“Senti meus sonhos ruindo”, diz metalúrgico sobre fechamento da Ford em SP

Governo Bolsonaro não se manifestou sobre o fim da unidade no ABC Paulista. Em janeiro, secretário de Guedes respondeu para executivos da GM: “Se precisar fechar, fecha”

Foto/fonte: ABCD Maior

Jornal GGN – Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, funcionários da Ford, contaram em reportagem da BBC Brasil o drama que estão vivenciando após a fabricante anunciar o fechamento da unidade que funciona desde 1967.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, cerca de 24 mil empregos diretos e indiretos – entre terceirizados e fornecedores – estão ameaçados. A notícia do fechamento aconteceu na terça-feira (19), logo após o almoço dos funcionários. 

“Ninguém esperava que fosse assim. Depois de uma reunião, nossos representantes pararam a produção e avisaram sobre o anúncio”, contou o metalúrgico Gustavo Alves, de 30 anos. Quando foi contratado, em 2014, a unidade tinha 7 mil trabalhadores, hoje opera com 2,8 mil funcionários diretos.

“Quando você entra na Ford, você realiza um sonho que tinha desde criança. Pronto, você entrou, virou um metalúrgico, como o seu pai. É um sonho realizado que vai te ajudar a atingir outros sonhos: ter uma casa, ter uma família, fazer faculdade, comprar um carro. Então, você me perguntou o que eu senti ontem. Senti como se todos esses sonhos estivessem ruindo”, explicou à BBC Brasil.

A montadora norte-americana declarou que irá encerrar a fabricação de caminhões e transferir a produção do modelo Fiesta para outras unidades do país. Segundo a empresa, no ano passado a planta fabricou apenas 19% dos 89 mil caminhões que é capaz de montar.

Em nota, a presidente da Ford América do Sul, Lyle Waters, disse que a companhia sabe do “impacto significativo” sobre os funcionários de São Bernardo do Campo e que a Ford propôs um acordo com o sindicato prevendo a estabilidade dos trabalhadores até novembro.

Segundo a montadora, a decisão de deixar o mercado de caminhões foi tomada “após vários meses de busca por alternativas, que incluíram a possibilidade de parcerias e venda da operação”.

Leia também:  Deputados querem convocar presidente do Coaf sobre investigação de Glenn Greenwald

“A manutenção do negócio teria exigido um volume expressivo de investimentos sem, no entanto, apresentar um caminho viável para um negócio lucrativo e sustentável”, destacou em nota, prevendo um gasto de R$ 1,7 bilhão com “compensações de funcionários, concessionários e fornecedores”.

Logo em seguida ao anúncio, os trabalhadores decidiram entrar em greve, em uma tentativa de fazer a montadora voltar atrás. “Nossa decisão é de resistência, nós não vamos aceitar. O que vamos fazer? Tudo, tudo o que aprendemos no movimento sindical. Se tiver que fazer greve, vamos fazer. Ou acampamento. Se tiver que negociar, vamos negociar”, disse o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana. Para ler a matéria da BBC na íntegra, clique aqui.

“Se precisar fechar, fecha”, disse secretário de Guedes em resposta à GM

Até o momento, o governo Bolsonaro não se manifestou sobre o fechamento da unidade. Em uma reunião, em janeiro, com executivos da General Motors, líder de vendas no Brasil, o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, do Ministério da Economia, Carlos da Costa deu uma resposta que aponta para um governo pouco aberto a dialogar com a indústria.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, durante o encontro, logo após escutar o vice-presidente de Relações Governamentais da GM no Brasil, Marcos Munhoz, relatar que a chefia da montadora nos Estados Unidos considerava as fábricas de São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, e de São José dos Campos, interior paulista, “inviáveis” por causa do alto custo e que corriam o “risco de fechar” a fábrica, o secretário devolveu: “Se precisar fechar, fecha”.

O prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando se manifestou em um vídeo nas redes sociais, criticando a decisão da Ford: “Não aceito a forma que está sendo feito. Não considero correto, acho um desrespeito com os trabalhadores e com a cidade”, disse.

Leia também:  Numa piscadela, Câmara transformou Pindorama em Brasigrécia, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Ainda, segundo a nota divulgada, a montadora culpou, além do prejuízo, a insegurança jurídica no país. O fechamento da planta faz parte de um plano de reestruturação global.

Em entrevista à Folha, o coordenador-geral da representação dos funcionários da montadora, José Quixabeira, o “Paraíba”, presente na reunião entre os trabalhadores e a diretoria da montadora, que aconteceu no dia do anúncio sobre o fechamento, disse que Lyle Watters contou que a Ford tentou vender a unidade para uma empresas turca, mas sem sucesso.

Quixabeira comentou, ainda, que a executiva afirmou que a fábrica de Camaçari (Bahia) também opera com dificuldades.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Antes de ficar com pena ou revoltado, gostaria de saber em quem estes operários votaram e qual foi sua posição durante todo o processo golpista que terminou no impeachement fora da lei.

    • Verdade.Na época de 70,80, os trabalhadores eram politizados e participavam em consonância com os Sindicatos de todos os rumos da empresa.Hoje trabalhador de fábrica odeia Sindicato, são alienados políticos e votam em patrão.Agora, não adianta chorar.Colham o que plantaram.

  2. Vai para Curitiba!
    O golpe fechou a sua fábrica e acabou com seu emprego? Vai para Curitiba e liberta o Lula. No tempo do Lula seu emprego estava garantido e seu salário subia. Seu filho ia para a universidade. Você foi na conversa da globo, permitiu a prisão do Lula e te tiraram tudo. Até a aposentadoria. Não adianta acampar na fábrica. Chama a turma e acampa em Curitiba. No Acampamento Maria Letícia e liberta o Lula do cativeiro. É a única coisa que os homens tem medo. Não há outra coisa que possa fazer o seu emprego voltar.

  3. … vejo o fato de forma diferente: a tendencia sao fabricas robotizadas, com pouca mao de obra – as mais lucrativas, e a de SBC não é. Portanto, estão dando um cavalo de pau … vão limpar o terreno e começar do zero com novos equipamentos, pouca mão de obra e salarios menores. É lucro certo. Será criado um hiato ate isso se materializar e o segmento vai se autoajustar primeiro atraves dos encargos trabalhistas e da bolsa desemprego que receberão e depois a cadeia produtiva retorna em novas bases.
    A sinalização veio da GM – se nao der lucro este ano fechará. Em seguida a Peugeot, que apos zerar estoque encerra fabricação de alguns modelos. Aguardemos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome