Atual governador do Rio teria participado de desvios de verbas da Saúde na pandemia, afirma Edmar Santos

Cláudio Castro teria recebido parte dos R$ 100 milhões doados pelo Legislativo para o combate ao coronavírus, desviado por meio de esquema de transferência de valores a prefeituras

Atual governador do Rio, Claúdio Castro. | Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Jornal GGN – O ex-secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Edmar Santos, afirmou em sua delação premiada que o presidente da Assembleia Legislativa do estado (Alerj), André Ceciliano (PT-RJ), disse que parte dos R$ 100 milhões doados pelo Legislativo para o combate ao coronavírus teria sido desviada por meio de esquema de transferência de valores a prefeituras. Segundo Edmar, o dinheiro da propina seria dividido com o então vice-governador, Cláudio Castro, e outros políticos. 

Os detalhes estão em anexo de documento obtido pelo O Globo. De acordo com o depoimento de Edmar, além do substituto de Wilson Witzel, a propina também era paga ao ex-secretário estadual da Casa Civil André Moura (PSC), que hoje atua no escritório de representação do estado em Brasília.

Nesse trecho da delação, Edmar explica que esteve no gabinete de Ceciliano para tratar do assunto e que toda a movimentação de recursos seria estruturada em cima de excedentes dos duodécimos da Alerj, o valor transferido pelo Tesouro Estadual para o custeio do órgão. 

Até então o ex-secretário afirmava que, diante das dificuldades de caixa do Executivo, a Assembleia propôs doar as sobras. Mas, agora, revela que isso foi uma manobra para beneficiar o esquema de desvio de verbas da Saúde durante a pandemia.

Edmar também explicou a rota do capital, que saía da Alerj para o caixa da Secretaria estadual de Saúde e, de lá, era transferido para municípios indicados por parlamentares.

Desde o início da pandemia, 87 cidades do Rio foram beneficiadas com repasses de cerca de R$ 1 milhão para construir centros para o tratamento da Covid-19, no entanto, muitas dessas cidades não fizeram as obras.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Violência contra as mulheres aumentou neste ano, com a pandemia

2 comentários

  1. Primeiro, como comentei semana passada, seria desencadeada nova denuncia ou operação, haja vista este subgovernador haver suspendido provisoriamente a volta do publico aos estádios, como pretendido pelo flamengo que hoje vem recebendo seu merecido castigo por suas alianças oportunistas.
    Segundo: sempre que apontam o subgovernador fazem questao de envolver Ceciliano.

  2. A real função da histeria e caos com ‘Gripezinha de Inverno’. Hospitais de Campanha Milionários Desnecessários, Compras Hiperfaturadas, Orçamentos livres de qualquer Fiscalização. Tudo isto porque Governadores e Prefeitos precisam desesperadamente proteger a Saúde da População. Não é o que sempre fizeram nestes 90 anos de Estado Ditatorial Caudilhista Fascista? Nestes 40 anos de Redemocracia sob o manto de uma tal Constituição Cidadã? O Povo Brasileiro sempre enxergou a preocupação de seus Governantes com a proteção de suas Vidas?!! O que seria diferente agora? PÁGINAS POLICIAIS mostram que tudo mudou para tudo continuar como sempre foi nesta Latrina quase secular. E agora vem as VACINAS HIPERFATURADAS MILIONÁRIAS para a salvação da População Brasileira e quiçá roda Humanidade. Como podemos ficar de fora de tamanha salvação? O mais interessante é que novamente expõe todas as falcatruas, roubos, crimes, párias, governantes abjetos e canalhas do RJ, enquanto preservam as Autoridades Paulistas e seus crimes muito maiores e mais vultosos. Como se dá o milagre? Onde estão os imprescindíveis HOSPITAIS DE CAMPANHA DE DÓRIA AO CUSTO DE 200 MILHÕES CADA? Pobre país rico. Falta dinheiro para que? Falta dinheiro para quem. Mas de muito fácil explicação

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome