A estratégia de republicanos para minar a candidatura de Trump

Iniciativas como o Project Lincoln reúnem cada vez mais cidadãos que não concordam com as medidas tomadas pelo atual presidente

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A candidatura de Donald Trump à reeleição da presidência dos Estados Unidos encontrou um novo obstáculo: além do democrata Joe Biden, existem republicanos que são contra o aborto, donos de armas, mas que não votam no atual presidente.

Um grupo denominado Lincoln Project (Projeto Lincoln) tem elaborado peças publicitárias e vídeos contra o atual presidente dos Estados Unidos. Composto por ex-estrategistas e consultores do Partido Republicano, o discurso adotado pelo grupo não só ataca Trump, como está alinhado aos antigos eleitores republicanos insatisfeitos com o atual presidente.

Uma das propagandas que enfureceu Trump tem mais de 2 milhões de visualizações, onde os criadores fizeram um jogo de palavras com uma das propagandas do ex-presidente Ronald Reagan, considerado um herói para os republicanos, onde apresentam cidades decadentes, o desemprego crescente e o fracasso do governo federal em lidar com a pandemia do coronavírus.

E a estratégia tem dado resultado: ao contrário do que houve há quatro anos, a campanha republicana será obrigada a dispersar seus gastos, uma vez que Joe Biden aparece à frente de Trump tanto nos estados do chamado Cinturão da Ferrugem (como Wisconsin e Michigan) como em locais tradicionalmente republicanos, como Arizona e Geórgia.

Outros grupos além do Projeto Lincoln estão trabalhando em projetos contra Trump em regiões tradicionalmente republicanas, fazendo com que o presidente disperse sua atenção para outros locais além dos estados considerados decisivos no colégio eleitoral norte-americano. As informações são do jornal O Globo.

Leia também:  Trump ou Biden? - os EUA no buraco de novo, por Fábio de Oliveira Ribeiro

 

Leia Também
Com Trump, sobreviventes ao coronavírus podem perder seguro de saúde
Trump confessa ter pedido menos testes de coronavírus
Estados Unidos negam negociação de livre comércio com o Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome