Operação Lesa Pátria mira deputado Amauri Ribeiro, suspeito de financiar atos golpistas

Ana Gabriela Sales
Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.
[email protected]

Em junho, o político admitiu ter financiado acampamentos golpistas em frente a quartéis. "Mandem me prender", ironizou à época

Deputado Amauri Ribeiro. | Foto: Ruber Couto/Assembleia Legislativa de Goiás

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta terça-feira (29), a 15ª fase da Operação Lesa Pátria. Segundo a corporação, são cumpridos mandados de busca e apreensão, em Goiás, contra o deputado estadual Amauri Ribeiro (União Brasil), suspeito de financiar os atos golpistas de 8 de janeiro. 

A PF infirmou que as buscas tem como alvo pelo menos dois endereços do parlamentar: na capital Goiânia e também no município de Piracanjuba.

A defesa do político afirmou que o celular de Ribeiro foi apreendido durante a ação. Os advogados ainda vão solicitar acesso aos autos que motivaram a medida cautelar de busca e apreensão.

“Mandem me prender”

Em junho, Amauri Ribeiro admitiu ter feito doações para os acampamentos antidemocráticos que foram montados em frente a quartéis de Brasília contra o resultado das eleições 2022. A declaração foi dada durante a sessão plenária da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego).

Eu ajudei a bancar quem estava lá. (…) Eu ajudei, levei comida, levei água, dei dinheiro“, disse Ribeiro. “Mandem me prender, eu sou um bandido, um terrorista, um canalha, na visão de vocês“, completou, de maneiro irônica. 

Após a repercussão da fala, o deputado publicou nota de esclarecimento. “Por questões humanitárias levei água e alimentos para os mais carentes que lá estavam”, argumentou.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn”      

A operação

Essa é a 15ª fase da Operação Lesa Pátria, que tem o objetivo de identificar pessoas que incitaram, participaram e financiaram a invasão e depredação das sedes dos Poderes, em Brasília, em 8 de janeiro.

Os atos golpistas foram protagonizados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), revoltados com o resultado das Eleições 2022 que elegeu Lula (PT) presidente.

Leia também:

Ana Gabriela Sales

Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador