Bolsonaro quis alterar a bula da cloroquina, revela Mandetta

Segundo o ex-ministro da Saúde, o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, também estava no encontro, mas discordou da iniciativa

Jornal GGN – Em entrevista à GloboNews na quarta (20), o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta revelou que presenciou um encontro de Jair Bolsonaro com dois médicos assessores do presidente, em que a pauta em discussão era um esboço de decreto para alterar a bula da cloroquina e inserir a informação “indicado para covid-19”.

“E eu me lembro de quando, no final de um dia de reunião de conselho ministerial, me pediram para entrar numa sala e estavam lá um médico anestesista e uma médica imunologista, que estavam com a redação de um provável ou futuro, ou alguma coisa do gênero, um decreto presidencial. E a ideia que eles tinham era de alterar a bula do medicamento na Anvisa, colocando na bula indicação para covid-19”, afirmou Mandetta, ao canal.

Segundo o ex-ministro da Saúde, o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, também estava no encontro, mas discordou da iniciativa.

Não há estudos científicos comprovando que a cloroquina tem efeitos benéficos contra o coronavírus. Ao contrário disso, especialistas chamam atenção para possíveis efeitos colaterais que podem ser fatais, como arritmia.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Moraes foi o primeiro a tomar atitude efetiva contra projeto autoritário de Bolsonaro, diz Marcos Nobre

7 comentários

  1. Temos um senhor na presidência que tenta alterar bula de remédio.
    Não é possível de tenhamos chegado tão baixo!
    Que desgraça!
    Definitivamente ele não tem auxiliares e aliados, ele tem cúmplices. Cúmplices nojentos. Tá cheio deles no palácio.

    • pior é que, pelo andar da reação institucional e dos processos, eles vão poder contar com muito tempo para fazer coisas muito piores, tipo separar os que não terão direito ao tratamento por nunca terem contribuído para o INSS……………………….
      triagem já deve estar pedindo o CPF para conferir

  2. E assim vamos abrindo a cabeça de um genocida…
    se vivo fosse, este crime hediondo de se alterar a bula de um remédio estaria causando muita inveja em Hitler

    até quando, TSE!? Até Bolsonaro conseguir matar os 30 mil brasileiros, conforme prometido em campanha?

  3. E assim vamos abrindo a cabeça de um genocida…
    se vivo fosse, este crime hediondo de se alterar a bula de um remédio estaria causando muita inveja em Hitler

    até quando, TSE!? Até Bolsonaro conseguir matar os 30 mil brasileiros, conforme prometido em campanha?

  4. Porra, o canalha quer mesmo desovar o produto e para isso qualquer bandalha está sendo válida.
    Até quando este sujeito, que trafega na contramão da ética e da responsabilidade, continuará à frente do país?
    Este insano conseguiu inverter até a lógica do filme “O Medico e o Monstro”. No caso de Bozo, o monstro é que virá médico.

  5. Mandetta, porque você não denunciou o Bolsonaro tempestivamente?

    Porque só agora você o denuncia?
    Antes, tal tentativa não tinha gravidade?

  6. Nassif: essa tô te contando em off. Não espalhe, agora que tão pra oficializar a DemocraciaDaBaioneta e o treco pode feder pro meu lado, com risco de ser hóspede no “PalaceteDePretrópolis” ou ser convidado ao DOI-CODE. Há antecedentes. Disseram que na tal Bula Bananinha ia mandar grafar em vermelho um trecho dizendo “se o paciente chegar a óbito a culpa pode ser judicialmente reclamada dos Kummunistas e Esquerdopatas”. Mas acho que é fake. Porém, tratando-se do Planalto e da Caserna até o “DeusPecar” fica possível, com o aval de CaifasDoBras e do ProfetaMaldito. Portanto, essa do ÍndioVice não é novidade. Bem antes da Campanha (até mesmo antes daquela teatral facada) essa alternativa já havia esgotado o debate na banda verde da Bala, que tem sempre razão.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome