Ex-secretário de Saúde do RJ tem bens bloqueados

Juntos, os contratos que teriam ocorrido em licitação fraudulenta superam R$ 140 milhões, favorecendo 5 empresas. Além de Edmar Santos, outros investigados tiveram bens bloqueados

O governador do Rio, Wilson Witzel, ao lado de Edmar Santos - Foto: Carlos Magno / Governo do estado

Jornal GGN – O ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Edmar Santos, outros três investigados e cinco empresas foram alvos de procedimento da Justiça do Rio, com o bloqueio de bens por suspeita de fraude em contratos durante a pandemia da Covid-19.

Edmar, os ex-subsecretários Gabriel Neves e Gustavo Borges e Derlan Maia, este último que atuava no setor de compras, além de 5 empresas contratadas por meio destas licitações para fornecer medicamentos, produtos hospitalares e equipamentos de proteção, tiveram os bens bloqueados, que foram consideradas superfaturadas em até R$ 6 milhões.

A decisão da 6ª Vara de Fazenda Pública, divulgada pela GloboNews, nesta terça (20), informou que há indícios suficientes de irregularidades nos contratos, sendo realizados em prazos muito curtos e as propostas sendo encaminhadas ao mesmo tempo, indicando o privilégio de informações.

Ainda, de acordo com a juíza Aline Massoni, que assinou a decisão, as licitações utilizavam “empresas fantoches” para criar uma suposta concorrência. As empresas alvos da investigação são Avante Brasil, Speed Século XXI, Sogamax, Carioca Medicamentos e Lexmed.

Juntos, os contratos que teriam ocorrido em licitação fraudulenta superam R$ 140 milhões, de acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ).

Leia mais sobre o caso:

Caso Witzel: o papel de cada um dos investigados no esquema

Atual governador do Rio teria participado de desvios de verbas da Saúde na pandemia, afirma Edmar Santos

Ex-secretário da Saúde do Rio, Edmar Santos é retirado pela Justiça de pasta do governo

 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome