Em governo sem corrupção, casos suspeitos cercam Bolsonaro

Discurso cai em contradição diante dos casos envolvendo Flávio Bolsonaro, a primeira-dama Michelle Bolsonaro e o vice-líder do governo no Senado

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – A imagem anticorrupção que ajudou Jair Bolsonaro a se eleger está cada vez mais arranhada, principalmente após o escândalo envolvendo o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), preso em flagrante com dinheiro na cueca.

Bolsonaro chegou a declarar em entrevista que daria uma “voadora” em quem praticasse atos ilegais, ao mesmo tempo em que enfatizou o fim da Operação Lava-Jato – com a repercussão de tal pronunciamento, o presidente chegou a declarar que a imprensa não entende figuras de linguagem.

Após o caso de Rodrigues, Bolsonaro destituiu o parlamentar da vice-liderança do governo no Senado Federal, enfatizando que ele não mais integra o governo. Contudo, reportagem do jornal Correio Braziliense explica que a proximidade entre os dois era evidente, principalmente pelo fato de o senador empregar como assessor em seu gabinete, desde abril de 2019, Leonardo Rodrigues de Jesus, o Léo Índio, primo de filhos do presidente. Ele pediu exoneração do cargo após o caso.

O caso do senador é mais um envolvendo pessoas do entorno presidencial: dentre aqueles envolvidos em casos semelhantes estão Fabrício Queiroz (assessor de Flávio Bolsonaro enquanto ele era deputado estadual no Rio de Janeiro), a primeira-dama Michelle Bolsonaro (que teria recebido depósitos de Queiroz e sua esposa, Márcia Aguiar), e o próprio Flávio Bolsonaro, investigado por suspeita de rachadinha em parceria com Queiroz na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

O próprio presidente é alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal, por eventual tentativa de interferir na Polícia Federal. A Corte está avaliando se o depoimento será feito presencialmente ou por escrito.

Leia também:  Crítica de apoiadores levou Bolsonaro a recuar na compra de vacinas

 

 

Leia Também
Por elogiar Ustra, Mourão é alvo de queixa-crime no STF
Livro expõe revolta de Mandetta contra os Bolsonaro
Salvador é a capital brasileira que mais rejeita Bolsonaro, aponta Ibope
Bolsonaro publica vídeo com médica e coloca cloroquina na pauta das eleições municipais

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Nassif: o Cavalão num tá mentindo. É que os Kummunistas não conseguem entender. Realmente, acabou a corrupção. Os Ômes agora fazem parte do CrimeOrganizado. Têm até “Constituição”. E, nada discretos, já nem sabem onde guardar tanta grana. Alguns, até no Forevis…

  2. Ele tá certíssimo.
    Não há corrupção no governo, pois o governo é a própria corrupção e sim, há governo na corrupção, não é algo desorganizado, desgovernado, é uma corrupção com método, cuja inspiração vem da famosa escola de Rio das Pedras.

  3. Por “governo sem corrupção”, titulo idiota alias, leia-se, governo com a condescendencia da midia quadrilheira e ssasina, por que para essa escumalha é assim, com governos inimigos inventa-se, para governos amigos esconde-se as mutretas e safadezas, em troca do sangue e sofrimento do povo brasileiro…..

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome