Arruda.

    E pensando em um candidato do Sistema, dos comandantes do Golpe, talvez, seja Álvaro Dias, Joaquim Barbosa, Luciano Huck ou candidato semelhante e aparecerá nas telas da Globo & velha mídia como uma espécie de Salvador da Pátria.

    O tema corrupção ficará em evidência até a Eleição e nos coloca a refletir que o Sistema vai querer nos fazer distraídos dos problemas socioeconômicos brasileiros no período de campanha mais do que nunca, seu candidato precisa fugir do debate das questões essenciais do Brasil: desigualdade social, economia em frangalhos, desindustrialização, Saúde e Educação com lógica privatista atualmente; projeto de país, soberania, Estado e empresas públicas e desenvolvimento tecnológico com Justiça Social.

    A Eleição vai de Lava-Jato novamente e o combate à corrupção. Como sempre o Sistema tenta impor o tema via meios de comunicação hegemônicos e, agora, com seu braço direito: o Judiciário.

    Lembrando que direitos civis (liberdade de opinião e fé, liberdade de manifestação) causas identitárias, temas caros à religião cristã (aborto, questão de gênero, homossexualismo, união homoafetiva), ainda não estão programados para serem o centro do debate dentro do Sistema comandado pela Globo & velha mídia, porque favorecem os extremos: pró – esquerdas em geral e, incluindo, classes médias mais liberais e contra – eleitores que iriam na direção de Bolsonaro.

    E surgirá na velha mídia o Mosqueteiro da Ética versão 2018, o personagem central do noticiário eleitoral deste ano.

    O candidato desenhado como o Pai da Ética e Guardião da Honestidade, o quase Pastor, o quase Santo e de fala equilibrada, mas segura, séria, enérgica e contundente quando tem de ser, repreendendo os corruptos e os incompetentes, um gentleman na postura e desenhado como o capacitado, o modelo de retidão e sabedoria, o presidenciável perfeito.

    *** O Golpe manteve Alckmin de pé por enquanto, retirando ele da Lava-Jato, o que denota a ausência de um candidato forte do Sistema, que possa competir contra a oposição ao Golpe e contra o imprevisível Bolsonaro.

    Loucura pensar que o candidato do Sistema precisa se dizer contrário ao que se produz no Brasil de Temer & tucanos e, ao mesmo tempo, se eleito for, manter a quase totalidade das políticas econômicas e não-políticas sociais implementadas pelo Golpe.

    Não é uma boa maneira de ganhar e pensar em governar com popularidade e mínima pacificação. Assusta, não é verdade?

    Pode ser eleito o “Salvador da Pátria”, mas em razão dos compromissos reais presos ao Sistema, não os da marquetagem de campanha, podemos reaver as cenas de Collor e o confisco da poupança, de FHC e a maxidesvalorização do real no segundo mandato e Dilma no segundo mandato com Levy e o ajuste neoliberal, candidatos eleitos e que em três tempos perderam a popularidade e a governabilidade.

    Alckmin eleito sendo um Capataz do Sistema não terá a mínima chance de vingar seu Governo, penso eu. Não há espaço para lucidez entre os tucanos, estes já agem no piloto automático da defesa dos ideais do Golpe, são reféns dele.

    Somente uma candidatura de fora do Sistema poderá modificar os rumos do Brasil apequenado, sem soberania e desenvolvimento científico & tecnológico + industrial e, apenas, quintal dos Estados Unidos e celeiro do agronegócio e exportador de commodities e recursos naturais.

    Bolsonaro & assemelhado é a barbárie, o Sistema não precisa dele, ele pode abreviar a retomada da Democracia brasileira e de uma soberania e desenvolvimento autônomo pela sua radicalidade. Bolsonaro provocaria estragos em um primeiro momento, mas, ao retorno da lucidez a tendência é uma pacificação nacional perigosa ao centro do Golpe, penso eu.

    E quem deu o Golpe trabalha na estratégia da ausência de raciocínio coletivo e não a um chamamento a qualquer lucidez. O Sistema trabalha no campo real: o da destruição socioeconômica para pilhagem de nossos recursos naturais e não competição do Brasil como potência + modelo de desenvovimento anti neoliberal e no campo das mentalidades: criando heróis e vilões, criando ódio aos seus opositores, criando divisões sociais, regionais, entre amigos e familiares até. Bolsonaro é tão extremado que pode acender uma luzinha capaz de despertar a Nação.  

     

    • Boa noite, Alexandre!!! 

      Boa noite, Alexandre!!!  Penso que a direita, caso não possa fugir da eleição, tentará fortalecer todos ao mesmo tempo, Joaquim Barbosa, Alckmin, Marina Silva, Luciano Huck, se sair, enfim, lhes dará voz, “para ver se algum deles cai no gosto dos antipetistas” (uns 40% da população, no mínimo….),  Aquele que parecer o mais palatável e viável, esse ganhará a “coroa” – o apoio absoluto, as capaz da Veja, entrevistas na Globo, etc. etc.

      Se a esquerda não tiver essa sensibilidade, de ver quem se tornou “nosso candidato natural” (falando pragmaticamente de “o apoio de uma maioria”), e cairmos na armadilha da vaidade, do egoísmo, do narcisismo, corremos o risco de ficar de fora, ou de entrarmos num segundo turno perdendo feio…..

      Confesso que tenho meus medos!

      Abraço!!!!

      (em tempo – apesar de mil decepções, uma parte de mim ainda gostaria de ver Ciro nessa disputa, com alguma chance….)

  20. “Aliás, o único cérebro mofa

    “Aliás, o único cérebro mofa em um presídio de Curitiba.”

    Você se refere ao Lula ou ao Cunha(cérebro do impeachment)?

    Se for ao Cunha, desafio qualquer um a provar que o Cunha está preso em Curitiba.

    Nem lá nem em lugar nenhum.

  21. os próximos passos…

    o povo deixa de chorar e sofrer por Lula

    e passa a chorar e sofrer com ele

    o Brasil acabou por ninguém ter lutado de verdade, com armas e não com informações da internet

  22. “Todavia, adiar a Eleição,

    “Todavia, adiar a Eleição, como iriam justificar o não poder votar dos fanatizados pelo Bolsonaro, por exemplo? Sem contar todos os eleitores de Lula e das esquerdas.”

    Aqui um problema muito sério para o golpe.

    Tirar o Lula do jogo foi fácil aumentou consideravelmente as chances de um Bolsonaro presidente. O simpatizantes do Lula não andam armados.

    Já os militantes do Bolsonaro são aqueles que andam armados, são os maiores fascistas que existem e são justamente estes que protegem os ricos e o patrimônio dos ricos da malta. Todas as polícias e Forças Armadas.

    Será que terão peito para fazer com o bolsonaro o que fizeram com O Lula?

    Penso que a eleição do bolsonaro é praticamente certa.

    Preparemo-nos para o desastre total.

    • É óbvio que alguns acreditam

      É óbvio que alguns acreditam que colocar Alckmin como única opção a Bolsonaro vai fazê-lo vencer. E esta possibilidade é nula.

  23. O Brasil é a primeira grande

    O Brasil é a primeira grande vítima da decadência do império americano. Infelizmente, Lula não estava preparado para essa realidade do século XXI, e quem estaria ? O presidente da Turquia reagiu, mas é um país menor e uma realidade interna bem diferente da nossa. Não acredito que o golpe será revertido dentro da legalidade, porque esta não existe mais. Somente uma revolução popular pode reverter o processo de conversão do pais em colônia, fornecedora de matéria prima para o império decadente. Tudo começou com a ditadura militar em 64, ali plantou-se a semente do que acontece hoje.

  24. Eu achava que ave bicava, mas esta pica!

    Tô fora!

    Uma picadura de uma ave desta deve doer muito!

    Será que o Tucano vai comer ela?

    Ou é ela que vai comer o Tucano?

    O problema não é comé-la, o perigo é levar uma picadura na hora de cagar!

    Como será que esta ave se reproduz?

    Acho que os Tucanos devem abrir a torneira do dinheiro pra regar esta ave, afinal de contas, eles não vão querer ver ela dura!

    Se ela ficar dura, ela vai delatar e ai vai voar pena de Tucano pra todo lado!

    Passaralho é a mistura de pássaro com alho? Se for vai doer mais ainda no Vampirão!

    Acho que é uma mistura de Cara de Alho com pássaro, seja como for, o coletivo deve ser bando!

    Saltei de banda!

    O coletivo de Tucano deve ser bando também, mas neste caso pode ser uma banda pra fazer o papel de feminino caso não saia a grana do Passaralho, ou então bunda, pois uma bunda tem duas bandas e um cujuntinho o que vai dar mais espaço para o vou do Passaralho.

    Parei!

  25. É isso mesmo. Apenas duas

    É isso mesmo. Apenas duas ressalvas: no mercado de opinião, a não inclusão das Forças Armadas na estrutura de poder, já que nem foi citada, a não ser que esteja no etc. dos referidos como gendarmeria, que não é nada correto, quando já não há mais dúvidas da participação do estamento militar no golpe, na garantia dos seus executores e, certamente, na estratégia adotada e maios logísticos usados, basta ver um urro que deu o Comandante do Exército para votar na prisão do Presidente Lula. A outra grande lacuna, aliás de todos que abordam essas questões, é não dar a mínima, não levar em consideração o povo, os que pagam as contas com seu trabalho, nos acertos que façam na cúpula, quando não seja procurando ganhar  o seu apoio (essa de salário mínimo de mais de R$ 1.000,00, mesmo assim em 2019, menos de R$ 50,00 no mês, quando o sufoco é agora é ridículo o estardalhaço que fazem), não estão nem ligando para combinar com russos, são favas contadas, trata-se um bando de burros, indolentes, que não sabem seus direitos, não têm aspirações, aceitarão o que vier, não importa em que condições, não é preciso gastar muita saliva com essa gente, acatarão sem tugir nem mugir, quaisquer decisões dos golpistas, não está ainda dito, mas no bem ou na marra. As pesquisas que pagam de intenção de votos, até agora, mostram que pode não ser bem assim As eleições a bico de pena eletrônica que procuram os golpistas, afastando Lula e o PT do pleito pode não funcionar.

  26. Lula liquidado? Já é certo?

    Lula liquidado? Já é certo? Que não será candidato é 99%. Que não vai ser solto tão cedo também. É provável que não saia até pelo menos as eleições.

    Mas isso é liquidar o Lula? Não terá a mesma influência pois não poderá viajar fazendo campanha para seu candidato. Mas e se ganhar o prêmio Nobel? A ONU condenar o Brasil? O Ciro vai visitar o Lula, que ainda é a referência de oposição a esse governo desastroso do MT.

    Não adianta nem o Moro condenar o Lula mais mil vezes, ele encarna a luta contra isso tudo que está aí e que faz 87% do povo rejeitar o Temer. 

    Não vejo como a direita possa resolver o problema Lula sem haver melhora da vida do povo brasileiro. Não que o povão vá para a insurreição. Mas não vai dar aval ao que deseja o Merdal. O Alkimn como o Macron brasileiro.

    O impasse só se resolve com a ajuda da economia. Até mesmo a ditadura militar contou com um período de bonança, a despeito de acompanhada de concentração de renda 

  27. “Depois de liquidado LULA”
    “Depois de liquidado Lula…” então é isso, o xadrez chegou ao fim?

    Acompanho este blog GGN desde os idos do começo do golpe, quando decidi não mais ler artigos da grande mídia, Folha, Estado, Veja, UOL e telejornais Globo, Band, etc.

    Antes disso, sempre acompanhei LN na Folha, quando ainda era um jornal que se podia ler. Sim, eu comprava a Folha na banca. Dos “blogs sujos” este é o que eu gosto mais, pela riqueza e diversidade de opiniões.

    Nunca me preocupei em criar conta, fazer login, etc. Sou “lurk” clássico, aquele que fica só olhando e matutando.

    Ensaiei postar uma vez, no impeachment de Dilma. Foi no dia do meu aniversário, eu estava arrasado, precisava desabafar, mas escrevi e guardei, escondi minha dor.

    Com o golpe todos passamos por períodos terríveis, perdi um parente para o câncer, aquela pessoa da familia morreu sem falar comigo, só porque não concordava com minhas posições políticas.

    Mas isso é passado. Não dá mais para ver o rumo que as coisas estão tomando e ficar quieto.

    Enfim, sinceramente não entendo a estratégia SUICIDA tomada por LULA e PT. Entendo que se houvesse a permanência no sindicato dos metalúrgicos haveria confronto e graves consequências. Mas e a opção de colocar LULA numa embaixada? Não foi sequer considerada? Nao teria sido a melhor opção? Pelo menos na minha humilde visão, sim.

    O que LULA fez ao se entrincheirar no sindicato dos metalúrgicos foi ASSUMIR O CONTROLE DA NARRATIVA. Se continuasse com essa estratégia e fosse para uma embaixada, ainda estaria no comando, poderia pautar a mídia, dar entrevistas, criar fatos, factóides, talvez até inverter o jogo sujo da grande mídia.

    Ao se entregar, creio que fez uma aposta arriscada e errada. PERDEU o controle da narrativa, e agora está nas mãos do jogo pesado da midia-fascista-judiciario-punitivista, ora se eles não estão mais seguindo as regras, porque temos então que segui-las republicanamente , ficar entrando com recursos e mais recursos? Veja, agora o PT está sendo também estrangulado financeiramente. Vamos reclamar pra quem? Pra Dodge ou pro Fiat-fux?

    Infelizmente agora não adianta ficar lamentando, vou ajudar no que eu puder, inclusive financeiramente, e protestar enquanto eu puder. Mas fica aquela coisa me remoendo, tipo mas que merda hein? Como as coisas chegaram a esse ponto? Chega a me dar dor de estômago pensar no que LULA está passando naquela prisão desgraçada.

    Temo que com o isolamento imposto pelo juiz demente, a saúde de LULA venha a se deteriorar nos próximos meses, enfim, temo pelo pior desfecho. Espero que eu esteja errado e o jogo vire. Mas sinceramente, não estou conseguindo enxergar como.

  28. Com esse nível da
    Com esse nível da partidarismo e seletividade do judiciário e PGR, o PSDB volta pra não sair nunca mais do governo.

  29. A Grande Questão

    O xardrez precisava ser complementado no item próximos passos.

    A grande questão que prevejo, é que Alckmin não terá votação nem para ir ao segundo turno.

    Se 100% dos coxinhas odeiam Lula, pelo menos uns 50% passaram a odiar também o PSDB.

    As questões que se colocam são:

     

    O golpe vai de Bolsonaro? (Acho que sim. Se até um Collor foi escolhido lá atrás)

    O golpe vai adiar/anular eleições? (Acho que pode tentar, mas tendo achar isso bom. É um limite ousado demais para ser rompido, porque deslegitima o discurso da Lava Jato. Pode vir uma reação popular. Ou na pior das hipóteses escancara o golpe. Difícil achar desculpa para isso.)

    Todo esse cenário seria interessante para esquerda. Porque o poste de Lula tem chance. A questão aí é: podemos confiar numa eleição limpa? Digo isso em razão dos sistemas computadorizados. Me assusta demais. Porque outro tuipo de sujeira sabemos que vai ter (muita grana rolando para direita, mídia apoiando descaradamente, violência fascista na rua). Mas tudo isso dá para enfrentar. O que não dá é sistema corrompido…

  30. Xeque mate

     Acredito que o Judiciario inviabilizara o PT como partido, isto é, vedara o partido nas proximas eleicoes, estara proibido de participar das proximas eleicoes, considera se partido criminoso.

  31. BRASIL!  Verás que um filho

    BRASIL!  Verás que um filho teu não foge à LUTA

    Mas tem uns filhos da TRUTA, que impedem ORDEM e PROGRESSO

    São os caras do CONGRESSO, digo com muito CUIDADO

    São muitos os DEPUTADOS! Não fazem nada de NOVO

    Sempre enganando o POVO, tratando-o como INIMIGO

    Pensando no próprio UMBIGO, empesteando a NAÇÃO

    Eu digo de CORAÇÃO: Ninguém no mundo é PERFEITO

    Vereador ou PREFEITO ou quem governa o ESTADO

    Deixando o povo de LADO, as pessoas INFELIZES

    Tem também nossos JUÍZES que exemplos deviam DAR

    Estão a PREVARICAR. Data Vênia, seu doutor, esgotou-se a PACIÊNCIA!

    Reforma da PREVIDÊNCIA? Tem que ser pra MELHORAR…

    Trabalhador sem TRABALHAR, e a APOSENTADORIA…?

    Traz-nos um futuro INCERTO, mas como diz um ROBERTO

    Ele mesmo, o REQUIÃO: Para que se preocupar?

    Ninguém vai se APOSENTAR, você morre antes DISTO

    Mas eu não nasci para CRISTO: Outra face não OFEREÇO

    Eu pago qual seja o PREÇO, à prestação ou À VISTA.

    Eu vejo cada “ARTISTA” na mídia falando BOSTA

    Mas ouço também SILVIO COSTA falando na HIPOCRISIA

    Da direita DOENTIA , do bandido SELETIVO

    Aí eu vejo um MOTIVO: Não paro de ACREDITAR

    O País pode MUDAR: Trazer pro POVO ALEGRIA

    SALVE A DEMOCRACIA, Salve o VOTO POPULAR

    AMAR ou DEIXAR o país é uma proposta SENIL

    Redemocratizar, em vez de Privatizar

    VAMOS MUDAR O BRASIL!

     

     

    (Desculpe SÍLVIO)

                                                Jenilson 18/05/2017

  32. “E continuarão até a Lava

    “E continuarão até a Lava Jato completar sua obra, de destruição final de Lula e de inviabilização do PT.”

    Não, não. É a minha vez de ser otimista. Um partido que tem a preferência de 19% do eleitorado brasileiro não será destruido. Só se o Judiciário carmelita/barrosino/morista impor campo de concentração para petistas. Ou restrição ao direito de votar. 

    O Judiciário brasileiro tem muito poder mas jamais conseguirá destruir um projeto de nação contido numa ideologia partilhada por milhões de pessoas.

    PS. E eu pensando que Gilmar tinha resolvido honrar a capa e se transformar em juiz com a defesa da presunção de inocência. E o Reinaldo Azevedo se tranformar em jornalista. O que ambos defendem é a “pena” dos amigos tucanos e camarilha. E usam como escudo o Lula.

    PS1.E foi só o Lula ser preso para o Gilmar começar a fustigar a Lava Jato. Time perfeito. 

    PS2. Todas as instituições brasileiras estão podres. Só uma constitutinte para enquadrar os milhares de ditadores que roubaram o poder do povo sobre os destinos do país. Ou então serão décadas até que apareçam os urubus para comer a carniça dos tucanos e chupins que o estão destruindo.

    • Vera Lúcia
       

      “Data maxima venia”, a inviabilização do PT e seu lançamento à clandestinidade pode estar mais próximo do que imaginamos.

      Qualquer partido que tenha se originado autenticamente da iniciativa do povo, é um perigo para o poder.

      O partido comunista amargou dezenas de anos na clandestinidade e mesmo como legenda livre, é sempre o primeiro a ser atacado.

      Quanto à capa do gilmar, amiga, seu brandir será somente para levantar um  vôo de morcego, junto com o  conde mandatário danação  que bebe nosso sangue e nos governa.

      “Répare” que gilmar é bipolar.

      Confia nele não!

  33. Conluio

    Que me perdoe o prezado Nassif, mas é absolutamente inverossímil um conluio de milhares de pessoas, tramando atos de forma ordenada. Muito mais concebível é uma tendência político-social de boa parte da população, que impulsiona os fatos.

  34. …Porque essa questão não é levada tão a sério…?
    “Peça 2 – o mercado de opinião

    Tudo isso se dá no que se convencionou chamar de mercado. Não se trata apenas do mercado em si, mas de todo um sistema de opinião que engloba não apenas a estrutura de poder, mas a gendarmeria.

    No topo, Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), a Procuradora Geral da República, os grupos de mídia, órgãos de controle de uma maneira geral. Na base, juízes de 1ª instância, procuradores, Polícia Federal, Polícia Militar etc.

    Quando determinada questão ameaça os objetivos finais, acende-se uma luz amarela. O clima fica tenso, as autoridades envolvidas começam a receber sinais tácitos indicando que ali não se mexe. Dado o grau de pusilanimidade das organizações burocráticas e suas lideranças, não há a necessidade de ordens diretas, ameaças ou outras formas de pressão. São mais disciplinados que jornalistas da Globonews.

    Quem sai da linha, é pressionado por seu próprio meio, colegas ou familiares. Essa sincronização do golpe mereceria um belo estudo acadêmico, sobre a força das ideologias na articulação de movimentos, como o impeachment, mesmo sem haver um cérebro condutor. Aliás, o único cérebro mofa em um presídio de Curitiba.”
    .
    Nassif, você tocou nesse tópico 2, numa questão que acho absolutamente CENTRAL para compreendermos o golpe em nosso país, o fascismo, a selvageria, a perda de todos os limites civilizatórios: O efeito “manada” que esse tal “mercado de opinião” é capaz de provocar em amplos setores da sociedade, mesmo aqueles que esperávamos imunes a ele – porque assim deveria ser…..
    .
    Já me perguntei diversas vezes, porque vocês, articulistas, normalmente apenas o citam como “um dos fatores ou consequências” de sociedades em períodos paroxísticos como o nosso, e questiono se essa não é, na verdade, um dos principais temas a serem estudados, apreendidos, para que saiamos um dia, desse ciclo perverso, a geração que matou Vargas, a geração que expulsou Jango, a geração que tirou uma presidente eleita e celebrou uma operação dantesca como a lava jato, até Lula ser preso… O que fará a próxima geração?
    .
    Essa questão é tão absolutamente séria, que nos permite questionar, por exemplo, o que faz uma pessoa como Rosa Weber, vestir-se de “boba da corte” diante de todas as pessoas minimamente inteligentes e esclarecidas – inclusive os juristas sérios do nosso país… – APENAS por um medo atroz, de ir contra o que ELA SABIA, dela era EXIGIDO…. Ora, não é isso uma justificativa, óbvio que não, mas fica claro, naquele voto confuso, quase gaguejante, a expressão corporal dela, uma mulher enfraquecida, acovardada, ENCOLHIDA, que muito além de “convicções pessoais”, ela se entregou, de corpo e alma, AO PÂNICO MAIS ABSOLUTO, de “dizer não” às exigências sociais sobre ela. E é aí que vemos a diferença entre as pessoas, e o quanto, NA PRÁTICA, não há diferença entre um cínico e um covarde, um fraco. Ministros como Fachin, Barros, Fux, não têm dificuldade alguma em incorporar esse papel. São seres abjetos, daqueles que, no nazismo, seriam os primeiros a puxarem o gatilho e atirar nos judeus, para mostrarem ao poder sua lealdade absoluta. São vendilhões, gente sem alma, sem caráter, nos remetem ao procurador Carlos Fernando dos Santos, a Moro, venderam suas almas ao diabo faz tempo, nada sobrou ali….. Rosa Weber, não, como ela, multidões curvam-se à serpente e à besta, porque não têm coragem para enfrentá-los, sucumbem à covardia, acabam desprezados por ambos os lados – os cínicos e os atingidos por sua covardia crônica.
    .
    O filme magnífico, “O homem bom”, ilustra à perfeição o que esse efeito manada faz às pessoas. Revela, o filme, todo o processo de transformação de “um homem bom” num “nazista light”, que se é incapaz de, ele mesmo, “puxar o gatilho”, o medo, sobretudo, e a possibilidade de ascensão social, fazem com que aos poucos, “relativize” aquela imundície moral e existencial, aquele horror…. Rosa Weber, penso eu, joga nesse time…. Como jogam nesse time, nossos parentes e amigos que “não xingam petistas nas ruas”, mas se calam quando Chico Buarque é xingado de “merda” por três playboys medíocres do Leblon…. Não colocariam a camiseta INFAME usada nas marchas “dos homens de bem” (sic….), ostentando a mão de Lula faltando o dedo mínimo, mas MARCHARAM AO LADO DESTES, não chamariam Dilma de “vaca” ou coisa pior, mas são capazes de rir junto, nos restaurantes, com os amigos que assim agem, não soltaram fogos quando Lula foi preso, mas nada no mundo os faz deixar de sentirem uma certa satisfação perversa, como nada no mundo lhes daria a coragem de enfrentar parentes e amigos, afirmando a sordidez e desumanidade, a selvageria, dessa prisão.
    .
    O efeito manada, faz esse horror medonho com os homens: transforma-os NAQUILO QUE JAMAIS TERIAM A CORAGEM DE SER, antes do processo paroxístico devorar as suas almas, e o MEDO absoluto de irem contra sua classe social, lhes cortarem todos os valores civilizatórios.
    .
    Na verdade, esse efeito manada cria o que venho chamando de “mundo-matrix”, a RE-CRIAÇÃO do mundo, da realidade, no imaginário da sociedade, de modo tão maligno esse processo, que as pessoas passam a pensar / sentir / agir / reagir, como se aquele mundo caricato, ficcional (“Lula é o chefe de uma quadrilha”, “o triplex foi dado a Lula como um bem por ele ser corrupto…”), que chega a ser inacreditável, pelos ABSURDOS que as pessoas se obrigam a engolir, para “legitimarem” suas ações a partir desse “mundo-matrix”…. – é a própria desintegração do ser, o bloqueio da mente, a perda de toda a consciência, inclusive, a moral.
    .
    Somos essa sociedade enferma, dominada por esse efeito manada, onde, uns pelo mais puro cinismo e apego ao poder e ao sucesso fácil, e outros por estarem perdidos, confusos e dominados por medos e covardias, nos levam a todos ao calabouço do fascismo, da violência institucional, a perda de todos os valores e comportamentos civilizatórios, um tempo que desautoriza a esperança….
    .
    Estudar a fundo o processo da formação desses rebanhos humanos, torna-se crucial.
    Como um antídoto para o nosso futuro.

    • Eduardo Ramos,
      Acho muito

      Eduardo Ramos,

      Acho muito precisa e absolutamente crucial a questão de fundo abordada em seu comentário:

      … o que exatamente acontece conosco [com nossa psiquê, com nossa história afetiva e fática,

      com nossos valores, amigos, amores, nossos compromissos de  solidariedade, com a própria confrontação retrospectiva de

      nossa trajetória pessoal, nossos sonhos  coletivos etc.] – quando postos diante – e em movimento  contrário – a um “consenso

      de manada”; à acachapante construção das cenografias midiáticas nossas de cada dia? 

      O que faz com que muitos de nós  abracem tais narrativas?

      O que faz com que tantos outros persistam e insistam na necessidade de novos olhares? 

       

      Obs.: Peço que permita o compartilhamento de seu comentário na rede.

      Com o devido crédito, é claro.

       

  35. Liquidado Lula ?
    Não diga isto porque a história pode lhe desmentir de forma arrasadora. Aliás há inúmeros casos que mostram isto.

  36. TEORIA DA CONSPIRAÇÃO DA MULA SEM CABEÇA

    Quando alguém elabora uma Teoria da Conspiração identificando seu provável comando central, estabelecendo seus objetivos e as estratégias e as ações operacionais executadas para alcançá-los, corroboradas pelos fatos,  aparece logo algum gaiato, quase sempre jornalista, para desqualifica-la chamando-a de …..Teoria da Conspiração.

    O Nassif deu um passo adiante: elaborou uma Teoria da Conspiração sem comando central, com inteligência mas sem cérebro, de tal forma que um julgamento dos homens ou o julgamento da História ficará impossibilitado de aplicar a exótica Teoria Tropical do Domínio do Fato sobre os conspiradores, teoria essa elaborada pelo sr. Joaquim Barbosa quando da AP 470 (o processo conhecido como o mensalão do PT)

    Essa Teoria da Conspiração do Nassif é como um câncer que vai se espalhando por todo um organismo, com sua inteligência específica, porém não originada de uma causa conhecida, pelo menos até agora descoberta pela ciência. (Ah ! Como é que o paciente morreu de câncer no pulmão se ele não era fumante ?).

    E o mais interessante é que essa Teoria da Conspiração do Nassif já aponta o sucesso da estratégia planejada, sem sequer combinar com os russos: a inevitabilidade de implantar-se no Brasil um regime fascista disfarçado à la Salazar ou à la Franco, faltando apenas encontrar-se o ator que vai representar o papel desses personagens.

    Ele ignora a imprevisibilidade da História antes dela acontecer e a reação dos homens indignados e faz com que os incautos, os incultos e os desavisados, em desespero com a sua previsão, tendam a achar que só existem três saídas: o aeroporto, o túmulo ou as armas.

    Não é bem assim, Nassif: falta combinar com os 35% que declaram o voto em Lula no 1º turno das eleições vindouras e os 50% que votam em Lula no 2ª turno, mesmo que ele não concorra.

    Não estamos mais em 1964.

    Essa conspiração contra o povo brasileiro tem um comando central. Pesquise que você vai achar.

     

  37. O fim da Lava jato depende de

    O fim da Lava jato depende de que nível de apoio ela obtém nos Estados Unidos. No momento, parece que a turma que deu suporte a ela (suporte intelectual e logístico, não se sabe ainda se financeiro) está em desgraça, sob forte fogo da Casa Branca por ter atacado também o presidente Trump, querendo seu impeachment, tentando repetir lá o que aqui fizeram, já que não foi possível evitar sua vitória eleitoral. Metade dos procuradores de lá envolvidos parece que já foram postos fora de combate, depois da divulgação por Trump das ações ilegais deles, em um memorando elaborado pelos parlamentares republicanos. Neste momento, não se sabe se ainda querem por lá a presença de seus sócios brasileiros, o que parece improvável. Já faz algum tempo que cessaram as idas e vindas de brasileiros nos corredores do Departamento de Justiça. Janot, parece que não tendo a sorte de Moro de ter conseguido residência nos EUA, vai tentar escapar na Colômbia, ensinando ao ministério público de lá o que não apreendeu aqui. Dalagnol agora parece que está mais na igreja do que no MP. Carlos Fernando está de retirada para a iniciativa privada. A política de interferência em outros países que Trump prometeu em sua campanha, apesar da resistência do Estado Profundo, parece que chegou ao fim, apesar de perdurarem seus efeitos nocivos. Os blefes guerreiros, apesar de excitarem os beligerantes “hegemonistas” remanescentes do período hillariano, o mesmo período no qual foi gerada a interferência em nosso país, parece que se destinam apenas a isso: excitá-los e acalmá-los enquanto ele avança em sua política de voltar-se para os graves problemas internos do país. É de se acreditar que o Brasil já tenha dado muito aos Estados Unidos e que chegou a hora deles se retirarem, já que aqui não é a Líbia nem Lula é um Kadafi.

    Cabe agora aos chefões locais do golpe procurar como definir uma agenda de reconstrução do país, antes que a destruição da economia evolua, e a insegurança jurídica se espalhe para a segurança energética através do caos que virá provocado pelo butim insaciável que destruirá a centralização excelente que sempre acompanhou a estatização deste setor, fundamento de todo o nosso progresso. O Brasil, dado as suas necessidades sociais e até de soberania territorial, vai precisar de muitos projetos estatais de desenvolvimento e não tem ainda uma coleira suficientemente sólida para segurar em seu setor energético vários dragões privados em busca unicamente de lucro. Se pensarmos em coleiras jurídicas, então, nossa míngua é absoluta, já que nem mais certeza temos nesta área do nacionalismo intrínseco que nela deveria existir por fé profissional.

    Cremos que é hora de restaurar a convivência democrática e afastar o ódio, tentar recompor as instituições e reconhecer que não será possível concretizar o sonho louco de alguns, que é destruir completamente a esquerda do país, nem mesmo infectando o já adoecido tecido social com o estímulo do surgimento de grupos nazifascistas para que eles tentem destruí-la pela força bruta. Cedo ou tarde ressurgirá a necessidade dos princípios sociais que abominam os métodos fascistas e que exaltam a solidariedade humana. E que é muito interessante para os próprios conservadores um recomeço com Lula, já que nenhum regime no Brasil se pode dar bem negando a necessidade de inclusão social, e que Lula, com sua política genuinamente capitalista, tem excelentes fórmulas de conciliação entre o desenvolvimento econômico e a integração pacífica das massas excluídas. Ele só exige um pouco de nacionalismo, o que não é nada demasiado. O motivo externo das interferências políticas extra-democráticas cessou. Agora cabe pensar no progresso do país, e não confundir jamais avanço econômico com destruição de estado para quem nem estado possui. 

  38. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome