Defesa de Lulinha pede que Justiça retire inquérito da Lava Jato-Curitiba

A Lava Jato não só não tem nada que vincule o grupo Gamecorp à Petrobras, como investiga os mesmos fatos pela segunda vez

Jornal GGN – A defesa de Fábio Luis, o Lulinha, filho mais velho do ex-presidente Lula, solicitou ao TRF-4 que o inquérito que baseou a operação Mapa da Mina, deflagrada no dia 10 de dezembro, seja suspensa e retirada das mãos da Lava Jato em Curitiba.

Conforme o GGN antecipou, a força-tarefa do Ministério Público Federal no Paraná não apresentou nenhuma prova que vincule a investigação dos negócios do Grupo Gamecorp (de Lulinha e sócios) com a Oi com a corrupção na Petrobras.

No pedido ao TRF-4, a defesa argumenta que a Lava Jato em Curitiba tem competência jurídica para investigar apenas os casos que envolvem a estatal de petróleo.

“A competência da 13ª Vara Federal de Curitiba está restrita a ilícitos envolvendo a Petrobras, ao passo que a 69ª Fase da Lava Jato, à toda evidência, investiga supostos ilícitos envolvendo o setor de telecomunicações, sem nenhuma relação com óleo e gás”, diz a defesa.

Para deflagrar a operação contra Lulinha, a Lava Jato vende na mídia a narrativa, sem provas, de que o sítio de Atibaia pode ter sido comprado com recursos que a família Suassuna recebeu sendo sócia do Grupo Gamecorp.

E que os repasses da Oi para o grupo Gamecorp hipoteticamente teriam relação com decisões tomadas por Lula durante sua passagem pela presidência.

Ocorre que essa narrativa que envolve Lula já foi investigada em São Paulo e Brasília. Por falta de provas, a Justiça mandou arquivar, a pedido do próprio Ministério Público, os dois inquéritos (civil e criminal), em 2012.

Leia também:  Coronavírus: empresário que desdenhou da morte de “5 ou 7 mil” foi madeireiro na Amazônia

A Lava Jato não só não tem nada que vincule o grupo Gamecorp à Petrobras, como investiga os mesmos fatos pela segunda vez, o que também é uma violação legal.

A defesa, feita pelos advogados, Fábio Tofic Simantob e Mariana Ortiz, pede liminar ao TRF-4 para suspender os efeitos da busca e apreensão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome