Ações de Israel contra TPI podem ser ‘crimes contra a justiça’, diz jornal

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Para especialistas, operações para impedir apuração de crimes cometidos na Palestina devem ser apuradas pelo procurador-chefe da Corte

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel. Foto: RS via Fotos Publicas

As ações de espionagem e vigilância executadas por Israel para influenciar o Tribunal Penal Internacional (TPI) podem ser vistos como “crimes contra a administração da Justiça” e devem ser alvo de investigação do procurador-chefe da Corte.

Segundo especialistas ouvidos pelo jornal britânico The Guardian, as informações relevadas pela reportagem do jornal britânico publicada nesta terça-feira (28/05) eram “profundamente perturbadoras” em sua tentativa de “perverter o curso da justiça” por meio de ameaças à ex-procuradora do TPI, Fatou Bensouda.

Ao mesmo tempo, observadores dizem que “muitos dos exemplos” destacados na reportagem – como “impedir, intimidar ou influenciar indevidamente” os funcionários do Tribunal de Haia – podem ser enquadrados como infração penal dentro dos termos do artigo 70 do estatuto de fundação da Corte referente à administração da Justiça.

Nesta terça-feira, uma investigação conjunta realizada pelo jornal britânico com duas publicações de origem israelense revelou como as agências de inteligência de Israel foram mobilizadas pelas autoridades para pressionar, hackear, vigiar e supostamente ameaçar funcionários de alto escalação do Tribunal de Haia.

Em resposta, um porta-voz do gabinete de Netanyahu afirmou que a reportagem estava “repleta de muitas alegações falsas e infundadas destinadas a prejudicar o Estado de Israel”, enquanto o porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos afirmou que o país se opõe a “ameaças ou intimidação” contra integrantes do TPI.

Leia Também

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador