MP do Rio tem imagens de transações suspeitas de Queiroz

Órgão foi temporariamente suspenso pelo ministro Fux de continuar investigações sobre Flávio Bolsonaro e ex-assessor 
 
Queiroz e esposa dançam no quarto de hospital. Imagem: Reprodução
 
Jornal GGN – Segundo informações da coluna Painel, da Folha de S.Paulo, o Ministério Público do Rio de Janeiro recebeu imagens registradas por caixas eletrônicos onde o policial militar aposentado e ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, fez depósitos em dinheiro. 
 
O MP-RJ foi temporariamente suspenso de dar continuidade nas investigações, após decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, atendendo um pedido de Flávio. O filho do presidente, alega que há ilegalidade na instauração do procedimento investigatório, como a quebra de sigilo bancário e, ainda, que o Ministério Público do Estado usurpou a competência do STF para analisar o caso, colocando para si o direito de foro privilegiado.
 
Após o recesso do Judiciário, que termina no primeiro dia de fevereiro, o caso será retomado pelo ministro e relator Marco Aurélio Mello
 
Um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), usado como base nas investigações do MP-RJ, mostrou que pelo menos oito servidores da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que trabalhavam para o gabinete de Flávio, quando deputado estadual, fizeram transferências bancárias para em contas mantidas por Queiroz. 
 
Entre 2014 e 2017, o ex-motorista e PM, movimentou R$ 7 milhões em suas contas bancárias. O relatório mostrou, ainda, que o primogênito do presidente recebeu 48 depósitos fracionados no valor de R$ 2 mil totalizando R$ 96 mil em um mês. Além disso, apontou que Fabrício Queiroz fez um depósito de R$ 24 mil na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. 
 
O Coaf afirma, também, que Flávio pagou um título bancário da Caixa no valor de mais R$ 1 milhão. O órgão não conseguiu identificar o favorecido.  
 
Segundo informações do Estado de S.Paulo, as áreas de fiscalização e inteligência da Receita Federal vão trabalhar juntas fazendo um pente-fino e relacionando a origem de movimentações suspeitas de 27 deputados estaduais e 75 servidores da Alerj. Entre os alvos estão Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz. E um dos pontos apurados, será o repasse para a conta de Michelle. 
 
 

7 comentários

  1. O moro, chefe da PF, está ocupado em preservar o chefe dele

    Já declarou que “nunca” vai interferir nas investigações.

    Melhor traduzindo, a PF “nunca” vai se meter nesse imbróglio que por si só deixa um motorista movimentando em cash, mais do que a soma das obras de um certo apto. e um certo sítio de propriedades arbitrariamente definidas por um certo juiz.

    Ou alguém tem dúvida que o papai e os manos não têm envolvimento em similaridades de até 28 anos?

    O caso do filhote, apesar da dor paterna e de seus bzominions pelo menos desvia atenção e dá tempo de mascarar o restante.

    Afinal, o ex-juiz diz que a lei é para todos…

    Exceto ele e motoristas laranjas, que têm publicamente mais prerrogativas que ex-presidentes com governos bem sucedidos.

  2. Chapa branca. Investigação
    Chapa branca. Investigação acobertada, não falam dos milicianos empregados SUSPEITOS de matar a Marielle, além de dezenas de crimes como assalto, extorsão, assassinato e explosão de caixa eletrônico ! E o coaf não identificar o destinatario de pagamento de 1 milhão é risível, ninguém vai co ter que é pro bozo?

  3. Não é da sua conta?

    Não é desse assunto, mas Roger Stone acaba de ser preso em sua casa na Florida.

    Para quem assistiu ao nojento documentario da netflix sobre seus métodos para eleger Trump e depois exportado para todo mundo, Brasil inclusive deve como eu estar muito contente.

    Ele e Steeve Bannon são parceiros no uso e dissemainação desse tipo de lixo para destruir governos em todo o mundo.

    Agora só falta pegar o Bannon.

    Será que isso poderia indicar o começo do fim dessa metodologia de fazer propaganda politica?

    Quem se arriscaria a uma analise mai aprofundada sobre os motivos da prisão e suas consequencias? 

    • Garimpando na cnn
      Mueller indicia que Roger Stone estava coordenando com funcionários de Trump os e-mails roubados do WikiLeaks
      Por Katelyn Polantz , Sara Murray e David Shortell , CNN

      Atualizado às 1642 GMT (0042 HKT) 25 de janeiro de 2019

      Play Video

      03:14
      Burnett: Esta é uma promessa inabalável de Trump

      02:06
      Representante para agentes do FBI: principais operações que sofrem com o desligamento

      00:31
      DeSantis: “Melhor seguir em frente” depois que o alto funcionário se demitir

      01:47
      Pelosi: Shutdown é crise Trump sozinho criado

      01:09
      Trump oferece um aviso enigmático sobre seu próximo passo

      00:58
      Trump sugere lidar com ‘pagamento adiantado rateado’ na parede

      01:31
      Advogado de Cohen pede a House que censure Trump

      02:19
      Senado intel intimida Michael Cohen para testemunhar

      00:50
      Quem é Roger Stone?

      02:07
      Sanders: A prisão de pedra não tem nada a ver com Trump

      02:11
      Sanders: Presidente não está preso na parede

      02:13
      Repórter da CNN assistiu a prisão de Stone. Aqui está o que aconteceu

      00:51
      Toobin: A prisão de pedra é chocante, mas não é surpreendente

      00:42
      Oficial renuncia à controvérsia da foto da face negra

      00:42
      Collins: Não tenho certeza se Trump ganha o dia de pagamento do dia de pagamento

      02:08
      Modelo alegando ter informações liberadas da prisão russa

      03:14
      Burnett: Esta é uma promessa inabalável de Trump

      02:06
      Representante para agentes do FBI: principais operações que sofrem com o desligamento

      00:31
      DeSantis: “Melhor seguir em frente” depois que o alto funcionário se demitir

      01:47
      Pelosi: Shutdown é crise Trump sozinho criado

      01:09
      Trump oferece um aviso enigmático sobre seu próximo passo

      00:58
      Trump suggests deal with ‘prorated down payment’ on wall

      01:31
      Cohen’s lawyer calls on House to censure Trump

      02:19
      Senate intel subpoenas Michael Cohen to testify

      00:50
      Who is Roger Stone?

      02:07
      Sanders: Stone arrest has nothing to do with Trump

      02:11
      Sanders: President isn’t hung up on the wall

      02:13
      CNN reporter watched Stone’s arrest. Here’s what happened

      00:51
      Toobin: Stone arrest is shocking, but not surprising

      00:42
      Official resigns over blackface photo controversy

      00:42
      Collins: Not sure Trump gets living payday to payday

      02:08
      Model claiming to have intel released from Russian jail

      (CNN) – Roger Stone foi indiciado por um grande júri sobre as acusações feitas pelo conselheiro especial Robert Mueller, que alega que o antigo colaborador de Donald Trump procurou e-mails roubados do WikiLeaks que poderiam danificar os oponentes de Trump enquanto em coordenação com altos funcionários da campanha Trump.
      O texto da acusação não diz quem da campanha sabia sobre a missão de Stone, mas deixa claro que eram várias pessoas. Esta é a primeira vez que os promotores alegam que conhecem outras pessoas próximas ao presidente que trabalharam com Stone enquanto ele procurava o fundador do WikiLeaks , Julian Assange.

      Artigo relacionado: LEIA: acusação de Roger Stone pelo júri federal
      “Após o 22 de julho de 2016, a liberação de e-mails roubados (Comitê Nacional Democrata) pela Organização 1, um oficial sênior da Campanha Trump foi direcionado a contatar a STONE sobre quaisquer lançamentos adicionais e que outras informações danosas a Organização 1 tinha com relação à Campanha Clinton. disse à Campanha Trump sobre possíveis liberações futuras de material prejudicial pela Organização 1, “os promotores escreveram.

      A acusação também diz: “Durante o verão de 2016, a STONE conversou com altos funcionários da Campanha Trump sobre a Organização 1 e informações que poderiam ter prejudicado a Campanha Clinton. A STONE foi contatada por altos funcionários da Campanha Trump para perguntar sobre futuros lançamentos pela organização 1. ”
      Stone foi preso pelo FBI na manhã de sexta-feira em sua casa na Flórida, disse seu advogado à CNN. Ele foi indiciado na quinta-feira por um júri federal no Distrito de Columbia em sete acusações, incluindo uma acusação de obstrução de um processo oficial, cinco acusações de declarações falsas e uma acusação de adulteração de testemunhas.
      O FBI também executou um mandado de busca na residência de Stone em Nova York, de acordo com Kristin Davis, que divide o duplex com Stone.
      O advogado de Stone, Grant Smith, disse à CNN em uma declaração que as distorções de Stone eram devidas ao esquecimento e eram “imateriais”. Ele também disse que Stone não recebeu materiais do WikiLeaks antes de seu lançamento público.
      “Eles não encontraram nenhum conluio russo ou teriam sido acusados”, disse Smith.
      Jay Sekulow, um advogado do presidente, disse à CNN em um comunicado: “A acusação de hoje não alega conivência russa por Roger Stone ou qualquer outra pessoa. Em vez disso, a acusação se concentra em supostas declarações falsas que Stone fez ao Congresso.”
      Sarah Sanders, secretária de imprensa da Casa Branca, disse a John Berman, da CNN, sobre “New Day” na sexta-feira: “Isso não tem nada a ver com o presidente e certamente nada a ver com a Casa Branca. Isso é algo que tem a ver algo que nos afeta aqui na (Casa Branca). ”

      Artigo relacionado: Como Stone espera por Mueller, ele volta a sair para comer pizza às sextas-feiras
      Stone apareceu em um tribunal federal em Fort Lauderdale na manhã de sexta-feira. Ele foi liberado em um vínculo de assinatura de US $ 250.000.
      A acusação
      Em 7 de outubro de 2016, depois que o WikiLeaks divulgou seu primeiro conjunto de e-mails de John Podesta, os promotores dizem que Stone recebeu uma mensagem de texto de “um funcionário do alto escalão da campanha de Trump” que disse “bem feito”. que a campanha Trump estava em loop na busca de Stone por sujeira em democratas.
      O associado e o alto funcionário da campanha não são citados na denúncia, embora a acusação descreva como Stone disse a um repórter que o que Assange tinha nos e-mails inéditos era bom para a campanha Trump. Stone respondeu na época: “Eu diria [ao alto funcionário da Campanha Trump], mas ele não me liga de volta.”
      Um e-mail que combina com o texto publicado pelo The New York Times mostra que o oficial Stone se referia a Steve Bannon.
      Depois dos lançamentos de 7 de outubro, Stone se gabou de “altos funcionários da Campanha Trump” que ele previu corretamente o despejo de dados, dizem os promotores.
      No entanto, a acusação não detalha a comunicação direta que Stone ou outros podem ter tido com Assange.
      Stone manteve publicamente que ele não sabia de antemão sobre o que o WikiLeaks lançaria. Essa alegada mentira, que ele também contou ao Congresso, forma a base para algumas de suas outras acusações criminais na acusação de sexta-feira.
      A acusação também alega que Stone mentiu ao Congresso sobre “suas comunicações com a Campanha Trump sobre a Organização 1”. Na acusação, a Organização 1 é WikiLeaks.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome