Deltan usou Twitter para criticar Toffoli e insinuar conivência com corrupção

Procurador insinuou, diversas vezes, que políticos como Dirceu, Mantega e até Maluf ficam "impunes" graças às cortesias do ministro do STF, que não teria rigor compatível com a Lava Jato

Jornal GGN – Além de incentivar e tentar obter informações sobre investigações abertas com a intenção de atingir o ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli, o procurador Deltan Dallagnol, da Lava Jato em Curitiba, também adquiriu o hábito de usar o Twitter para atacar publicamente o magistrado e insinuar que ele é conivente com corrupção e se comporta como um obstáculo à punição rigorosa de políticos como José Dirceu, Guido Mantega e até Paulo Maluf.

Até as decisões de Toffoli que não têm relação direta com a Lava Jato eram expostas e duramente criticadas por Deltan diante de seus milhares de seguidores.

Quando o ministro manteve, por exemplo, a votação da eleição para o Senado em sigilo, Deltan tuitou: “Decisão de Toffoli favorece Renan [Calheiros, que estava com dificuldade de obter apoio para concorrer contra Davi Alcolumbre, que acabou vencendo], o q dificulta a aprovação de leis contra a corrupção, pois a presidência do Senado decide pauta (o que e quando será votado). Diferentemente d juízes em tribunais, senadores são eleitos e têm dever de prestar contas. Sociedade tem direito de saber.”

Quando Toffoli, em outro processo, manteve preso um réu que furtou uma bermuda de R$ 10,00, Deltan logo fez paralelo com José Dirceu, que “desviou milhões e também tem mais de uma condenação em seu histórico, [mas] foi solto pelo mesmo Ministro, que foi subordinado ao réu na Casa Civil.”

Dirceu é citado em várias mensagens contra Toffoli, sempre colocando sob suspeição o ministro por ter atuação em governos petistas.

Leia também:  General volta à carga contra julgamento de prisão em segunda instância

Para Deltan, Toffoli também merecia ser culpado por “sepultar” a Lava Jato, votando a favor de que os processos envolvendo caixa 2 fossem julgados pela Justiça Eleitoral, e não pela Justiça comum.

“Decisão de Toffoli pode sepultar Lava Jato. ‘Mecanismo’ = loteamento de cargos p/ arrecadar propinas p/ enriquecer e financiar campanhas. Se a corrupção conjugada c/ caixa 2 eleitoral deve ser julgada pela Justiça Eleitoral, Lava Jato toda pode ser anulada”, escreve o procurador.

O coordenador da Lava Jato divulgou em sua conta uma série de artigos assinados pelo jornalista Josias de Souza, que igualmente criticam as decisões de Toffoli. Um deles fala sobre a “impunidade de [Guido] Mantega”. “Em 10 tópicos, Josias esmiúça como decisão do Ministro e sua demora em autorizar o prosseguimento da ação penal impedem o julgamento de Mantega por corrupção”, denunciou Deltan.

O procurador faz questão de usar uma linguagem que coloca em xeque a conduta dos ministros do Supremo, usando verbos como “salvar”, “livrar” para se referir a decisões tomadas sobre políticos.

“Hoje, contra o Min. Fachin, relator dos casos, os Min. Toffoli e Gilmar soltaram Adriana Anselmo, salvaram Beto Richa de investigação e livraram de se tornarem réus o senador Benedito de Lira e os deputados Arthur Lira, Eduardo da Fonte e José Guimarães”, denunciou Deltan em outra mensagem.

Na guerra contra o foro privilegiado, Deltan também ensinou a seus seguidores que eles não devem depositar a esperança no Judiciário ou na classe política. “55 mil pessoas têm foro privilegiado no país. Com o pedido de vista do Ministro Toffoli, talvez o caminho mais curto para acabar com o foro na #LavaJato esteja nas suas mãos: não reeleja aqueles contra quem pesam provas de corrupção e influencie outros a fazer o mesmo. #ForaForo”

Leia também:  Oposição denuncia Brasil na ONU por torturas no Pará às vésperas da eleição do Conselho de Direitos Humanos

Em outro tuíte, Deltan reforçou que Gilmar Mendes teria sido alvo de impeachment porque prometeu “interceder a favor” de um investigado junto a Toffoli, que era relator do inquérito.

Na via oposta, Deltan tece elogios a Luiz Roberto Barroso, um dos ministros do STF mais alinhado publicamente com a Lava Jato. “Enquanto o Ministro Dias Toffoli manobra para impor sua visão individual sobre os 11 ministros por meio de um pedido de vista, o Ministro Barrosos elegantemente responde que não é bem assim que as coisas funcionam.”

No episódio envolvendo Maluf, Deltan escreveu: “Como disse ANTES de o Min. Toffoli mandar Maluf p/ casa, temos uma justiça lenta que promete, mas não entrega. É a Justiça que estaremos condenados a ter por muito tempo se o STF proibir a prisão depois da 2ª instância.”

Leia mais mensagens aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. Uma justiça rapida sr deltan poderia complicar uma certa familia de grileiros que há décadas vem se envolvendo em negociatas com terras nas regiões N e NE.
    Torça pra justiça continuar lentinha chefe..

  2. Quem esse moço acha que é para se meter assim em política? Enviado de Deus? O próprio Deus? O que esse está fazendo que se mantém no cargo? Quem será que está dificultando sua expulsão do MPF? E porque estão fazendo isso? Não se trata só de medidas administrativas mas esse criminoso precisa ir para a cadeia, exemplarmente.

    Bom… é óbvio que o MPF não vai expulsar alguém que, como vingança, pode denunciar outros procuradores, além de juízes, maçons, fazendeiros, policiais e delegados. Já pensou se Dallagnol abre seu sigilo telefônico? Quem mais, além de Toffoli, estava na mira de Dallagnol e Moro? Teori Zavaski, por exemplo? E os outros juízes das três instâncias, quem mais é cúmplice de Dallagnol? Qual o tamanho desse buraco? As pessoas precisam saber a realidade de como o bonde anda.

    E outra: que negócio é esse de que juiz não tem que prestar contas à sociedade? Assim ele está entregando procedimento criminoso, por exemplo, de Sérgio Moro. O que permite manter Moro no crime é que no nosso ordenamento jurídico juiz não é cargo eletivo… se bem que Moro não é mais juiz.

    • Respostas esclarecedoras:
      1-Sim, o deltan em gotas é o enviado do senhor, aliás, o próprio senhor, tem procuração pública, passada em cartório do céu.
      2-O que deltan está fazendo para se manter no cargo?
      R- Oração, jejum e safadeza.
      3-Quem está dificultando o chute no rabo que ele merece?
      R- A fé.
      4-Por que estão fazendo isso?
      R- Porque está todo mundo de rabo preso e com muito medo da língua de gravata do procurador remédio.

  3. O pangaré da Tijuca disse que vai surpreender a todos com a nomeação do novo PGR. A mim não surpreende nada se o nomeado for este criminoso. Currículo para isso ele tem e vai aumentando o seu cacife a cada dia que surgem novos vazamentos, pois este e o critério para nomeação dos seus ministros e ocupantes de altos cargos neste governo.

    Se a doginha e os demais ocupantes da lista tríplice quiserem ter alguma chance, tem cassar o Dallangnol o mais rápido possível.

  4. Esses comentários são públicos. E eles são brancos, não são ? Que se entendam ! Mas o que esse “bobinho” fez, na calada da noite, e do dia, e do lusco-fusco, ele tem que se entender é conosco, brancos, pretos, pardos, verdes, azuis… . Nada de violência, tudo na forma da Lei. Tipo assim, supondo que tivesse havido provas de que Lula cometeu os crimes a ele atribuídos e recebeu pena de 12 anos, 120 anos estaria de bom tamanho para o “procurador” pop star. Tem mais, com todo o direito de questionar as provas do Intercept, é só entregar o celular. Não sou juíz mas o que sugiro não está razoável ?

  5. Criticando foro privilegiado de juízes quando o MP e MPF tá no mesmo balaio. Sendo q a situação do MP e MPF é mais periclitante, pois se utilizam do cargo para perseguir desafetos com investigações clandestinas e abertura ou não de inquérito quando lhes convém.

  6. O nosso querido DDallagnol parecia ter como meta a liderança do clã familiar, e quase conseguiu.
    Tios e parentes diversos foram, ou ainda são proprietários de vasta área em MT, além de larga experiência em desmatamento, loteamentos ilegais e sabe-se lá o que mais. Desta maneira, em círculos, o clã conseguiu indenizações impressionantes junto ao Incra, algo que nunca foi incomum naquela autarquia.
    E deltanzinho resolveu que iria colocar toda a parentada no bolso, daí o esforço certamente significativo para ficar, numa forma de convênio prá ingles ver, com a administração daqueles R$ 2,5 bilhões, operação que renderia 6% aa, ou seja, R$ 150 milhões nos primeiros doze meses. Menino experto, este deltanzinho.
    Uma pergunta que o menino experto não irá responder – quantas empresas no país chegam ao final do exercício de 12 meses com lucro igual ou superior a R$ 150 milhões?
    Diante deste descalabro, não seria injusto classificar deltanzinho como criminoso de altíssima periculosidade, persona que foi capaz, com toga e tudo o mais, de ser bem mais danoso ao país que quaisquer daqueles que foram punidos pela gangue da vazajato.
    E aqueles inocentes úteis que discutiam, defendiam aquela operação fajuta com unhas e dentes, cadê a turma de crédulos ( prefiro chamá-los de burros) que tinha adoração pelo juiz tosco como ele só, marginal até debaixo dágua?
    Por muito menos, qualquer mortal já estaria preso pelos próximos 30 anos, mas o Judiciário, ah!! o Judiciário.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome