Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

– Uilsso memo, Jarirí. Us nuóssus inimigus, qui, na vérdadi, são inimigus da vida, istão prontinhus pá nus matá, enrolados feito cascavé na moita, ispéranu a jienti passá pérto. Maisi nósis sabemo iscuitá u guizo déissa cóbra i vamu cunsiguí iscapá dus dentes venenósos déila. Uma das mió cousa da vida ié sabê cajienti tá du ladu cértu da História, nósis num somos partidários da morte, somos partidários da vida, só éila nos anima i nos dá alento pá nuóssas dores pá qui a jienti continue lutando, sem esmorecê.

– Cuntinua falanu, mestre. Cumu sempre, tá muito bão iscuitá ucê falá.

Ieu cuntinuo sim, Catarina. Cuando ieu ólho pá éissa impressionante natureza qui nos cerca, ieu penso in defendê-la. Ieu fico pensanu nas arvurizinhas, nas arvinhas, nas prantinha, nas fulôrizinhas, nos bichim, nos animar, na térra, nas água, i vejo, entoncis, qui éissa harmonia i equilíbrio tá envianu um recado pá nóis. Ieu pégo u recado qui tumém mi diz pá pensá nas péssoa óprimidas qui nécéssitam da nuóssa ajuda. Éissas péssoas tumém nécessitam di harmonia e equilíbrio pá acabá cum o sofrimento ocasionados pelus póderosus, qui góstam di safrificá o povo mais simples, qui são justamente aquelis qui maisi pricisam da nuóssa atenção.

– Entoncis vamu cuntinuá fazenu u qui a jienti tá fazenu, mestre. Vamu tirá a mascará di ferro deisse puóvo qui ucê falô, vamu fazer eiles inxérgarem a réalidade, qui num é nada boa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora