Na ditadura, mídias alternativas quebraram tabus sobre LGBTs

do Jornal da USP

Na ditadura, mídias alternativas quebraram tabus sobre LGBTs

Jornais alternativos como “Lampião da Esquina” e “Chanacomchana” colocavam em xeque inclusive a mídia de esquerda, que considerava a luta LGBT uma “causa menor”

Durante muito tempo, a imprensa brasileira retratou a população LGBT de forma pejorativa. Neste cenário, surgiu o Lampião da Esquina, primeiro jornal de alcance nacional feito por homossexuais com a proposta de quebrar esse padrão da imprensa tradicional. O Lampião serviu de inspiração para criação, mais tarde, do Chanacomchana, boletim voltado à divulgação de atividades e reflexões de militantes lésbicas durante a década de 1980.

Sobre o assunto falam Renan Quinalha, doutor pelo Instituto de Relações Internacionais (IRI) da USP com a tese Contra a moral e os bons costumes: a política sexual da ditadura brasileira (1964-1988)”; João Silvério Trevisan, editor do Lampião da Esquina (1978-1981); e Marisa Fernandes, realizadora do Chanacomchana (1981-1987). Assista a mais um vídeo da série da TV USP LGBTs no Regime Militar:

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Damares deve explicar ao MPF descontinuidade do Memorial da Anistia

1 comentário

  1. E há idiotas q acham q lutas identitárias s resolvem p si mesmas

    Como se o fato de haver mais igualdade social e mais direitos para os trabalhadores resolvesse todas as questoes, sem que os principais envolvidos as tomem em maos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome