Bolsonaro ataca Venezuela mesmo após doação de oxigênio

“Que tal o Maduro conceder o auxílio emergencial para o seu povo?”, perguntou o presidente em live; gás medicinal foi usado para atender Manaus

Foto: Reprodução (REUTERS/Adriano Machado)

Jornal GGN – O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar a Venezuela em sua live semanal, mesmo depois de o país doar oxigênio para Manaus, como forma de aplacar o colapso do sistema de saúde da cidade devido à pandemia de covid-19.

“Se o Maduro quiser dar oxigênio, carne (ta sobrando lá), mantimentos, é bem-vindo. Afinal, nós recebemos, não sei o número certo, milhares de venezuelanos na Operação Acolhida. Depois, para meus conhecimentos, foi a empresa White Martins, sediada na Venezuela”, disse o presidente. Contudo, a própria empresa desmentiu tal posicionamento na última terça-feira (19/01).

O governo da cidade de Manaus também desmentiu essa citação, afirmando que o fornecimento é doação do país vizinho. “O oxigênio foi doado pelo governo do estado venezuelano de Bolívar. O governador de Bolívar, Justo Nogueira, foi quem entrou em contato com o governador Wilson Lima se colocando à disposição para doar”, afirmou em nota.

Bolsonaro seguiu com os ataques à Venezuela. “Vou fazer uma sugestão para o pessoal que adora o Maduro, que tal vocês fazerem uma proposta pata o Maduro, que tal o Maduro conceder um auxílio emergencial para o seu povo. Tarcísio (perguntou ao ministro da Infraestrutura), na Venezuela tem cachorro? Não tem. É triste falar isso, mas o pessoal comeu tudo”, disse, segundo o jornal Correio Braziliense. A live foi realizada ao lado do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

 

Leia Também
Bolsonaro não foi negligente: atuou para a propagação do vírus, diz estudo
Release e vídeo desmentem tese de Pazuello sobre hacker
GGN Covid: 95% dos paulistas em regiões com mais de 30% de crescimento de casos em 14 dias
Aras recebe Pazuello para ‘esclarecimentos’ sobre condução da pandemia
Bolsonaro proíbe ministros de atender pedidos de Doria, diz colunista

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora