Fux julgou pedido que era para Toffoli, sobre entrevistas de Lula

Assessoria do STF não soube explicar porque vice-presidente da Corte tomou lugar do presidente em decisão monocrática 
 
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
 
Jornal GGN – O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux tomou o lugar Dias Toffoli na decisão monocrática (individual) proibindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de conceder entrevistas. O pedido feito pelo partido Novo contra a exposição do petista, detido na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, desde abril, foi protocolado pelo partido Novo, no STF, no início da noite de sexta-feira (28) e direcionado para a apreciação do presidente da corte.
 
A sigla adversária ao PT, interveio para suspender a decisão do ministro Ricardo Lewandowski que, na manhã do mesmo dia, havia autorizado Lula a dar entrevistas para uma série de meios de comunicação. Segundo apurações da Folha de S.Paulo, uma das requerentes de entrevistas com o ex-presidente, o STF não esclareceu o motivo pelo qual Fux tomou o lugar de Toffoli, destacando que, mesmo à distância, o presidente da Corte poderia ter feito o despacho, porque os processos são eletrônicos. 
 
“A corte também foi questionada sobre se Fux despachou do tribunal ou a distância, mas não houve resposta”, destaca a reportagem do veículo. Com a decisão de Fux, a matéria passará a ser analisada pelo plenário do STF, mas não há data prevista. 
 
O advogado da Folha, Luís Francisco Carvalho Filho considerou a determinação de Fux “o mais grave ato de censura desde o regime militar”.
 
“É uma bofetada na democracia brasileira. Revela uma visão mesquinha da liberdade de expressão”, completou. O ministro fundamentou sua ação na proteção e funcionamento da democracia, alegando que a entrevista com Lula causaria desinformação: 
 
“A desinformação do eleitor compromete a capacidade de um sistema democrático para escolher mandatários políticos de qualidade”. Completando:
 
“No caso em apreço, há elevado risco de que a divulgação de entrevista com o requerido Luiz Inácio Lula da Silva, que teve seu registro de candidatura indeferido, cause desinformação na véspera do sufrágio, considerando a proximidade do primeiro turno das eleições presidenciais.”
 
 
Lula, que chegou a aparecer nas pesquisas de intenção de voto com até 40% da preferência do eleitorado nacional, teve o registro de candidatura cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral, com isso, o PT reformulou o registro da chapa com a candidatura de Fernando Haddad como presidenciável, e Manuela D’Ávila como vice. 
 
Em poucas semanas após a troca, as intenções de voto para Haddad, que antes não ultrapassavam 4%, saltaram para 22% nas pesquisas, apontando para um cenário de segundo turno entre o petista e o candidato Jair Bolsonaro (PSL). 
 
As pesquisas também mostram que no enfrentamento do segundo turno, Haddad tem vantagem e, mesmo não sendo mais candidato, entrevistas de Lula podem aumentar a transferência de votos para Haddad, garantindo-lhe vitória. 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Entrevista: Disputa nas eleições 2020 e papel das redes, com Felipe Nunes

17 comentários

  1. Acaba de ser confirmado o que

    Acaba de ser confirmado o que o Nassif já havia adiantado, que a decisão de Fux foi em combinação com Tóffoli. Tóffoli declarou que não irá pautar no plenário o processo sobre a entrevista de Lula antes das eleições.

  2. Questões

    Perguntar não ofende. Fux intrometeu-se onde não devia (1), atendeu a recurso de  um partido que não estava qualificado a fazê-lo (2), derrubou sem poder a decisão monocrática de outro ministro (3) e estabeleceu censura prévia contra o que determina a Constituição (4). Ele não cometeu um crime (ou quatro)? Ao apoiar tacitamente tais crimes (se o foram) o presidente (em minúsculas mesmo) não estará cometendo outro? Mesmo que não sejam considerados crimes, ao apoiar os quatro absurdos o presidente será cúmplice dos quatro golpes. Começou muito mal. 

     

  3. Eu ainda tinha um fio de

    Eu ainda tinha um fio de esperança de que Nassif estivesse errado, quando cantou a pedra de que Toffoli e Fux estavam mancomunados.

    Humildemente, peço perdão pela minha ingenuidade.

  4. Se faltou legitimidade para

    Se faltou legitimidade para quem p0eticionou e para quem decidiu……

     

    tal sentença é nula, ou o direito virou zona? Cada um faz o que quer?

  5. Nassif, desiste de uma luz
    Nassif, desiste de uma luz de legalidade no STF ou FFAA.

    Todos jogam como time. Toffoli acabou de confirmar isto.

    Todos juntos e combinados.

    Tenho dúvidas se Haddad ganhar, vão deixar levar.

    O Dirceu está certo. Tem que ganhar as eleições e tomar o poder. Nada de republicanismo.

  6. Nassif;
    Uma vez vira lata

    Nassif;

    Uma vez vira lata sempre vira lata, a colerinha agora está nas mãos do fux

    Hipócrita

    Genaro

    • Alckmin subirá no Datafolha e no Ibope

      Mas Datafolha e Ibope não têm títulos eleitorais e, portanto, não votam, não elegem ninguém.

  7. um abuso desses vale como aviso prévio…

    para qualquer um que for eleito

    mas reparem como estão preparando o campo para qualquer um dos concorrestes poder questionar esta eleição,

    e não apenas o vencedor que não levar

  8. Fux to Ffoli

    Uma dobradinha . Toffoli, já fez suas colocações políticas, e  assessorado por um General, deu no mínimo uma dica de suas preferências políticas. Cada vez mais penso que quando a direita questiona um indicado como Toffoli e ou Fachin, faz apenas jogo de cena. 

    Depois de sua declaração sobre o que chamou de “Movimento de 64” acenando para Bolsonaro, Toffoli diz que não tomará nenhuma medida polêmica  nas proximidades de um pleito eleitoral. Assim Toffoli ao invés de ele mesmo tomar uma decisão, deve ter solicitado a Fux, o cavaleiro das sombras ( afinal Fux so sai das sombras para apagar a luz). 

    Provavelmente Toffoli já cria asas e pretende sair das asas de Gilmar. No seu jogo político, como Carmem e Weber não se importa em retirar o direito de ir e vir de um cidadão  e nem se incomoda de fazer uma afirmação política. Afinal o que ele diz é: a justiça está suspensa e os direitos de um cidadão não serão respeitados até que eu  decida quando é mais conveniente para mim. Assim fez a Suprema Carme, e seu seguidor.

     

  9. Tempo encerrado.

    A esta hora já posso afirmar que o lewa (minúscula é o que merece) tornou-se um sub-ministro, um ministro de 2ª classe. Acabou como magistrado, rirão dos votos a seguir. Só não sei avaliar as condições da captulação. Jogo bruto só pode ser.

  10. Ou seja, dois picaretas a

    Ou seja, dois picaretas a cretinarem esse stfezinho de merrecas. O país? Ora, o país que se exploda! O tal tofolinho deve estar em alguma academia brasiliana a se movimentar entre miliquentos. Dão nojo em lesmas.

  11. Rasteira golpista

    Deram uma rasteira no Lewandowski, assim como fez um tempo atrás o TRF4 e Moro com o desembargador de plantão que quis soltar Lula num dia Domingo.

    O golpe é mesmo “com Supremo, com tudo”.

    E agora, chega a bala de prata do Palocci, que deve ter falado qualquer coisa para poder sair da prisão, seguindo o exemplo dos delatores da Petrobrás, sem provas, mas que ficaram livres, ricos e curtindo em mansão própria.

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome