“Descoberta promissora”: Vacina de Oxford apresenta dupla defesa contra o coronavírus

A descoberta é promissora porque estudos sugeriram que os anticorpos podem desaparecer dentro de meses, enquanto as células T podem circular por anos

Sarah Gilbert, de Oxford. Crédito da Foto: John Lawrence

The Telegraph

Os cientistas de Oxford acreditam que fizeram um grande avanço em sua busca pela vacina contra Covid-19 depois de descobrirem que o imunizante em desenvolvimento desencadeia uma resposta que pode oferecer uma “dupla defesa” contra o vírus.

Os ensaios humanos da Fase I da vacina de Oxford, líder mundial, mostraram que ela gera uma resposta imune contra a doença, descobriu o The Telegraph.

Amostras de sangue colhidas de um grupo de voluntários do Reino Unido que receberam uma dose da vacina mostraram que ela estimulava o organismo a produzir anticorpos e “células T assassinas”, disse uma fonte sênior.

A descoberta é promissora porque estudos separados sugeriram que os anticorpos podem desaparecer dentro de meses, enquanto as células T podem permanecer em circulação por anos.

No entanto, a fonte alertou que os resultados, embora “extremamente promissores”, ainda não provaram que a vacina de Oxford fornece imunidade duradoura contra o Covid-19.

“Posso dizer que agora sabemos que a vacina de Oxford cobre as duas bases – produz uma célula T e uma resposta de anticorpos”, disse a fonte sênior ao The Telegraph. “É a combinação desses dois que esperançosamente manterá as pessoas seguras.

“Até agora, tudo bem. É um momento importante. Mas ainda temos um longo caminho a percorrer.”

Outra fonte próxima à equipe descreveu a presença de anticorpos e células T como uma “dupla defesa” contra o Covid-19.

As descobertas completas serão publicadas na revista médica Lancet em 20 de julho, confirmada na quarta-feira à noite.

Leia também:  Escolas particulares retornam as aulas, sob apreensões

As descobertas são baseadas nos resultados iniciais de um ensaio clínico de Fase I, iniciado em Oxford em abril, quando doses da vacina foram administradas a 500 voluntários.

Um grande estudo está em andamento, envolvendo 5.000 voluntários, no Brasil atingido por vírus para provar que a vacina é eficaz, enquanto a farmacêutica AstraZeneca assinou um acordo para produzir até dois bilhões de doses.

Se tudo correr bem, os pesquisadores esperam que a vacina esteja pronta já em outubro.

Falando no programa Peston da ITV na noite de quarta-feira, Matt Hancock, secretário de Saúde, disse que o melhor cenário é que a vacina esteja disponível este ano, mas acrescentou que “provavelmente” estará pronta em 2021.

Brasil faz uso desigual das tecnologias sociais em saúde na pandemia, diz presidente da Fiocruz

 

A descoberta de células T provavelmente será importante porque os cientistas acreditam cada vez mais que qualquer vacina bem-sucedida precisará desencadear a produção de anticorpos e células T, que atacam diretamente células humanas que já foram infectadas por vírus.

No início deste ano, uma vacina semelhante contra Mers, inventada pela mesma equipe de Oxford, provocou altos níveis de células T, mas apenas desencadeou anticorpos neutralizantes em 44% dos voluntários.

Se a vacina Covid-19 puder ser comprovada em outros ensaios para provocar uma resposta igualmente forte das células T, a equipe espera que não seja necessário disparar altos níveis de anticorpos para fornecer proteção significativa.

Leia também:  Covid-19 terá duração prolongada, diz Comitê da OMS

Vários outros candidatos a vacina em todo o mundo também produziram respostas de células T, mas apenas em estudos de menor escala. Outros, incluindo um grande projeto na China, provavelmente não produzirão células T quando testados em seres humanos.

Nesta semana, a empresa americana de biotecnologia Moderna publicou dados de um estudo de fase I envolvendo 45 pessoas, mostrando que sua vacina contra o RNA desencadeou anticorpos neutralizantes e células T.

As descobertas ocorrem em meio à crescente melancolia sobre a longevidade dos anticorpos Covid-19. No início desta semana, um estudo do Kings College descobriu que as pessoas que se recuperavam do Covid-19 pareciam perder seus anticorpos em poucos meses.

Mas em um estudo publicado na revista Nature na quinta-feira, os pesquisadores descobriram que as células T do surto de Sars duravam 17 anos.

Os cientistas da Duke University, em Cingapura, descobriram que as células T ainda circulavam em quantidades potentes de pacientes infectados em 2003.

Não se sabe ao certo se o mesmo será verdadeiro para o Covid-19 e se as células T protegerão contra a reinfecção, mas, falando ao The Telegraph, o principal pesquisador descreveu a descoberta como “potencialmente muito significativa para uma vacina”.

Os pesquisadores também descobriram níveis “notáveis” de células T capazes de se prender ao vírus Covid-19 em pessoas que nunca foram infectadas com a doença.

Eles acreditam que estes podem ter sido desencadeados pelo resfriado comum e outros coronavírus animais – originários principalmente de morcegos – e que as células ativadas também podem oferecer proteção contra o novo vírus.

O professor Antonio Bertoletti, que liderou a pesquisa em Cingapura, disse que isso pode explicar por que tão poucos pacientes em Cingapura e no sudeste da Ásia tiveram infecções realmente graves.

Leia também:  Memória: mutuários, o primeiro movimento civil contra a ditadura

Ele disse que, embora essas células T sejam mais comuns na Ásia, elas estarão presentes em todo o mundo. Isso sugere que uma proporção significativa de todas as populações terá um grau de imunidade natural ao Covid-19.

Os ensaios clínicos da vacina de Oxford, marcando a Fase III no Reino Unido e envolvendo mais de 8.000 participantes, estão agora quase completos.

O foco agora mudou-se para o Brasil e a África do Sul, onde a doença é mais prevalente, e os cientistas esperam reunir casos suficientes em cerca de um mês.

Recomendado:

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome