Bacurau e o ministério público (alerta de spoiler), por Sandra Lia Simón

Bacurau, filme de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, é imperdível!

Foto: Reprodução

do Coletivo Transforma MP

Bacurau e o ministério público (alerta de spoiler)

por Sandra Lia Simón

Se você ainda não viu, vá correndo.

Bacurau, filme de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, é imperdível!

Para mim, teve um efeito avassalador, porque fui assistir sem saber de nada. Apenas no decorrer da primeira parte do filme, lembrei que sabia de duas coisas: que uma mulher muito importante na cidade morria e que Bacurau sumia do mapa.

Mas isso é apenas a partida de uma estória incrível, que pode ter um paralelo com várias situações reais e atuais.

Obviamente, fiz um paralelo com o Ministério Público. E já vou explicar o porquê.

Daria para dizer que Bacurau é um misto de Black Mirror com Years and years, com toques de Tarantino. Mas não. Bacurau é a essência do cinema brasileiro. Me remeteu à estética de Glauber Rocha. Personagens absolutamente brasileiros. Brasileiros, mesmo. E geniais. No entanto nenhum desses personagens se sobressai, porque a estrela absoluta do filme é Bacurau, cidade como muitas por este Brasil afora, com suas gentes, suas estórias, suas vidas, suas rotinas, seus problemas, suas comemorações, suas alegrias…

Senti isso. Senti o Brasil profundo. Senti a essência do povo brasileiro, que reconhece sua identidade enquanto tal. Tanto que a minha grande gargalhada no filme foi quando dois personagens maus, bastante maus, conversando com uns estrangeiros, também bastante maus, explicavam que, mesmo sendo brasileiros, não tinham nada a ver com aquelas pessoas de Bacurau, pois eram do sul (englobe Sudeste, já que um destes personagens disse ser do Rio de Janeiro), lugar com muito dinheiro, colônias italianas e alemãs, que eles, que explicavam, eram parecidos portanto com os estrangeiros, que os ouviam… hahahahahahahahahahahaha… Mas é muita pretensão, distanciar-se do seu povo e enxergar-se como aquele a quem considera “superior”… e os tais estrangeiros, obviamente, deixaram muito claro, de uma maneira bastante contundente, que não concordavam com essa patética comparação.

Leia também:  Tributos, isenções e ajuste fiscal: por que não olhar o lado da receita?, por Róber Iturriet Avila e João Batista Santos Conceição

No filme, Bacurau começa a ser atacada. Ao perceber, Bacurau prepara sua reação. E que reação!

Daria para dizer que foi uma reação exagerada, que violência não deve ser combatida com violência.

Um detalhe: as pessoas que estavam na mesma sessão que eu, simplesmente deliraram, quando Bacurau respondeu na mesma moeda. Me incluo, aliás, e parece que essa reação tem acontecido em todas as salas de cinema que exibem esse filme.

Pois bem. As gentes de Bacurau foram percebendo, com o passar dos minutos, com o passar das horas, que algo muito grave ia acontecer. Mas muito grave e irreversível. O que poderiam fazer? Como reagir, para evitar que esse “algo muito grave” acontecesse?  Como resistir?

A atrocidade (sim… era uma atrocidade) que iam cometer contra Bacurau justificava o uso da violência? Havia outra forma de defesa? Pela maneira como o enredo do filme foi conduzido, não. Não havia outra forma de defesa. A tática utilizada por Bacurau era a única possível.

Então significa que todo mundo que assistiu ao filme e vibrou com a reação de Bacurau entende que a violência, em determinados momentos e situações, se justifica?

Para tentar compreender a reação do público e, em especial a minha, é que faço um paralelo com o Ministério Público.

A Constituição Federal de 1988 deu um papel importantíssimo ao MP, de guardião do regime democrático. Para que pudesse desempenhar esse papel, deu grandes poderes às pessoas que o integram. Mas a Constituição sempre deixou claro que os poderes eram da Instituição e, não, das pessoas. A Constituição determinou, portanto, que a “estrela” deste sistema de controle fosse “O” Ministério Público.

Leia também:  Xadrez de como Barroso levou a Bolsonaro e Witzel, por Luis Nassif

Entretanto, com o decorrer do tempo, algumas pessoas que integram o Ministério Público começaram simplesmente a ignorar o papel que o constituinte reservou para a “estrela” e também começaram a usurpar o seu protagonismo. Essas pessoas tinham a mais absoluta certeza que eram superiores a todas as outras pessoas, inclusive as de outras instituições do Estado. Em decorrência desta pretensa superioridade, decidiram que poderiam flexibilizar garantias processuais clássicas, constitucionais, oriundas de preceitos vindos das Revoluções Americana e Francesa, do século XVIII e que são parte imprescindível dos alicerces do sistema democrático de qualquer país do mundo ocidental.

Outras pessoas, dentro e fora do Ministério Público, perceberam que essa postura poderia colocar em perigo o próprio sistema democrático. Com o passar dos dias, dos meses, dos anos, isso foi ficando cada vez mais claro. Essa percepção se confirmou e está escancarada nos jornais, nas mídias sociais.

Por que, ao longo dos dias, meses e anos, com uma situação estarrecedora se desenvolvendo perante os olhos dessas outras pessoas, não houve resistência? Por que não houve a defesa dos primados que alicerçam o Estado Democrático de Direito?

É isso que Bacurau nos joga na cara: a força de suas gentes, que compreenderam a necessidade de defender o que era delas, o que definia a sua própria existência, a sua identidade. Foi essa constatação que me levou – e creio que leva o público, nas salas de cinema – a vibrar com a reação de Bacurau. Não é a violência utilizada, mas a resposta à agressão. A ação e a constatação da existência de possibilidade e de concretização da defesa, da resistência.

Leia também:  Capitalismo gore: o diálogo necessário entre "O Clube dos Canibais" e "Bacurau", por Wilson Ferreira

Bacurau utilizou a sua memória para se defender e resistir, memória essa bem concreta, tirada das peças de seu Museu (aliás, referência absolutamente espetacular e pertinente ao Museu Histórico de Canudos).

Para a retomada do verdadeiro Ministério Público, aquele da Constituição Federal, responsável por zelar pelo regime democrático – e não empenhado em destruí-lo, criando um poder paralelo –, sequer é necessário recorrer à memória, pois basta fazer valer a conformação que o criou, que o colocou ao lado da sociedade, ao lado dos excluídos.

Que Bacurau nos inspire, ao Ministério Público, às demais Instituições de Estado, a todos e a todas, a sairmos da apatia, do conformismo e do derrotismo.

Que a garra, a perseverança, a coragem, a inteligência e a força das gentes de Bacurau nos guie no caminho que temos para percorrer.

Que esse percurso se faça a cada dia.

E que quem for, que vá na paz.

Brasília, setembro 2019.


*Sandra Lia Simón é Subprocuradora-Geral do Trabalho e diretora e sócia-fundadora do Coletivo por um Ministério Público Transformador.

O GGN prepara uma série de vídeos que explica a influência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto? Clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Bacarau, é obrigatório para quem se define de fato como Brasileiro e não como esses dois personagens do filme da classe média do sudeste maravilha, contados na matéria/comentário de Sandra, que se achavam gringos como os gringos, pois, é assim que escreveu também Jessé de Souza em seus livros A Elite do Atraso e A Classe Média no Espelho.
    Bacurau, é uma porrada maior ainda a quem mora (eu por ex:) no Sul e Sudeste Maravilha (pra mim absolutamente esgotado em perspectivas), pois, é nessa imensa região e de maior população brasileira, onde existe e resiste o maior foco do anti-brasileirismo e a continuação da Casa Grande & Senzala. Uma espécie de Ku Klux Klan tupiniquim.
    E o próprio filme, entre muitas outras metáfora, deixa muito claro, que virá do Nordeste a grande Cartase necessária nesse país. Que é o que ainda me deixa vivo de esperança.

  2. …”algumas pessoas que integram o Ministério Público começaram simplesmente a ignorar o papel que o constituinte reservou para a “estrela” e também começaram a usurpar o seu protagonismo.”

    Eis a mais profunda, a mais nefasta, óbvia, explícita expressão de corrupção. Peculato é corrupção; tráfico de influência também. Mas não há expressão mais perfeita do que é corrupção do que essa usurpação: tomar a coisa pública para atendimento a demandas privadas. Pode não ter custo financeiro mas… qual é o preço para manter o estado democrático de direito íntegro, sem corrompê-lo, sem ir contra as leis? É um preço pecuniário? Claro que não, é um preço moral e legal que, com certeza, os golpistas terão que pagar.

  3. É razoável reagir a violência com força, o contexto de reagir violência com violência é uma conotação errada que carregamos. Quem começa a violação do Direito alheio é a única parte que comete a violência, pois a palavra deriva de “violar”, quem comete violência é quem violou o Direito alheio. A resposta a violência pode incluir (mas não precisa ser necessariamente) força. É um Direito a auto-defesa, portanto a reação é Força e nao violência pois a violação é da parte de quem começa. Se alguem lhe agride com uma arma, te ameaça de morte e através da força acaba resultando em morte, é diferente de assassinato, podem colocar a cabeça tranquilos no travesseiro. Bacurau é um Quilombo, onde o sentido da resistência está no entendimento de milícia, uma milícia é o corpo total do povo, treinado nas artes da guerra, descentralizado, sem obedecer a um comando central ou governo, para uso exclusivo na defender contra uma tirania. Nunca, jamais seremos livres enquanto não entendermos os conceitos de violência vs força, assassinar vs matar e entender que o termo milícia não se refere a máfias do Estado em seu aparato repressivo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome