Advogado de Tacla Duran diz que Lava Jato erra sobre processo na Espanha

Ao jornalista Jamil Chade, Tacla Duran afirmou que foi extorquido e pagou 612 mil dólares ao advogado Marlus Arns para "não ser preso" na Lava Jato

Jornal GGN – O advogado Sebastian Suarez, que defende o ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran, emitiu nota à imprensa afirmando que a Lava Jato de Curitiba concede informações erradas para “caluniar”, “ofender” e “difamar” seu cliente. Na terça (18), a força-tarefa do Ministério Público rebateu declarações de Tacla Duran ao UOL, afirmando que ele é condenado na Espanha, fugitivo no Brasil e que suas palavras não merecem crédito.

Ao jornalista Jamil Chade, Tacla Duran afirmou que foi extorquido e pagou 612 mil dólares ao advogado Marlus Arns para “não ser preso” na Lava Jato. O caso está relacionado com o advogado Carlos Zucolotto, padrinho de casamento e sócio de Rosângela Moro e Sergio Moro.

“Rodrigo Tacla Duran, jamais sofreu qualquer condenação perante a Justiça Espanhola. Essas declarações utilizadas pelo MPF para ofender, caluniar e difamar, através de nota de imprensa, como reu confesso, foram declarações prestadas em qualidade de testemunha, na Espanha, em fevereiro de 2017. O processo contra Rodrigo Tacla Duran, foi arquivado, a primeira vez, em junho de 2017, a pedido do próprio Ministério Público Espanhol, ou seja em data posterior, havendo sido devidamente esclarecida e valorada essa declaração para o referido arquivamento por não serem os fatos constitutivos de delito na Espanha, conforme o documento enviado anteriormente”, diz a nota.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome