Meu corpo, só um espaço, por Romério Rômulo

A carne, puro bagaço / O meu fim, o meu começo.

Chagall

Meu corpo, só um espaço

 por Romério Rômulo

1.

O meu olho pelo avesso

Meu corpo, só um espaço

A carne, puro bagaço

O meu fim, o meu começo.

2.

Andei por pedras distantes

Numa estrada que esguia

Com pedras desimportantes

Em terras de fantasia

E muitos falsos brilhantes.

 

Os mares eu nunca via.

 

Romério Rômulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Só eu só, por Mariana Nassif

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome