Após ataques de Salles, Maia e Alcolumbre saem em defesa do general Ramos

Ministro do Meio Ambiente usou redes sociais para criticar ministro da Secretaria de Governo, mas não revidou críticas dos presidentes da Câmara e do Senado

Os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - foto Wilson Dias/Ag.Brasil

Jornal GGN – Os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), saíram em defesa do ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, após os ataques sofridos pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pelas redes sociais.

Na última quinta-feira, Salles usou seu Twitter para chamar Ramos de “maria fofoca”, o que levou a um revide direto de Maia e a uma resposta mais diplomática de Alcolumbre, como é possível ver nas postagens abaixo:

Segundo o jornal Correio Braziliense, Salles acabou por seguir a orientação do presidente Jair Bolsonaro e optou pelo silêncio. O presidente não reprovou o ataque contra Ramos, mas não mostrou interesse em prolongar a questão.

Este não foi o primeiro confronto entre Salles e a ala militar do governo – em agosto de 2019, o ministro do Meio Ambiente anunciou a suspensão das ações de combate ao desmatamento na Amazônia e no Pantanal após o bloqueio de recursos, o que levou o vice-presidente Hamilton Mourão, presidente do Conselho da Amazônia Legal, a apontar a ação do ministro como “precipitada”, e o dinheiro (mais de R$ 60 milhões) acabou sendo liberado.

Leia também:  Anvisa decide no domingo de manhã se libera vacinas da Sinovac e Astrazeneca

 

Leia Também
Livro traz obituários de povos tradicionais da Amazônia vítimas da Covid-19
Maia dispara criticas contra Salles: não satisfeito em destruir o meio ambiente, resolveu destruir o próprio governo
Brigadistas voltam a combater incêndios florestais depois de confusão do governo
Com Biden, Brasil deve sofrer sanções por crimes ambientais

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. É inacreditável que uma pessoa pública (ser general braZileiro no desgoverno é apenas um “detalhe”) seja chamada por outra pessoa pública (estar ministro réu, condenado em 1a. instância neste desgoverno é apenas um “detalhe”) de “MARIA FOFOCA” (sic) e declare que “não há briga nenhuma”…
    Putzgrila, tutaméia! (© Anos 70, Henfil?).
    Quão fundo estará o fim desse poço?
    Japão?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome