“É uma defesa de todos”, diz Toffoli sobre suspender investigação contra Flávio Bolsonaro

O ministro ainda sugeriu que fazer investigação sem autorização do Judiciário é o mesmo que fazer "investigação de gaveta", "prêt-à-porter", para usar segundo as "conveniências"

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, disse em entrevista à Folha, nesta quinta (18), que suspender a investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro contra Flávio Bolsonaro é uma “defesa de todos os cidadãos” e que somente fascistas não gostam de se submeter às decisões e controle do Judiciário.

A fala de Toffoli denota que a investigação contra o filho de Jair Bolsonaro é, de alguma maneira, questionável, pois conta com dados de órgão de controle, o Coaf, sem autorização prévia. “Nenhuma investigação está proibida desde que haja prévia autorização da Justiça”, disse.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Segundo Toffoli, suspender a investigação é “uma defesa de todos os cidadãos, pessoas jurídicas e instituições contra a possibilidade de dominarem o Estado e, assim, atingirem as pessoas sem as garantias constitucionais de respeito aos direitos fundamentais e da competência do Poder Judiciário.”

“Só não quer o controle do Judiciário quem quer Estado fascista e policialesco, que escolhe suas vítimas. Ao invés de Justiça, querem vingança”, acrescentou.

O ministro ainda sugeriu que fazer investigação sem autorização do Judiciário é o mesmo que fazer “investigação de gaveta”, “prêt-à-porter”, para usar segundo as “conveniências”.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Para entender a armação da Receita em cima de Gilmar e Toffoli, por Luis Nassif

4 comentários

  1. “Só não quer o controle do Judiciário quem quer Estado fascista e policialesco, que escolhe suas vítimas. Ao invés de Justiça, querem vingança” – Toffoli.

    Nassif: por quêm estraria falando o “boneco de ventríloco”? Quem lhe sopra aos ouvidos tamanha sapiência? Pois, pessoalmente, sua intelectualidade parece não alcançar tamanha altura. Como prova sua postura frente ao SapoBarbudo, no exemplo sórdido da criatura virar-se covardemente contra seu criador, só porque uns VerdeSauvas lhe mandaram.

  2. Quem está por trás de toffoli? Seu mentor gilmal mendes… aquele que impediu Lula de ser ministro de Dilma… quem, segundo Dalmo Dallari, “Se essa indicação vier a ser aprovada pelo Senado, não há exagero em afirmar que estarão correndo sério risco a proteção dos direitos no Brasil, o combate à corrupção e a própria normalidade constitucional”… legado do famigerado FHC, responsável maior por toda essa bagunça por que passa nosso país!!Conferir em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0805200209.htm e
    https://www.brasil247.com/geral/dalmo-dallari-sobre-gilmar-mendes-eu-nao-avisei-c7uswrrl?amp

  3. Prezado ministro me desculpe, mas o cidadão comum, se honesto, não movimenta, milhões em contas, seja no Brasil e/ou exterior, sem comprovar a origem.
    Para isso existe o Coaf.
    Se um sujeito possuí receita anual de R$1,00 resultante de todas suas operacoes financeiras, mas movimenta R$1,10 no ano precisa comprovar a origem da diferença, pois aí existe potencial de dolo, seja corrupção, tráfico de drogas, de armas, etc…

  4. Ouvidos moucos?
    Cataratas avançadas?
    Tá mais para, vendidos da hora!
    Foi conduzido ao cargo “supremo” da justiça, para legislar para a conspiração montada, no assalto ao nosso país.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome