FHC diz que mensagens trocadas entre Moro e Dallagnol ‘são desculpáveis’

“É pecado venial, não é mortal”, disse o tucano para quem conversas entre então juiz e o coordenador da força-tarefa da Lava Jato eram 'naturais'

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Jornal GGN – Em Lisboa, de onde participava do lançamento de um relatório mundial sobre políticas para as drogas, nesta terça-feira (25), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso minimizou questões sobre a troca de mensagens entre o ministro Sérgio Moro, então juiz da Lava Jato, e Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa no Ministério Público Federal.

Ele foi questionado pela jornalista Giuliana Miranda, da Folha de S.Paulo, se não achava grave ter havido conversas paralelas entre um magistrado e procuradores. Sua resposta foi que o fato se trata de um “pecado venial [desculpável], não mortal”.

“Eu acho que o Sérgio Moro, enquanto juiz, era natural que conversasse com um ou com outro. Não podemos supor que as pessoas viviam num laboratório abstrato. As pessoas têm relações e podem até, nas conversas pessoais, exagerar, e isso não ser apropriado diante daquilo que se olha na sociedade”, completou.

O nome de FHC foi citado em mensagens trocadas entre Moro e Dallagnol, publicadas pelo site The Intercept Brasil no dia 18 de junho.

O diálogo aconteceu no dia 13 de abril de 2017, um dia depois de o Jornal Nacional divulgar uma matéria a respeito de suspeitas contra o ex-presidente.

O próprio Moro chamou Dallagnol no privado para repreender a investigação. Primeiro, o ex-juiz dos processo da Lava Jato queria saber se as suspeitas eram “sérias”.

A resposta do Dallagnol foi que a investigação – levantada pelo braço da força-tarefa em Brasília – aconteceu, segundo ele, “talvez para [o MPF] passar recado de imparcialidade”, destacando acreditar que foi de propósito que o grupo de procuradores em Brasília não considerou a prescrição do caso envolvendo o tucano ao enviar a investigação ao Ministério Público Federal de São Paulo.

Leia também:  Roraima tem autonomia de geração energética para três dias

“Ah, não sei. Acho questionável pois melindra alguém cujo apoio é importante”, respondeu Moro em seguida.

Questionado pela reportagem da Folha sobre este diálogo, FHC minimizou o fato.

“A meu respeito não tem nada. O que ele disse é uma coisa de consideração apenas, sem envolver nada. Até porque não há nenhuma acusação contra mim, nunca houve”, disse.

O Intercept ressalta que FHC foi citado pelo menos nove vezes na Lava Jato e que, em alguns casos, os supostos crimes cometidos não estavam prescritos no momento do diálogo entre Deltan e Moro, no dia 13 de abril de 2017.

A Folha perguntou ainda para o ex-presidente se Moro deveria se afastar do Ministério da Justiça e Segurança Pública até o fim das investigação, mas FHC se esquivou da resposta:

“Eu não sou nem advogado. Como é que eu vou opinar nesta matéria? Fica difícil”, disse.

Logo após a primeira leva de reportagens do The Intercept Brasil, sobre as mensagens secretas da Lava Jato, em 9 de junho, o tucano defendeu Moro: “O vazamento de mensagens entre juiz e promotor da Lava-Jato mais parece tempestade em copo d’água. A menos que haja novos vazamentos mais comprometedores…”, disse.

No sábado (22), após a repercussão da nova matéria apontando que seu nome foi citado e defendido pelo ex-juiz da Lava Jato, FHC elogiou Moro em uma rede social pela sua performance no depoimento que deu no Senado para explicar as revelações do Intercept.

“Vi pela TV o debate entre Moro e deputados. O ministro se saiu bem”, escreveu via Twitter.

Leia também:  Julgamento do caso Xokleng ameaça mais de 800 terras indígenas

“Havia mais vontade de destruir e abalar a LavaJato que de compreender. De todo modo, com ele [debate] ganha a Democracia. É sempre bom ver autoridades tendo que explicar suas ações”, completou no mesmo post.

Leia também: Apoio de FHC à Lava Jato visava comprar segurança

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

18 comentários

  1. O que não é normal é o acobertamento que é dado aos malfeitos do PSDB em todos estes anos. No caso do ex-juiz nota-se que não é apenas o PSDB que favoritavam já que preferiu lidar com apenas 30% da corrupção. Que belo tapete este que recebia 70% da sujeira, um fato dos mais desabonadores a quem se colocava como combatente da corrupção.

    12
    • Note que os 30% foram tratados como “inimigos”, não como “réus”. Por isso o descaso sobre a inexistência de provas com os que “vieram ao caso”, bastando a convicção.

  2. Nassif,
    Os 88 anos deste senhor deveriam ser um estímulo para que ele ficasse quieto. Tem uma trajetória imunda, foi quem retirou a Petrobras do alcance da 8.666, logo, o principal responsável por quase todos os excessos cometidos na empresa após 1994. Também se curvou a USA, só que não chegou ao ponto deste indivíduo tosco que bate continência para a bandeira americana, fez três maxidesvalorizações em oito anos, o programa de privatização naqueles oito anos foi um deus nos acuda, e por aí segue o CV do ex-presidente que deveria estar brincando com os netos, ao invés de ficar demonstrando o enorme sentimento de inveja que tem por Lula.

    13
    2
  3. O apoio de FHC ao ex-juiz provinciano e prevaricador não é apenas para comprar proteção, mas também decorrente da inveja que Fernando Henrique Cardoso nutre por Luis Inácio Lula da Silva. O fato é que se não existisse um presidente Lula no caminho de FHC, o invejoso seria comparado a outros trastes que ocuparam a Presidência da República, como Jânio Quadros, Costa e Silva, Médice, Figueiredo, Tancredo, Sarney, Collor e o próprio Bolsonaro, e seria fácil se destacar. Contudo, a História colocou um Lula da Silva no caminho de FHC …

  4. Nada demais conspirar contra a democracia, diz FHC. Afinal de contas, o que esperar mais dele, né? Pelo menos foi sincero.

  5. “É pecado venial, não é mortal”……Me pergunto em que categoria deveríamos por os “pecadilhos” de Paulinho……… Poderíamos convidar o “seleto” amigo Nestor Cerveró para nos ajudar a entender em qual categoria deveríamos por os tais “pecadilhos”………….
    Outra pergunta que me vem a mente:
    Qual seria a opinião do velho Leônidas sobre a “acção” política do filho Fernando nestes tempos de crise?……
    Pensaria o velho Leônidas onde foi que eu errei?….Poria essa “acção” politica na categoria venial ou mortal?….. Talvez ficasse em duvida entre o obnóxio e o indigno…..

  6. Quando as opções de entrada, que foram selecionadas do menu intercept, derem vez para a farta mesa dos pratos principais, eu faço questão de assistir o assédio de jornalistas à buscar novas explicações deste tranquilo e despreocupado senhor.

  7. Não há nenhuma acusação contra o o FHC. Também não há acusação nem contra Caifás nem contra Pôncio Pilatos.

  8. Talvez seja idade, o principe da Intelectualidade, que jamais aprendeu os ensinamentos de Florestan Fernandes continua sua decadência. Perde até para os cínicos que tentam pelo menos dourar a própria pílula, colocando sempre uma dúvida sobre os fatos. FHC, vai mais longe e repete as palavras de Moro, afirmando que não há nada demais. Se junta a Modesto Carvalhosa e tantos outros, que não podem se desculpar por não conhecerem as leis e os fatos. Mais um que vai repetir ad nausea que após julgamento em outras instâncias tudo que o Moro fez na primeira instância fica validado.
    Funciona mais ou menos assim: um juiz condena alguém em primeira instância,sem provas mas por convicção. Não apresenta nenhum documento de propriedade nem de prova de uso do imóvel. Se recusa a aceitar depoimentos de testemunhas, não demonstra ato de ofiício, e age em interrogatórios e durante o processo em conjunto com a acusação , tanto com procuradores como com policiais federais. Além de violar sigilos e grampear ilegalmente. Tudo isto é já conhecido de todos independentemente do escândalo da Vaza-Jato. Os vazamentos do Intercept apenas explicitam o que todos já sabíamos.
    Em seguida a segunda instância condena em cima da sentença sem entrar no mérito das provas. E a seguir o STJ, afirma que em sua instância as provas não são julgadas mas sim a sentença. E assim finalmente tudo fica validado e para alguns isto limpa tudo o que o juiz de piso fez. Daí em diante isto é usado como argumento em filigranas jurídicas para não se exercer a justiça.
    Tenho certeza que FHC sabe disto e tem consciência de suas ações. E sabe também que será chamado a falar sempre para assegurar que os seus próprios pecados sejam todos “veniais”.
    A desfaçatez de FHC, soa como um escárnio, afinal de contas ele é famoso pelas ironias. Ao falar em pecado “venial” parece sutilmente e ironicamente nos querer lembrar do pecado “VENAL” de seu filho e de seu
    partido que por sinal ganha ares de VENIALIDADE, pois sempre foram desculpados, pelos agentes da luta contra a corrupção. Afinal para FHC, a liberdade de Aécio deve ser justificável, pois foi apenas uma traquinagem venial de um jovem.

  9. Mensagem aberta ao FHC:
    Fernandinho, sua raposa velha, para você o pecado é venial porque não é você ou alguém da tua corja que está atrás das grades. Não foi contra você e nem contra teus parentes que o juizeco de Curitiba imprimiu uma impiedosa perseguição. Não foi você condenado sem provas. Se fosse, tenho certeza que tua opinião sobre o conluio entre o juizeco e o promotorzinho, seria outra.
    Você, príncipe dos cheirosos de Higienópolis, que andou ultrapassando os limites da irresponsabilidade quando era presidente, e só não foi processado e condenado porque naqueles tempos não se aceitava provas colhidas ilegalmente, ou seja, um grampo feito pela PF sem a autorização do Judiciário, deveria se solidarizar ao Lula ou ao menos calar essa boca que ultimamente só está abrindo para defecar palavras vazias e hipócritas.

  10. Ao invés de pedir a renúncia de Jair Bolsonaro por causa do escandaloso tráfico de drogas no avião da FAB, um vagabundo de fardão da ABL (vulgo FHC) veio a público perdoar Sérgio Moro e esporear Lula. A ética de FHC virou pó e foi cheirada pelo Aécio Neves?

  11. Nassif: quando lhe sobrar um tempinho me explique um detalhe do Direito Penal que, por mais que me esforce, ignoro. E não vincule a pergunto ao caso do texto. Esta dúvida é de outro caso. Vai lá…

    Se um ladrão tem seus crimes dados por “prescritos” deixa de ter sido “ladrão”?

    Abraço.

  12. “Não vamos ‘melindrar’ alguém cujo apoio é importante”, não é mesmo FHC?! Afinal uma mão lava a outra e as duas retiram os ‘parceiros’ de qualquer Processo e Condenação. Alguém espera algo diferente de uma ‘Afirmação Canalha’ cuja História é igualmente Canalha? Mensalão Tucano. Petrolão Tucano. Merendão Tucano. Trensalão Tucano. Paulo Preto é começo, meio e fim de todas Práticas Corriqueiras Corruptas e Criminosas dentro do Tucanato. E nada se mexe em outro rumo nestes Processos. Mas deve ser tudo coincidência. Afinal estamos na Pátria s Coincidências, como as tais afirmações de FHC.

  13. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome