Amazonense conta como é viver com água e esgoto privatizados

O Senado aprovou e enviou para sanção presidencial nesta semana o novo marco do saneamento básico, que cria incentivos para privatizar o sistema em todo o Brasil

Jornal GGN – O Senado Federal aprovou e enviou para sanção presidencial nesta semana o novo marco do saneamento básico, que cria incentivos para privatizar o sistema de água e coleta de esgoto em todo o Brasil, retirando paulatinamente as concessões das estatais.

Manaus já convive há duas décadas com a privatização do saneamento básico. Em uma thread no Twitter, a amazonense Aryana Araújo do Nascimento, 32, mostra que a privatização não melhorou o serviço. Ao contrário, precarizou e encareceu a conta para o consumidor. Obedecendo a lógica do lucro, as empresas só investem no que dá retorno. Com isso, a desigualdade foi acentuada em diversas regiões, sobretudo na periferia.

Para a autora do fio, sem água e esgoto universais, não é à toa que a capital do Amazonas foi uma das mais afetadas pela pandemia de coronavírus.

Confira abaixo:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. É engraçado o discurso da eficiência e excelência da “jestão” privada. O que se observa é apenas o saque (nem piratas teriam tamanha fome) da população, relaxo e descaso com a prestação do serviço. Nada de novo, basta ver o que virou a produção e geração de energia elétrica

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome