Há mais armas com cidadãos e CACs do que nas mãos do Exército e das polícias

Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2022 mostra crescimento de 473% na certificação de armas para CACs

Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2022 revelam que há mais armas nas mãos de cidadãos e CACs (caçador, atirador e colecionador) do que em posse das polícias e militares das Forças Armadas.

Segundo o levantamento, o Brasil tem hoje 4,4 milhões de armas em estoques particulares, sendo que 2,8 milhões delas estão registradas no Sigma ou Sinarm, mas o restante – 1,5 milhão – está em situação irregular (registro expirado). Ou seja, 1 a cada 3 armas registradas está irregular.

NOVO DOCUMENTÁRIO DO GGN INVESTIGA A ULTRADIREITA E A AMEAÇA ELEITORAL. SAIBA DETALHES E APOIE O PROJETO CLICANDO AQUI

O Sigma é o sistema do Exército brasileiro, que deveria controlar as armas dos CACs e das polícias (militares, bombeiros, civis, Marinha, Força Aérea, Abin, etc).

Já o Sinarm é da Polícia Federal, que regula as armas em posse de cidadão, serviços de segurança privada, servidores públicos, fabricantes, revendedores e outras categorias.

Os quadros abaixo mostram que os cidadãos brasileiros e os CACs – um nicho que se aproveitou das flexibilização das armas no governo Bolsonaro – estão mais armados do que as forças de repressão do Estado.

O anuário também registrou a disparada sem precedentes no número de certificados emitidos para caçadores, atiradores e colecionadores nos últimos anos, desde a eleição de Jair Bolsonaro. A alta foi de 473% entre 2018 e 2022.

A quantidade de munição comercializada no mercado nacional em 2021 ultrapassou os 393,4 milhões de cartuchos, um aumento de 131,1% em relação a 2017.

Bolsonaro já defendeu explicitamente o armamento da população para fins políticos. Segundo suas palavras, povo armado não é povo escravizado. Para ele, os cidadãos podem resistir a golpes de Estado se estiverem armados.

Às voltas com crise econômica e escândalos de corrupção, e ameaçado pelo favoritismo de Lula, Bolsonaro tem incitado o ódio e a revolta de seus apoiadores contra o Supremo Tribunal Federal e o Tribunal Superior Eleitoral, na esteira dos ataques que desfere ao processo eleitoral via urnas eletrônicas.

Em artigos no GGN, o jornalista Luis Nassif já alertou para o armamento da população como uma das etapas preparatórias de Bolsonaro para uma tentativa de golpe nas eleições de 2022.

Leia: Xadrez do golpe de Bolsonaro em andamento, por Luis Nassif

Recomendado:

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador