Argumentação de Raquel Dodge prejudicou caso Marielle, diz MPRJ

Ex-procuradora fez “alegações desarrazoadas” em ação e trouxe “prejuízos incomensuráveis” à investigação

A ex-procuradora-geral da República, Raquel Dodge, Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – A ex-procuradora-geral da República Raquel Dodge foi alvo de severas críticas pela promotora-chefe da investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

De acordo com informações do portal G1, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) chegou a declarar em documento de acesso restrito que a atuação da PGR pode municiar a defesa de acusados.

As críticas constam das alegações finais do MPRJ no Incidente de Deslocamento de Competência (IDC) de número 24, aberto pela ministra Laurita Vaz após pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), em 17 de setembro do ano passado – perto da saída de Dodge do posto.

A coordenadora do Grupo de Ação e Repressão contra o Crime Organizado (Gaeco) do MPRJ, Simone Sibilio, afirma no documento que a ex-PGR atuou por “capricho pessoal”, usou “argumentação falaciosa”, provoca “balburdia processual”, baseou-se em “disse me disse” e traz “prejuízos incomensuráveis” ao caso, “sem conseguir enxergar o malefício que produziu”.

Na visão da PGR, “manter a investigação no âmbito estadual, no contexto já provado, pode consagrar o desrespeito às obrigações internas de garantia aos Direitos Humanos”. Já o Ministério Público do Rio de Janeiro diz que tudo não passa de “um interminável disse me disse” ou “fofocadas de corredores penitenciários” que “materializam um capricho pessoal da ex-PGR”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  GGN Covid Brasil: pequeno recuo na média diária de novos casos

3 comentários

  1. Nassif: nessa eu defendo dona Barbie. É sabido por todos que ela não passou de mero enfeite do MordomoDeFilmeDeTerror (segundo ToninhoMalvadeza), indicada pela QuerênciaDeCruzAlta (que já conspirava há tempo) para limpar a eira, qualquer que fosse as maracutaias em que o MessiasDoBras e seus rebentos (incluindo o entorno) estivessem metidos. Lembra daquele paponoturno da “Charged”, no Palácio, logo que assumiu? Saiu de lá (altas horas) com reteiro traçado. Inclusive do caso da vereadora, onde, segundo o governador do Rio, o pessoal do CondomínioDaBarra tava atolado até a cabeça, com possível extensão aos VerdeSauvas. Portanto (digo a você de há muito) tratava-se de uma “serviçal”, paumandado, de dedicação integral. Que nem apita, nem cheira. Insonsa. Até os GogoboysAvivados sabiam disso. Tanto, dizem, buscaram atrapallhar algumas de suas ordens, dadas por palacioanos e caserneiros, de quem era portavoz. Ela só deve ter cumprido o script à risca. Que mal tem?

  2. Dona Raquel Dodge, assim como dona Carmem Lúcia, PERDEU A CHANCE DE DAR ORGULHO PARA SUA FAMILIA, e contribuir para enaltecer a mulher, se juntando a mulheres como a Dilma, que ocupou por duas vezes, e por escolha do povo; o cargo mais Importante da AMERICA LATINA. Mas a invés disso preferiram se juntar ao grupo vergonhoso do senhor Rodrigo Janot, que TAMBÉM só resolveu POR EM PRÁTICA A JUSTIÇA depois que souber que NÃO SERIA MAIS UTIL PROS GOLPISTAS.

  3. “… sem conseguir enxergar o malefício que produziu”.
    Coisa nenhuma, ela sabe bem o que fez e o porquê de tê-lo feito. Me faz lembrar o romance Agosto, de Rubem Fonseca, quando relata combinação entre policial e um corrupto para incluir tanta besteira num inquérito de investigação de um assassinato, cujo objetivo era tornar a peça tão confusa que não daria em nada. Enquanto Conselhos de Magistratura e de Ministérios Públicos acobertarem a corrupção de seus membros nada será diferente. Por ora, resta apenas a Lei do Retorno, da qual esses fi duma égua não escapam (depois ficam se perguntando “por que comigo?”)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome