Com gás mais caro, Reino Unido cogita nacionalizar empresas para impedir colapso

Preços subiram mais na Grã-Bretanha do que em outros lugares da Europa, e os críticos dizem que a decisão de Johnson de deixar o mercado único de energia da UE é a culpada pela crise

The Independent

O governo do Reino Unido está considerando nacionalizar temporariamente as empresas de energia em dificuldades para impedir que entrem em colapso devido à alta nos preços do gás, indicaram os ministros.

O secretário de negócios, Kwasi Kwarteng, está mantendo conversações sobre a crise com empresas após uma reunião com o regulador Ofgem no domingo. Kwarteng disse que “planos bem ensaiados” estavam em vigor para garantir que os consumidores não fossem prejudicados.

E ele indicou que estaria preparado para nomear um “administrador especial” que faria com que as empresas fossem colocadas sob a asa do governo – efetivamente nacionalizando-as em uma base temporária.

O secretário de negócios disse que os consumidores estariam protegidos de aumentos repentinos de preços por meio do limite de preços de energia do governo.

Falando em uma visita diplomática a Nova York, Boris Johnson procurou tranquilizar os consumidores de que os aumentos de preços foram apenas “temporários”, já que a economia mundial se recuperou após a pandemia de Covid.

“É como se todo mundo voltasse para botar fogo no final de um programa de TV, você está vendo uma enorme tensão nos sistemas de abastecimento do mundo”, disse ele a repórteres que viajaram com ele para a Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York.

Mas os preços subiram mais na Grã-Bretanha do que em outros lugares da Europa, e os críticos dizem que a decisão de Johnson de deixar o mercado único de energia da UE é a culpada pela crise. Johnson argumentou que deixar o mercado único daria à Grã-Bretanha mais independência.

A imprensa noticia que empresas de energia estão fazendo lobby para acabar com a política governamental de limite de preços de energia, e o Financial Times diz que a indústria está pressionando pela criação de um chamado “banco ruim” para absorver clientes não lucrativos de empresas que faliram.

A OGUK, que representa a indústria offshore de petróleo e gás, informou que os preços de atacado do gás subiram 250% desde janeiro – com um aumento de 70% desde agosto apenas.

Após um fim de semana em negociações de emergência, o ministro Kwarteng reconheceu que foi um “momento preocupante” para os clientes.

“A nossa prioridade é proteger o consumidor. Se não for possível um fornecedor de último recurso, será nomeado um administrador especial pelo Ofgem e pelo Governo”, afirmou.

“O objetivo é continuar fornecendo aos clientes até que a empresa seja resgatada ou os clientes mudem para novos fornecedores.”

Ao mesmo tempo, os ministros estão lutando com avisos de escassez potencial nas prateleiras, à medida que o efeito indireto do aumento do preço do gás atinge a economia.

Os produtores alertaram que os suprimentos de carne, frango e refrigerantes podem ser afetados devido à escassez de dióxido de carbono (CO2).

O Sr. Johnson, no entanto, insistiu que continua confiante de que os suprimentos de energia serão mantidos.

“Não tenho dúvidas de que os problemas de abastecimento serão resolvidos prontamente. Estamos muito confiantes em nossas cadeias de abastecimento”, disse ele.

“Mas, enquanto isso, vamos trabalhar com todas as empresas de gás para fazer o que pudermos para manter o abastecimento das pessoas, para garantir que elas não saiam para fazer negócios e para garantir que superemos as dificuldades atuais período.”

O colega conservador Lord Barwell, que anteriormente era chefe de gabinete de Theresa May, advertiu na noite de domingo que a situação atual poderia “se tornar uma crise”.

“Definitivamente, tem potencial para se tornar uma crise”, disse ele ao programa The Westminster Hour, da BBC Radio 4.

“Acho que a primeira preocupação do governo será garantir a segurança do abastecimento, certificando-se de que todos ainda obteremos o gás de que precisamos, tanto no mercado interno quanto comercial.

“Mas a segunda preocupação será com os preços que os consumidores estão sendo solicitados a pagar … De maneira mais geral, (o governo) também estará preocupado com o custo de vida.

“Temos os aumentos de impostos que acabaram de trazer, temos a redução do crédito universal, que está prestes a entrar em operação, além do aumento das contas de energia, acho que há um perigo político real de questões de custo de vida tornando-se uma dificuldade real para o Governo. ”

O secretário de energia sombra do Partido Trabalhista, Ed Miliband, disse na semana passada que as empresas de energia deveriam ser consideradas propriedade comum.

Leia também:

1 – A disseminação das altas de preços em agosto, por Luis Nassif

2 – The Guardian: É o começo do fim para Jair Bolsonaro?

3 – O governo Rousseff e a hipótese do populismo econômico, por Ivan Colangelo Salomão

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome