O plano pioneiro de saúde do Itaú, por Luís Nassif

Era interessante como a falta de informação especializada impedia o lançamento de novos produtos. Um deles era o plano de capitalização

Eu tinha a coluna Dinheiro Vivo na Folha e o programa na TV Gazeta. Mas quem descobriu o plano de saúde do banco Itaú foi minha ex-esposa. Na época, só existia a Golden Cross, muito cara.

O plano da Itaú era tão bom que recomendei na coluna da Folha e no meu programa. Os vendedores do Itaú Saúde saiam para vender o plano exibindo o artigo.

O plano era tão bom que começou a dar prejuízos ao banco. E o Itaú passou a cancelar os planos. Imediatamente critiquei a decisão. Aí, o presidente do Itaú Seguros, Luiz Campos Salles, me convidou para um almoço no Gero. Foi sincero. O Itaú, de fato, estava tendo prejuízo e não queria continuar com o plano. Mas como desrespeitar os contratos assinados?

A sugestão veio do próprio Olavo Setubal, presidente do Itaú. Foi enviada uma carta para cada segurado, com um aviso no rodapé. Se quisessem permanecer no plano, teriam que responder à carta. Quem não respondeu – e foi a maioria – foi automaticamente excluído.

Era interessante como a falta de informação especializada impedia o lançamento de novos produtos. Um deles era o plano de capitalização, uma combinação de poupança e sorteio, dominado então pelo Baú de Silvio Santos. Escrevi algumas matérias mostrando que o percentual para poupança era mínimo. Quase tudo ia para sorteio. Mesmo assim, o Baú vendida como se fosse poupança.

Depois que escrevi o artigo fui convidado para um almoço pelo jovem presidente do Bradesco Capitalização que, para mérito seu, também era frequentador do bar do Alemão.

No almoço ele me informou que, depois que saiu o artigo, decidiu tirar da gaveta o plano de capitalização do Bradesco – que destinava um percentual muito maior para poupança. Antes, de nada adiantaria porque a opinião pública não tinha a menor ideia sobre a lógica dos planos de capitalização.

Depois, Trabucco fez uma carreira brilhante, chegando a presidente do Bradesco e, agora, presidente do Conselho do banco.

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Como desrespeitar bons contratos assinados?

    Enviar uma carta para cada cliente, com um aviso no rodapé.

    Se quisessem manter o bom contrato, terão que responder à carta.

    A MAIORIA, NÃO respondeu, e o contrato foi automaticamente encerrado.

    Possivelmente, um longo texto em letra maior e a nota de rodapé em letra miúda.

    Malícia e conhecimento profundo da psicologia das massas.

    Não a toa, Olavo Setúbal, presidente do Itaú, tornou-se bilionário.

    1. Como sempre … como a ideia de ludibriar aos otários, digo, clientes fora do presidente nenhum assecla jamais ousaria falar “Pô! uma nota no rodapé ? isso é sacanagem, excmo. sr. dr. excª alteza” …

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador