Em tom irônico, Maia diz esperar que a PF já tenha tirado porte de armas de Janot

"Cada dia é uma novidade. Hoje descobrimos que o procurador-geral queria matar um ministro do Supremo. Quem é que vai querer investir num país desse?", diz presidente da Câmara

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Jornal GGN – “Pelo menos espero que a Polícia Federal já tenha tirado o porte de arma dele [Rodrigo Janot]. Pelo menos isso, para a gente ficar um pouco mais tranquilo. Esse é o Brasil”, disse o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, em tom irônico durante sua participação em um evento da FGV do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (27).

“Mas o Brasil é um país estranho. Cada dia é uma novidade. Hoje descobrimos que o procurador-geral queria matar um ministro do Supremo. Quem é que vai querer investir num país desse?”, prosseguiu Maia.

“Temos que ter projeto e segurança jurídica para os investimentos. A parte do parlamento, principal, é justamente garantir a segurança jurídica, junto com o Executivo, claro”, continuou o presidente da Câmara.

A fala de Maia repercute uma notícia da Folha de S.Paulo, publicada nesta quinta-feira (26), revelando que o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, teve a intenção de matar o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, por causa de uma acusação feita pelo magistrado, em 2015, de que a filha de Janot prestava serviços de advocacia para a empreiteira OAS.

“Num dos momentos de dor aguda, de ira cega, botei uma pistola carregada na cintura e por muito pouco não descarreguei na cabeça de uma autoridade de língua ferina que, em meio àquela algaravia orquestrada pelos investigados, resolvera fazer graça com minha filha”, diz um dos trechos de um livro de memórias que Janot irá lançar neste mês.

Leia também:  Veja e o processo de desqualificação das mensagens da Vaza Jato

Procurado pela reportagem da Folha para confirmar a identidade do seu alvo, Janot confirmou que se tratava de Gilmar Mendes. “Tenho uma dificuldade enorme de pronunciar o nome desta pessoa”, disse.

*Com informações da Folha de S.Paulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Fico com pena do Janot. Deve ter sido muita pressão. Agora, ele escolheu sair da legalidade, ajudou a derrubar um presidente democratico, pensando que entraria para a historia como o heroi da PGR e, como tal, seria recompensado… E depois de tanta adrenalina vem a depressão e o Brasil muito pior desde o tempo em que ele foi nomeado por uma certa Dilma Rousseff.
    … Mas eis que chega a roda viva
    E carrega o destino pra lá
    Roda mundo, roda-gigante
    Roda moinho, roda pião
    O tempo rodou num instante
    Nas voltas do meu coração

  2. Ah, Maria Luiza. Tem certos comentários cabem tão dentro de mim que, como diria Milton Nascimento: “como não fui eu que fiz…”

  3. Se houver justiça nesse Brasil, o “Nhonho Botafogo”, e muitos outros , que hoje riem, hão de chorar muito ainda . Assim também como os canalhas de Toga.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome