Conflito de interesse é a Lava Jato ajudar os EUA a denunciarem a Petrobras e depois ficar com o dinheiro

A Lava Jato só descolou R$ 1,25 bilhão para criar uma ONG ou outro tipo de fundação privada porque ajudou ativamente os Estados Unidos em ação contra a Petrobras por lesar acionistas estrangeiros com os esquemas de corrupção revelados nos 5 anos de operação

Jornal GGN – A Folha de S. Paulo publicou nesta quarta (13) um artigo afirmando que é “conflito de interesse” a turma da Lava Jato em Curitiba participar da criação de uma fundação privada e influenciar o destino de R$ 1,2 bilhão em investimentos porque a isenção da equipe poderá ser questionada, no futuro, caso tenha de investigar qualquer destinatário desses recursos.

A crítica da Folha ignora o fato de que há conflito de interesse ainda maior numa das raízes da polêmica: a origem dos recursos “conquistados” pelos procuradores.

A Lava Jato só descolou R$ 1,25 bilhão para criar uma ONG ou outro tipo de fundação privada porque ajudou ativamente os Estados Unidos a denunciarem a Petrobras por lesar acionistas estrangeiros com os esquemas de corrupção revelados nos 5 anos de operação.

O GGN apurou que pelo menos 5 delatores da Lava Jato – todos mantidos sob sigilo – foram citados na denúncia apresentada contra a Petrobras em solo americano, mas há indícios de que mais colaboradores foram emprestados na cooperação internacional – que, até hoje, não se sabe se ocorreu dentro dos trâmites legais ou à revelia da autoridade central para este assunto, o Ministério da Justiça.

O dinheiro da ONG da Lava Jato – que será suspensa para estudo – é metade da multa de R$ 2,5 bilhões que a Petrobras admitiu pagar às “autoridades brasileiras” em troca de um acordo de “não-acusação” com o Departamento de Justiça dos EUA (DOJ) e a Securities and Exchange Commission (SEC).

Leia também:  Indústria do “compliance” como arma de intervenção

Os R$ 2,5 bilhões, em verdade, equivalem a 80% do total da penalidade imposta à estatal pelo DOJ, que ficou apenas com 10%. A SEC, com os outros 10%.

Quem teve acesso ao contrato entre Petrobras e DOJ/SEC sabe que o motivo de os EUA abrirem mãos de 80% de uma multa bilionária não restou verdadeiramente claro.

O que consta no acordo são justificativas genéricas como a Petrobras ter colaborado com as investigações e adotado políticas de governança em conformidade com as leis americanas que punem negócios internacionais que lesam seus investidores – o que gerou, inclusive, um “desconto” de 25% na multa final.

Talvez uma resposta melhor para a “generosidade” do DOJ sejam as cláusulas impostas à Petrobras no anexo C do acordo, igualmente ignoradas pela Folha. O GGN mostrou, em primeira mão, que a estatal brasileira, a pretexto de manter o governo americano informado da lisura de sua gestão interna, está obrigada a enviar “periodicamente” ao DOJ, e sempre que requisitada por outros órgãos internacionais, relatórios com dados sigilosos que abrangem negócios, finanças e estratégias.

Quando a Folha afirma no artigo que “os americanos concordaram em devolver 80% da multa (US$ 682 milhões), porque o acordo usou contra a Petrobras as informações que a Lava Jato levantara sobre corrupção na estatal” e que “os americanos não viam sentido em retornar parte da multa para o governo” porque a Petrobras é brasileira, ela não está reportando as informações a partir do acordo, disponível no site do DOJ.

Leia também:  A lição de Cristina Kirchner, por Ricardo Cappelli

As duas justificativas da Folha sequer condizem com o histórico de atuação dos EUA no caso da Lava Jato e outros similares. Escritórios de advocacia nos Estados Unidos, na ocasião do anúncio do acordo com a Petrobras, em setembro de 2018, classificaram como “notável” o fato de que os EUA desistiram de 80% da multa em favor do “Brasil”. O padrão, segundo as análises, é o governo americano levar o processo adiante ou até firmar um acordo com as investigadas, mas ficar com o dinheiro.

Vale destacar que o DOJ acusou a Petrobras de gerar 2 bilhões de dólares em perdas com os esquemas de corrupção revelados pela Lava Jato. Lá, a estatal não foi vista como vítima de ex-executivos e empresários corruptos, mas como culpada por não ter adotado mecanismos de controle que pudessem preservar os acionistas de prejuízos.

Além de deixar essas informações de lado, a Folha fez uma crítica questionável sobre a questão do nacionalismo. Mais uma vez, ignorou o ponto-chave, que é justamente o ativismo dos procuradores de Curitiba numa investigação de interesses dos EUA contra a maior estatal brasileira.

era papel da Advocacia-Geral da União ou outros órgãos ligados ao Executivo, conforme apontado por críticos e analistas, acompanhar as acusações junto ao DOJ. Ao contrário disso, a equipe de Deltan Dallagnol – frise-se, mais uma vez: não se sabe se formal ou informalmente – colaborou com uma denúncia que acabou tirando da Petrobras mais de R$ 2,5 bilhões. E depois ficou com metade do dinheiro!

Além de tudo, a jogada envolveu a Vara em Curitiba que julga os casos criminais da Lava Jato, sendo que o acordo assinado nos EUA não tem caráter criminal, como anotou a procurada-geral da República Raquel Dodge em dura ação que pede a nulidade do termo assinado, no Brasil, entre MPF e Petrobras, ao Supremo Tribunal Federal. Este segundo acordo – de janeiro passado – é que define as diretrizes da criação do fundo bilionário para fins de ações sociais e anticorrupção.

Leia também:  Há mais de uma visão religiosa sobre o aborto: eis o que dizem os escritos judaicos

Isso sem contar que, em nenhum momento, o DOJ estabeleceu expressamente em contrato que caberia ao MPF discutir com a Petrobras a aplicação da multa de R$ 2,5 bilhões. A turma de Curitiba usurpou essa função e também foi denunciada por isso.

Leia mais: Confira a íntegra dos acordos entre MPF, EUA e Petrobras

Como bem destacou a Folha entre as poucas passagens críticas ao feito, a Lava Jato lançou mão do ditado “faça o que eu digo, não faça o que eu faço” ao cair “no problema que ela escancarou nas empreiteiras e na Petrobras com a criação desse fundo: o de falta de governança, de regras éticas claras a serem seguidas”, teria dito um professor da USP que não quis se identificar.

 

4 comentários

  1. Só os imbecis ainda não perceberal que a lava jato é uma organização criminosa criada para destruir o Brasil. PSDB, GLOBO, CIA, JUDICIARIO e ate militares estão envolvidos nessa organização. Primeiro a imprensa teria que destruir a moral do PT alienando o povo com mentiras para que muitos sentissem odio do PT e principalmente de Lula o melhor e mais amado Presidente do Brasil, para depois condena-lo sem provas e prendê-lo afastando assim a possibilidade de ser eleito Presidente do,Brasil. Temer foi so mais uma manobra para dar inicio a entrega do pre-sal com Serra do PSDB direcionando aos americanos nossa maior riqueza. Eleição de 2018 fraudada pelo TSE, tirando aqueles defensores da soberania nacional de serem eleitos. Como o PSDB com Alckmin não prosperou então concordaram em colocar um debil mental no poder atraves de uma facada fack news bolado pela Globo uma semana antes e aceito por Bolsonaro para impedir a sua participação nos debates. Vejam que a Globo em outos estados manteve o ultimo debate para governador mesmo os candidatos do PSL não participando ja para presidente a Globo cancelou o debate.

  2. Essa Lava Jato nunca me enganou; essa formula militar de dar nome/titulo para operações, então em vez de se chamar “Lava Jato” deveria ser denominada: “Leva Jeito”.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome