Bolsonaro e militares querem censurar o que bispos discutem sobre o Brasil lá no Vaticano

Governo aciona agência de inteligência para "acompanhar" a Igreja Católica como ameaça de "esquerda"

Jornal GGN – Os militares do governo Bolsonaro acreditam que o Sínodo que será promovido pelo Vaticano em outubro próximo discutirá “pautas de esquerda”, representando uma “interferência indevida” em assuntos do Estado brasileiro. Na pauta: Amazônia, povos indígenas, quilombolas e aquecimento global.

Numa reação contra essa suposta “interferência” na política brasileira, o Itamaraty decidiu pedir ao governo Italiano que “interceda” junto ao Vaticano para “impedir” que o encontro mundial – que envolve 250 bispos de todas as nacionalidades – ataque diretamente os planos de Bolsonaro para o meio ambiente e a Amazônia. É o que informa o portal Uol, nesta segunda (11).

No domingo (10), o Estadão revelou que os militares no governo usam a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) para espionar o que a Igreja Católica anda discutindo a respeito das políticas de Bolsonaro. Na visão deles, os cardeais tendem a falar mal dos projetos do Planalto. O general Augusto Heleno quer impedir que isso aconteça.

“Estamos preocupados e queremos neutralizar isso aí”, disse o ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, que comanda a contraofensiva. “O trabalho do governo de neutralizar impactos do encontro vai apenas fortalecer a soberania brasileira e impedir que interesses estranhos acabem prevalecendo na Amazônia. (…) A questão vai ser objeto de estudo cuidadoso pelo GSI. Vamos entrar a fundo nisso”, acrescentou.

A Abin tem feito relatórios sobre os “recentes encontros de cardeais brasileiros com o papa Francisco, no Vaticano, para discutir a realização do Sínodo sobre Amazônia, que reunirá em Roma, em outubro, bispos de todos os continentes.”

Agentes em Manaus, Belém, Marabá e Boa Vista estão acompanhando “reuniões preparatórios para o Sínodo em paróquias e dioceses’. Em paralelo, o Itamaraty foi mobilizado para buscar uma solução no Vaticano e o Ministério do Meio Ambiente está ocupado tentando descobrir se haverá ONGs e outras instituições participando do Sínodo.

“Com base nos relatórios de inteligência, o governo federal vai procurar governadores, prefeitos e até autoridades eclesiásticas que mantêm boas relações com os quartéis, especialmente nas regiões de fronteira, para reforçar sua tentativa de neutralizar o Sínodo”, aponta o Estadão.

A reportagem afirma que, na visão do governo, “a Igreja é uma tradicional aliada do PT e está se articulando para influenciar debates antes protagonizados pelo partido no interior do País e nas periferias.”

11 comentários

  1. Os Milicos estão no governo ou o governo está nos milicos?

    Um Coxinha me dizia que Lula está preso não por perseguição política, mas porque é ladrão.
    Eu indaguei-lhe: Se a prisão do Lula fosse por roubo, o Aécio Neves, o Michel Temer e o Flávio Bolsonaro estariam presos também.

  2. Nassif: é facil a solução. Por que tanto barulho? Basta que o governo daBala, por sua República de CruzAlta, proiba o evento. Agradará a todos os seus — os avivados do Templo, os NaziSionistas, os VerdeSauvas, a FamiliaImperial e, principalmente a quase totalidade dos seus 56 milhões de eleitores. Os 91 milhões de eleitores contrários que se danem. Que vão se queixar ao Papa…

  3. É preciso alertar ao general Augusto Heleno sobre sua contradição ao afirmar:
    “…fortalecer a soberania brasileira e impedir que interesses estranhos acabem prevalecendo…”
    Desde quando um militar entreguista está preocupado em defender nossa Soberania ?

  4. Os supostos nacionalistas tentam censurar a igreja católica brasileira no Vaticano alegando interferência em assuntos internos indevidos. Porém, quando se travestem de paus mandados dos americanos e, feito Peru de fora, escancarando suas peruanas e até ameaças de invadir a área e os assuntos internos de países como, Venezuela, Cuba, Palestina e outros, eles não conhecem limites e tão pouco se lixam se são ou não apoiados pela população, que, aliás, já se manifestou claramente contra essas indevida e reprovada política externa.

  5. A ABIN do vagabundo Jair Bolsonaro espiona a CNBB. Não a vi espionar os pastores evangélicos que viajam para os EUA a fim de receber dinheiro e instruções sobre as políticas que devem defender no Brasil. E vocês?

  6. A canalhice, a calhordice e a idiotice não conhece limites. Pior do que um idiota, um idiota com ambição e iniciativa… Haja saco ter de aguentar este país de merrecas.

  7. Isso é simples de resolver: se não querem que os bispos falem mal dos planos do governo simplesmente FAÇAM PLANOS BONS.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome