Agentes americanos atuaram dentro do Brasil na Lava Jato, por André Barrocal

Foco era Odebrecht, segundo documento da PGR. Artigo acadêmico vê interesses convergentes de EUA e Curitiba

Por André Barrocal

Na CartaCapital

No governo Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, então ministro da Justiça, foi avisado certa vez por Leandro Daiello, chefe da Polícia Federal (PF) naquele tempo, da presença de procuradores dos Estados Unidos em Curitiba. Cardozo procurou Rodrigo Janot, o chefe da Procuradoria brasileira na época, para saber o que era aquilo. Ouviu que os americanos tinham vindo trazer um convite. Será?

As conversas vazadas de Sérgio Moro e Deltan Dallagnol mostram que em ao menos uma ação de campo da Operação Lava Jato houve “articulação com os americanos”. A colaboração internacional, particularmente dos EUA, foi essencial à Lava Jato. E incluiu a atuação física de americanos no Brasil.

A presença deles aqui foi descrita pela procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, em um ofício de 28 de julho de 2018. Era uma resposta a uma requisição feita pelo líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), com base na Lei de Acesso à Informação. Os ministérios da Justiça e das Relações Exteriores também foram acionados pelo petista via LAI, mas se negaram a responder.

Segundo Raquel, “foi requerida a presença de agentes públicos estadunidenses em território brasileiro durante a realização das diligências” solicitadas pelos EUA como parte de “investigações sigilosas ocorridas em seu território, relacionados à empresa Odebrecht e a atos de corrupção transnacional sujeitos à sua jurisdição”.

Teria sido uma visita pontual? “O Departamento de Justiça tem procuradores e agentes estacionados em várias cidades no exterior, incluindo aqui no Brasil.” Palavras ditas em 24 maio de 2017, durante uma conferência realizada em São Paulo sobre corrupção, pelo PGR americano adjunto de então, Trevor McFadden, hoje juiz.

O Departamento de Justiça é equivalente ao nosso ministério. Foi esse órgão quem, segundo Raquel, pediu para mandar pessoal para cá foi. Nos EUA, a Procuradoria fica nesse Departamento. É provável que os “agentes públicos estadunidenses” que vieram para cá sejam procuradores de Justiça. Era sobre “procuradores” que o deputado Pimenta havia questionado a PGR.

De acordo com Raquel, os americanos trabalharam aqui em caráter coadjuvante. Tudo teria sido comandado por brasileiros. A “xerife” faz uma ressalva sutil no ofício de julho de 2018: foi assim ao menos até onde “o Ministério da Justiça e o Ministério Público Federal tiveram ciência“. Ou seja, os visitantes podem ter feito coisas que as autoridades brasileiras não souberam ou não quiseram saber.

A existência de colaboração do Departamento de Justiça dos EUA com a Lava Jato “não significa dizer que há um cérebro da Lava Jato fora do País, mas sim que ocorreram convergências de interesses entre agentes externos e internos”. É o que afirma um artigo acadêmico de maio de sete professores universitários (quatro da UFRJ e uma da UFABC, da UFBA e da UFRGS) que se propuseram a examinar a crise brasileira e a eleição de Jair Bolsonaro.

Para os autores, a convergência de interesses era basicamente desmontar o sistema político e econômico brasileiro. Aos EUA, isso interesava para que o Brasil não fosse voz ativa no cenário global nem tivesse grandes empresas no exterior. À Lava Jato, isso interessava para acabar com a teia de relações corruptas e promíscuas a juntar políticos e empresas.

“A colaboração com órgãos norte-americanos permitiu (à Lava Jato) acessar informações sobre os mecanismos de corrupção intrínsecas do capitalismo patrimonialista brasileiro”, diz o artigo. “A desestruturação das bases produtivas e institucionais brasileiras interessa sim aos agentes externos, especialmente aos norte-americanos e seu Estado nacional.”

O artigo lista exemplos de proveito tirado pelos EUA pós-Lava Jato: a liberação das multinacionais no pré-sal, a compra da Embraer pela Boeing, o acordo de uso da base de foguetes em Alcântara (Maranhão) e a desestabilização da atuação na América Latina e na África de empreiteiras como a Odebrecht.

Em telegrama ao Itamaraty em 12 de abril deste ano, o embaixador brasileiro em Angola, Paulino Franco de Carvalho Neto, relata reuniões com executivos da Odebrecht e da Queiroz Galvão. Para tocar obras angolanas sem grana do BNDES, torneira fechada devido à Lava Jato, as empreiteiras abriram sucursais na Europa. Pegam empréstimo europeu e prometem comprar bens e serviços lá.

Pior para o Brasil, segundo o telegrama.

9 comentários

  1. Em 2015 o saudoso prof Luiz Alberto Moniz Bandeira dizia que tinha dedo dos USA na Lava Jato. Na época eu fiquei com minhas dúvidas, afinal, nunca se sabe….
    Depois, minhas próprias pesquisas indicavam que a presença norte-americana era inescapável: o modus operandi não deixava nenhum espaço pra dúvidas. Não tinha prova, mas tinha convicção absoluta, porque os indícios eram indesmentíveis, senão porque a Lava Jato procurava destruir exatamente quem mais ameaçavam (por razões muito complexas para expor aqui) interesses dos USA, ou seja, Lula e PT.
    Só depois me dei conta o que era realmente a Lava Jato: visava deslocar o poder político inteiro do Brasil, colocando em seu lugar gente mais afinada com os interesses dos USA. Moro, na sua qualidade indiscutível de legítimo jeca deslumbrado, sempre me pareceu o instrumento ideal pra isso.
    O que se vê agora é a confirmação de tudo isso… Mas agora fico com a pergunta que Pepe Escobar está fazendo: porque o criador deixou destruírem a criatura? Seria com o intuito de gerar ainda mais caos para justificar a imposição de um regime de força?
    Fiquemos atentos. Tem muita coisa estranha nesta história do The Intercept, como sempre teve na Lava Jato…

    • Dar carta branca a esse site de estadunidenses seria de uma burrice solar…..
      Basta ver o comportamento adotado por eles, muitas entrevistas, muio bate-boca, mas revelações – que dizem ter mais do que as do Snowden, as quais já revelaram quase nada – poucas, e com uma lentidão irritante…..
      O cidadão diz que tem audio, video, graficos mas não mostra nada, preferindo bater boca com o conge……sinceramente? Na minha opinião vão vazar apenas que que interessar e o restante vai para o limbo…..
      Nessa to com o coiso -arghhhhhhhhh – não se confia em ninguem 100%…..
      Ou, tomam uma atitude transparente, e abre para todos….

      3
      4
  2. Na submissão do Brasil aos EUA é preciso SEMPRE lembrar da participação ativa dos militares entreguistas.
    Embraer, Pré-sal, Alcântara etc. – tudo feito com a aprovação dos militares entreguistas.
    E quando um tribunal dá sinais de que não vai seguir a “cartilha de interesses yankees”, entra em cena o general Villas Boas e intimida pela força os magistrados.

  3. os imperialistras não invadiram desta vez
    nem derrubaram governos om golpes militares,
    usarem a tal da justiça, visitaram os bobinhos ou
    mais que bobinhos burocratas entreguistas e
    consegiram tudo no papo mesmo furado
    logo aceito por obscuros interesses…
    quAndo punidos?

  4. O que vocês têm que estudar ou confirmar é o seguinte…
    uma inovação nas atividades da justiça precisa do aval do Legislativo ou do STF

    como as inovações produziram efeitos em processos, acredito que sim

    qualquer coisa vindo daí, é fraude processual, uso das Leis ao bel-prazer

  5. Como uma matéria dessas pode acabar sem citar o artigo científico mencionado? Tem fontes que têm de ser protegidas e outras citadas, viu pessoal!

  6. Roosevelt fala manso.
    Theodor Roosevelt falava manso antes de usar o porrete. A mansidão seletiva do Glenn, contrário à Venezuela e agressivo com o Lula, ajuda o Império a ganhar tempo como o anti-moro por ser gay, anti-racista, casado com psolista e amigo de cachorros. Ele é o antidoto ao envenenamento lavajatista, ministrado pelo Império ante a ameaça do socialismo de mercado chinês e seu guarda-costas russo, por ser o perigoso herdeiro do complexo militar industrial soviético. É impossível não lembrar a missão cultural ianque, na Segunda Guerra, que gerou o Zé Carioca, a Carmen Miranda e os filmes do diretor socialista Orson Welles, depois, perseguido pelo macarthismo. Entregar um neofascismo tosco e inviável a médio prazo foi um excelente negócio em troca do realinhamento geopolítico, legitimado por um novo tribunal de Nuremberg com o julgamento dos “integralistas” . A manipulação do Império continua no nível intuitivo, enfrentando o afeto ódio com amor, pois sabe que pode ganhar o jogo pelas armas, se tudo der errado, na futura negociação com a esquerda.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome