Censura e intimidação: Damares denuncia revista que divulga dados públicos sobre aborto

Em nota, Abraji repudiou perseguição a repórteres e pediu para que Ministério Público não dê andamento à denúncia

Da CartaCapital

Damares denuncia jornalistas por matéria sobre aborto e gera ataques

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) repudiou ataques a jornalistas da revista AzMina, por uma reportagem sobre os procedimentos para a realização de aborto legal no Brasil e no mundo. A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, acusou a publicação de “apologia ao crime”.

Em reportagem de 18 de setembro, o veículo publicou recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a realização de aborto seguro. Em 19 de setembro, Damares afirmou, em sua rede social, que as jornalistas incentivam práticas criminosas e afirmou que encaminhou denúncia.

“Uma apologia ao crime e que pode colocar tantas meninas e mulheres em risco. Já demos encaminhamento à denúncia. Vamos acompanhar”, escreveu.

Segundo a Abraji, desde então, as jornalistas sofrem uma onda de ataques em redes sociais por pessoas contrárias ao aborto. A redação da revista sofre assédio digital com peças de desinformação e recebe acusações de que “ensina a abortar”. Damares teria encaminhado o caso ao Ministério Público Federal, diz a associação.

Alguns perfis, de acordo com a associação, disseminam a imagem e o perfil da repórter que assina o texto, com comentários sobre sua vida privada e ofensas. Em nota, a Abraji declarou solidariedade às jornalistas e pede que o Ministério Público não avance com a denúncia encaminhada por Damares.

Leia também:  Sociedade Brasileira de Cardiologia é contra cloroquina no tratamento de coronavírus

“A Abraji se solidariza com todas as jornalistas da AzMina e repudia o assédio digital de que são vítimas. A associação apela ainda aos Ministérios Públicos Federal e paulista que não deem seguimento a eventuais representações criminais contra as profissionais e a revista, em cumprimento a seu papel de salvaguardar a liberdade de expressão”, escreveu a associação.

 

O GGN prepara uma série inédita de vídeos sobre a interferência dos Estados Unidos na Lava Jato e a indústria do compliance. Quer apoiar o projeto? Saiba como em www.catarse.me/LavaJatoLadoB

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Por que a ministrinha de merda não encaminha a denunciazinha dela contra a OMS, de quem Azmina reproduziu a reportagem?

    Por que o MP não encaminha a denúncia a OMS em nome da Damares?

    Bater em cachorro pequeno e magro é muito fácil, mas é também uma covardia, e covardia é contra os mais fracos tem sido a tônica do conjunto desse governo e seus apoiadores, queremos ver eles pegarem cachorro grande.

  2. “Os cães ladram e a caravana passa” diz o dito popular. Então, que a sabedoria popular seja sempre a resposta para os destemperos e desequilíbrio, as mentes e aos comportamentos humanos debilidados.

  3. Tinha que ser da Damares…
    os mal-informados informam que vão denunciar toda e qualquer boa informação

    no popular: saúde da mulher que não venha da bíblia será tratada como doença

    • E desde quando a biblia professada por este bando de hipócritas mostra alguma preocupação com a saúde de alguem que nao seja de seus “pastores”, “bispos”, “apóstolos”ou outros farsantes assemelhados?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome